Bre­ve de­fi­ni­ção: le­gen­dá­rio O con­cei­to, to­dos os pas­sos e o pro­ces­so de cri­a­ção de Sgt. Pep­per's

Em junho de 1967, os Be­a­tles lan­ça­ri­am o ál­bum que mu­da­ria pa­ra sem­pre a tra­je­tó­ria da ban­da bri­tâ­ni­ca

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - Beatles - - INDICE -

Mu­da­ria tam­bém a his­tó­ria do rock. Sgt. Pep­per's Lo­nely He­arts Club Band foi o oi­ta­vo dis­co do gru­po e tor­nou-se um su­ces­so ime­di­a­ta­men­te após ser lan­ça­do. Por 27 se­ma­nas, es­te­ve no to­po das pa­ra­das mu­si­cas do Rei­no Uni­do e ou­tras 15 nos Es­ta­dos Uni­dos. O ape­lo co­mer­ci­al era imen­so e as críticas po­si­ti­vas: Sgt. Pep­per's che­ga­va pa­ra ser mi­to­ló­gi­co e fa­zer com que o quar­te­to aban­do­nas­se to­do o sta­tus de me­ni­nos da mú­si­ca pa­ra ocu­pa­rem o pos­to de ar­tis­tas ma­du­ros e con­sa­gra­dos. O ál­bum con­quis­tou qua­tro es­ta­tu­e­tas do Grammy em 1968, sen­do uma de­las na ca­te­go­ria de Ál­bum do Ano, al­go iné­di­to en­tre ou­tros tra­ba­lhos de rock. Na épo­ca, a re­vis­ta Ti­mes con­si­de­rou o lan­ça­men­to “uma evo­lu­ção his­tó­ria do progresso da mú­si­ca”.

A con­cep­ção do con­cei­to

John e Rin­go es­ta­vam com seus 26 anos, Paul e Ge­or­ge ti­nham seus 24, e jun­tos já ti­nham con­se­gui­do fei­tos in­crí­veis: ao vi­vo e no vi­nil. Mas, na opi­nião de mui­tos crí­ti­cos mu­si­cais e ou­tros tan­tos que acom­pa­nha­vam a car­rei­ra do quar­te­to, na­da ja­mais po­de­ria ser com­pa­ra­do ao que es­ta­va por vir quan­do – to­ma­dos pe­la cri­a­ti­vi­da­de – de­ci­di­ram se reu­nir de­pois de três me­ses de pau­sa da ban­da. Na noi­te de 24 de novembro de 1966, os Be­a­tles en­tra­vam no Stu­dio Two da fa­mo­sa Ab­bey Ro­ad pa­ra dar os pri­mei­ros pas­sos na pro­du­ção do ál­bum que co­me­mo­ra 50 anos em 2017.

O con­cei­to pa­ra o dis­co, po­rém, veio um pou­co an­tes. Du­ran­te um voo, quan­do vol­ta­vam de uma viagem de fé­ri­as com o di­re­tor de tur­nês Mal Evans, Paul te­ve uma ideia so­bre uma can­ção que en­vol­via uma ban­da da Era Edu­ar­di­a­na – que cor­res­pon­de ao pe­río­do de 1901 a 1910 no Rei­no Uni­do, quan­do o rei Edu­ar­do VII es­ta­va no po­der – e mais tarde is­so vi­ria a fun­ci­o­nar co­mo ba­se pa­ra to­das as com­po­si­ções. Ini­ci­al­men­te, as­sim que co­me­ça­ram a gra­var, sur­gi­ram du­as can­ções que re­me­ti­am à in­fân­cia dos mú­si­cos: Straw­ber­ry Fi­elds Fo­re­ver e Penny Lan­ne. Elas acabaram não sen­do in­cluí­das no LP e fo­ram lan­ça­das se­pa­ra­da­men­te. Pas­sa­do al­gum tem­po, gra­va­ram a mú­si­ca Sgt. Pep­per's Lo­nely He­arts Club Band e Paul su­ge­riu que lan­ças­sem um ál­bum in­tei­ro re­pre­sen­tan­do a ban­da fic­tí­cia que ele ha­via ima­gi­na­do um tem­po atrás com a aju­da de Evans.

