1956: O ANO EM QUE TU­DO MU­DOU

Qu­an­do El­vis se fir­mou nas pa­ra­das de su­ces­so, a mú­si­ca nun­ca mais foi a mes­ma

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - ELVIS PRESLEY - EDIÇÃO DE COLECIONADOR - - EDITORIAL - TEX­TO Éri­ka Al­fa­ro/Co­la­bo­ra­do­ra DE­SIGN Mary El­len Ma­cha­do FOTOS Shutterstock Ima­ges, Wi­ki­me­dia Com­mons, Ins­ta­gram @el­vis e Reprodução

Se, em 1954, El­vis Presley gra­vou su­as pri­mei­ras can­ções pe­la Sun Re­cords e deu iní­cio à sua car­rei­ra pro­fis­si­o­nal, foi no ano de 1956 que sua trajetória tor­nou­se per­me­a­da pe­lo su­ces­so.

Re­cém con­tra­ta­do pe­la RCA Re­cords – gra­va­do­ra de mai­or ex­pres­são que o acom­pa­nha­ria da­li em di­an­te –, lan­çou o sin­gle Heartbreak Ho­tel, que ven­deu 300 mil có­pi­as em três se­ma­nas e ren­deu ao rei seu pri­mei­ro dis­co de ou­ro. Ao mes­mo tem­po, ele fez sua pri­mei­ra apre­sen­ta­ção na­ci­o­nal na te­le­vi­são e sua es­treia no ci­ne­ma co­mo o as­tro do fil­me Lo­ve Me Ten­der.

A no­va gra­va­do­ra

Em agos­to de 1955, uma fi­gu­ra es­sen­ci­al na vi­da de El­vis en­trou em ce­na: co­ro­nel Par­ker. O em­pre­sá­rio pro­cu­rou gra­va­do­ras na­ci­o­nais pa­ra seu mais no­vo as­tro. A Co­lum­bia e a Atlan­tic até apa­re­ce­ram co­mo pos­si­bi­li­da­des, mas os con­ta­tos de Tom Par­ker na RCA Vic­tor (an­ti­go no­me) fi­ze­ram com que a em­pre­sa fos­se a elei­ta e, em no­vem­bro do mes­mo ano, Sam Phil­lips, pro­pri­e­tá­rio da Sun Re­cords, ven­deu o con­tra­to de El­vis. Si­mul­ta­ne­a­men­te, Presley fir­mou uma par­ce­ria com a edi­to­ra mu­si­cal Hill & Ran­ge, que pas­sa­ria a ad­mi­nis­trar su­as can­ções e con­tra­tar com­po­si­to­res pa­ra pro­du­zi-las.

Tal mu­dan­ça te­ve gran­de in­fluên­cia na car­rei­ra do can­tor, que tam­bém re­pre­sen­tou, na­que­la épo­ca, um gran­de in­ves­ti­men­to e, pos­te­ri­or­men­te, um tre­men­do su­ces­so pa­ra a gra­va­do­ra. Os di­re­to­res e pro­du­to­res de­mons­tra­ram gran­de in­te­res­se no ar­tis­ta, uma vez que El­vis era di­fe­ren­te: ele não se ade­qua­va a ne­nhu­ma ca­te­go­ria que as de­mais em­pre­sas pos­suíam.

De­pois de re­lan­çar al­guns sin­gles gra­va­dos pe­la Sun Re­cords, a RCA co­me­çou a pro­du­zir um no­vo tra­ba­lho de El­vis. O ma­te­ri­al, que se tor­na­ria um mar­co pa­ra a his­tó­ria da mú­si­ca, co­me­çou a ser gra­va­do em 10 de ja­nei­ro de 1956, dois di­as de­pois de Presley com­ple­tar 21 anos.

Heartbreak Ho­tel

O gui­tar­ris­ta Scotty Mo­o­re e o bai­xis­ta Bill Black, que es­ta­vam com El­vis des­de o iní­cio, o acom­pa­nha­ram nes­sa pro­du­ção, or­ga­ni­za­da na ci­da­de de Nash­vil­le por Chet At­kins, co­or­de­na­dor da RCA no lo­cal. Ben e Brock Spe­er fo­ram os bac­king vo­cals, D.J. Fon­ta­na o ba­te­ris­ta, At­kins es­ta­va na gui­tar­ra e Floyd Cra­mer no pi­a­no.

