GRAN­DES EN­CON­TROS

Os en­con­tros len­dá­ri­os pro­ta­go­ni­za­dos pe­lo rei do rock e ou­tros gran­des no­mes do ce­ná­rio mu­si­cal

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - ELVIS PRESLEY - EDIÇÃO DE COLECIONADOR - - EDITORIAL - TEX­TO Ana Be­a­triz Gar­cia/Co­la­bo­ra­do­ra DE­SIGN Mary El­len Ma­cha­do FOTOS Wi­ki­me­dia Com­mons e Reprodução

Ele le­vou mi­lha­res de pes­so­as ao de­lí­rio. Com um ca­ris­ma e voz ini­gua­lá­veis, El­vis Presley era um tre­men­do pé de val­sa e do­no de um re­que­bra­do que o con­fe­riu o co­di­no­me “El­vis, The Pel­vis”. O ga­ro­to hu­mil­de do Mis­sis­si­pi, no sul dos Es­ta­dos Uni­dos, tor­nou-se, ain­da mui­to ce­do, aos 19 anos, ído­lo de mul­ti­dões e re­fe­rên­cia pa­ra gran­des no­mes do ce­ná­rio mu­si­cal.

No li­vro El­vis Sold Out 1969 – 1977, Pe­ter Stahl re­la­ta a ex­pe­ri­ên­cia emo­ci­o­nan­te de es­tar em um show de El­vis. “O tu­mul­to era ge­ral en­tre o pú­bli­co, nin­guém con­se­guia se con­tro­lar pe­ran­te aque­la pre­sen­ça, ain­da mais qu­an­do ele re­sol­via dis­tri­buir seus len­ços, mas não sem an­tes lim­par seu su­or, e ati­ra­va-os ao pú­bli­co. Pa­re­cia uma gu­er­ra, to­dos que­ri­am um pe­da­ço do len­ço”, co­men­ta na obra.

O ído­lo de ído­los

O fris­son que El­vis cau­sa­va não se res­trin­gia aos mi­lha­res de fãs en­lou­que­ci­dos. Im­por­tan­tes no­mes da mú­si­ca, que tam­bém ar­ras­tam uma le­gião de fãs pe­lo mun­do, se­jam eles con­tem­po­râ­ne­os ou não de El­vis, já de­ram de­poi­men­tos de ad­mi­ra­ção e re­co­nhe­ci­men­to ao rei do rock.

“O pon­to al­to de mi­nha car­rei­ra? Es­sa é fá­cil. Qu­an­do El­vis gra­vou uma de mi­nhas can­ções”, afir­mou, cer­ta vez, o fã con­fes­so Bob Dy­lan, de quem El­vis gra­vou To­mor­row Is a Long Ti­me e Don’t Think Twi­ce, It’s All Right.

“El­vis era ab­so­lu­ta­men­te bri­lhan­te! Ou­vir a voz de­le me fez que­rer fa­zer al­go pa­re­ci­do”, dis­se David Gil­mour, vo­ca­lis­ta da banda in­gle­sa Pink Floyd.

O acla­ma­do Fab Four não fi­cou de fo­ra das de­cla­ra­ções afe­tu­o­sas à El­vis. “Só exis­tia uma pes­soa que os Be­a­tles que­ri­am co­nhe­cer nos EUA: El­vis!”, con­fis­são de John Len­non re­gis­tra­da no li­vro Fa­la Rock de Car­mem Cac­ci­a­car­ro.

Um en­con­tro dis­cre­to

Co­mo afir­mou John Len­non, os Be­a­tles so­nha­vam em co­nhe­cer o len­dá­rio El­vis Presley, po­rém, não ti­nham a in­ten­ção de trans­for­mar o en­con­tro em um even­to mi­diá­ti­co. Até que, em 27 de agos­to de 1965, du­ran­te uma tur­nê dos Be­a­tles nos Es­ta­dos Uni­dos, o ído­lo do rock re­ce­beu o quar­te­to de Li­ver­po­ol em sua ca­sa, em Bel Air, lu­xu­o­so bair­ro da Ca­li­fór­nia, sob for­tes me­di­das de se­gu­ran­ça.

“Os fãs e a im­pren­sa ima­gi­na­ram. A ideia de um en­con­tro en­tre El­vis e os Be­a­tles sim­ples­men­te apa­vo­rou mui­ta gen­te… El­vis nos re­ce­beu tran­qui­la­men­te e nos le­vou a uma gran­de e cir­cu­lar sa­la. Eu no­tei que Paul, Ge­or­ge e Rin­go es­ta­vam ner­vo­sos, co­mo eu tam­bém es­ta­va. Aque­le era o ca­ra que ido­la­trá­va­mos por anos. Ele era uma lenda e nun­ca foi fá­cil en­con­trar len­das”, re­la­tou John Len­non, em 1975. Paul McCart­ney, por sua vez, tam­bém de­mons­trou sua ale­gria em par­ti­ci­par da reu­nião his­tó­ri­ca. “Co­nhe­cer El­vis Presley foi um dos gran­des mo­men­tos da mi­nha vi­da”, afir­mou.

