AS PES­SO­AS POR TRÁS DE EL­VIS

… Mú­si­cos ta­len­to­sos! Co­nhe­ça as per­so­na­li­da­des que fo­ram o ali­cer­ce pa­ra o su­ces­so de El­vis

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - ELVIS PRESLEY - EDIÇÃO DE COLECIONADOR - - EDITORIAL - TEX­TO Éri­ca Agui­ar DE­SIGN Gui­lher­me Lau­ren­te/Co­la­bo­ra­dor FOTOS Ma­rio Ta­ma e Mi­ke Brown/Getty Ima­ges e Wi­ki­me­dia Com­mons

Qu­an­do o gui­tar­ris­ta dos Rolling Sto­nes Keith Ri­chards es­cu­tou Heartbreak Ho­tel pe­la pri­mei­ra vez, des­co­briu o que que­ria pa­ra o res­to da vi­da. Não se­ria um ma­qui­nis­ta de trem ou uma es­pé­cie de pin­tor igual Van Gogh. “Everyo­ne el­se wan­ted to be El­vis. I wan­ted to be Scotty” (em por­tu­guês, “To­dos os ou­tros que­ri­am ser El­vis. Eu que­ria ser Scotty [Mo­o­re]”), dis­se em en­tre­vis­ta ao li­vro Scotty and El­vis: Abo­ard the Mys­tery Train, es­cri­to pe­lo gui­tar­ris­ta Scotty Mo­o­re e o es­cri­tor Ja­mes Dic­ker­son.

No iní­cio de sua car­rei­ra, El­vis Presley era um jo­vem que mal sa­bia li­dar com a pre­sen­ça de pal­co. Mas foi ao la­do de mú­si­cos ta­len­to­sos – co­mo Scotty Mo­o­re, Bill Black e D.J. Fon­ta­na –, com­po­si­to­res de su­ces­so, pro­du­to­res e seu po­lê­mi­co em­pre­sá­rio co­ro­nel Tom Par­ker que se tor­nou o gran­de mi­to do rock.

Obri­ga­do, Sam Phil­lips!

Em agos­to de 1953, El­vis re­sol­veu ir ao es­tú­dio Sun Re­cords, em Memphis, pa­ra gra­var um dis­co de pre­sen­te pa­ra sua mãe. A in­ter­pre­ta­ção de Presley dei­xou o do­no da gra­va­do­ra, Sam Phil­lips, com a “pul­ga atrás da ore­lha”. Is­so fez com que Phil­lips o con­vi­das­se, no mês se­guin­te, pa­ra par­ti­ci­par de um tes­te de gra­va­ção com o gui­tar­ris­ta Scotty Mo­o­re e o bai­xis­ta Bill Black. Na épo­ca, os mú­si­cos fa­zi­am par­te da banda Star­li­te Wran­glers. Pou­co tem­po de­pois, for­ma­ri­am o trio Blue Mo­on Boys com El­vis, fa­zen­do di­ver­sas apa­ri­ções em pro­gra­mas de rá­dio.

Um gui­tar­ris­ta da­que­les...

Scotty Mo­o­re (fa­le­ci­do em 28 de ju­nho de 2016) apren­deu a to­car gui­tar­ra ain­da aos oi­to anos de ida­de, com sua fa­mí­lia e ami­gos. Fã de jazz, mú­si­ca coun­try e do gui­tar­ris­ta Chet At­kins, pos­suía um jei­to úni­co de to­car as cor­das sem o uso de pa­lhe­tas. Além dis­so, seu es­ti­lo mu­si­cal era uma evo­lu­ção mais roc­ka­billy do som que já era fei­to por seu ído­lo At­kins, mis­tu­ran­do com ma­es­tria o coun­try e o blu­es da épo­ca.

Mo­o­re era um pou­co in­tro­ver­ti­do, mas is­so não atra­pa­lha­va sua in­ter­pre­ta­ção nos pal­cos. Com seus acor­des, da­va ba­se pa­ra os (ain­da tí­mi­dos) re­que­bra­dos de El­vis en­lou­que­ce­rem o pú­bli­co. Scotty ti­nha um pa­pel de des­ta­que den­tro do trio, o que fez com que fos­se re­co­nhe­ci­do por dar uma im­por­tân­cia mai­or aos gui­tar­ris­tas den­tro de ban­das de rock’n’roll.

Den­tro e fo­ra do es­tú­dio

As mú­si­cas a se­rem gra­va­das, no iní­cio da car­rei­ra, eram es­co­lhi­das de for­ma ale­a­tó­ria. Sam, Scotty, Bill e El­vis per­gun­ta­vam en­tre si se co­nhe­ci­am de­ter­mi­na­da can­ção e, ca­so to­dos sou­bes­sem, in­ter­pre­ta­vam-na. Já na épo­ca da gra­va­do­ra RCA, re­ce­bi­am di­ver­sas de­mos de com­po­si­to­res to­das as se­ma­nas.

