POR QUE EL­VIS É REI?

El­vis Presley não mu­dou ape­nas o ce­ná­rio mu­si­cal com su­as can­ções. O ar­tis­ta foi pe­ça-cha­ve na re­vo­lu­ção cul­tu­ral en­tre 1950 e 1970. Se o rock to­mou no­vos ru­mos de­pois dis­so, de­ve es­se aper­fei­ço­a­men­to ao seu rei

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - ELVIS PRESLEY - EDIÇÃO DE COLECIONADOR - - EDITORIAL - TEX­TO Éri­ca Agui­ar DE­SIGN Mary El­len Ma­cha­do FOTOS Bu­kley/JS­to­ne/Ol­ga Po­po­va/Shutterstock Ima­ges, War­ner Ho­me Vi­deo/Di­vul­ga­ção, Ben A. Pru­ch­nie/Bryan Steffy/Ja­son Mer­ritt Ja­son Oxe­nham/ Ke­vin Win­ter/Lu­ca V. Teu­ch­mann/Pas­cal Le Se­gre­tain/Pe­ter Kra­mer/Theo

ASe­gun­da Gu­er­ra Mun­di­al (1939-1945) ha­via aca­ba­do. Os paí­ses eu­ro­peus, o Ja­pão e os Es­ta­dos Uni­dos se re­er­gui­am econô­mi­ca e po­li­ti­ca­men­te. Vi­das fo­ram per­di­das, con­tu­do, mui­tas ou­tras sur­gi­ram com o baby boom pós­guer­ra. Nas dé­ca­das de 1960 e 1970, es­ta se­ria a ge­ra­ção re­vo­lu­ci­o­ná­ria e con­su­mi­do­ra do rock’n’roll. El­vis, no en­tan­to, não era um fi­lho do con­fli­to mun­di­al, po­rém, sua pri­mei­ra gra­va­ção – com os riffs de gui­tar­ra de Scotty Mo­o­re e os acor­des do bai­xis­ta Bill Black – con­quis­tou os ou­vi­dos, bol­sos e co­ra­ções de pes­so­as co­muns. Era o iní­cio da po­pu­la­ri­za­ção de um no­vo es­ti­lo mu­si­cal.

Um jo­vem apai­xo­nan­te

Há uma voz gran­di­o­sa por trás de to­da a se­du­ção pre­sen­te no olhar e no sor­ri­so de El­vis Presley. O jo­vem cheio de es­ti­lo, com um vi­o­lão na mão e uma pél­vis de dar in­ve­ja em qual­quer qua­dril “in­fle­xí­vel”, se­du­ziu os ado­les­cen­tes de sua épo­ca (e dei­xou seus pais hor­ro­ri­za­dos, ou me­lhor, “de quei­xo caí­do”). E foi as­sim que o ar­tis­ta tor­nou-se um ver­da­dei­ro sím­bo­lo se­xu­al.

Em­bo­ra o rei do rock não fos­se um exí­mio com­po­si­tor, ima­gi­nar o ce­ná­rio mu­si­cal sem a sua in­fluên­cia e ca­ris­ma é uma ta­re­fa di­fí­cil. El­vis sa­bia dar emo­ção às can­ções e pos­suía um do­mí­nio im­pres­si­o­nan­te so­bre su­as cor­das vo­cais. Des­sa ma­nei­ra, o co­me­ço de sua car­rei­ra foi mar­ca­do pe­la re­bel­dia nos re­bo­la­dos e a im­po­nên­cia que uma no­va ge­ra­ção cul­tu­a­va.

Ape­nas ques­tão de sor­te?

A his­tó­ria é cla­ra em mos­trar que, an­tes de Presley, o rock já exis­tia nas can­ções de ar­tis­tas ne­gros co­mo

Lit­tle Ri­chard, Fats Do­mi­no e Chuck Ber­ry. O gê­ne­ro era uma mis­tu­ra do R&B, do gos­pel, do folk, do coun­try e do jazz fei­tos até en­tão, mas pou­co apre­ci­a­dos pe­la po­pu­la­ção bran­ca es­ta­du­ni­den­se.

O pró­prio Sam Phil­lips, pro­du­tor mu­si­cal e do­no do es­tú­dio Sun Re­cords on­de El­vis fez sua pri­mei­ra gra­va­ção, cos­tu­ma­va di­zer que, no dia em que en­con­tras­se um can­tor bran­co com uma voz ne­gra, fi­ca­ria mi­li­o­ná­rio (leia mais na pá­gi­na 10). E, de cer­to mo­do, a ma­ré es­ta­va a fa­vor de Phil­lips. Presley era um jo­vem bran­co, bo­ni­to pa­ra os pa­drões da épo­ca, ca­ris­má­ti­co e com o tom de voz que o pro­du­tor es­pe­ra­va.