Mui­tas len­das fo­ram criadas em tor­no des­se even­to, pois não há re­gis­tros em áu­dio, ví­deo ou fotos pa­ra com­pro­va­ção. Ape­nas al­gu­mas ima­gens em que o car­ro do quar­te­to apa­re­ce es­ta­ci­o­na­do em fren­te à

ca­sa de El­vis.

Se­gun­do o jor­nal The Gu­ar­di­an, na mos­tra El­vis and Us re­a­li­za­da no Mu­seu dos Be­a­tles de Li­ver­po­ol, em 2011, um dos ví­de­os tra­zia Tony Bar­row, as­ses­sor de im­pren­sa do quar­te­to nos 1960, co­men­tan­do so­bre es­se mar­co his­tó­ri­co na car­rei­ra da banda. “Qu­an­do os Be­a­tles fo­ram vi­si­tar o rei do rock, foi, pa­ra eles, co­mo ir à Ter­ra San­ta”, con­tou o as­ses­sor de im­pren­sa do gru­po bri­tâ­ni­co.

Os re­la­tos são de que, du­ran­te as apro­xi­ma­da­men­te qua­tro ho­ras em que per­ma­ne­ce­ram reu­ni­dos, Be­a­tles e El­vis to­ca­ram jun­tos. Paul im­pro­vi­sou no pi­a­no, El­vis fa­mi­li­a­ri­zou­se com um con­tra­bai­xo e os de­mais to­ca­ram gui­tar­ra, ex­ce­to o ba­te­ris­ta Rin­go, que se con­ten­tou em ba­ter com as mãos na ca­dei­ra.

Já no do­cu­men­tá­rio The Be­a­tles Antho­logy, de 1996, os ex-be­a­tles Paul McCart­ney, Ge­or­ge Har­ri­son e Rin­go Starr afir­ma­ram que so­men­te John ha­via to­ca­do com El­vis e eles ja­mais o fi­ze­ram. No mes­mo do­cu­men­tá­rio, Rin­go dis­se ter jo­ga­do fu­te­bol com El­vis.

Sa­ber com mi­nu­ci­o­sos de­ta­lhes o que acon­te­ceu du­ran­te as ho­ras em que Be­a­tles e Presley se en­con­tra­ram não é ta­re­fa fá­cil. O que se sa­be é que mui­tos fãs gos­ta­ri­am de ser for­mi­gui­nhas da ca­sa de Bel Air, pa­ra pre­sen­ci­ar es­sa noi­te no ve­rão de 1965.

“Tre­at me li­ke a fo­ol…”

“El­vis foi o pon­to ini­ci­al, on­de tu­do co­me­çou pa­ra nós”, afir­mou Ro­bert Plant, vo­ca­lis­ta da banda bri­tâ­ni­ca Led Zep­pe­lin, se­gun­do a obra Fa­la Rock. Os in­te­gran­tes do gru­po de rock, que vi­ri­am a ser con­si­de­ra­dos co­mo um dos mais bem-su­ce­di­dos, ino­va­do­res e in­flu­en­tes da his­tó­ria, tam­bém ti­ve­ram a opor­tu­ni­da­de de pas­sar al­guns mo­men­tos ao la­do do ído­lo que os ins­pi­ra­va. Na épo­ca, maio de 1974, o gru­po já era po­pu­lar com su­as mú­si­cas eco­an­do nas on­das do rá­dio. O pro­du­tor de­les, Jer­ry Wein­traub, era o mes­mo do rei do rock e foi as­sim que ele pro­mo­veu o en­con­tro en­tre as par­tes.

Ro­bert Plant, Jimmy Pa­ge e John Bo-

Ele era uma lenda e nun­ca foi fá­cil en­con­trar len­das” John Le­non, em 1975

nham es­ta­vam em Los An­ge­les pa­ra o lan­ça­men­to da gra­va­do­ra Swan Song e pe­di­ram pa­ra ir à apre­sen­ta­ção de El­vis no Fó­rum de Los An­ge­les.

“Es­pe­rem um mi­nu­to... (ri­sos) Va­mos co­me­çar jun­tos, com­pa­nhei­ros, pois te­mos o Led Zep­pe­lin aqui e Jimmy Dar­ren, um gru­po in­tei­ro de pes­so­as, e va­mos ten­tar fa­zer pa­re­cer que nós sa­be­mos o que es­ta­mos fa­zen­do. Va­mos ver se dá pa­ra fa­zer al­go. O que es­tá­va­mos fa­zen­do?”, es­se é um re­gis­tro que po­de ser ou­vi­do em um de­ter­mi­na­do mo­men­to do show que foi gra­va­do e lan­ça­do mais tar­de co­mo Li­ve in L.A..

