Mais qua­li­da­de de vi­da

Di­cas de co­mo tor­nar a vi­da mais le­ve com a ade­são de há­bi­tos sau­dá­veis

Glicimia, Colesterol, Triglicerides - - News -

QUAN­DO O DIAGNÓSTICO DE PARKINSON É APRE­SEN­TA­DO, O PA­CI­EN­TE PO­DE TER DI­FI­CUL­DA­DES EM ACEITAR A SUA NO­VA CON­DI­ÇÃO. En­tre­tan­to, com o apoio psi­co­ló­gi­co ade­qua­do (co­mo men­ci­o­na­do na ma­té­ria da pá­gi­na 20) e a ade­são de há­bi­tos sim­ples, é pos­sí­vel tur­bi­nar a ro­ti­na e ga­nhar qua­li­da­de de vi­da. “Cé­re­bros mais sau­dá­veis es­tão na­tu­ral­men­te mais pro­te­gi­dos, ten­do uma evo­lu­ção mais len­ta e sintomas gra­ves mais tar­di­os. Por is­so, cui­dar do cé­re­bro no de­cor­rer da vi­da é uma sá­bia con­du­ta pro­te­ti­va; man­ter-se sem­pre ati­vo in­te­lec­tu­al­men­te, evi­tar e tra­tar do­en­ças que le­sam o cé­re­bro ou seus va­sos (co­mo hi­per­ten­são, di­a­be­tes, co­les­te­rol al­to, obe­si­da­de, trau­mas cra­ni­a­nos, al­co­o­lis­mo e ta­ba­gis­mo), aca­ba por evi­tar che­gar na ter­cei­ra ida­de com o cé­re­bro “mi­na­do” por pa­to­lo­gi­as clí­ni­cas e com uma ca­pa­ci­da­de cog­ni­ti­va li­mí­tro­fe pa­ra

“Ca­da um de­ve­pr ati­ca­ra ati­vi­da­de de sua pre­fe­rên­cia,r es­pei­tan­do sem­pre os li­mi­tes­do seu cor­po. En­tre­tan­to, na­da im­pe­de que uma pes­soa de 70anos pra­ti­que al­pi­nis­mo se su­as con­di­ções­fí­si­cas es­ti­ve­rem ade­qua­das, mes­mo com aper­da­de for­ça mus­cu­lar du­ran­te avi­da”, Mar­cos Pau­lo Ros­ma­ni­nho, per­so­nal trai­ner

en­fren­tar uma pos­sí­vel de­te­ri­o­ra­ção”, de­ta­lha o neu­ro­lo­gis­ta Le­an­dro Te­les. Pa­ra que o Parkinson não afe­te di­re­ta­men­te a vi­da do pa­ci­en­te, é ne­ces­sá­rio cui­dar pa­ra que ati­vi­da­des sau­dá­veis pas­sem a in­te­grar seu dia a dia. Con­fi­ra al­gu­mas de­las a se­guir:

CAMINHE MAIS

Em­bo­ra a lo­co­mo­ção pos­sa ser uma das áre­as afe­ta­das pe­la do­en­ça, o im­por­tan­te é não dei­xar de exer­ci­tá-la, já que é uma ati­vi­da­de com­ple­ta e fun­ci­o­nal pa­ra a saú­de. “A ca­mi­nha­da é o exer­cí­cio fí­si­co mais aces­sí­vel do mun­do, já que, pa­ra pra­ti­cá-la, não há res­tri­ção de ida­de, con­di­ci­o­na­men­to fí­si­co ou pe­so cor­po­ral. Ela ain­da é uma das ati­vi­da­des mais efi­ci­en­tes e de­mo­crá­ti­cas de se­rem exe­cu­ta­das, pois são ne­ces­sá­ri­os ape­nas bons tê­nis”, fri­za o per­so­nal trai­ner Fu­ad Cury.

Além de for­ta­le­cer a mus­cu­la­tu­ra, e au­men­tar a fle­xi­bi­li­da­de, ca­mi­nhar ain­da co­la­bo­ra pa­ra a per­da dos qui­li­nhos ex­tras e traz um ga­nho pro­gres­si­vo de bem-es­tar.