“Mo­o­re e Black, que es­ta­vam acos­tu­ma­dos à at­mos­fe­ra sim­ples da Sun, acha­ram o ar pro­fis­si­o­nal das sessões da RCA in­ti­mi­dan­te, en­quan­to Sho­les (pro­du­tor mu­si­cal da em- pre­sa) não es­ta­va cer­to de co­mo re­pe­tir o som de El­vis da Sun. [...] Na ver­da­de, to­dos es­ta­vam ner­vo­sos ou in­de­ci­sos, ex­ce­to El­vis, que ti­nha fei­to seu pri­mei­ro nú­me­ro, I Got a Wo­man de Ray Char­les, com tu­do que ele ti­nha”, des­ta­ca o jor­na­lis­ta Ely Da­mas­ce­no no li­vro El­vis Presley, o mi­to.

Heartbreak Ho­tel foi a se­gun­da mú­si­ca can­ta­da por El­vis na­que­le dia e, de acor­do com a obra, Ste­ve Sho­les fi­cou des­con­cer­ta­do com a abor­da­gem ins­tin­ti­va e ime­di­a­ta de Presley pa­ra a gra­va­ção. O au­tor res­sal­ta que El­vis não lia as no­tas, nem ti­nha ex­pe­ri­ên­cia pro­fis­si­o­nal em ar­ran­jos, ele ape­nas sa­bia ins­tin­ti­va­men­te o que pre­ci­sa­va fa­zer e qu­an­do fa­zer.

Da dú­vi­da à con­so­li­da­ção

Heartbreak Ho­tel foi uma mú­si­ca con­tes­ta­da no iní­cio. Os pro­du­to­res não es­pe­ra­vam que a can­ção fos­se gra­va­da da­que­le jei­to, uma vez que o re­sul­ta­do mos­trou-se di­fe­ren­te de tu­do

o que El­vis já ha­via apre­sen­ta­do. O tom so­tur­no con­fe­ri­do pe­la le­tra, com­bi­na­do com a in­ter­pre­ta­ção me­lo­dra­má­ti­ca do can­tor, os ar­ran­jos sim­ples e di­fe­ren­ci­a­dos, o bai­xo me­lan­có­li­co e um pi­a­no ele­gan­te e mar­ca­do pe­lo blu­es ori­gi­na­ram di­ver­sas crí­ti­cas. “O efei­to é al­go mis­te­ri­o­so, ab­so­lu­ta­men­te so­bre­na­tu­ral, es­pe­ci­al­men­te du­ran­te as li­nhas ini­ci­ais de ca­da ver­so, qu­an­do El­vis can­ta sem acom­pa­nha­men­to. Sua voz é pe­ne­tran­te e o som é de­pri­mi­do, cap­tu­ran­do per­fei­ta­men­te a ali­e­na­ção do tris­te jo­vem”, ana­li­sa Ely Da­mas­ce­no.

Sam Phil­lips che­gou a afir­mar que aque­la can­ção era uma “ba­gun­ça mór­bi­da”. Na RCA, o im­pac­to foi pa­re­ci­do e mui­tos dis­se­ram que era uma pés­si­ma es­co­lha de som. Um dos al­to exe­cu­ti­vos da em­pre­sa de­cla­rou, em um me­mo­ran­do, que a gra­va­do­ra não po­de­ria lan­çar a mú­si­ca. Ape­sar dis­so, El­vis acre­di­ta­va no po­ten­ci­al da­que­la ba­la­da e, con­tra­ri­an­do to­do o ce­ná­rio des­fa­vo­rá­vel, no dia 27 de ja­nei­ro de 1956, o sin­gle foi lan­ça­do com Heartbreak Ho­tel no la­do A e Was The One no la­do B.

Co­mo o can­tor ha­via pre­vis­to, o com­pac­to foi um su­ces­so sem pre­ce­den­tes.

IA­tin­giu a pri­mei­ra po­si­ção nos ran­kings de pop e coun­try e o top 5 de R&B da Bill­bo­ard – re­vis­ta ame­ri­ca­na co­nhe­ci­da co­mo a bí­blia da mú­si­ca. Três me­ses de­pois do lan­ça­men­to, al­can­çou a mar­ca de um mi­lhão de có­pi­as ven­di­das, con­fe­rin­do ao rei do rock seu pri­mei­ro cer­ti­fi­ca­do de ou­ro da RIAA, a as­so­ci­a­ção de gra­va­do­ras dos Es­ta­dos Uni­dos.

