VOSSA MAJESTADE

Po­de ser que El­vis Presley não te­nha in­ven­ta­do o rock’n’roll, mas foi o prin­ci­pal íco­ne de um es­ti­lo que atra­ves­sa ge­ra­ções

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA ESPECIAL ROLLING STONES - 1 - - ÍNDICE -

Os mo­ti­vos que le­va­ram El­vis Presley a re­ce­ber a co­roa de rei do rock’n’roll

N “ada ha­via cau­sa­do qual­quer efei­to em mim até El­vis”. A fra­se foi di­ta por John Len­non em en­tre­vis­ta ao jor­na­lis­ta Hun­ter Da­vi­es, mas cer­ta­men­te po­de­ria ter si­do pro­fe­ri­da por qual­quer um dos mi­lhões de se­res hu­ma­nos que es­ta­vam vi­ven­do sua ado­les­cên­cia nos anos 1950. De­pois que aque­le ra­paz bo­ni­to de voz de te­nor sur­giu, a vi­da nes­se pla­ne­ta nun­ca mais foi a mes­ma.

Não foi so­men­te pe­la mú­si­ca, é cla­ro. Aliás, is­so é um fa­tor que mui­tas pes­so­as até ques­ti­o­nam: El­vis não in­ven­tou o rock, so­men­te mis­tu­rou es­ti­los que co­nhe­cia e fez su­ces­so com eles. Ou­tros ar­tis­tas po­de­ri­am ter fei­to o mes­mo e até com mais com­pe­tên­cia, po­rém, Presley se tor­nou mais do que um can­tor fa­mo­so mun­di­al­men­te. Ele rom­peu es­tru­tu­ras que nin­guém ha­via se­quer ba­lan­ça­do até aque­le mo­men­to.

Da mis­tu­ra sur­giu um rit­mo

O es­ti­lo mu­si­cal de El­vis Presley era uma mis­tu­ra das coi­sas que ele ou­via e ado­ra­va des­de cri­an­ça: o gos­pel dos co­rais de igre­ja, o rit­mo coun­try do in­te­ri­or dos Es­ta­dos Uni­dos e a mú­si­ca ne­gra, prin­ci­pal­men­te o rhythm and blu­es que ab­sor­veu na ci­da­de de Memphis. Tan­to que as rá­di­os não con­se­gui­ram di­zer ao cer­to qual era o gê­ne­ro mu­si­cal da­que­le ra­paz do Ten­nes­see. Emis­so­ras de rá­dio coun­try se re­cu­sa­vam a to­car su­as can­ções por es­ta­rem mais pró­xi­mas do R&B e vi­ce-ver­sa.

O es­ti­lo de voz e a ba­ti­da sen­sí­vel do R&B com­bi­na­do ao rit­mo dos vi­o­lões e ins­tru­men­tos de cor­da do coun­try se apro­xi­ma­va do roc­ka­billy, uma ver­ten­te pri­má­ria do rock que já ti­nha co­mo ex­po­en­tes Carl Per­kins, Buddy Holly, Ge­ne Vin­cent e Ed­die Co­ch­ran. No en­tan­to, El­vis se afas­tou um pou­co do que es­ses ar­tis­tas fa­zi­am ao co­lo­car mais in­ten­si­da­de nas can­ções, além de subs­ti­tuir os vi­o­lões acús­ti­cos por elé­tri­cos.

Mas era o pró­prio El­vis quem pos­suía o ins­tru­men­to mais po­de­ro­so: a voz. Nu­ma aná­li­se mais crí­ti­ca, não era a mais ade­qua­da pa­ra can­tar rock, pois o tom gra­ve se as­se­me­lha­va mais a um te­nor ou ba­rí­to­no. Presley, no en­tan­to, ti­nha um do­mí­nio im­pres­si­o­nan­te so­bre su­as cor­das vo­cais, e co­lo­ca­va o to­que cer­to de emo­ção e ca­dên­cia com gri­tos ras­ga­dos ou sus­sur­ros chei­os de ter­nu­ra. Se ha­via al­go que ti­ves­se o po­der de apro­xi­mar o rhythm and blu­es com o roc­ka­billy, era a voz de El­vis Presley.

