VI­DA NO EXÉR­CI­TO E RE­LA­ÇÃO COM A MÃE

A os­ci­la­ção de ca­mi­nhos, du­ran­te os anos de 1958 até 1960, que acom­pa­nha­ram o rei do rock

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - ELVIS PRESLEY - EDIÇÃO DE COLECIONADOR - - EDITORIAL - TEX­TO Nathá­lia Pic­co­li/Co­la­bo­ra­do­ra DE­SIGN Mary El­len Ma­cha­do e Gui­lher­me Lau­ren­te/Co­la­bo­ra­dor Ins­ta­gram @el­vis e Pa­ra­mount Pic­tu­res/Wi­ki­me­dia Com­mons FOTOS Shutterstock Ima­ges,

uem é a mai­or es­tre­la do rock mun­di­al de to­dos os tem­pos? Mui­tos no­mes fa­mo­sos po­dem ser a res­pos­ta, co­mo os Be­a­tles e os Rolling Sto­nes, mas, sem dú­vi­da, o no­me de El­vis Presley es­ta­rá en­tre eles. Con­si­de­ra­do o rei do rock, era do­no de uma voz gra­ve in­con­fun­dí­vel, uma be­le­za que le­va­va in­con­tá­veis mu­lhe­res à lou­cu­ra, sem con­tar seu fa­mo­so re­bo­la­do.

O ano de 1956 ti­nha si­do óti­mo pa­ra El­vis, que se tor­nou uma sen­sa­ção in­ter­na­ci­o­nal com um es­ti­lo úni­co que sin­te­ti­za­va su­as di­ver­sas in­fluên­ci­as em um úni­co som. Su­as can­ções e ál­buns trans­for­ma­ram-se em enor­mes su­ces­sos e ala­van­ca­ram ven­das re­cor­des em to­do o mun­do. De acor­do com o The Wall Stre­et Jour­nal, seu fa­tu­ra­men­to nes­se ano che­gou a US$22 mi­lhões.

Mas a his­tó­ria mu­dou...

Uma car­ta do exér­ci­to dos Es­ta­dos Uni­dos foi en­vi­a­da pa­ra El­vis de­cla­ran­do sua gran­de chan­ce de ser con­vo­ca­do a se alis­tar. Ain­da sem a cer­te­za, na ex­pec­ta­ti­va, Presley te­ve um ano cheio em 1957. Atu­ou em dois fil­mes, com­prou a fa­mo­sa man­são Gra­ce­land e fez os úni­cos três shows de sua car­rei­ra fo­ra dos Es­ta­dos Uni­dos. Cin­co di­as an­tes do na­tal, El­vis re­ce­beu a bom­ba que tan­to te­mia: te­ria que se apre­sen­tar ao exér­ci­to. O as­tro do rock viu, nes­se mo­men­to, sua car­rei­ra aca­bar – ti­nha a cer­te­za que ja­mais con­se­gui­ria re­tor­nar ao su­ces­so. Ele, que ga­nha­va mi­lhões por ano, iria ser­vir ao exér­ci­to ame­ri­ca­no por US$83 por mês.

Na ma­nhã do dia 24 de mar­ço, acom­pa­nha­do de sua fa­mí­lia, de vá­ri­os ami­gos e de sua na­mo­ra­da Ani­ta Wo­od, El­vis Aa­ron Presley apre­sen­tou-se à jun­ta de re­cru­ta­men­to no Edi­fí­cio M&M em South Main Stre­et, Memphis. Em se­gui­da, jun­to a ou­tros 12 re­cru­tas, o can­tor vi­a­jou pa­ra For­te Chaf­fee, no es­ta­do do Ar­kan­sas, lu­gar on­de, após ser exa­mi­na­do e con­si­de­ra­do ap­to, re­ce­beu o nú­me­ro de re­gis­tro US 53 310 761. O fa­to se tor­nou um gran­de even­to com di­rei­to a co­ber­tu­ra da mí­dia. El­vis cho­cou o mun­do e, prin­ci­pal­men­te, seus fãs ao es­co­lher de­mons­trar sim­pli­ci­da­de e le­al­da­de à ban­dei­ra nor­te­a­me­ri­ca­na, ser­vin­do co­mo um sol­da­do nor­mal, sem qual­quer ti­po de dis­tin­ção. E is­so re­al­men­te acon­te­ceu, pois, no dia se­guin­te, após sub­me­ter-se a to­dos os pro­ce­di­men-

tos exi­gi­dos, o rei do rock re­ce­beu o tí­pi­co cor­te de ca­be­lo mi­li­tar.

