UM ÍDO­LO CER­CA­DO POR POLEMICAS

A trajetória do rei do rock não foi mar­ca­da ape­nas pe­lo su­ces­so. Di­ver­sas con­tro­vér­si­as ron­da­ram sua fi­gu­ra

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - ELVIS PRESLEY - EDIÇÃO DE COLECIONADOR - - VIDA CONTURBADA - TEX­TO Éri­ka Al­fa­ro/Co­la­bo­ra­do­ra DE­SIGN Mary El­len Ma­cha­do FOTOS Shutterstock Ima­ges, Ins­ta­gram @el­vis e Wi­ki­me­dia Com­mons

Qu­an­do fa­la­mos em El­vis Presley, pro­va­vel­men­te o que pre­do­mi­na na men­te das pes­so­as é o seu vi­su­al, sua mú­si­ca e seu su­ces­so. En­tre­tan­to, mes­mo se tra­tan­do de um gran­de ído­lo co­mo The King, nem tu­do são flo­res. A vi­da de El­vis foi per­me­a­da por mui­tas polêmicas.

Ca­sa­men­to

El­vis e Pris­cil­la Be­au­li­eu se co­nhe­ce­ram na Ale­ma­nha, on­de a jo­vem mo­ra­va tem­po­ra­ri­a­men­te – seu pa­dras­to, um ofi­ci­al do exér­ci­to, era trans­fe­ri­do cons­tan­te­men­te – e o can­tor pres­ta­va ser­vi­ço mi­li­tar. Na épo­ca, em 1959, ela ti­nha ape­nas 14 anos de ida­de, en­quan­to El­vis ti­nha 24. De­pois de al­guns anos de re­la­ci­o­na­men­to, in­clu­si­ve à dis­tân­cia, Pris­cil­la se mu­dou pa­ra Memphis, ca­sou-se com El­vis em 1967 e, me­ses de­pois, deu à luz Li­sa Ma­rie Presley, a úni­ca fi­lha do ca­sal.

Ao lon­go do ca­sa­men­to, sur­gi­ram di­ver­sas no­tí­ci­as de que El­vis traia a es­po­sa. Além dis­so, co­mo a pró­pria Pris­cil­la re­la­ta no li­vro El­vis e eu, es­cri­to por ela e San­dra Har­mon: “to­das as ga­ro­tas que ele na­mo­rou a sé­rio ti­nham de pre­en­cher os re­qui­si­tos de Gladys (mãe de El­vis) pa­ra a mu­lher ide­al. E co­mo acon­te­ceu co­mi­go, El­vis pu­nha a ga­ro­ta num pe­des­tal, ‘guar­dan­do-a’ até que o mo­men­to fos­se sa­gra­do e cer­to. Ele ti­nha as su­as aven­tu­ras de­sen­fre­a­das, mas acha­va que de­via res­pei­tar qual­quer ga­ro­ta que le­vas­se em sua ca­sa. Ago­ra que eu era mãe, ele não sa­bia di­rei­to co­mo me tra­tar. Co­men­ta­ra an­tes do ca­sa­men­to que ja­mais fo­ra ca­paz de fa­zer amor com uma mu­lher que ti­ve­ra um fi­lho”.

Pris­cil­la tam­bém afir­mou, em de­ter­mi­na­das en­tre­vis­tas, que ti­nha di­fi­cul­da­des em li­dar com a fa­ma e a au­sên­cia do ma­ri­do, além do as­sé­dio das fãs. “O es­ti­lo e as apre­sen­ta­ções em shows pro­va­vel­men­te con­tri­buí­ram pa­ra a desintegração de seu ca­sa­men­to com Pris­cil­la. Lon­ge de Gra­ce­land por mui­to tem­po du­ran­te

as tur­nês, El­vis via me­nos Pris­cil­la e sua fi­lha Li­sa Ma­rie”, apon­ta o li­vro El­vis Presley, o mi­to. O re­la­ci­o­na­men­to dos dois te­ve fim, ofi­ci­al­men­te, em 1973.