Ati­tu­de e re­bel­dia

O que mais cha­ma­va a aten­ção, en­tre­tan­to, não eram so­men­te a voz e os ins­tru­men­tos. Ha­via uma ati­tu­de di­fe­ren­te na­qui­lo que El­vis fa­zia e que atraia os jo­vens. Um exem­plo dis­so é a fo­to que es­tam­pa seu pri­mei­ro dis­co, El­vis Presley. “El­vis, vi­ven­do um gran­de dia no pal­co com um vi­o­lão em su­as mãos, ge­rou uma ima­gem de ca­pa cru­ci­al pa­ra o ál­bum... com o ins­tru­men­to que me­lhor capturou o es­ti­lo e o es­pi­ri­to da­que­la no­va mú­si­ca”, des­cre­veu o his­to­ri­a­dor cul­tu­ral Gil­bert Rod­man.

Ha­via tam­bém ou­tro fa­tor que de­mons­tra­va o que era uma ati­tu­de “rock’n’roll”: a fa­mo­sa dan­ça que El­vis fa­zia so­bre o pal­co. Nin­guém pas­sa­va im­pu­ne ao rit­mo pro­vo­ca­do pe­la “pél­vis” do can­tor: as ga­ro­tas de­li­ra­vam e gri­ta­vam di­an­te do sím­bo­lo se­xu­al; os ra­pa­zes ti­nham uma mis­tu­ra de ciú­me e ad­mi­ra­ção por aque- le ca­ra que con­quis­ta­va as me­ni­nas; e os mais con­ser­va­do­res dis­pa­ra­vam con­tra aque­le mal pa­ra a tra­di­ci­o­nal so­ci­e­da­de nor­te-ame­ri­ca­na.

Des­sa ma­nei­ra, El­vis se tor­nou uma re­fe­rên­cia aos jo­vens do país com su­as ati­tu­des que rom­pe­ram com al­guns pa­ra­dig­mas tra­di­ci­o­nais. Além dis­so, Presley deu a eles o po­der de acre­di­tar em si mes­mos co­mo uma ge­ra­ção

uni­da e in­te­gra­da, al­go que até en­tão ne­nhum ou­tro ar­tis­ta na­que­le país – ou mes­mo no mun­do – ja­mais con­se­gui­ra. El­vis Presley ha­via cri­a­do, aci­ma de tu­do, a ati­tu­de rock’n’roll, que se tor­nou uma re­fe­rên­cia des­de en­tão.

Que­bra de ta­bu

“Ele foi um in­te­gra­dor. El­vis foi uma ben­ção. Eles [os bran­cos] não dei­xa­ri­am a mú­si­ca ne­gra pas­sar. Ele abriu a por­ta pa­ra mú­si­ca ne­gra”. A de­cla­ra­ção em for­ma de agra­de­ci­men­to veio de Lit­tle Ri­chard, um dos pre­cur­so­res do rock, jun­to com El­vis, na dé­ca­da de 1950. Já Al Gre­en, gran­de re­pre­sen­tan­te do soul, afir­mou que Presley “qu­e­brou o ge­lo pa­ra to­dos nós”.

Tal­vez aqui es­te­ja a mai­or po­lê­mi­ca so­bre a im­por­tân­cia de El­vis Presley pa­ra a mú­si­ca. O jazz, o blu­es e o R&B são rit­mos de ori­gem ne­gra e, num país cu­ja se­gre­ga­ção e cu­jo ra­cis­mo sem­pre fo­ram mui­to for­tes, co­mo nos Es­ta­dos Uni­dos, era mui­to di­fí­cil que os ar­tis­tas ne­gros fi­zes­sem su­ces­so en­tre os bran­cos. Foi ne­ces­sá­rio que um can­tor bran­co in­ter­pre­tas­se tais es­ti­los pa­ra que rom­pes­sem tais bar­rei­ras.

A ques­tão se tor­na mais pro­fun­da se con­si­de­rar­mos a fa­la de Sam Phil­lips, do­no da Sun Re­cords, pri­mei­ra gra­va­do­ra da car­rei­ra de El­vis: ca­so ele en­con­tras­se um ar­tis­ta bran­co que can­tas­se mú­si­ca ne­gra e so­as­se co­mo um ne­gro, ele fi­ca­ria bi­li­o­ná­rio. Ape­sar das polêmicas (ve­ja mais nas pró­xi­mas pá­gi­nas), Presley sem­pre se mos­trou um gran­de ad­mi­ra­dor de no­mes co­mo Fats Do­mi­no, Ru­fus Tho­mas e Sis­ter Ro­set­ta Thar­pe.

