PRI­MEI­ROS PAS­SOS

Fi­lho úni­co, Elvis en­trou em con­ta­to com a mú­si­ca lo­go nos pri­mei­ros anos de vi­da, mas a mu­dan­ça pa­ra Memphis foi fun­da­men­tal pa­ra seu es­ti­lo

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - Elvis Presley - - EDITORIAL -

O ir­mão gê­meo que nas­ceu mor­to, o vi­o­lão no lu­gar de um ri­fle e ou­tras his­tó­ri­as de sua in­fân­cia

Ose­nhor Ver­non Elvis Presley ha­via cons­truí­do uma ca­sa de dois quar­tos pa­ra aco­lher seus fi­lhos, que nas­ce­ri­am nos pri­mei­ros di­as de 1935, em East Tupelo, no es­ta­do nor­te-ame­ri­ca­no do Mis­sis­sip­pi (a ci­da­de se­ria agre­ga­da a Tupelo anos de­pois). Sua es­po­sa, Gladys, en- trou em tra­ba­lho de par­to, mas lo­go te­ve uma no­tí­cia de­vas­ta­do­ra: o pri­mei­ro dos dois fi­lhos gê­me­os, Jes­se Ga­ron, saiu do ven­tre de sua mãe já mor­to. As­sim, a ex­pec­ta­ti­va pe­lo se­gun­do fi­lho se tor­nou imen­sa, tan­to que, 35 mi­nu­tos de­pois de Jes­se, che­ga­va ao mun­do aque­le que se­ria o úni­co fi­lho do ca­sal, Elvis Aa­ron.

A fa­mí­lia Presley

A mãe de Elvis era vis­ta por pa­ren­tes e ami­gos co­mo o cen­tro da fa­mí­lia, e se tor­na­ria com o pas­sar dos anos a prin­ci­pal re­fe­rên­cia na vi­da do can­tor. Seu pai, co­nhe­ci­do por ser um ho­mem sem mui­tas am­bi­ções, tro­ca­va de em­pre­gos a to­do o mo­men­to, tan­to que os Presley sem­pre re­ce­bi­am aju­da de vi­zi­nhos ou dos pro­gra­mas as­sis­ten­ci­ais do go­ver­no. No en­tan­to, ja­mais dei­xou de tra­ba­lhar.

A fa­mí­lia fre­quen­ta­va a Igre­ja As­sem­bleia de Deus, on­de o tio de Gladys, Gains, tor­nou-se um dos pre­ga­do­res. Mais do que a for­ma­ção re­li­gi­o­sa, as idas aos cul­tos fi­ze­ram que com o pe­que­no Elvis, de al­gu­ma for­ma, se in­te­res­sas­se por mú­si­ca. No li­vro Last Train to Memphis: The Ri­se of Elvis Presley, de Pe­ter Gu­ral­nick, a mãe do can­tor se re­cor­da “quan­do Elvis era ape­nas um pe­que­no ra­paz, não mais que dois anos, que es­cor­re­ga­va do meu co­lo, cor­ria pe­lo cor­re­dor e su­bia até a pla­ta­for­ma. Lá, ele fi­ca­va pa­ra­do ob­ser­van­do o co­ro e ten­ta­va can­tar com eles. Era pe­que­no de­mais pa­ra sa­ber a le­tra, mas ele acom­pa­nha­va a me­lo­dia, via su­as fa­ces e ten­ta­va fa­zer co­mo eles [os mem­bros do co­ro]”.

Ta­len­to pre­co­ce

Em 1941, Elvis co­me­çou seus es­tu­dos na East Tupelo Con­so­li­da­ted, on­de foi con­si­de­ra­do pe­los seus pro­fes­so­res co­mo um alu­no me­di­a­no. Se não era ta­len­to­so com nú­me­ros ou ver­bos, cha­mou a aten­ção de um de seus pro­fes­so­res com sua ha­bi­li­da­de pa­ra can­tar. Du­ran­te as ora­ções ma­ti­nais, o ga­ro­to im­pres­si­o­na­va a to­dos quan­do can­ta­va, prin­ci­pal­men­te uma can­ção coun­try cha­ma­da Old Shep.

As­sim, foi en­co­ra­ja­do a par­ti­ci­par de um con­cur­so na Fei­ra de Mis­sis­sip­pi-Ala­ba­ma, on­de fez, aos dez anos, sua pri­mei­ra apre­sen­ta­ção: ves­ti­do co­mo um cow­boy, su­biu em uma ca­dei­ra e can­tou a mes­ma can­ção que in­ter­pre­ta­ra no co­lé­gio. Fi­cou em quin­to lu­gar e, co­mo prê­mio, ga­nhou o equi­va­len­te a US$ 5 em in­gres­sos pa­ra o par­que de di­ver­sões.