Exe­cu­ção

Pron­to, no ins­tan­te em que o quar­te­to de­ci­diu que as­su­mi­ria es­sa iden­ti­da­de, o gru­po al­te­re­go re­pre­sen­ta­va to­da a li­ber­da­de que eles ne­ces­si­ta­vam pa­ra su­as ex­pe­ri­men­ta­ções mu­si­cais – e ou­tras nem tão mu­si­cais as­sim. Is­so por­que os qua­tro man­ti­nham o con­su­mo de LSD – que não é se­gre­do e mui­to me­nos era proi­bi­do na­que­le mo­men­to – a fim de vi­ven­ci­ar ou­tro ti­po de es­ta­do men­tal que lhes ofe­re­ces­se di­fe­ren­tes idei­as mu­si­cais. Ain­da que John e Paul ne­guem ve­e­men­te­men­te que a con­cep­ção do dis­co te­nha si­do sob efei­to de dro­gas, fai­xas co­mo Lucy In The Sky With Di­a­monds, With a Lit­tle Help From My Fri­ends, A Day In The Li­fe e Fi­xing a Ho­le, por exem­plo, tra­zem no­tá­veis re­fe­rên­ci­as aos alu­ci­nó­ge­nos. Ou­tro fa­tor de­ci­si­vo na au­to­no­mia e cri­a­ti­vi­da­de com que os Be­a­tles com­pu­se­ram as fai­xas des­se ál­bum foi o fa­to de es­ta­be­le­ce­rem que aque­le se­ria um tra­ba­lho ex­clu­si­vo pa­ra o es­tú­dio. Co­mo as can­ções não se­ri­am to­ca­das ao vi­vo, as bar­rei­ras cri­a­ti­vas não po­de­ri­am exis­tir.

Mas, além dis­so, téc­ni­cas ino­va­do­ras de gra­va­ção fo­ram uti­li­za­das, to­das in­se­ri­das por Ge­off Eme­rick, en­ge­nhei­ro de som, com o aval de Ge­or­ge Mar­tin, o pro­du­tor, o que in­clui a pre­sen­ça de uma or­ques­tra de qua­ren­ta in­te­gran­tes. Con­si­de­ra­do um ál­bum con­cei­tu­al por al­guns, Sgt. Pep­per's reú­ne tam­bém in­fluên­ci­as de gê­ne­ros mu­si­cais di­ver­sos, in­cor­po­ra­dos pe­la for­te psi­co­de­lia bri­tâ­ni­ca.

Di­fe­ren­te de Ple­a­se Ple­a­se Me (1963), que foi gra­va­do em um dia, Sgt. Pep­per's gas­tou 700 ho­ras em es­tú­dio, o que so­mou, apro­xi­ma­da­men­te, um cus­to de 25 mil es­ter­li­nas, al­go fo­ra do co­mum pa­ra a in­dús­tria mu­si­cal nos anos 1960. No en­tan­to, o re­tor­no foi na mes­ma me­di­da. O ál­bum é dos mais ven­di­dos da his­tó­ria, atin­gin­do 10 mi­lhões de có­pi­as até o fi­nal da dé­ca­da de 1970, an­tes do as­sas­si­na­to de John Len­non. O lan­ça­men­to ofi­ci­al acon­te­ceu em 1º de junho de 1967 e tor­nou-se o pri­mei­ro LP dos Fab Four a ser lan­ça­do si­mul­ta­ne­a­men­te no mun­do to­do.

Cu­ri­o­so

Im­pos­sí­vel di­zer que Sgt. Pep­per's Lo­nely He­arts Club Band se re­su­me a um LP com la­do A, la­do B e 13 fai­xas in­crí­veis. To­do o pro­ces­so de pro­du­ção, cri­a­ção do con­cei­to, gra­va­ção, lan­ça­men­to e re­cep­ção do pú­bli­co en­vol­ve­ram di­ver­sas his­tó­ri­as. Por is­so, se­le­ci­o­na­mos 10 fa­tos que, além de cu­ri­o­sos, acres­cen­tam mais ine­di­tis­mo e im­por­tân­cia ao ál­bum.

1 De to­das as mú­si­cas, ape­nas uma não foi as­si­na­da por Paul e John: Within You Without You, es­cri­ta por Ge­or­ge Har­ri­son. No en­tan­to, a mai­o­ria das de­ci­sões em re­la­ção ao dis­co foi to­ma­da por McCart­ney.

2 No pe­río­do en­tre a fi­na­li­za­ção do LP e o lan­ça­men­to co­mer­ci­al, o Be­a­tles de­ci­di­ram le­var uma ver­são de ace­ta­to pa­ra o apar­ta­men­to de Cass El­li­ot – can­to­ra do gru­po The Ma­mas and The Pa­pas – que fi­ca­va nas ime­di­a­ções de King's Ro­ad e, às seis da manhã, co­lo­ca­ram pa­ra to­car as mú­si­cas em vo­lu­me má­xi­mo, com as cai­xas di­re­ci­o­na­das pa­ra a rua e ja­ne­las aber­tas. Di­zem que os vi­zi­nhos es­cu­ta­ram sem re­cla­mar o que per­ce­be­ram se tra­tar de um no­vo tra­ba­lho dos Be­a­tles.

3 Ape­sar de o dis­co ter si­do lan­ça­do em junho, já em maio os ou­vin­tes da Rádio BBC bri­tâ­ni­ca pu­de­ram con­fe­rir uma pré­via: to­das as fai­xas fo­ram exe­cu­ta­das par­ci­al­men­te, com ex­ce­ção de A Day In The Li­fe.