Ra­cis­mo

El­vis Presley foi o res­pon­sá­vel por po­pu­la­ri­zar o rock’n’roll. E mui­tas pes­so­as acre­di­tam que um dos fa­to­res pe­los quais ele con­se­guiu de­sem­pe­nhar es­se pa­pel foi por ser um ho­mem bran­co vi­ven­do na Amé­ri­ca dos anos 1950. El­vis foi mui­to in­flu­en­ci­a­do pe­la mú­si­ca ne­gra, com rit­mos co­mo o R&B e o gos­pel. Mas, na­que­la épo­ca, a se­gre­ga­ção ra­ci­al era ní­ti­da e in­dis­cri­mi­na­da, e um ne­gro não pos­suía es­pa­ço den­tro do ce­ná­rio mu­si­cal pa­ra fa­zer su­ces­so.

O can­tor de­mons­tra­va gran­de res­pei­to pe­los ar­tis­tas im­por­tan­tes pa­ra a com­po­si­ção do seu es­ti­lo e, no iní­cio da sua trajetória, era bem vis­to pe­la co­mu­ni­da­de ne­gra. El­vis re­co­nhe­ceu que seu es­ti­lo não era uma no­vi­da­de, que ele não ha­via in­ven­ta­do na­da, di­zen­do que os ne­gros fa­zi­am aqui­lo há tem­pos. Em uma opor­tu­ni­da­de, o can­tor, com­po­si­tor e pi­a­nis­ta ne­gro Lit­tle Ri­chard che­gou a afir­mar: “eu agra­de­ço a Deus por El­vis Presley, ele abriu as por­tas pa­ra mui­tos de nós”. El­vis, in­clu­si­ve, te­ve que en­fren­tar obs­tá­cu­los, pois mui­tas pes­so­as não acei­ta­vam que um ho­mem bran­co “dan­ças­se co­mo um ne­gro”.

En­tre­tan­to, to­do es­se ce­ná­rio ad­qui­riu con­tor­nos crí­ti­cos qu­an­do um bo­a­to se es­pa­lhou. El­vis te­ria afir­ma­do que “as úni­cas coi­sas que ne­gros po­dem fa­zer por mim são com­prar meus dis­cos e en­gra­xar meus sa­pa­tos”. Não exis­tem pro­vas de que es­sa fra­se te­nha si­do di­ta pe­lo rei do rock. O jor­na­lis­ta ne­gro Louie Ro­bin­son re­sol­veu in­da­gar El­vis so­bre seu su­pos­to dis­cur­so ra­cis­ta. Du­ran­te a pro­du­ção do fil­me Jai­lhou­se Rock,o can­tor fez ques­tão de ne­gar a acu­sa­ção, re­a­fir­man­do o res­pei­to aos seus ído­los ne­gros.

Ar­mas

A ven­da de ar­mas nos Es­ta­dos Uni­dos é um te­ma po­lê­mi­co até os di­as de ho­je. “To­dos sa­bem que a Amé­ri­ca par­ti­cu­lar­men­te é o país dos ci­vis ar­ma­dos, e El­vis não era ex­ce­ção, além de ter si­do um co­le­ci­o­na­dor de ar­mas”, re­la­tam Ana Flá­via Mi­zi­a­ra e Mar­ce­lo Cos­ta em seu li­vro El­vis Presley.

O can­tor era um aman­te de ar­mas de fo­go e de uni­for­mes po­li­ci­ais. Diz-se que El­vis fre­quen­ta­va aca­de­mi­as de po­lí­cia pa­ra trei­nar ti­ros com seus ami­gos e que ele que­ria ser um ti­po de agen­te fe­de­ral pa­ra po­der lu­tar con­tra o co­mu­nis­mo e con­tra as drogas.

