O que acon­te­cia no mun­do? A re­vo­lu­ção da qual os Be­a­tles fi­ze­ram par­te

Pa­re­ce que foi on­tem: Sgt. Pep­per's Lo­nely He­arts Club Band re­vo­lu­ci­o­nou ge­ra­ções e se tor­nou um dos ál­buns mais ven­di­dos da his­tó­ria

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - Beatles - - INDICE -

Em vez de se­guir o ca­mi­nho que vi­nha tra­çan­do na mú­si­ca até en­tão, a ban­da to­mou ou­tros ru­mos, co­lo­can­do o no­vo dis­co em sin­to­nia com as ex­pe­ri­men­ta­ções e psi­co­de­lia da épo­ca – com o “apoio” das dro­gas ca­da vez mais po­pu­la­ri­za­das. As can­ções pa­re­ci­am pro­por­ci­o­nar um efei­to di­fe­ren­te dos su­ces­sos fei­tos an­te­ri­or­men­te e re­que­ria um exer­cí­cio mai­or de re­fle­xão, uma no­vi­da­de que tam­bém se re­fle­tiu na ca­pa do ál­bum.

Ve­rão do amor

O dis­co que aba­lou o mun­do? Po­de­mos di­zer que sim. Em 1967, o Oci­den­te vi­via uma ver­da­dei­ra re­vo­lu­ção cul­tu­ral: jo­vens lu­ta­vam por no­vos ide­ais e pe­la mu­dan­ça do sta­tus quo, ne­ga­vam a gu­er­ra – em es­pe­ci­al o con­fli­to do Vi­et­nã – e acre­di­ta­vam que a vi­da de­ve­ria ser mo­vi­da por mais paz e amor. A mo­da flo­res­ceu nas gran­des ci­da­des, di­tan­do ten­dên­ci­as co­lo­ri­das que con­tra­ri­a­va pa­drões; a li­ber­da­de se­xu­al ga­nha­va pro­ta­go­nis­mo sem me­dir pro­vo­ca­ções; e na a mú­si­ca, por

sua vez, Sgt. Pep­per's Lo­nely He­arts Club Band che­gou rom­pen­do bar­rei­ras, a ex­tra­po­lar tu­do o que se ha­via vis­to e sen­ti­do em re­la­ção ao rock até en­tão.

Por mais que na In­gla­ter­ra o mo­vi­men­to jo­vem da dé­ca­da de 1960 não te­nha si­do tão po­li­ti­za­do qu­an­to o da Eu­ro­pa – quan­do a França ti­nha gru­pos mais ar­ti­cu­la­dos in­flu­en­ci­a­dos por uma cor­ren­te de es­quer­da – em so­lo in­glês se pro­mo­via re­for­mas so­ci­ais e bus­ca­va uma apro­xi­ma­ção mai­or com a ju­ven­tu­de. As ins­pi­ra­ções vi­nham do mo­vi­men­to hip­pie, da con­tra­cul­tu­ra, da pop art de Andy Warhol, do re­nas­ci­men­to de es­cri­to­res be­at e da bus­ca por um mun­do di­fe­ren­te do que se via na­que­le mo­men­to. Os jo­vens usa­vam a ar­te pa­ra pro­tes­tar con­tra a gu­er­ra e pu­de­ram en­con­trar no tra­ba­lho dos Be­a­tles mui­to de seus sen­ti­men­tos re­pre­sen­ta­dos.

Em meio a uma que­bra de pa­ra­dig­mas di­ver­sos, Sgt. Pep­per's foi ca­paz de mos­trar co­mo o mun­do es­ta­va mu­dan­do ao ab­sor­ver as rei­vin­di­ca­ções e no­vi­da­des da épo­ca. A re­vo­lu­ção cul­tu­ral de que fa­la­mos pre­ga­va o li­vre amor, o pa­ci­fis­mo e o uso de dro­gas – ma­co­nha e áci­do li­sér­gi­co (LSD), cons­tan­tes nas com­po­si­ções da ban­da – tu­do mui­to bem re­pre­sen­ta­do pe­la den­si­da­de do ál­bum em ques­tão.

Con­tra­cul­tu­ra

A so­ci­e­da­de vi­nha pas­san­do por um pro­ces­so de ho­mo­ge­nei­za­ção, com a re­pro­du­ti­bi­li­da­de em lar­ga es­ca­la, fos­se na ma­nei­ra de pen­sar, agir e ob­ser­var o mun­do. Nes­se con­tex­to, sur­gi­ri­am di­ver­sos con­cei­tos, co­mo o de cul­tu­ra de mas­sa e in­dús­tria cul­tu­ral, pa­ra ex­pli­car es­sa ideia de pa­dro­ni­za­ção; e con­tra­cul­tu­ra, pa­ra clas­si­fi­car aque­les que iam na di­re­ção con­trá­ria des­sa nor­ma­li­za­ção dos cos­tu­mes, es­ta­be­le­cen­do um ques­ti­o­na­men­to so­bre cul­tu­ra do­mi­nan­te. Uma des­sas ma­ni­fes­ta­ções da con­tra­cul­tu­ra apa­re­ce com uma ge­ra­ção que, ao fi­nal da gu­er­ra, pas­sa a apon­tar os pro­ble­mas ge­ra­dos pe­la so­ci­e­da­de ca­pi­ta­lis­ta e bus­car ins­ti­tui­ções e va­lo­res que con­tra­ri­as­sem as prá­ti­cas do con­su­mis­mo. Des­sa for­ma, o mo­vi­men­to hip­pie e to­do um mun­do al­ter­na­ti­vo que cri­ti­ca­va o sis­te­ma ga­nhou for­ça. Im­por­tan­te des­ta­car, po­rém, que a con­tra­cul­tu­ra não de­fen­dia uma “cul­tu­ra úni­ca e di­fe­ren­te de tu­do que ha­via exis­ti­do até en­tão”, mas, sim, ab­sor­ção de va­lo­res e com­por­ta­men­tos di­ver­sos que ofe­re­ci­am a pos­si­bi­li­da­de de o in­di­ví­duo tri­lhar seu pró­prio ca­mi­nho e per­so­na­li­da­de. Com a so­ci­e­da­de em ebu­li­ção – con­tes­tan­do pre­con­cei­tos di­ver­sos, tra­di­ções co­mo ca­sa­men­to e a de­no­mi­na­ção do ca­pi­ta­lis­mo – um ál­bum co­mo Sgt. Pep­per's Lo­nely He­arts Club Band re­ve­la­va a den­si­da­de e os no­vos ares que o mo­men­to pre­ci­sou.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.