Le­tra & mú­si­ca To­das as fai­xas do ál­bum co­men­ta­das

Sgt. Pep­per's Lo­nely He­arts Club Band re­ve­la de­ta­lhes in­crí­veis so­bre ca­da uma de su­as fai­xas

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - Beatles - - INDICE -

Ini­ci­al­men­te, o te­ma cen­tral do dis­co se­ria a in­fân­cia em Li­ver­po­ol, co­mo fi­ca­ria re­gis­tra­do em Straw­ber­ry Fi­elds Fo­re­ver. Mas o con­cei­to fi­nal mu­dou, e o que vi­mos foi ain­da mais ino­va­dor. Dois la­dos do vi­nil com fai­xas inin­ter­rup­tas e a in­ten­ção cla­ra de ofe­re­cer o má­xi­mo de mú­si­ca pos­sí­vel. Eles con­se­gui­ram.

Sgt. Pep­per's Lo­nely He­arts Club Band

O ál­bum, que ti­nha a in­ten­ção de ser um tra­ba­lho de es­tú­dio, iro­ni­ca­men­te, co­me­ça­ria sua pri­mei­ra mú­si­ca ao som de uma or­ques­tra afi­nan­do seus ins­tru­men­tos. O tre­cho, po­rém, aca­ba­ria sen­do re­ti­ra­do pa­ra o iní­cio de A Day In The Li­fe. Com­pos­ta por Paul, tem os vo­cais de John e Ge­or­ge e in­tro­duz o ba­ru­lho de uma pla­teia, co­mo se fos­se uma apre­sen­ta­ção ao vi­vo. De ma­nei­ra pro­po­si­tal, a fai­xa soa co­mo uma aber­tu­ra pa­ra a mú­si­ca se­guin­te, que se­ria can­ta­da pe­lo al­ter ego de no­me Billy She­ars.

A Lit­tle Help From My Fri­ends

Quem can­ta a com­po­si­ção de John e Paul é Rin­go – apre­sen­ta­do an­te­ri­or­men­te co­mo Billy She­ars. A can­ção foi gra­va­da com as ses­sões qu­a­se ter­mi­nan­do, vis­to que o ba­te­ris­ta ain­da não ti­nha en­to­a­do sua mú­si­ca, co­mo era de lei em to­dos os dis­cos. Cu­ri­o­so que, por não ser can­tor, a fra­se que co­me­ça a mú­si­ca: “o que vo­cês fa­ri­am se eu can­tas­se uma can­ção?”, soa irô­ni­ca, é co­mo se Rin­go es­ti­ves­se fa­lan­do de si mes­mo. Em um pri­mei­ro mo­men­to, a mú­si­ca re­ce­beu o no­me de Bad Fin­ger Bo­o­gie.

Lucy In The Sky With Di­a­monds

Pres­te aten­ção em al­gu­mas le­tras que co­me­çam as pa­la­vras aci­ma. Pois bem, já le­van­ta­ram a hi­pó­te­se de que a can­ção fa­ria re­fe­rên­cia ao LSD, dro­ga mui­to pre­sen­te en­tre os jo­vens da épo­ca. Ape­sar de John ter des­men­ti­do a ideia, a len­da ain­da exis­te. Mas, na ver­da­de, ele di­zia que o no­me Lucy vi­nha de Lucy O'Don­nell, co­le­ga de seu fi­lho Ju­li­an, com qua­tro anos na épo­ca, e a mú­si­ca te­ria si­do ins­pi­ra­da em um de­se­nho (aci­ma) fei­to pe­lo me­ni­no na es­co­la. Is­so não eli­mi­na, po­rém, a pos­si­bi­li­da­de de John ter es­cri­to a le­tra sob efei­to de alu­ci­nó­ge­nos, já que vi­nha ex­pe­ri­men­tan­do a dro­ga nes­se pe­río­do. Ao ou­vir a can­ção e se aten­tar à sua le­tra é pos­sí­vel vi­ven­ci­ar a sen­sa­ção de que re­a­li­da­de e ima­gi­na­ção se cru­zam o tem­po to­do.

Get­ting Bet­ter

Nes­sa can­ção, Ge­or­ge to­ca um ins­tru­men­to in­di­a­no cha­ma­do tam­bou­ra e Rin­go to­ca bongôs, al­go com­ple­ta­men­te no­vo na ce­na mu­si­cal da épo­ca. A mú­si­ca, nes­se mes­mo con­tex­to de ino­va­ção, fa­la so­bre a es­pe­ran­ça de al­go no­vo, di­fe­ren­te, num tom bem oti­mis­ta. Quem compôs foi Paul, ins­pi­ra­do em uma fra­se de Jimmy Ni­col, ba­te­ris­ta que subs­ti­tuiu Rin­go em al­guns shows em 1964.