Di­fi­cul­da­des e tem­pe­ra­men­to

Os re­la­tos de Pris­cil­la, em seu li­vro, evi­den­ci­am mo­men­tos em que o can­tor de­mons­tra­va sua ins­ta­bi­li­da­de emo­ci­o­nal. “El­vis pa­re­cia tam­bém ser ca­paz de ex­plo­dir em rai­va mui­to de­pres­sa”, es­cre­veu. Em ou­tro tre­cho, afir­mou que“às ve­zes, ele es­bra­ve­ja­va só pa­ra fir­mar um ar­gu­men­to. Se acha­va que po­dia nos dar uma li­ção, am­pli­a­va um pro­ble­ma de me­nor im­por­tân­cia a pro­por­ções ab­sur­das; e mes­mo en­quan­to es­ta­va gri­tan­do, po­dia pis­car pa­ra al­guém pró­xi­mo. Dez mi­nu­tos de­pois, ele es­ta­va mui­to bem, dei­xan­do-nos atur­di­dos e es­go­ta­dos emo­ci­o­nal­men­te”.

Em ata­ques de rai­va, El­vis ati­ra­va em ob­je­tos. Cer­ta vez, dis­pa­rou con­tra uma te­le­vi­são – que es­tá ex­pos­ta até ho­je em Gra­ce­land – pe­lo sim­ples fa­to de não gos­tar do pro­gra­ma

que es­ta­va pas­san­do. Nem mes­mo sua co­le­ção de car­ros pas­sou im­pu­ne: te­mos co­mo pro­vas o Ca­dil­lac El­do­ra­do 1968 e o De To­ma­so Pan­te­ra.

Uso de drogas

Se a car­rei­ra con­ti­nu­a­va ge­ran­do um su­ces­so tre­men­do, a vi­da pes­so­al e a saú­de do rei do rock eram o opos­to: es­ta­vam ca­da vez pi­o­res.

Ape­sar de de­cla­rar gu­er­ra con­tra as drogas e re­ce­ber, na Ca­sa Bran­ca, o dis­tin­ti­vo do an­ti­go Ser­vi­ço Fe­de­ral de Nar­có­ti­cos e Drogas Pe­ri­go­sas (sai­ba mais na pá­gi­na 32), o ex­ces­so no uso de me­di­ca­men­tos foi de­ci­si­vo pa­ra a sua mor­te. Em 1973, ano do seu di­vór­cio, El­vis so­freu du­as over­do­ses pe­lo abu­so de bar­bi­tú­ri­cos (se­da­ti­vos e calmantes) e, na pri­mei­ra de­las, fi­cou três di­as em co­ma. Diz­se que ele con­su­mia três co­que­téis diá­ri­os des­sas subs­tân­ci­as, to­das re­cei­ta­das.

Se­gun­do o li­vro Co­nhe­cen­do El­vis, de Ri­chard Ros­si­ni Ata­nes, os re­mé­di­os que ini­ci­al­men­te, no exér­ci­to, eram utilizados pa­ra man­tê-lo acor­da­do e pa­ra que não con­ge­las­se dor­min­do nas gua­ri­tas ge­la­das do in­ver­no eu­ro­peu, pas­sa­ram a re­sol­ver ou­tros pro­ble­mas, co­mo insô­nia, can­sa­ço, ner­vo­sis­mo e de­pres­são. Além dis­so, o can­tor tam­bém so­fria de pres­são al­ta, glau­co­ma e ti­nha da­nos no fí­ga­do e no có­lon. “De­pois, nos anos 70, El­vis co­me­çou a ter sé­ri­os pro­ble­mas de saú­de e aí o nú­me­ro de re­mé­di­os re­cei­ta­dos au­men­tou. Sem­pre sur­gia um no­vo pro­ble­ma e as­sim, El­vis, de re­pen­te, se viu to­man­do uma gran­de quan­ti­da­de de subs­tân­ci­as di­fe­ren­tes a ca­da dia”, res­sal­ta o au­tor.

