VI­DA LON­GA AO REI!

O adeus ao ído­lo eter­na­men­te vi­vo na lem­bran­ça e no ima­gi­ná­rio po­pu­lar

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - ELVIS PRESLEY - EDIÇÃO DE COLECIONADOR - - ETERNIZADO - TEX­TO Ana Be­a­triz Gar­cia/Co­la­bo­ra­do­ra DE­SIGN Mary El­len Ma­cha­do e Gui­lher­me Lau­ren­te/Co­la­bo­ra­dor FOTOS Shutterstock Ima­ges, iS­tock.com/Getty Ima­ges, Ins­ta­gram @el­vis e Joe Ra­e­dle/Getty Ima­ges

“Da­qui a dois mil anos ain­da es­ta­rão fa­lan­do so­bre El­vis Presley”, pre­viu Wolf­man Jack. A ci­ta­ção do fa­mo­so DJ dos anos 1960 e 1970, re­gis­tra­da no li­vro Fa­la Rock de Car­mem Cac­ci­a­car­ro, re­ve­la que El­vis dei­xou mar­cas de gran­de re­le­vân­cia pa­ra o pe­río­do e que o im­pac­to cau­sa­do nas du­as dé­ca­das de su­ces­so des­se as­tro do rock ain­da res­so­a­ria por mui­tas ge­ra­ções.

Qua­se 40 anos após sua par­ti­da, a obra, o jei­to ir­re­ve­ren­te e o re­bo­la­do ca­rac­te­rís­ti­co de El­vis ain­da es­tão pre­sen­tes de for­ma ex­pres­si­va na atu­a­li­da­de. Is­so sem co­lo­car nes­sa con­ta o fa­mo­so bor­dão “El­vis não mor­reu”, que re­per­cu­te des­de sua mor­te.

Acon­te­ce que o ga­lã, de al­can­ce de voz in­com­pa­rá­vel, em 16 de agos­to de 1977, si­len­ci­ou-se de­fi­ni­ti­va­men­te e, mes­mo em meio às di­ver­sas es­pe­cu­la­ções, não há pro­va con­cre­ta que re­fu­te es­se fa­to.

Os úl­ti­mos anos

Em 1973, lon­ge dos ca­nhões de luz, dos pal­cos e do ca­lor dos fãs, El­vis era um ho­mem com um ca­sa­men­to fra­gi­li­za­do. Foi aí, en­tão, que o di­vór­cio aba­lou a vi­da do can­tor e o uso dos me­di­ca­men­tos pa­ra ali­vi­ar a insô­nia, o can­sa­ço e es­tres­se se in­ten­si­fi­ca­ram.

Em de­cor­rên­cia dis­so, o ar­tis­ta es­ta­va ca­da vez mais in­cha­do e tam­bém en­gor­dou mui­to com seus há­bi­tos ali­men­ta­res des­re­gra­dos. “An­tes de mor­rer, El­vis Presley con­su­mia cer­ca de 90 mil ca­lo­ri­as por dia – o do­bro do que co­me um ele­fan­te asiá­ti­co. Só o ca­fé da ma­nhã de­le in­cluía mais de cin­co mil ca­lo­ri­as: seis ovos quen­tes com man­tei­ga, meio qui­lo de ba­con, 250 gra­mas de lin­gui­ça e 12 bis­coi­tos aman­tei­ga­dos”, des­cre­ve Ely Da­mas­ce­no no li­vro El­vis Presley – O mi­to.

Se­gun­do a obra El­vis de A a Z de Ge­or­ge Ba­tis­ta Da Silva, El­vis de­fi­ni­ti­va­men­te não era sau­dá­vel. “Ti­nha glau­co­ma, hi­per­ten­são, pro­ble­mas no có­lon, apa­re­lho di­ges­ti­vo, fo­bi­as e etc. Era hi­po­con­dría­co e to­ma­va bar­bi­tú­ri­cos, an­fe­ta­mi­nas e to­do ti­po de me­di­ca­men­to que po­dia ima­gi­nar”, nar­ra o tre­cho do li­vro. Du­ran­te os anos 1970, o as­tro pas­sou por in­ter­na­ções mé­di­cas so­fren­do de exaus­tão e pro­ble­mas di­ver­sos.