Polêmicas ra­ci­ais

Pa­ra al­guns, o can­tor apro­pri­ou-se cul­tu­ral­men­te da mú­si­ca ne­gra e dei­xou os com­po­si­to­res de su­as can­ções em se­gun­do pla­no. Con­tu­do, ou­tros re­la­tos mos­tram El­vis co­mo um ad­mi­ra­dor de tais ar­tis­tas, co­mo sua en­tre­vis­ta, em 1956, ao edi­tor da re­vis­ta nor­te-ame­ri­ca­na Jet. “A lot of pe­o­ple se­em to think I star­ted this bu­si­ness, but rock’n’roll was he­re a long ti­me be­fo­re I ca­me along. No­body can sing that kind of mu­sic li­ke co­lo­red pe­o­ple. Let’s fa­ce it; I can’t sing it li­ke Fats Do­mi­no can. I know that. But I always li­ked that kind of mu­sic” (em tra­du­ção li­vre, “Mui­tas pes­so­as pa­re­cem pen­sar que eu co­me­cei com es­se ne­gó­cio, mas o rock’n’roll es­ta­va aqui bem an­tes de eu apa­re­cer. Nin­guém po­de can­tar es­se ti­po de mú­si­ca co­mo as pes­so­as ne­gras. Va­mos en­ca­rar is­so; Eu não pos­so can­tar co­mo Fats Do­mi­no. Eu sei dis­so. Mas eu sem­pre gos­tei des­se ti­po de mú­si­ca”), es­cla­re­ceu o can­tor.

Já em 1969, du­ran­te uma co­le­ti­va de im­pren­sa em Las Ve­gas, um re­pór­ter se re­fe­riu a El­vis co­mo o rei do rock’n’roll. O can­tor, por sua vez, re­jei­tou o tí­tu­lo e in­di­cou Fats Do­mi­no, que es­ta­va pre­sen­te na sa­la, co­mo uma de su­as gran­des in­fluên­ci­as, a quem a de­sig­na­ção de­ve­ria per­ten­cer.

O rei da rein­ven­ção

Du­ran­te sua car­rei­ra, El­vis tam­bém foi mes­tre em “dar a vol­ta por ci­ma”. De mo­to­ris­ta de ca­mi­nhão a can­tor de su­ces­so, o re­tor­no do exér­ci­to, a vi­da co­mo ator e a vol­ta en­can­ta­do­ra em 1968 fo­ram mo­men­tos de tran­si­ção im­por­tan­tes na trajetória de Presley. Se­ja co­mo re­bel­de, mo­ço bem-com­por­ta­do ou adul­to char­mo­so, sua pos­tu­ra em ci­ma dos pal­cos con­ti­nu­a­va a con­quis­tar o pú­bli­co, mes­mo que ar­tis­tas co­mo Bob Dy­lan e ban­das co­mo Be­a­tles e Rolling Sto­nes es­ti­ves­sem no to­po das pa­ra­das.

A “ame­a­ça” do rock bri­tâ­ni­co – vis­to, mui­tas ve­zes, co­mo a na­ta do es­ti­lo – tam­bém in­flu­en­ci­ou a ado­ção de El­vis co­mo um íco­ne do gê­ne­ro mu­si­cal nos Es­ta­dos Uni­dos. Era o “he­rói” ne­ces­sá­rio pa­ra a his­tó­ria (ain­da que, ao fi­nal da car­rei­ra, es­ti­ves­se com sua ima­gem de­te­ri­o­ra­da) e pa­ra a in­dús­tria fo­no­grá­fi­ca.

Os baby bo­o­mers, nas­ci­dos no pós-gu­er­ra, com­pu­nham o pú­bli­co de El­vis ain­da na dé­ca­da de 1950. Foi es­ta ge­ra­ção a res­pon­sá­vel por com­prar os dis­cos do can­tor e cau­sar to­do o re­bo­li­ço, ali­men­ta­do pe­la mí­dia, em tor­no de sua fi­gu­ra. Além dis­so, os jo­vens da épo­ca tam­bém iam ao ci­ne­ma acom­pa­nhar as películas es­tre­la­das pe­lo rei do rock já em 1960.

Show­man ilus­tre

Mes­mo que ou­tros ar­tis­tas pos­te­ri­o­res a El­vis te­nham ex­plo­ra­do o rock de uma for­ma nun­ca vis­ta an­te­ri­or­men­te, o im­pac­to cul­tu­ral do can­tor in­flu­en­ci­ou ca­pas de dis­co, co­mo é o ca­so do ál­bum Lon­don Cal­ling da banda bri­tâ­ni­ca de punk rock The Clash, e foi quem abriu as por­tas pa­ra no­vos es­ti­los de con­cer­tos.