El­vis tor­nou-se de­pen­den­te des­sas drogas, tan­to as lí­ci­tas e re­co­men­da­das pe­los mé­di­cos, quan­to às ilí­ci­tas. Foi no exér­ci­to que co­nhe­ceu a an­fe­ta­mi­na e, pos­te­ri­or­men­te, pas­sou a usar se­da­ti­vos, nar­có­ti­cos e es­ti­mu­lan­tes.

A ro­ti­na fre­né­ti­ca de shows, com­bi­na­da ao efei­to que es­ses me­di­ca­men­tos ti- nham, afe­ta­va de­ma­si­a­da­men­te sua saú­de e o re­sul­ta­do dis­so foi de­mons­tra­do em di­ver­sas oca­siões. Em 1974, o can­tor che­gou à Mary­land pa­ra uma apre­sen­ta­ção. Mas, qu­an­do des­ceu de sua li­mu­si­ne, não con­se­guiu fi­car em pé e caiu de jo­e­lhos no chão. Mes­mo sem con­di­ções de can­tar, ele su­biu ao pal­co na­que­le dia. Pou­co tem­po de­pois, des­sa vez em De­troit, Presley en­con­tra­va-se lar­ga­do em uma ca­dei­ra, vi­si­vel­men­te al­te­ra­do an­tes de um es­pe­tá­cu­lo. A exem­plo do epi­só­dio an­te­ri­or, re­cu­sou-se a des­mar­car o com­pro­mis­so e fez sua apre­sen­ta­ção pa­ra o pú­bli­co.

El­vis era tão jo­vem qu­an­do se tor­na­ra um as­tro que nun­ca fo­ra ca­paz de ma­ni­pu­lar o po­der e di­nhei­ro que acom­pa­nha­ram a fa­ma.

Sob mui­tos as­pec­tos, ele foi ví­ti­ma, des­truí­do pe­las pró­pri­as pes­so­as que aten­di­am a to­dos os seus de­se­jos e ne­ces­si­da­des” Pris­cil­la Presley em sua

obra El­vis e Eu.

Má­fia de Memphis

The Memphis Ma­fia era co­mo cha­ma­vam a tur­ma de mais de dez pes­so­as que acom­pa­nha­va El­vis a to­dos os lu­ga­res du­ran­te sua car­rei­ra. Mui­tos de­les eram seus ami­gos de in­fân­cia e ti­nham fun­ções que va­ri­a­vam de as­sis­ten­tes de pal­co a se­gu­ran­ças e se­cre­tá­ri­os.

Ne­nhum pro­ble­ma apa­ren­te, não é? En­tre­tan­to, mui­tas pes­so­as afir­ma­vam que os in­te­gran­tes des­sa “má­fia” não pas­sa­vam de ba­ju­la­do­res e pa­ra­si­tas. El­vis da­va a eles mui­to mais do que seus sa­lá­ri­os, mas tam­bém pre­sen­tes ca­rís­si­mos, co­mo car­ros. Hou­ve quem ale­gas­se que, mui­tas ve­zes, os mem­bros des­se gru­po afas­ta­vam do can­tor quem re­al­men­te que­ria aju­dá-lo (co­mo no ca­so do uso abu­si­vo de me­di­ca­men­tos).

“El­vis era tão jo­vem qu­an­do se tor­na­ra um as­tro que nun­ca fo­ra ca­paz de ma­ni­pu­lar o po­der e di­nhei­ro que acom­pa­nha­ram a fa­ma. Sob mui­tos as­pec­tos, ele foi ví­ti­ma, des­truí­do pe­las pró­pri­as pes­so­as que aten­di­am a to­dos os seus de­se­jos e ne­ces­si­da­des”, es­cre­veu Pris­cil­la Presley em sua obra El­vis e Eu.

No en­tan­to, seus ami­gos se de­fen­di­am di­zen­do que, sem eles, El­vis es­ta­ria pi­or e te­ria mor­ri­do mui­to tem­po an­tes.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.