A si­tu­a­ção de saú­de de El­vis co­me­çou a afe­tar o an­da­men­to de seus shows e o ído­lo do rock pas­sou a es­que­cer al­gu­mas le­tras de su­as can­ções, con­tar fa­tos de sua vi­da pes­so­al (ape­sar de ter si­do sem­pre re­ser­va­do) e pi­a­das que não ti­nham gra­ça. Mes­mo can­sa­do, El­vis ain­da reu­nia mul­ti­dões em su­as apre­sen­ta­ções, o que não era o bas­tan­te pa­ra tran­qui­li­zá-lo. No iní­cio do ano de 1977, o ar­tis­ta já es­ta­va pen­san­do além dos ru­mos de sua vi­da, e ela­bo­rou seu tes­ta­men­to.

Des­pe­di­da dos pal­cos

O as­tro do rock ti­nha no­vos pla­nos pa­ra sua car­rei­ra, pen­sou até em re­a­li­zar uma tur­nê mun­di­al. Por ou­tro la­do, pas­sa­va por uma fa­se con­tur­ba­da em 1977, ano em que três de seus guar­da-cos­tas de­mi­ti­dos lan­ça­ram o li­vro El­vis What Hap­pen­ded (em tra­du­ção li­vre: El­vis, o que acon­te­ceu) em que ex­pu­nham sua vi­da sob uma óti­ca sen­sa­ci­o­na­lis­ta e po­lê­mi­ca. Com is­so, El­vis fi­cou bas­tan­te de­pri­mi­do e sen­tiu-se traí­do.

Mas o show não po­dia pa­rar... Ape­sar de seu fí­si­co bem di­fe­ren­te dos anos 1950, El­vis ain­da era se­gui­do por uma le­gião de fãs apai­xo­na­dos. Em 19 de ju­nho de 1977, a re­de de te­le­vi­são ame­ri­ca­na CBS apro­vei­tou a opor­tu­ni­da­de dos shows em Omaha e Ra­pidy City, nos Es­ta­dos Uni­dos, pa­ra gra­var o es­pe­ci­al El­vis in con­cert que se­ria exi­bi­do em ou­tu­bro do mes­mo ano. Já In­di­a­ná­po­lis foi o pal­co da úl­ti­ma opor­tu­ni­da­de que os fãs ti­ve­ram de con­fe­rir a per­for­man­ce de El­vis nos pal­cos. A der­ra­dei­ra apre­sen­ta­ção foi em 26 de ju­nho de 1977, no Market Squa­re Are­na.

Além da ro­ti­na bas­tan­te atri­bu­la­da, o as­tro do rock ti­nha al­guns cos­tu­mes pe­cu­li­a­res, co­mo tro­car o dia pe­la noi­te, alu­gar sa­las de projeção fo­ra do ho­rá­rio de fun­ci­o­na­men­to pa­ra as­sis­tir fil­mes de ca­ra­tê ou ser aten­di­do pe­lo den­tis­ta em um ho­rá­rio na­da ha­bi­tu­al. Na noi­te de 15 de agos­to de 1977, El­vis não as­sis­tiu ao fil­me que gos­ta­ria por­que ain­da não ha­via có­pia dis­po­ní­vel na ci­da­de, mas foi ao den­tis­ta, por vol­ta das on­ze da noi­te. Ao vol­tar, foi fo­to­gra­fa­do en­tran­do em sua ca­sa, jo­gou squash, sen­tou ao pi­a­no e to­cou al­gu­mas can­ções, ter­mi­nan­do com Blue Eyes Crying In The Rain. Foi sua úl­ti­ma apre­sen­ta­ção.