Por um cur­to pe­río­do de tem­po, Scotty atu­ou co­mo uma es­pé­cie de em­pre­sá­rio de El­vis. Era res­pon­sá­vel por or­ga­ni­zar as tur­nês fei­tas pe­lo trio nos Es­ta­dos Uni­dos e ou­tras gra­va­ções du­ran­te o ano de 1954, até o sur­gi­men­to do em­pre­sá­rio Bob Ne­al, res­pon­sá­vel por agen­dar al­gu­mas apre­sen­ta­ções de Presley. O gui­tar­ris­ta se man­te­ve ao la­do de El­vis no iní­cio de sua car­rei­ra e após seu re­tor­no do exér­ci­to. A apre­sen­ta­ção do es­pe­ci­al de 1968 tam­bém con­tou com a par­ti­ci­pa­ção de Mo­o­re, o qual te­ve sua pró­pria gui­tar­ra to­ca­da por Presley em fren­te às câ­me­ras, com di­rei­to ao im­pro­vi­so do se­tlist.

Ani­ma­ção nos pal­cos

Bill Black, por sua vez, apren­deu a to­car con­tra­bai­xo du­ran­te sua ado­les­cên­cia. Seus “slaps” no ins­tru­men­to, que se­gu­ra­va em po­si­ção ver­ti­cal, e seu jei­to di­ver­ti­do em ci­ma dos pal­cos mar­ca­ram a pri­mei­ra fa­se ar­tís­ti­ca da car­rei­ra de El­vis. Bill era uma es­pé­cie de “pa­lha­ço”, se­gun­do al­guns re­la­tos. Di­fe­ren­te de Scotty, pu­la­va em ci­ma dos pal­cos e ani­ma­va a pla­teia. Es­ta, por sua vez, ain­da es­ta­va mui­to acos­tu­ma­da com shows tra­di­ci­o­nais e cal­mos de mú­si­cos coun­try.

Foi Black quem deu aque­le “em­pur­rão­zi­nho” pa­ra que Presley dei­xas­se de ser “tra­va­do” du­ran­te os shows. O bai­xis­ta ain­da foi um dos pri­mei­ros a uti­li­zar um bai­xo elé­tri­co Fen­der du­ran­te uma gra­va­ção, nes­se ca­so, de Jai­lhou­se Rock. Bill per­ma­ne­ceu com Presley ape­nas até 1958 qu­an­do, por con­ta de dis­pu­tas fi­nan­cei­ras e um sa­lá­rio bai­xo de­ter­mi­na­do pe­lo en­tão em­pre­sá­rio Tom Par­ker, de­ci­diu dei­xar o trio.

O ho­mem por trás da ba­ti­da

D.J. Fon­ta­na era o “ba­te­ris­ta da ca­sa” do pro­gra­ma de rá­dio Loui­si­a­na Hay­ri­de, em que os Blue Mo­on Boys fi­ze­ram di­ver­sas apre­sen­ta­ções. O pri­mei­ro show no lo­cal ocor­reu em 1954, foi nes­se es­pe­tá­cu­lo em que o trio co­nhe­ceu o ba­te­ris­ta. Pou­co tem­po de­pois, se­ria con­tra­ta­do pa­ra tra­ba­lhar com Presley, par­ce­ria que du­rou 14 anos.

Co­mo o trio não con­ta­va com um ba­te­ris­ta, não ha­via par­ti­tu­ras do ins­tru­men­to pa­ra que Fon­ta­na se­guis­se. Ele di­ta­va a ba­ti­da que mar­ca­va o rit­mo das mú­si­cas e de­fi­nia o pa­drão a ser se­gui­do. O mú­si­co par­ti­ci­pou de di­ver­sas gra­va­ções da dé­ca­da de 1950, além das apa­ri­ções no The Ed Sul­li­van Show, en­tre 1956 e 1957, e o es­pe­ci­al de te­le­vi­são de 1968.

Ori­en­ta­ção

An­tes do apa­re­ci­men­to do co­ro­nel Tom Par­ker, o lo­cu­tor de rá­dio e or­ga­ni­za­dor de even­tos Bob Ne­al atu­ou co­mo em­pre­sá­rio de El­vis Presley. Ele ha­via si­do con­vi­da­do por Sam Phil­lips pa­ra “as­su­mir” o car­go, o qual ocu­pou por um ano e meio.

Bob fez com que El­vis cha­mas­se a aten­ção de Tom Par­ker, quem con­si­de­ra­va co­mo o me­lhor pro­mo­tor de even­tos na épo­ca, de­vi­do ao su­ces­so que pro­pi­ci­ou a ar­tis­tas co­mo Min­nie Pe­arl, Hank Snow, Ju­ne Car­ter, Eddy Ar­nold e Tom Mix.

A ideia deu cer­to e Par­ker se in­te­res­sou pe­lo jo­vem ga­ro­to. Mes­mo as­sim, o con­tra­to en­tre El­vis e Ne­al foi re­no­va­do em agos­to de 1955, apon­tan­do Tom ape­nas co­mo uma es­pé­cie de men­tor es­pe­ci­al. Pa­ra Bob, a re­la­ção so­a­va co­mo uma “ami­za­de” e ca­bia bem ao mo­men­to, vis­to que o en­tão em­pre­sá­rio não po­de­ria vi­a­jar mui­to em tur­nês, por con­ta da fa­mí­lia e da lo­ja de dis­cos que ge­ren­ci­a­va.