Fi­xing a Ho­le

A mú­si­ca foi com­pos­ta e can­ta­da por Paul, além de ser gra­va­da no es­tú­dio Re­gent Sound, já que o da Ab­bey Ro­ad es­ta­va ocu­pa­do na­que­le dia. Al­gu­mas in­ter­pre­ta­ções da le­tra di­zem se tra­tar de um olhar mais tran­qui­lo so­bre uso de dro­gas, ou­tras re­la­ci­o­nam a can­ção a uma fa­zen­da que Paul ha­via ad­qui­ri­do na épo­ca e es­ta­va pas­san­do por re­for­ma.

She's Le­a­ving Ho­me

Os ar­ran­jos fo­ram fei­tos por Mi­ke Le­an­der, pois Ge­or­ge Mar­tin es­ta­va in­dis­po­ní­vel no dia da gra­va­ção, ter­mi­nan­do a pro­du­ção de ou­tro ar­tis­ta – cons­ta até que Mar­tin, ape­sar de ofen­di­do pe­lo o que acon­te­ceu, não dei­xou de con­ti­nu­ar co­la­bo­ran­do com o dis­co. Acom­pa­nha­da com qua­tro vi­o­li­nos, du­as vi­o­las, dois ce­los e um con­tra­bai­xo, é in­tei­ra­men­te can­ta­da por Paul e soa co­mo uma ver­da­dei­ra crô­ni­ca so­bre a vi­da dos jo­vens na dé­ca­da de 1960. É ba­se­a­da na his­tó­ria de uma me­ni­na que fo­ge de ca­sa, “di­ver­são é al­go que o di­nhei­ro não pode com­prar”, diz um ver­so. McCart­ney te­ria li­do no jor­nal um ar­ti­go so­bre a me­ni­na Me­la­nie Coe, que fu­giu de ca­sa pa­ra en­con­trar um ra­paz, e se ins­pi­rou no fa­to.

Being For The Be­ne­fit of Mr. Ki­te

A le­tra é de Len­non, que se ins­pi­rou em um car­taz que com­prou em Kent – um con­da­do pró­xi­mo a Lon­dres – en­quan­to fil­ma­va o cli­pe de Straw­ber­ry Fi­elds. O car­taz em ques­tão fa­la­va anun­ci­a­va o Pa­blo Fan­que's Cir­cus Ro­ay –e Pa­blo Fan­que, que na ver­da­de se cha­ma­va William Darby, foi o pri­mei­ro ho­mem ne­gro na his­tó­ria da In­gla­ter­ra a ser pro­pri­e­tá­rio de um cir­co. John, por sua vez, con­fes­sou que compôs a mú­si­ca pa­ra pre­en­cher o nú­me­ro ne­ces­sá­rio de can­ções pa­ra o dis­co. O car­taz ago­ra per­ten­ce a Se­an

Len­non, fi­lho de John.

Within You, Without You

Ge­or­ge es­ta­va es­tu­dan­do uma fi­lo­so­fia hin­du e compôs a mú­si­ca após um jan­tar na ca­sa de KlausVo­or­man – mú­si­co e pro­du­tos bem pró­xi­mo dos Fort Four. Ne­nhum ou­tro be­a­tle par­ti­ci­pou da gra­va­ção, ape­nas Ge­or­ge, que to­ca ci­ta­ra, en­quan­to al­guns mú­si­cos in­di­a­nos al­guns ins­tru­men­tos di­fe­ren­tes. Con­ta ain­da com ce­los e vi­o­li­nos re­gi­dos por Ge­or­ge Mar­tin. Foi a úni­ca can­ção de Har­ri­son no dis­co e ter­mi­na com al­gu­mas ri­sa­das ao fun­do – ideia de­le mes­mo, pa­ra des­con­trair.

When I'm Sixty-Four

Ape­sar de não apa­re­cer lo­go no iní­cio do dis­co, foi a pri­mei­ra can­ção a ser gra­va­da, jun­to com Straw­ber­ry Fi­elds Fo­re­ver e Penny Lan­ne. Quem compôs foi Paul e a fez em ho­me­na­gem a seu pai, Ja­mes, ex-trum­pe­tis­ta de jazz. Mas ela foi fei­ta no fi­nal dos anos 1950, quan­do Paul ain­da mo­ra­va com sua fa­mí­lia e ti­nha aca­ba­do de se jun­tar à ban­da Qu­ar­ry Men, que de­pois vi­ria a se tor­nar The Be­a­tles. A mú­si­ca che­gou a fa­zer par­te do re­per­tó­rio da ban­da em ou­tro mo­men­to, mas ti­nha uma ver­são di­fe­ren­te. Nes­sa, John fi­cou com a gui­tar­ra, Paul com a voz e o pi­a­no.