A fi­lha de El­vis, Li­sa Ma­rie, na épo­ca com no­ve anos, es­ta­va pas­san­do a se­ma­na com ele e, se­gun­do des­cri­to no li­vro Um Rei em Bus­ca da Ver­da­de: Uma Bi­o­gra­fia Es­pi­ri­tu­al de El­vis Presley de Gary Til­lery, re­ce­beu um beijo de boa noi­te do pai an­tes que ele fos­se dor­mir. Além de­la, es­ta­vam com El­vis, sua na­mo­ra­da Gin­ger Al­den e Billy Smith, seu pri­mo.

Na ver­da­de, Presley que­ria dor­mir, mas es­ta­va sem so­no – co­mo de cos­tu­me. En­tão, pe­diu a sua en­fer­mei­ra par­ti­cu­lar que lhe me-

O si­lên­cio de El­vis

An­tes de mor­rer, El­vis Presley con­su­mia cer­ca de 90 mil ca­lo­ri­as por dia – o do­bro do que co­me um ele­fan­te asiá­ti­co” Ely Da­mas­ce­no,

em seu li­vro El­vis Presley – O mi­to

di­cas­se com os re­mé­di­os pres­cri­tos por seu mé­di­co, Ge­or­ge C. Ni­cho­pou­los, co­nhe­ci­do co­mo Dr. Nick. Mes­mo ten­do to­ma­do seus re­mé­di­os, a insô­nia não o aban­do­nou, eram qua­se no­ve ho­ras da ma­nhã e El­vis re­sol­veu ler no ba­nhei­ro – já que não que­ria atra­pa­lhar Gin­ger, que dor­mia no quar­to.

Pró­xi­mo das du­as da tar­de, Gin­ger des­per­tou e, ven­do que El­vis não es­ta­va na ca­ma, cha­mou por ele, já pre­ven­do que de­ve­ria ter pe­ga­do no so­no du­ran­te a lei­tu­ra. Sem res­pos­tas, Gin­ger abriu a por­ta do ba­nhei­ro e de­pa­rou-se com El­vis des­mai­a­do no chão. Ao seu la­do es­ta­va caí­do o li­vro Sci­en­ti­fic Se­ar­ch for the Fa­ce of Je­sus (Uma bus­ca ci­en­tí­fi­ca pe­lo ros­to de Je­sus, em por­tu­guês).

Os pa­ra­mé­di­cos fo­ram cha­ma­dos e El­vis foi le­va­do ao Hos­pi­tal Bap­tist Me­mo­ri­al, on­de as ten­ta­ti­vas de res­sus­ci­ta­ção fa­lha­ram. Aos 42 anos, por vol­ta das três e meia da tar­de do dia 16 de agos­to de 1977, o rei do rock foi de­cla­ra­do mor­to por seu mé­di­co pes­so­al, que atri­buiu a cau­sa ofi­ci­al da mor­te a um co­lap­so ful­mi­nan­te as­so­ci­a­do à dis­fun­ção car­día­ca, mas até ho­je o te­ma é re­ple­to de es­pe­cu­la­ções e o lau­do da au­tóp­sia é ve­la­do.

Co­mo­ção in­ter­na­ci­o­nal

A mor­te do rei do rock foi um mar­co e le­vou a mul­ti­dão dos shows à Gra­ce­land, re­si­dên­cia ofi­ci­al de El­vis. Con­for­me a no­tí­cia se es­pa­lhou e se con­fir­mou pe­los mei­os de co­mu­ni­ca­ção, os fãs fo­ram se reu­nin­do em fren­te ao ve­ló­rio do ído­lo, que co­me­çou de for­ma pri­va­da na ma­dru­ga­da do dia 17 e se es­ten­deu por to­do o dia.