Se, ho­je, ar­tis­tas do pop dan­çam no pal­co, in­te­ra­gem com os mú­si­cos ao seu re­dor, usam fo­gos de ar­ti­fí­cio no pri­mei­ro ato e ves­tem tra­jes per­so­na­li­za­dos é por­que El­vis, co­mo o show­man ex­tra­or­di­ná­rio que era, deu iní­cio a es­sa ma­nei­ra de se apre­sen­tar

Presley, já no iní­cio da dé­ca­da de 1970 na ci­da­de de Las Ve­gas, apre­sen­ta­va-se em es­pe­tá­cu­los me­ga­pro­du­zi­dos com gru­pos vo­cais e ins­tru­men­tais es­tron­do­sos. Se, ho­je, ar­tis­tas do pop dan­çam no pal­co, in­te­ra­gem com os mú­si­cos ao seu re­dor, usam fo­gos de ar­ti­fí­cio no pri­mei­ro ato e ves­tem tra­jes per­so­na­li­za­dos é por­que El­vis, co­mo o show­man ex­tra­or­di­ná­rio que era, deu iní­cio a es­sa ma­nei­ra de se apre­sen­tar.

Im­pac­to

El­vis é rei não só pe­lo olhar, ca­be­lo ou os mo­vi­men­tos do qua­dril. Nin­guém an­tes ha­via flu­tu­a­do tão bem en­tre tan­tos es­ti­los e, as­sim, po­pu­la­ri­za­do o rock’n’roll no mun­do in­tei­ro.

Co­mo uma vez dis­se o jor­na­lis­ta e crí­ti­co mu­si­cal es­ta­du­ni­den­se Les­ter Bangs: “eu pos­so te ga­ran­tir uma coi­sa – nós nun­ca ire­mos no­va­men­te con­cor­dar em al­go co­mo con­cor­da­mos so­bre El­vis”. Afi­nal, o can­tor foi a gran­de for­ça cul­tu­ral do sé­cu­lo 20, im­pul­si­o­nan­do as mu­dan­ças so­ci­ais da dé­ca­da de 1960, mes­mo que ao fi­nal de sua car­rei­ra não con­cor­das­se com o com­por­ta­men­to da ju­ven­tu­de (leia mais na pá­gi­na 32).

Gran­de le­ga­do

El­vis ain­da in­flu­en­ci­ou di­ver­sas ban­das co­mo Led Zep­pe­lin, Bee Ge­es, Rolling Sto­nes, Be­a­tles, Que­en, Si­mon&Gar­fun­kel, Roxy Mu­sic e mui­tas ou­tras. Os ar­tis­tas per­ten­cen­tes a es­ses gru­pos de rock cos­tu­ma­vam, na in­fân­cia e ado­les­cên­cia, es­cu­tar os ál­buns de Presley e ad­mi­rar os riffs de gui­tar­ra e bai­xo dos mú­si­cos que o acom­pa­nha­vam.

Foi por meio de su­as can­ções que o rock, ca­da vez mais, se po­pu­la­ri­zou e fez com que ou­tros jo­vens in­ves­tis­sem na cri­a­ti­vi­da­de mu­si­cal, com­pon­do obras re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as, com so­los e me­lo­di­as mar­can­tes. O can­tor era a ins­pi­ra­ção que mo­ti­va­va a ju­ven­tu­de agi­ta­da. Por is­so, é con­si­de­ra­do o rei do rock, ou se­ja, um ar­tis­ta trans­cen­den­tal que apre­sen­tou um jei­to di­fe­ren­te de “fa­zer mú­si­ca” às ge­ra­ções mais no­vas. Se ho­je o es­ti­lo é ca­paz de di­vi­dir-se em di­ver­sos gê­ne­ros (punk, pro­gres­si­vo, al­ter­na­ti­vo, in­die, en­tre ou­tros) e re­vo­lu­ci­o­nar o ce­ná­rio mu­si­cal, de­ve is­so aos re­me­le­xos e ao ca­ris­ma que Presley apre­sen­tou nas dé­ca­das pas­sa­das. Nas pá­gi­nas se­guin­tes, vo­cê con­fe­re um in­fo­grá­fi­co de ar­tis­tas que ti­ve­ram seus es­ti­los im­pac­ta­dos pe­lo rei do rock, car­re­gan­do mui­tas das ca­rac­te­rís­ti­cas per­for­má­ti­cas e mu­si­cais de El­vis.

Eu pos­so te ga­ran­tir uma coi­sa – nós nun­ca ire­mos no­va­men­te con­cor­dar em al­go co­mo con­cor­da­mos so­bre El­vis”

Les­ter Bangs, jor­na­lis­ta e crí­ti­co mu­si­cal es­ta­du­ni­den­se

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.