Me­ses de­pois do con­cur­so, em seu 11º ani­ver­sá­rio, ga­nhou de pre­sen­te de sua mãe um vi­o­lão. Ain­da que ho­je con­si­de­re­mos o ges­to bas­tan­te sim­bó­li­co – era o pri­mei­ro ins­tru­men­to de Elvis –, ele es­pe­ra­va ga­nhar ou­tras coi­sas, co­mo uma bi­ci­cle­ta ou um ri­fle, mas o di­nhei­ro não foi o su­fi­ci­en­te (o vi­o­lão era o mais ba­ra­to e cus­tou US$ 12,95). A par­tir da­que­le mo­men­to, co­me­çou a re­ce­ber au­las so­bre con­cei­tos bá­si­cos de dois de seus ti­os e um pas­tor da igre­ja. “Eu pe­guei o vi­o­lão e as­sis­tia às pes­so­as [to­ca­rem], e apren­di a to­car um pou­co”, re­la­tou.

Co­me­ça­va ali uma re­la­ção de amor com a mú­si­ca. Elvis le­va­va seu vi­o­lão pa­ra a es­co­la, on­de to­ca­va e can­ta­va du­ran­te os in­ter­va­los pa­ra seu di­ver­ti­men­to. Ele cres­ceu ou­vin­do os pro­gra­mas de rá­dio de Mis­sis­sip­pi Slim, um can­tor de hill­billy (es­ti­lo pa­re­ci­do com o coun­try). O pró­prio Slim fez com que Elvis can­tas­se em seu pro­gra­ma; na pri­mei­ra vez, o jo­vem ra­paz fi­cou emu­de­ci­do, mas na opor­tu­ni­da­de se­guin­te se saiu bem.

No­vos e ins­pi­ra­do­res ares

A ci­da­de de Memphis, no Ten­nes­see, é co­nhe­ci­da por ser um dos prin­ci­pais re­du­tos do blu­es nos Es­ta­dos Uni­dos, tan­to que dá no­me a uma das va­ri­a­ções do es­ti­lo, o “Memphis Blu­es” – uma mis­tu­ra do jazz tra­di­ci­o­nal com ele­men­tos do folk. Além dis­so, no­mes co­mo Ike Tur­ner e B. B. King de­ram um tom mais “enér­gi­co” ao es­ti­lo com su­as gui­tar­ras elé­tri­cas, que fi­cou co­nhe­ci­do co­mo “elec­tric blu­es”.

Foi nes­te ri­co ce­ná­rio da mú­si­ca ne­gra nor­te-ame­ri­ca­na em que a fa­mí­lia Presley che­gou em novembro de 1948, e Elvis ca­da vez mais se en­vol­via com sua paixão. Co­me­çou a ter au­las re­gu­la­res de vi­o­lão com um vi­zi­nho pou­co mais de dois anos mais ve­lho que ele. Jun­to com ou­tros três ga­ro­tos, in­cluin­do os ir­mãos Dor­sey e Johnny Bur­net­te, pi­o­nei­ros do roc­ka­billy, for­ma­ram um gru­po que to­ca­va pe­la ci­da­de.

Memphis foi fun­da­men­tal pa­ra a for­ma­ção “não-for­mal” de seu es­ti­lo. Era um fre­quen­ta­dor as­sí­duo de lo­jas de dis­cos, on­de fi­ca­va ho­ras nos ju­ke­bo­xes ou­vin­do mú­si­ca coun­try e gos­pel, prin­ci­pal­men­te de Sis­ter Ro­set­ta Thar­pe, uma das prin­ci­pais can­to­ras ne­gras no es­ti­lo. Gos­ta­va de ver as apre­sen­ta­ções men­sais de gru­pos gos­pel nas All-Night Sin­gings, no cen­tro da ci­da­de. Ou­tra for­te in­fluên­cia foi a WDIA-AM, uma emis­so­ra de rá­dio de­di­ca­da à mú­si­ca ne­gra, do blu­es ao R&B.

“Pou­co tem­po de­pois do nas­ci­men­to de Elvis, a fa­mí­lia Presley so­bre­vi­veu a um for­te fu­ra­ção que de­vas­tou a re­gião”

Na ci­da­de, um lu­gar me­re­ce des­ta­que na his­tó­ria de Elvis. Em seu tem­po li­vre, ele gos­ta­va de fre­quen­tar Be­a­le Stre­et, rua con­si­de­ra­da o co­ra­ção do blu­es em Memphis on­de, além de ab­sor­ver o le­ga­do mu­si­cal da via, tam­bém co­nhe­ceu o es­ti­lo dos ir­mãos Lansky, cos­tu­rei­ros que ves­ti­am es­tre­las co­mo Roy Or­bi­son e Isa­ac Hayes. Foi com os ter­nos es­pe­ci­ais de Guy e Ber­nard Lansky que o can­tor fez su­as prin­ci­pais apre­sen­ta­ções na pri­mei­ra fa­se de sua car­rei­ra.

Elvis se for­mou no co­le­gi­al em 1953, po­rém, via que sua vi­da es­ta­va na mú­si­ca. Dois me­ses de­pois de ter­mi­nar seus es­tu­dos, en­trou pe­la pri­mei­ra vez em um es­tú­dio a fim de gra­var mú­si­cas e com a es­pe­ran­ça de con­se­guir ser con­tra­ta­do. Foi um lon­go e de­mo­ra­do ca­mi­nho – mas, quan­do en­gre­nou, não ha­via mais vol­ta.

A ca­sa em que Elvis Presley nas­ceu se tor­nou pon­to tu­rís­ti­co em Tupelo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.