Após es­se con­cer­to, a banda, sem John Paul Jo­nes, foi en­con­trar com o gran­de íco­ne do rock’n’roll no quar­to do ho­tel em que ele es­ta­va hos­pe­da­do. O en­con­tro, que não du­ra­ria mais que 20 mi­nu­tos, aca­bou se es­ten­den­do por qua­se du­as ho­ras. Du­ran­te es­se tem­po, El­vis ques­ti­o­nou Ro­bert Plant so­bre as mú­si­cas que can­ta­va. “Eu dis­se a ele que gos­ta­va de vá­ri­as, co­mo a óti­ma mú­si­ca coun­try ‘Lo­ve Me’ – ‘Tre­at me li­ke a fo­ol. Tre­at me me­an and cru­el. But lo­ve me’. En­tão, qu­an­do es­tá­va­mos sain­do, de­pois de 90 mi­nu­tos ilu­mi­na­dos e di­ver­ti­dos com o ca­ra, eu es­ta­va an­dan­do pe­lo cor­re­dor. Ele nos cha­mou a aten­ção atrás da mol­du­ra da por­ta, pa­re­cen­do bas­tan­te sa­tis­fei­to con­si­go mes­mo, e co­me­çou a can­tar aque­la can­ção: ‘Tre­at me li­ke a fo­ol...’. Vi­rei-me de vol­ta a El­vis e fi­ca­mos ali, can­tan­do jun­tos”, re­la­tou Ro­bert Plant, em 1981, pa­ra o jor­nal L.A. Ti­mes.

Led Zep­pe­lin e El­vis Presley ain­da te­ri­am seus ca­mi­nhos cru­za­dos por mais du­as ve­zes até a mor­te do rei. Uma na ca­sa de El­vis, em Memphis, e a úl­ti­ma, em 1977, du­ran­te uma tur­nê, no ae­ro­por­to de Bal­ti­mo­re-Washing­ton.

Re­cep­ção es­pe­ci­al

An­tes dos no­tá­veis en­con­tros de El­vis com Be­a­tles, Led Zep­pe­lin, en­tre ou­tros igual­men­te im­por­tan­tes co­mo o bo­xe­a­dor Muham­mad Ali, em 1973, o rei do rock pas­sou um tem­po afas­ta­do dos pal­cos, ser­vin­do ao exér­ci­to.

O re­tor­no de El­vis aos Es­ta­dos Uni­dos foi co­me­mo­ra­do no pro­gra­ma de Frank Si­na­tra, o The Frank Si­na­tra Show – The Ti­mex Spe­ci­al, trans­mi­ti­do pe­la emis­so­ra ABC, em 12 de maio de 1960. Com o no­me de Wel­co­me Ho­me El­vis, o es­pe­ci­al reu­niu du­as gran­des es­tre­las ame­ri­ca­nas em um du­e­to de Wit­ch­craft e Lo­ve Me Ten­der, su­ces­sos de Si­na­tra e Presley con­se­cu­ti­va­men­te.

O que dei­xou o en­con­tro bas­tan­te pe­cu­li­ar é o fa­to de Frank Si­na­tra, gran­de can­tor ame­ri­ca­no com 15 anos de car­rei­ra a mais que o jo­vem El­vis, não ser afei­to ao rit­mo de seu par­cei­ro de pal­co. Si­na­tra odi­a­va o rock’n’roll, es­ti­lo que vi­nha pa­ra su­fo­car e im­pac­tar tem­po­ra­ri­a­men­te sua car­rei­ra du­ran­te o pe­río­do. “Mi­nha úni­ca e pro­fun­da tris­te­za é a in­sis­tên­cia im­pla­cá­vel de gra­va­ção e de ci­ne­ma em gru­pos so­bre a mais bru­tal, feia, de­ge­ne­ra­da e vi­ci­o­sa for­ma de ex­pres­são que tem si­do o meu des­pra­zer ou­vir – na­tu­ral­men­te, re­fi­ro-me à mai­or par­te do rock’n’roll”, es­cre­veu o can­tor pa­ra a re­vis­ta Wes­tern World, pu­bli­ca­da em Pa­ris, em 1957.

Mes­mo as­sim, es­te é con­si­de­ra­do his­tó­ri­co e um dos gran­des mo­men­tos da car­rei­ra de El­vis Presley que, se­gun­do re­la­tos, não se mos­trou ner­vo­so ou pres­si­o­na­do, nem mes­mo du­ran­te o du­e­to com Si­na­tra. Na opor­tu­ni­da­de, El­vis ain­da le­vou to­dos ao de­lí­rio can­tan­do seus su­ces­sos

Fa­me and For­tu­nee Stuck On You.

El­vis era ab­so­lu­ta­men­te bri­lhan­te! Ou­vir a voz de­le me fez que­rer fa­zer al­go pa­re­ci­do”

vo­ca­lis­ta da banda in­gle­sa Pink Floyd

David Gil­mour,

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.