Na­que­la da­ta, hou­ve uma pa­ne no fun­ci­o­na­men­to das li­nhas te­lefô­ni­cas de Memphis a pon­to da com­pa­nhia te­lefô­ni­ca so­li­ci­tar que os mo­ra­do­res da ci­da­de só uti­li­zas­sem o apa­re­lho em ca­so de ur­gên­cia, con­for­me nar­ra Ri­chard Ros­si­ni Ata­nes no li­vro Co­nhe­cen­do El­vis. Flo­ri­cul­tu­ras tam­bém fo­ram ex­tre­ma­men­te im­pac­ta­das pe­la no­tí­cia, bem co­mo as com­pa­nhi­as aé­re­as, que já não ti­nham mais pas­sa­gens dis­po­ní­veis, sain­do com vo­os lo­ta­dos de to­da par­te dos Es­ta­dos Uni­dos. “Ami­gos e pes­so­as pró­xi­mas da fa­mí­lia li­ga­vam pa­ra Gra­ce­land e eram so­li­ci­ta­dos a evi­ta­rem com­pa­re­cer no ve­ló­rio por­que a si­tu­a­ção es­ta­va fo­ra de con­tro­le”, con­ta um tre­cho do li­vro.

Es­ti­ma-se que cer­ca de 20 mil pes­so­as ocu­pa­ram Gra­ce­land e mui­tos não con­se­gui­ram dar adeus ao ído­lo de per­to. Mes­mo as­sim, os fãs fi­ca­ram es­pa­lha­dos em tor­no da re­si­dên­cia, ven­den­do ca­mi­se­tas e ob­je­tos que re­me­tes­sem à car­rei­ra do can­tor, acen­den­do ve­las e dei­xan­do su­as ho­me­na­gens.

Ve­ló­rio con­tro­ver­so

Além das dú­vi­das quan­to à cau­sa da mor­te do mú­si­co, mui­tas ou­tras te­o­ri­as fo­ram criadas. Se­ria o óbi­to, um pla­no de

El­vis pa­ra fu­gir dos ho­lo­fo­tes? A des­cren­ça no fa­le­ci­men­to do ído­lo pop fez com que sur­gis­sem os mais va­ri­a­dos ti­pos de te­o­ri­as. De Bu­e­nos Ai­res à par­ti­ci­pa­ções es­pe­ci­ais em fil­mes; de con­tri­bui­ção em bi­o­gra­fia à car­ta pa­ra aman­tes, pa­ra quem acre­di­ta, há evi­dên­ci­as pa­ra to­dos os gos­tos.

To­do o mis­té­rio co­me­ça qu­an­do o lau­do da au­tóp­sia do can­tor foi man­ti­do em si­gi­lo a pe­di­do da fa­mí­lia. Além dis­so, o ates­ta­do de óbi­to tam­bém le­van­ta sus­pei­tas. O do­cu­men­to ori­gi­nal su­miu e o exis­ten­te foi ex­pe­di­do dois me­ses de­pois. O no­me do meio de El­vis vem gra­fa­do na lá­pi­de co­mo “Aa­ron” ao in­vés de “Aron” – co­mo es­tá em sua cer­ti­dão de nas­ci­men­to. Pa­ra os cons­pi­ró­lo­gos, o pai do as­tro po­de­ria ter evi­ta­do o er­ro da gra­fia na lá­pi­de ca­so es­ti­ves­se en­ter­ran­do, de fa­to, seu fi­lho. Ou­tro equí­vo­co da cer­ti­dão de óbi­to fi­ca por con­ta do pe­so de El­vis que, na épo­ca de sua mor­te, vi­si­vel- men­te era mai­or do que os 75kg re­gis­tra­dos no do­cu­men­to.