Lo­vely Ri­ta

Mais uma can­ção de Paul, des­sa vez ho­me­na­gem a uma su­pos­ta guar­da de trân­si­to a quem cer­to dia ele as­sis­tiu lhe apli­car uma mul­ta. Ela se cha­ma­va Me­ta Da­vis, no­me que, de acor­do com ele, era bas­tan­te so­no­ro e po­de­ria até ser usa­do em jin­gle. Ele ne­ga que a Ri­ta da mú­si­ca se­ja, na ver­da­de, Me­ta, e diz que se ins­pi­rou em “me­ter maid”, no­me pe­lo qual são cha­ma­das al­gu­mas po­li­ci­ais na Amé­ri­ca.

Go­od Mor­ning, Go­od Mor­ning

A ideia veio de uma mú­si­ca de co­mer­ci­al de su­cri­lhos que John ou­via to­da ma­nha: ele ti­nha o há­bi­to de ler o jor­nal na co­zi­nha, com a te­vê li­ga­da e sem vo­lu­me. Um dia, po­rém, o jin­gle do pro­du­to que ti­nha um ga­lo co­mo sím­bo­lo – sim, o Kel­logg's! – cha­mou sua aten­ção. A le­tra fa­la do dia a dia da vi­da ur­ba­na e ain­da traz vá­ri­os sons de ani­mais, co­mo ga­tos, ga­li­nhas, ele­fan­te, leões etc. Por sua vez, os sons obe­de­ci­am uma or­dem: iam do mais fra­co pa­ra o mais for­te.

Sgt. Pep­per's Lo­nely He­arts Club Band – Re­pri­se

Di­fe­ren­te da pri­mei­ra ver­são, es­sa tem os quar­to be­a­tles can­tan­do. A ideia era só in­se­rir uma re­pri­se pa­ra eme­dar com a mú­si­ca se­guin­te.

A Day In The Li­fe

A úl­ti­ma do vi­nil foi, na ver­da­de, a pri­mei­ra mú­si­ca gra­va­da. Es­sa can­ção se re­fe­re a vá­ri­os ar­ti­gos de jor­nal li­dos por John, en­tre eles um se tra­ta­va de um aci­den­te com seu ami­go Ta­ra Brow­ne, her­dei­ro da fa­mí­lia Gui­ness, aque­la da cer­ve­ja ir­lan­de­sa, sa­be? Ou­tra lei­tu­ra ins­pi­ra­do­ra foi da co­lu­na Far and Ne­ar, do Daily Mail, que fa­la­va so­bre bu­ra­cos na rua. A mú­si­ca foi gra­va­da ex­clu­si­va­men­te à noi­te e é ti­da co­mo o pon­to al­to do ál­bum: a mai­o­ria dos de­ta­lhes foi in­ven­ta­da por John, e Paul, que ha­via co­la­bo­ra­do com al­guns ver­sos, ima­gi­na­va que o par­cei­ro es­ta­va es­cre­ven­do so­bre um po­lí­ti­co dro­ga­do. In­clu­si­ve, a BBC che­gou a proi­bir sua trans­mis­são, ale­gan­do que era uma can­ção que fa­la­va so­bre dro­gas. “Nós ou­vi­mos esta can­ção uma e ou­tra vez”, dis­se um por­ta-voz em 1967. “E nós de­ci­di­mos que pa­re­ce ir um pou­co lon­ge de­mais, e po­de­ria en­co­ra­jar uma ati­tu­de per­mis­si­va pa­ra to­mar dro­gas”. Os Be­a­tles, pa­ra se de­fen­der, di­zi­am que su­as can­ções nor­mal­men­te eram enig­má­ti­cas, car­re­ga­vam um sen­ti­do am­bí­guo, o que não qu­er di­zer que fos­se uma apo­lo­gia ao uso de dro­gas. A or­ques­tra que apa­re­ce na mú­si­ca foi com­pos­ta por 40 mú­si­cos, que fo­ram ori­en­ta­dos a se ves­ti­rem de fra­que e re­ce­be­ram di­ver­sos ade­re­ços di­ver­ti­dos pa­ra cri­ar um cli­ma de fes­ta. O gru­po até con­vi­dou pes­so­as e ban­das co­mo Rol­ling Sto­nes pa­ra par­ti­ci­par da oca­sião. A ideia era fil­mar tu­do e trans­for­mar em cli­pe, mas foi aban­do­na­da quan­do hou­ve es­sa in­ter­fe­rên­cia da BBC. No ge­ral, a mú­si­ca pos­sui di­ver­sas pas­sa­gens me­mo­rá­veis co­mo tre­chos que pa­re­cem ou­tra can­ção, um des­per­ta­dor to­ca­do sem in­ten­ção e até uma frequên­cia agu­da que só cães con­se­guem ou­vir. Al­gu­mas ce­nas gra­va­das fo­ram apro­vei­ta­das no fil­me Ima­gi­ne – John Len­non.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.