4 É que A Day In The Li­fe foi ba­ni­da pe­la trans­mis­so­ra por con­ta de uma pro­vá­vel re­fe­rên­cia ao es­tí­mu­lo de uso de dro­gas no ver­so “I'd lo­ve to turn you on” (eu ado­ra­ria dei­xar vo­cê li­ga­do, em tra­du­ção li­vre). Se­gun­do ad­mi­tiu Paul mais tarde, a can­ção es­ta­ria no

con­tex­to da fi­lo­so­fia li­sér­gi­ca im­pul­si­o­na­da pe­lo con­su­mo de LSD ba­se­a­da nas idei­as de Ti­moth Le­ary, que era sím­bo­lo da ex­pan­são da men­te pro­por­ci­o­na­da pe­lo uso de alu­ci­nó­ge­nos.

5 Al­guns crí­ti­cos acre­di­tam que Sgt. Pep­per's é o ul­ti­mo ál­bum do quar­te­to que re­al­men­te pode ser con­si­de­ra­do um tra­ba­lho em gru­po, al­go co­mo um es­for- ço uni­fi­ca­do. Ou­tros ve­em to­da a pro­du­ção com uma me­ra par­ti­ci­pa­ção de Rin­go e Ge­or­ge, e to­tal re­a­li­za­ção de John e Paul. O fa­to é que, de­pois do lan­ça­men­to do dis­co, o que ain­da res­ta­va de so­li­dez do gru­po co­me­ça­ria a des­mo­ro­nar e es­ta­ria vi­si­vel­men­te apa­ga­da em 1968, com o lan­ça­men­to de The Be­a­tles.

6 Em 2003, a re­vis­ta Rol­ling Sto­ne co­lo­cou o ál­bum no pri­mei­ro lu­gar de uma lis­ta de 500 me­lho­res ál­buns de sem­pre e o des­cre­veu co­mo “o au­ge dos oi­to anos de dis­cos dos Be­a­tles”. Ava­li­a­ções po­si­ti­vas par­ti­ram da Rol­ling Sto­ne, da Ti­mes e tam­bém da New Sta­tes­man, uma re­vis­ta bri­tâ­ni­ca se­ma­nal que na épo­ca con­si­de­rou que Sgt. Pep­per's ele­vou o rock ao pa­ta­mar de ar­te.

7 Du­ran­te as gra­va­ções, que du­ra­ram mais de cin­co me­ses, os Be­a­tles ten­ta­ram ân­gu­los di­fe­ren­tes e po­si­ci­o­na­men­tos no­vos dos mi­cro­fo­nes pa­ra ob­ter efei­tos ino­va­do­res nas mú­si­cas. Além dis­so, mui­to foi fei­to pa­ra su­pe­rar as li­mi­ta­ções que a me­sa de qua­tro ca­nais – úni­ca pos­si­bi­li­da­de na épo­ca na In­gla­ter­ra – pos­suía pa­ra gra­var ca­da ins­tru­men­to e con­se­guir a va­ri­e­da­de so­no­ra pre­sen­te nas can­ções.

8 A mai­or par­te dos en­con­tros da ban­da em es­tú­dio foi fei­ta du­ran­te a noi­te. O mo­ti­vo? Be­a­tle­ma­nía­cas. A ideia era evi­tar que a his­te­ria das fãs atra­pa­lhas­se a con­cen­tra­ção do quar­te­to.

9 Al­guns dias após o lan­ça­men­to, Jimmy Hen­drix – na­da me­nos que um dos mai­o­res gui­tar­ris­tas da his­tó­ria da mú­si­ca – abriu sua apre­sen­ta­ção com uma ver­são da mú­si­ca homô­ni­ma do ál­bum. Paul e Ge­or­ge es­ta­vam na pla­teia e as­sis­ti­ram a tu­do is­so, nas pa­la­vras do pró­prio McCart­ney, mui­to hon­ra­dos.

10 Se ao fi­nal do dis­co vo­cê ou­viu al­go pa­re­ci­do com uma conversa, fi­que tran­qui­lo, pois não é me­ra alu­ci­na­ção. Paul ex­pli­ca que é mais um pa­po des­pre­ten­si­o­so en­tre eles, usa­do co­mo uma pi­a­da in­ter­na, pois, quan­do es­ta­vam sob efei­to de dro­gas e es­cu­ta­vam al­guns dis­cos jun­tos, cos­tu­ma­vam pi­rar no “tic tic tic” que to­ca no úl­ti­mo sul­co do vi­nil, pen­san­do que is­so até po­de­ria vi­rar uma al­gu­ma coi­sa de­pois.

Ex­po­si­ção Be­a­tle­ma­nia na sa­la es­pe­ci­al com con­teú­do do ál­bum Sgt. Pep­per's, em Ham­bur­go, na Alemanha

Gra­fi­te com ca­ri­ca­tu­ras dos qua­tro Be­a­tles nas ru­as de Mi­lão, na Itá­lia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.