BOA AÇÃO OU OPORTUNISMO?

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - ELVIS PRESLEY - EDIÇÃO DE COLECIONADOR - - INFLUÊNCIAS MUSICAIS -

Há con­tro­vér­si­as quan­to a re­al con­tri­bui­ção dos íco­nes do rock na di­fu­são da mú­si­ca ne­gra pe­lo mun­do. O pró­prio El­vis Presley, até ho­je, é al­vo de crí­ti­cas de gru­pos afro­des­cen­den­tes e de al­guns his­to­ri­a­do­res, que o acu­sam de uma su­pos­ta apro­pri­a­ção cul­tu­ral. O fa­to de o can­tor ser bran­co e ter fei­to su­ces­so in­ter­pre­tan­do can­ções em gran­de par­te com­pos­tas por ne­gros – to­ca­das em um rit­mo re­co­nhe­ci­da­men­te de­sen­vol­vi­do pe­los mes­mos – dá mar­gem ao ques­ti­o­na­men­to acer­ca de um pos­sí­vel oportunismo do rei do rock so­bre a black mu­sic, que era al­go que des­per­ta­va in­te­res­se e en­vol­via as pes­so­as por ser um rit­mo dan­çan­te, mas que ao mes­mo tem­po ti­nha sua pro­pa­ga­ção di­fi­cul­ta­da pe­las bar­rei­ras do ra­cis­mo. Há acu­sa­ções de que o can­tor te­ria con­se­gui­do tor­nar-se mun­di­al­men­te fa­mo­so ape­nas por­que “rou­bou” a mú­si­ca dos ne­gros e a trans­for­mou em al­go tra­gá­vel pe­las mas­sas de con­su­mo, em um pro­du­to co­mer­ci­al. Um comentário fei­to pe­lo em­pre­sá­rio Sam Phil­lips, pro­pri­e­tá­rio da Sun Re­cords, pri­mei­ra gra­va­do­ra de El­vis, aju­da a em­ba­sar tais ar­gu­men­tos. Se­gun­do re­la­tos, an­tes de co­nhe­cer Presley, Phil­lips se la­men­ta­va de não con­se­guir en­con­trar um can­tor bran­co que can­tas­se mú­si­ca ne­gra e sou­bes­se dar a ela o de­vi­do sen­ti­do, pois só as­sim fi­ca­ria ri­co.

En­tre­tan­to, há quem se po­si­ci­o­ne a fa­vor de Presley. A es­cri­to­ra Magdalena Alag­na ale­ga que El­vis foi jus­ta­men­te o res­pon­sá­vel por que­brar as bar­rei­ras ra­ci­ais ao in­tro­du­zir o mun­do na mú­si­ca ne­gra e po­pu­la­ri­zar o R&B. Pa­ra o jor­na­lis­ta Pau­lo Ca­val­can­ti, tu­do não pas­sa de uma gran­de bo­ba­gem por­que, se­gun­do ele, o sul dos Es­ta­dos Uni­dos é um am­bi­en­te mu­si­cal­men­te plu­ral, e a tro­ca de in­for­ma­ções mu­si­cais por lá ocor­re na­tu­ral­men­te en­tre seus ha­bi­tan­tes, ul­tra­pas­san­do qual­quer bar­rei­ra ra­ci­al ou so­ci­al. Ou­tro pon­to que pe­sa na ar­gu­men­ta­ção a fa­vor do rei é o fa­to de ele, des­de ce­do, ter de­sen­vol­vi­do gos­to por tais es­ti­los, tor­nan­do-se fã de no­mes co­mo Roy Brown, Fury Lewis, Wy­no­nie Har­ris e Ar­tur Crudp, ar­tis­tas até en­tão des­co­nhe­ci­dos pe­lo gran­de pú­bli­co. Fãs de El­vis Presley ain­da ga­ran­tem que o pró­prio can­tor sem­pre as­su­miu que o rock não pas­sa­va de uma mis­tu­ra en­tre coun­try, gos­pel e R&B.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.