Ho­je em dia, Heartbreak Ho­tel é lem­bra­da co­mo um mar­co his­tó­ri­co pa­ra o rock’n’roll. Di­ver­sas es­tre­las do rit­mo já de­cla­ra­ram a gran­de in­fluên­cia des­sa com­po­si­ção em su­as car­rei­ras. Con­si­de­ra­do um dos gran­des no­mes do rock do sé­cu­lo 20, o gui­tar­ris­ta do Rolling Sto­nes, Keith Ri­chards, cer­ta vez dis­se que, pa­ra ele, tu­do co­me­çou com es­sa mú­si­ca, ou­vi­da qu­an­do pos­suía 14 anos. Além dis­so, ava­li­ou a pro­du­ção de El­vis co­mo “uma for­ma to­tal­men­te di­fe­ren­te de ata­car uma can­ção, um som com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te, des­pi­do e in­can­des­cen­te”, di­zen­do tam­bém que ti­nha que “ti­rar o meu cha­péu ao El­vis por is­so”. Além dis­so, Heartbreak Ho­tel é uma das mú­si­cas do ar­tis­ta no Hall da fa­ma do Grammy e no Hall da fa­ma do Rock.

O efei­to é al­go mis­te­ri­o­so, ab­so­lu­ta­men­te so­bre­na­tu­ral, es­pe­ci­al­men­te du­ran­te as li­nhas ini­ci­ais de ca­da ver­so, qu­an­do El­vis can­ta sem acom­pa­nha­men­to.

Sua voz é pe­ne­tran­te e o som é de­pri­mi­do, cap­tu­ran­do per­fei­ta­men­te a ali­e­na­ção do tris­te jo­vem” Ely Da­mas­ce­no ana­li­sa, em seu li­vro El­vis Presley, a per­for­man­ce do can­tor na mú­si­ca Heartbreak Ho­tel

Es­tre­la da mú­si­ca e do ci­ne­ma

O ano de 1956 foi, no mí­ni­mo, es­pe­ci­al pa­ra a car­rei­ra de El­vis. De­pois de con­quis­tar o pú­bli­co com su­as mú­si­cas, re­sol­veu se aven­tu­rar nas te­lo­nas. Em abril, as­si­nou um con­tra­to de se­te anos com Hal Wal­lis e a Pa­ra­mount Pic­tu­res. Mas não foi por es­se es­tú­dio que Presley fez sua es­treia na sé­ti­ma ar­te. Co­mo empréstimo à Twen­ti­eth Cen­tury Fox, o ago­ra ator El­vis co­me­çou a gra­var seu pri­mei­ro

fil­me em agos­to e, em no­vem­bro, de­bu­tou em uma pro­du­ção ci­ne­ma­to­grá­fi­ca.

Ame-me com Ter­nu­ra (Lo­ve me Ten­der, em in­glês) é um fa­ro­es­te mu­si­cal que se pas­sa lo­go após a Gu­er­ra Ci­vil ame­ri­ca­na. O can­tor in­ter­pre­ta Clint Re­no, o ca­çu­la da fa­mí­lia que fi­ca em sua fa­zen­da en­quan­to seus três ir­mãos vão pa­ra a gu­er­ra ao la­do dos con­fe­de­ra­dos. Ao vol­tar da ba­ta­lha, o mais ve­lho, Van­ce Re­no (Ri­chard Egan), des­co­bre que o per­so­na­gem de Presley, na cren­ça de que o ir­mão ha­via mor­ri­do, ti­nha se ca­sa­do com sua ex-na­mo­ra­da Cathy (De­bra Pad­get). Ini­ci­al­men­te, a pro­du­ção se cha­ma­ria The Re­no Brothers, mas o no­me foi al­te­ra­do de­vi­do à mú­si­ca Lo­ve me Ten­der, can­ta­da por El­vis no fil­me. A can­ção já ha­via fei­to gran­de su­ces­so co­mo sin­gle e tor­nou-se uma das fai­xas ro­mân­ti­cas mais bem-su­ce­di­das do can­tor.

O fil­me, que con­ta­va com a tri­lha so­no­ra de Presley, foi o pri­mei­ro e úni­co que não foi pla­ne­ja­do e ela­bo­ra­do es­pe­ci­fi­ca­men­te pa­ra o as­tro. Lo­ve me Ten­der re­ce­beu al­gu­mas crí­ti­cas, co­mo a re­se­nha da Va­ri­ety, re­vis­ta ame­ri­ca­na es­pe­ci­a­li­za­da em ci­ne­ma, que afir­mou que era im­pos­sí­vel ava­li­ar Presley co­mo ator, pois ele não era um. Mes­mo as­sim, a pe­lí­cu­la foi bem re­ce­bi­da pe­lo pú­bli­co e sua re­cei­ta foi de cer­ca de US$9 mi­lhões na épo­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.