En­quan­to al­guns sol­da­dos di­fi­cul­ta­vam sua vi­da de­vi­do ao seu sta­tus de ce­le­bri­da­de, ou­tros fo­ram gran­des ami­gos de El­vis, co­mo Rex Mans­fi­eld e Wil­li­am Nor­vell, além do sar­gen­to Bill Norwo­od. Lo­go foi se adap­tan­do à sua no­va vi­da com seus com­pa­nhei­ros re­cru­tas, em­bo­ra ain­da sen­tis­se mui­ta fal­ta dos pal­cos e, prin­ci­pal­men­te, de sua ca­sa. Ele te­le­fo­na­va pa­ra sua mãe Gladys, no mí­ni­mo, uma vez por dia – era di­fí­cil se­gu­ra­rem as lá­gri­mas.

A mu­lher por trás de El­vis

Ain­da que o exér­ci­to co­lo­cas­se em Presley o me­do de ar­rui­nar a car­rei­ra, ele con­se­guiu al­gu­mas li­cen­ças du­ran­te seu alis­ta­men­to pa­ra re­sol­ver ques­tões pro­fis­si­o­nais – gra­va­ções de dis­cos e mú­si­cas iné­di­tas –, e pes­so­ais, prin­ci­pal­men­te, aque­la que se­ria a mai­or tra­gé­dia des­de en­tão: a mor­te de sua mãe, Gladys.

A ida de Ver­non Presley pa­ra a pri­são (leia mais na pá­gi­na 37), qu­an­do El­vis ain­da era uma cri­an­ça, in­ten­si­fi­cou o seu elo com Gladys, tor­nan­do-os in­se­pa­rá­veis. To­dos os pas­sos e en­si­na­men­tos que o pe­que­no Presley apren­deu na in­fân­cia fo­ram ao la­do da mãe, que se en­tre­ga­va de al­ma e co­ra­ção pa­ra ele. Gladys não era ape­nas sua mãe, era uma ami­ga e con­fi­den­te. Mes­mo após a vol­ta de seu pai ou a che­ga­da à vi­da adul­ta, a união con­ti­nu­ou, eram ex­tre­ma­men­te pró­xi­mos, o que per­pe­tu­ou até seus úl­ti­mos mo­men­tos em vi­da.

A tra­gé­dia da sua vi­da

Tu­do es­ta­va em per­fei­ta or­ga­ni­za­ção. El­vis es­ta­va con­se­guin­do con­ci­li­ar sua vi­da fo­ra e den­tro do exér­ci­to. Ele, sua fa­mí­lia e ami­gos es­ta­vam mo­ran­do na mes­ma ca­sa, jun­tos, até que Gladys foi di­ag­nos­ti­ca­da com he­pa­ti­te agu­da. De ime­di­a­to, ela e Ver­non re­tor­na­ram pa­ra Memphis pa­ra que fos­se in­ter­na­da e re­ce­bes­se tra­ta­men­to.

No dia 12 de agos­to de 1958, o exér­ci­to, ao per­ce­ber que El­vis pre­ci­sa­va de sua mãe, e que a si­tu­a­ção ha­via pi­o­ra­do, con­ce­deu a ele uma li­cen­ça de emer­gên­cia. Presley foi di­re­to pa­ra o hos­pi­tal. Após fi­car por 72 ho­ras ao la­do de­la, Ver­non pe­diu pa­ra que fos­se des­can­sar um pou­co. En­quan­to El­vis re­pou­sa­va, pou­co mais de du­as ho­ras da ma­nhã, seu te­le­fo­ne to­cou. Era seu pai pa­ra avi­sar que Gladys ha­via en­tra­do em es­ta­do de co­ma pro­fun­do, e que seu es­ta­do ha­via pi­o­ra­do. El­vis lo­go se le­van­tou e cor­reu pa­ra o hos­pi­tal, mas, ao che­gar, re­ce­beu a ter­rí­vel no­tí­cia: sua mãe não re­sis­ti­ra e ha­via fa­le­ci­do pou­cos mi­nu­tos an­tes. O dia 14 de agos­to de 1958 ja­mais foi es­que­ci­do pe­lo can­tor.