O que re­fe­ren­cia El­vis Presley co­mo o sím­bo­lo má­xi­mo do rock’n’roll foi sua ca­pa­ci­da­de em tor­ná-lo um rit­mo po­pu­lar, tal­vez o pri­mei­ro a re­ce­ber o que co­nhe­ce­mos co­mo “pop” atu­al­men­te

Mar­cas re­gis­tra­das

El­vis mar­cou ge­ra­ções não so­men­te com su­as mú­si­cas, mas tam­bém com seu es­ti­lo

Ca­be­los

Em seu pri­mei­ro ano no co­le­gi­al, El­vis Presley co­me­çou a ado­tar um es­ti­lo di­fe­ren­te. Com uma mis­tu­ra de tô­ni­co ca­pi­lar e va­se­li­na, fa­zia um pen­te­a­do cha­ma­ti­vo, além de ter dei­xa­do cres­cer cos­te­le­tas em seu ros­to. Era um es­ti­lo de ca­mi­nho­nei­ro que cru­za os Es­ta­dos Uni­dos que ele di­zia gos­tar de vez em qu­an­do. “Ca­ras sel­va­gens, ti­nham ci­ca­tri­zes, eu cos­tu­ma­va fi­car do la­do da ro­do­via e os via di­ri­gir seus ca­mi­nhões gran­des mo­vi­dos a di­e­sel”. O vi­su­al che­gou a so­frer um pe­que­no con­tra­tem­po, qu­an­do El­vis cor­tou o ca­be­lo no exér­ci­to, mas, em sua “se­gun­da fa­se”, a ca­be­lei­ra e as cos­te­le­tas es­ti­ve­ram mais exu­be­ran­tes do que nun­ca.

Rou­pas

Qu­an­do fre­quen­ta­va a Be­a­le Stre­et, em Memphis, pa­ra ver as apre­sen­ta­ções de blu­es, uma vi­tri­ne cha­ma­va a aten­ção do jo­vem Presley: a lo­ja de rou­pas dos ir­mãos Lansky. Em sua pri­mei­ra fa­se, El­vis ado­tou prin­ci­pal­men­te pa­le­tós com la­pe­la gran­de e ca­mi­sas sem gra­va­ta.

Po­rém, o es­ti­lo que o eter­ni­za­ria foi ado­ta­do no fi­nal dos anos 60. El­vis que­ria se di­fe­ren­ci­ar dos gran­des in­tér­pre­tes nor­te-ame­ri­ca­nos da épo­ca que só usa­vam ter­nos, co­mo Frank Si­na­tra e Sammy Da­vis Jr. As­sim, ele mes­mo bo­lou ma­ca­cões ins­pi­ra­dos nos qui­mo­nos de ca­ra­tê (es­ti­lo de lu­ta em que era fai­xa pre­ta), mas aca­bou cri­an­do uma mar­ca re­gis­tra­da. Ape­sar de ex­tra­va­gan­tes, Presley era o úni­co que fi­ca­ria bem na­que­las rou­pas.

Dan­ça

A pri­mei­ra apre­sen­ta­ção pa­ga de El­vis Presley acon­te­ceu no dia 30 de ju­lho de 1954, no Over­ton Park, em Memphis. Ape­sar do de­se­jo de ser mú­si­co, El­vis ain­da fi­ca­va ner­vo­so qu­an­do su­bia ao pal­co. A ten­são se mis­tu­rou à res­pos­ta de su­as per­nas ao rit­mo das mú­si­cas e cri­ou uma dan­ça com mo­vi­men­tos mui­to pe­cu­li­a­res, que eram en­fa­ti­za­dos pe­las cal­ças cur­tas que ves­tia. As jo­vens mu­lhe­res no pú­bli­co lo­go co­me­ça­ram a gri­tar com aque­le gin­ga­do, e o res­to é his­tó­ria.

Um fa­to cu­ri­o­so é que as dan­ças de El­vis fa­zi­am mui­to su­ces­so en­tre as ga­ro­tas, mas pro­vo­ca­vam o ciú­me dos ra­pa­zes. Por cau­sa dis­so, em vá­ri­as si­tu­a­ções no iní­cio da car­rei­ra, a po­lí­cia era obri­ga­da a es­col­tar o can­tor nas apre­sen­ta­ções, pois ha­via o ris­co de al­gum gru­po de ga­ro­tos que­ren­do ba­ter em Presley.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.