Mas se o rei do rock per­deu uns qui­los no pa­pel, não foi bem is­so que con­fe­ri­ram os car­re­ga­do­res de seu cai­xão. O ve­ló­rio, além de rá­pi­do, ain­da exi­bia um cor­po que pa­re­cia mais jo­vem e mais ma­gro que El­vis em vi­da. En­tão, is­so con­fir­ma­ria os 75kg da cer­ti­dão, cer­to? Ao que pa­re­ce, não. Tes­te­mu­nhas do fu­ne­ral con­tam que o cai­xão pe­sa­va mais de 300kg e que, ao se apro­xi­mar, era pos­sí­vel sen­tir um ar frio. As­sim, a te­o­ria diz que o fa­le­ci­do, na ver­da­de, era um bo­ne­co de ce­ra em um cai­xão re­fri­ge­ra­do pa­ra que não vi­es­se a der­re­ter. A hi­pó­te­se tam­bém ques­ti­o­na co­mo a fa­mí­lia Presley te­ria con­se­gui­do um cai­xão com mais de 300kg fei­to sob me­di­da de um dia pa­ra o ou­tro.

En­quan­to mui­tos cho­ra­vam em tor­no do su­pos­to bo­ne­co de ce­ra, di­zem ter vis­to um ho­mem mui­to pa­re­ci­do com o mú­si­co, com o no­me de John Bur­rows, com­pran­do um bi­lhe­te aé­reo pa­ra Ar­gen­ti­na – on­de ele, de fa­to, ti­nha uma ca­sa. Um sol­da­do da épo­ca, Jor­ge Da­ni­el Gar­cia, che­gou a afir­mar que hou­ve o pou­so de um Bo­eing 747 na ba­se mi­li­tar de Pa­lo­mar, no dia da mor­te de El­vis

e que um ho­mem era es­pe­ra­do com uma li­mu­si­ne. Se­ria o rei do rock?

Mais te­o­ri­as...

Os mais cren­tes nes­sas te­o­ri­as te­ri­am o vis­to fa­zen­do uma par­ti­ci­pa­ção co­mo fi­gu­ran­te no fil­me Es­que­ce­ram de mim, es­tre­la­do por Ma­cau­lay Cul­kin em 1990. Além dis­so, os mais ape­ga­dos aos co­di­no­mes do rei, acre­di­tam que o li­vro The truth about El­vis Aron Presley – in his own words (A ver­da­de so­bre El­vis Aron Presley – em su­as pró­pri­as pa­la­vras) do psi­qui­a­tra Do­nald Hin­ton foi es­cri­to com ba­se em en­tre­vis­ta do pró­prio can­tor. No ro­da­pé do li­vro, apa­re­ce a ins­cri­ção “with ‘Jes­se’” (com Jes­se) – no­me do ir­mão gê­meo fa­le­ci­do de El­vis.

E, mes­mo de­pois de “mor­to”, o ro­quei­ro pa­re­ce não ter per­di­do o ro­man­tis­mo. Du­as aman­tes do mú­si­co tam­bém afir­mam ter re­ce­bi­do car­tas de El­vis com ape­li­dos ca­ri­nho­sos que só o ca­sal ti­nha co­nhe­ci­men­to.

In­de­pen­den­te das te­o­ri­as e es­pe­cu­la­ções em que es­tá en­vol­vi­do e da sau­da­de e do ca­ri­nho dos fãs pa­ra com ele, El­vis é uma fi­gu­ra atem­po­ral. Um ído­lo acla­ma­do por mul­ti­dões, mes­mo após a mor­te. Sua obra e seu le­ga­do mos­tram o as­tro do rock co­mo um rei que nun­ca mor­re.

Ami­gos e pes­so­as pró­xi­mas da fa­mí­lia li­ga­vam pa­ra Gra­ce­land e eram so­li­ci­ta­dos a evi­ta­rem com­pa­re­cer no ve­ló­rio por­que a si­tu­a­ção es­ta­va fo­ra de con­tro­le”

Ri­chard Ros­si­ni Ata­nes, em seu li­vro Co­nhe­cen­do El­vis

Ho­me­na­gens a El­vis, em Gra­ce­land, du­ran­te a El­vis We­ek, co­me­mo­ra­ção que ocor­re anu­al­men­te no lo­cal que, ho­je, é um mu­seu so­bre o as­tro do rock

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.