EL­VIS E NI­XON

Na união de du­as fi­gu­ras bem dis­tin­tas, El­vis e Ri­chard Ni­xon es­ta­vam no to­po de su­as car­rei­ras qu­an­do ti­ve­ram uma reu­nião cô­mi­ca, mas di­fí­cil de en­ten­der

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - ELVIS PRESLEY - EDIÇÃO DE COLECIONADOR - - EDITORIAL - TEX­TO An­ge­lo Che­ru­bi­ni/Co­la­bo­ra­dor DE­SIGN Mary El­len Ma­cha­do FOTOS Na­ti­o­nal Ar­chi­ves and Re­cords Ad­mi­nis­tra­ti­on e Reprodução

Uma fo­to clás­si­ca mar­ca a cul­tu­ra po­pu­lar ame­ri­ca­na: El­vis Presley, um íco­ne do rock’n’roll, cum­pri­men­ta, no sa­lão oval da Ca­sa Bran­ca, o en­tão pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos pe­lo Par­ti­do Re­pu­bli­ca­no, Ri­chard Ni­xon. Os fa­tos que cer­cam es­se en­con­tro de du­as per­so­na­li­da­des po­de­ro­sas (e tão di­fe­ren­tes) são, no mí­ni­mo, cu­ri­o­sos. A fo­to­gra­fia foi o re­gis­tro mais re­qui­si­ta­do nos Ar­qui­vos Na­ci­o­nais ame­ri­ca­nos, su­pe­ran­do até a de­cla­ra­ção da in­de­pen­dên­cia e as ima­gens do ho­mem na Lua. Em 1970, em meio ao des­ta­que da con­tra­cul­tu­ra, o que El­vis Presley ti­nha pa­ra dis­cu­tir com o con­ser­va­dor Ri­chard Ni­xon?

A car­ta

Dois anos de­pois de sua vol­ta triunfal no es­pe­ci­al da re­de de te­le­vi­são NBC, El­vis se des­gas­ta­va na re­la­ção com seu em­pre­sá­rio Tom Par­ker e com as crí­ti­cas de sua fa­mí­lia à ma­nei­ra co­mo gas­ta­va seu di­nhei­ro. O can­tor, num im­pul­so des­cri­to por Pris­cil­la Presley em seu li­vro El­vis e Eu, to­mou um avião ru­mo a Washing­ton após uma dis­cus­são com seu pai Ver­non. Era de­zem­bro de 1970, Presley, que há mui­tos anos não saía de ca­sa sem a pre­sen­ça de guar­da-cos­tas, vo­ou de­pois pa­ra Los An­ge­les, on­de en­con­trou seu ami­go Jer­ry Schil­ling. Com um che­que de US$500 no bol­so, El­vis e ele en­tra­ram em mais um avião pa­ra a ca­pi­tal ame­ri­ca­na. Du­ran­te o voo, o rei do rock es­cre­veu uma car­ta des­ti­na­da a Ri­chard Ni­xon, ofe­re­cen­do-se pa­ra aju­dá-lo a li­dar com a “cul­tu­ra das drogas” e mo­vi­men­tos de con­tra­cul­tu­ra. O can­tor ar­gu­men­ta­va ter fei­to um“pro­fun­do es­tu­do so­bre abu­so de drogas e téc­ni­cas co­mu­nis­tas de la­va­gem ce­re­bral” e propôs um en­con­tro com o che­fe de es­ta­do ame­ri­ca­no. De­pois de che­gar a Washing­ton, Presley dei­xou a car­ta pes­so­al­men­te com se­gu­ran­ças da Ca­sa Bran­ca. Ni­xon foi con­ven­ci­do por seus as­ses­so­res, que viram o can­tor co­mo uma boa al­ter­na­ti­va pa­ra ten­tar ca­ti­var o pú­bli­co jo­vem no com­ba­te do go­ver­no re­pu­bli­ca­no às drogas, e acei­tou re­ce­bê-lo. No dia 21 de de­zem­bro de 1970, El­vis fi­nal­men­te aden­trou o sa­lão pre­si­den­ci­al.

O en­con­tro

Ape­sar da car­ta de ca­rá­ter pa­trió­ti­co e apa­ren­te­men­te em­pe­nha­da em de­fen­der va­lo­res con­di­zen­tes com os do en­tão pre­si­den­te, a ra­zão de El­vis pa­ra o en­con­tro era mais pes­so­al. O rei do rock apa­re­ceu às 12h30­min le­van­do uma pis­to­la Colt.45 de sua pró­pria co­le­ção, que pre­ten­dia dar de pre­sen­te pa­ra Ni­xon, e mais du­as ar­mas — to­das fo­ram con­fis­ca­das na por­ta. Ao en­con­trar o pre­si­den­te, o ar­tis­ta não he­si­tou em exi­bir sua co­le­ção de em­ble­mas po­li­ci­ais e nem em fa­zer o pe­di­do que mo­ti­va­ra to­da es­sa his­tó­ria: El­vis que­ria um dis­tin­ti­vo do an­ti­go ser­vi­ço fe­de­ral de nar­có­ti­cos e drogas pe­ri­go­sas (ho­je, tra­ta-se da Drug En­for­ce­ment Ad­mi­nis­tra­ti­on, agên­cia nor­te-ame­ri­ca­na de com­ba­te às drogas). Pris­cil­la Presley, no li­vro El­vis e Eu, es­cre­ve que “o em­ble­ma de agen­te de nar­có­ti­cos re­pre­sen­ta­va pa­ra ele (El­vis) uma es­pé­cie de po­der su­pre­mo. Em sua ima­gi­na­ção, es­se em­ble­ma lhe pro­por­ci­o­na­ria o di­rei­to de car­re­gar qual­quer dro­ga”.

Se­gun­do o as­ses­sor de Ni­xon, Egil ”Bud” Krogh, em seus re­la­tos pre­sen­tes no li­vro The Day El­vis met Ni­xon (em tra­du­ção li­vre, O dia em que El­vis en­con­trou Ni­xon), o pre­si­den­te aca­tou o pe­di­do de Presley e re­qui­si­tou que pro­vi­den­ci­as­sem o em­ble­ma fe­de­ral. En­quan­to con­ver­sa­vam, El­vis te­ria di­to que os Be­a­tles, com quem o ar­tis­ta já ha­via ti­do um en­con­tro ao la­do de seus ami­gos, se­ri­am uma in­fluên­cia pa­ra pro­mo­ver o es­pí­ri­to “an­ti­a­me­ri­ca­no”. Após re­ce­ber o dis­tin­ti­vo, Egil afir­ma que em um “ges­to sur­pre­en­den­te e es­pon­tâ­neo” o can­tor “co­lo­cou seu bra­ço es­quer­do em vol­ta do pre­si­den­te e o abra­çou”. Ape­sar da “con­quis­ta”, o rei do rock não veio a tra­ba­lhar pa­ra o go­ver­no ame­ri­ca­no, mas car­re­gou con­si­go o ob­je­to até a sua mor­te, em 1977. Já Ni­xon re­nun­ci­ou ao car­go de pre­si­den­te em agos­to de 1974, por con­ta do es­cân­da­lo po­lí­ti­co de Wa­ter­ga­te.

IN­FOR­MA­ÇÕES Pa­ra ter aces­so a fotos e ou­tras in­for­ma­ções (em in­glês) so­bre o en­con­tro, aces­se: http://1.usa. gov/1UXvv96

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.