ALI­MEN­TA­ÇÃO NA­TU­RAL

O con­su­mo de ali­men­tos pro­ces­sa­dos e em­bu­ti­dos, tais co­mo lingüi­ça, sal­si­cha, apre­sun­ta­do, re­fri­ge­ran­te, su­cos de cai­xi­nha, pra­tos con­ge­la­dos, tem­pe­ros pron­tos, den­tre mui­tas ou­tras op­ções, pre­ju­di­ca (e mui­to!) vá­ri­as áre­as da saú­de. Is­to por­que to­das es­sas op­ções têm em co­mum a pre­sen­ça de con­ser­van­tes, aro­ma­ti­zan­tes e de­mais com­po­nen­tes ar­ti­fi­ci­ais, cu­jo ob­je­ti­vos são au­men­tar a du­ra­bi­li­da­de e me­lho­rar o sabor dos ali­men­tos. O re­sul­ta­do? Pre­juí­zos pa­ra o cor­po, é cla­ro! Lem­bre-se: quan­to mais na­tu­ral for a re­fei­ção, me­lhor ela se­rá pa­ra a saú­de! “Pa­ra di­mi­nuir a in­ges­tão de adi­ti­vos na ali­men­ta­ção, o ide­al é in­ge­rir ali­men­tos fres­cos, pre­pa­ra­dos em ca­sa e não in­dus­tri­a­li­za­dos. Além dis­so, dê pre­fe­rên­cia à fru­tas, ver­du­ras e le­gu­mes or­gâ­ni­cos, sem­pre que pos­sí­vel, já que eles são isen­tos de agro­tó­xi­cos”, co­men­ta a nu­tri­ci­o­nis­ta Fernanda de Cam­pos Pru­den­te Sil­va.

APROVEITE OS MO­MEN­TOS DE LA­ZER

Fu­gir da ro­ti­na não é uma ta­re­fa fá­cil, en­tre­tan­to, o es­for­ço va­le a pe­na. Re­a­li­zar pe­que­nas mu­dan­ças no dia a dia cer­ta­men­te tra­rá um no­vo sabor à vi­da, de mo­do a re­vi­ver pra­ze­res es­que­ci­dos. Por is­so, pas­se­ar mais, ler bons li­vros, re­ver ve­lhos amigos e bus­car no­vos hobbys são gran­des avan­ços pa­ra pro­mo­ver o ga­nho de saú­de fí­si­ca e men­tal. A dança, por exem­plo, é uma ati­vi­da­de be­né­fi­ca pa­ra to­do o cor­po, in­di­ca­da por vá­ri­os es­pe­ci­a­lis­tas. Que tal ex­pe­ri­men­tar? “Os es­tu­di­o­sos com­pro­vam que dan­çar aju­da na to­ni­fi­ca­ção mus­cu­lar, na me­lho­ria da fle­xi­bi­li­da­de, es­pan­ta o es­tres­se, aju­da na per­da de pe­so, no con­tro­le do co­les­te­rol e no con­di­ci­o­na­men­to fí­si­co. Além dis­so, tam­bém é um óti­mo exer­cí­cio pa­ra es­trei­tar re­la­ci­o­na­men­tos, com­ba­ter a de­pres­são, pro­mo­ver a di­ver­são e au­men­tar a dis­po­si­ção e a au­to­es­ti­ma das pes­so­as”, in­di­ca o edu­ca­dor fí­si­co Thi­a­go Mar­ti­nez.

CONSULTORIA Cris­ti­a­ne Mo­ra­es Per­tu­si, psi­có­lo­ga; Fernanda de Cam­pos Pru­den­te Sil­va, nu­tri­ci­o­nis­ta; Fu­ad Cury e Mar­cos Pau­lo Ros­ma­ni­nho, per­so­nais trai­ners; Le­an­dro Te­les e So­nia Bruc­ki, neu­ro­lo­gis­tas;

Thi­a­go Mar­ti­nez, edu­ca­dor fí­si­co FO­TO Shut­ters­tock Images

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.