A in­fluên­cia de Par­ker

Tom Par­ker en­trou pa­ra a in­dús­tria da mú­si­ca no fi­nal da dé­ca­da de 1940, co­mo em­pre­sá­rio de ar­tis­tas coun­try e ato­res. Seu en­vol­vi­men­to com El­vis co­me­çou a par­tir do mo­men­to em que or­ga­ni­zou uma apre­sen­ta­ção do jo­vem co­mo aber­tu­ra de um show do can­tor Hank Snow, do qual era em­pre­sá­rio na épo­ca.

O co­ro­nel foi res­pon­sá­vel por ne­go­ci­ar a ven­da do con­tra­to de Presley na Sun Re­cords com a gra­va­do­ra RCA Re­cords pe­la quan­tia de US$35 mil, além de um bô­nus de US$5 mil a El­vis pe­los vo­cais nas

mú­si­cas. A par­tir des­se mo­men­to, já em 1956, El­vis e Par­ker as­si­na­ram um con­tra­to que ex­pli­ci­ta­va o fa­to de que Tom se­ria seu em­pre­sá­rio, re­pre­sen­tan­te pes­so­al e men­tor, tan­to no âm­bi­to de en­tre­te­ni­men­to pú­bli­co, quan­to pri­va­do.

Se­gun­do bió­gra­fos, Par­ker ti­nha um con­tro­le qua­se ina­cre­di­tá­vel não só so­bre El­vis, mas so­bre qua­se to­das as pes­so­as que se re­la­ci­o­na­vam com o can­tor, co­mo os che­fes de gra­va­do­ras e or­ga­ni­za­ções ci­ne­ma­to­grá­fi­cas. Em seu li­vro The Co­lo­nel: The Ex­tra­or­di­nary Story of Co­lo­nel Tom Par­ker and El­vis Presley (em tra­du­ção li­vre, O co­ro­nel: a ex­tra­or­di­ná­ria his­tó­ria de co­ro­nel Tom Par­ker e El­vis Presley), a jor­na­lis­ta Alan­na Nash des­cre­ve uma su­ces­são de even­tos que mos­tram co­mo qual­quer sus­pei­ta de ti­rá-lo (Par­ker) do “po­der” fa­zia com que per­des­se a ca­be­ça. Além dis­so, seu ví­cio em jo­gos de azar fez com que pre­ju­di­cas­se ca­da vez mais seu pró­prio jul­ga­men­to so­bre con­tra­tos, pro­gra­ma­ção de shows e ou­tros as­pec­tos que o dis­tan­ci­a­ram de Presley no des­fe­cho de sua car­rei­ra. No fi­nal da dé­ca­da de 1960, em Las Ve­gas, por exem­plo, agen­da­va dois shows de El­vis por noi­te du­ran­te to­da a se­ma­na.

Polêmicas

Ao que tu­do in­di­ca, Tom nun­ca se im­por­tou mui­to com uma boa re­la­ção pes­so­al e ar­tís­ti­ca com El­vis, mui­to me­nos com sua qua­li­da­de mu­si­cal ou com os fil­mes que frus­tra­vam o can­tor. No en­tan­to, du­ran­te os anos que acom­pa­nhou Presley, foi mui­to sa­gaz ao ven­der dis­cos de tri­lhas so­no­ras e fa­zer pu­bli­ci­da­de em tor­no do rei do rock.

Ou­tro fa­tor po­lê­mi­co so­bre a ad­mi­nis­tra­ção de Tom Par­ker é que, en­quan­to ou­tros em­pre­sá­ri­os ga­nha­vam en­tre 10 a 15% dos lu­cros, o co­ro­nel em­bol­sa­va me­ta­de do va­lor. Além dis­so, sua con­di­ção “ile­gal” nos Es­ta­dos Uni­dos fez com que nun­ca per­mi­tis­se que El­vis se apre­sen­tas­se in­ter­na­ci­o­nal­men­te, vis­to que se­ria ne­ces­sá­rio ob­ter um pas­sa­por­te pa­ra vi­a­jar. No en­tan­to, nun­ca re­ve­lou sua ori­gem e ar­gu­men­ta­va a Presley que a se­gu­ran­ça em ou­tros paí­ses era mui­to fra­ca pa­ra pro­te­ger uma es­tre­la co­mo ele.

Tom Par­ker, de cer­ta for­ma, tam­bém man­te­ve El­vis “no es­cu­ro”, pois re­gu­la­va seu re­la­ci­o­na­men­to com ou­tros ar­tis­tas pa­ra que o can­tor não o aban­do­nas­se co­mo em­pre­sá­rio, vis­to que po­de­ria dis­cu­tir ques­tões fi­nan­cei­ras. Por es­sa ra­zão, in­cen­ti­vou com ve­e­mên­cia seu ca­sa­men­to com Pris­cil­la.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.