A no­tí­cia lo­go se es­pa­lhou e, em pou­cos mi­nu­tos, uma mul­ti­dão es­ta­va em fren­te aos por­tões de Gra­ce­land. El­vis não con­se­guia pa­rar de cho­rar. A mor­te de sua mãe o aba­lou to­tal­men­te, tan­to que te­ve de ser se­da­do com uma sé­rie de calmantes e, mes­mo as­sim, não con­se­guia con­ter as lá­gri­mas.

O cor­po che­gou à Gra­ce­land por vol­ta das dez e meia da ma­nhã. Presley não te­ve con­di­ções de des­cer de ime­di­a­to pa­ra fi­car ao la­do da mãe. In­con­so­lá­vel e abra­ça­do a seu pai di­zia: “tu­do o que eu ti­nha de va­li­o­so em mi­nha vi­da se foi”. Após as des­pe­di­das fi­nais, Gladys foi le­va­da ao ce­mi­té­rio For­rest Hill, on­de foi se­pul­ta­da. El­vis te­ve que ser re­ti­ra­do do lo­cal, pois não con­se­guia mais su­por­tar a dor pe­la qual es­ta­va pas­san­do.

A Ale­ma­nha

De­pois da mor­te da mãe, El­vis nun­ca mais foi o mes­mo, o can­tor se trans­for­mou. As coi­sas co­me­ça­ram a ser per­ce­bi­das por um no­vo ân­gu­lo, uma no­va pers­pec­ti­va, mas a vi­da ti­nha que con­ti­nu­ar. No dia 2 de ou­tu­bro de 1958, El­vis che­gou à Ale­ma­nha pa­ra pres­tar ser­vi­ço mi­li­tar no 32° Re­gi­men­to da 3ª Di­vi­são Blin­da­da de Fri­ed­berg, uma pe­que­na vi­la de 18 mil ha­bi­tan­tes ao nor­te de Frank­furt.

Quem pô­de ter o pri­vi­lé­gio de ter con­ta­to com o sar­gen­to Presley, du­ran­te os apro­xi­ma­dos 17 me­ses na Ale­ma­nha, fi­cou en­can­ta­do com seu jei­to es­pon­tâ­neo, sua hu­mil­da­de e sua sim­pa­tia, mes­mo que ain­da em lu­to. Por ser um as­tro, não foi tra­ta­do co­mo um re­cru­ta qual­quer. Ini­ci­al­men­te, fi­cou hos­pe­da­do em um ho­tel de lu­xo, em se­gui­da, após a che­ga­da de sua fa­mí­lia e ami­gos, alu­gou uma man­são na ci­da­de de Bad Nauheim.

O no­vo El­vis

Em mar­ço de 1960, El­vis ter­mi­nou de cum­prir com su­as obri­ga­ções mi­li­ta­res e re­tor­nou aos Es­ta­dos Uni­dos. De ime­di­a­to, ele vol­tou à ati­va, prin­ci­pal­men­te atu­an­do em fil­mes e com­pon­do no­vas mú­si­cas. Mas, por trás des­ses fa­tos, nem tu­do eram flo­res. El­vis não se im­por­ta­va mais em ler con­tra­tos, sa­ber quan­to ga­nha­va com seus fil­mes e dis­cos. Sua car­rei­ra tão ama­da e es­pe­ra­da, sem sua mãe, aca­bou se tor­nan­do ape­nas um tra­ba­lho. Não há co­mo ne­gar que, des­de o dia 14 de agos­to de 1958, não foi ape­nas Gladys que mor­reu, mas tam­bém uma par­te im­por­tan­te de El­vis Presley.

El­vis com seus pais, Gladys e Ver­non

CU­RI­O­SI­DA­DE Ho­je em dia, Fri­ed­berg é um gran­de cen­tro de pe­re­gri­na­ção dos fãs de El­vis na Eu­ro­pa

El­vis e a atriz Ju­li­et Prow­se, seu par ro­mân­ti­co no fil­me G.I. Blu­es, de 1960, pri­mei­ro lon­ga fil­ma­do pe­lo can­tor lo­go após o re­tor­no do exér­ci­to. Na obra, o as­tro do rock in­ter­pre­ta um sol­da­do que de­se­ja ser do­no de um clu­be no­tur­no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.