O PRI­MEI­RO AU­GE

En­quan­to os mais con­ser­va­do­res fi­ca­ram es­tar­re­ci­dos com a “pél­vis”, Presley se tor­nou um fenô­me­no sem pre­ce­den­tes nos EUA – até so­frer dois du­ros gol­pes

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA ESPECIAL ROLLING STONES - 1 - - ÍNDICE -

El­vis bo­tou os qua­dris pa­ra me­xer e cau­sou um re­bu­li­ço nos Es­ta­dos Uni­dos e no mun­do

Um dia após o lan­ça­men­to da en­tão po­lê­mi­ca Heartbreak Ho­tel, El­vis Presley co­me­çou uma sé­rie de seis apre­sen­ta­ções no pro­gra­ma da re­de de te­vê CBS, Sta­ge Show, es­tre­la­do pe­los ir­mãos Tommy e Jimmy Dor­sey. No dia 28 de ja­nei­ro de 1956, apa­re­ce­ria pe­la pri­mei­ra vez na te­le­vi­são. No en­tan­to, as­sim co­mo na gra­va­ção do sin­gle, te­ve que li­dar com a re­sis­tên­cia alheia: os pro­du­to­res não gos­ta­ram dos en- sai­os do no­vo tra­ba­lho e im­pe­di­ram El­vis de to­cá-la nas pri­mei­ras ve­zes.

En­tão, so­men­te no ter­cei­ro show e após mui­ta pres­são, Heartbreak Ho­tel fez sua es­treia na te­le­vi­são, ain­da que a mú­si­ca fos­se to­ca­da pe­la banda de apoio do pro­gra­ma. A his­tó­ria se­ria um exem­plo de co­mo El­vis acre­di­tou em seu tra­ba­lho e lu­tou pa­ra que nin­guém in­ter­fe­ris­se. Até por­que ele pa­re­cia sa­ber o que en­fren­ta­ria nos pró­xi­mos dois anos.

“El­vis Presley”

O pri­mei­ro dis­co de El­vis re­ce­beu o no­me mais sim­ples e di­re­to pos­sí­vel. Com­pos­to por cin­co fai­xas gra­va­das nos tem­pos de Sun Re­cords e mais se­te mú­si­cas pro­du­zi­das na RCA, El­vis Presley foi lan­ça­do em 23 de mar­ço de 1956, se­guin­do as tri­lhas aber­tas pe­lo sin­gle Heartbreak Ho­tel/I Was The One. O es­ti­lo do ál­bum não pa­re­cia bem de­fi­ni­do, pois con­tem­pla­va do coun­try ao R&B, pas­san­do por ba­la­das pop e o en­tão pou­co co­nhe­ci­do rock’n’roll.

No en­tan­to, a “mis­tu­ra” to­da ti­nha a mar­ca de El­vis. Ele gra­vou al­guns co­vers de Lit­tle Ri­chard e Ray Char­les, can­to­res com es­ti­los dis­tin­tos, e deu uma no­va for­ma às mú­si­cas. A voz de Presley do­mi­na­va as can­ções com uma in­ter­pre­ta­ção di­fe­ren­ci­a­da, ao mes­mo tem­po em que as gui­tar­ras e vi­o­lões eram os ins­tru­men­tos prin­ci­pais das gra­va­ções (e não mais o pi­a­no). El­vis não so­men­te de­fi­nia sua po­si­ção, mas tam­bém o que era aque­le tra­ba­lho: um dis­co de rock’n’roll.

El­vis Presley de­fi­ni­ti­va­men­te al­çou El­vis ao es­tre­la­to. O ál­bum che­gou ao to­po da lis­ta da re­vis­ta Bill­bo­ard na ca­te­go­ria pop (o pri­mei­ro de rock’n’roll a al­can­çar tal fei­to), on­de fi­cou por dez se­ma­nas se­gui­das. O dis­co tam­bém atin­giu a mar­ca de US$ 1 mi­lhão em ven­das (al­go iné­di­to na ca­te­go­ria rock) e tam­bém ven­deu mais de um mi­lhão de có­pi­as. Os US$ 35 mil dó­la­res in­ves­ti­dos pe­la RCA pa­ra ti­rá-lo da Sun Re­cords fo­ram mui­to bem pa­gos lo­go de ca­ra.

Polêmicas em re­de na­ci­o­nal

No dia 3 de abril de 1956, El­vis fez a pri­mei­ra de du­as apre­sen­ta­ções que fa­ria pa­ra o Mil­ton Ber­le Show, gra­va­do no deck do por­ta-aviões USS Han­cock, le­van­do o pú­bli­co com­pos­to por ma­ri­nhei­ros e su­as com­pa­nhei­ras ao de­lí­rio. No fi­nal do mes­mo mês, fez sua pri­mei­ra in­cur­são em Las Ve­gas, em uma sé­rie de shows du­ran­tes du­as se­ma­nas no ca­si­no New Fron­ti­er. En­tre­tan­to, as crí­ti­cas fo­ram bas­tan­te ne­ga­ti­vas em re­la­ção ao seu de­sem­pe­nho.

Con­tu­do, as crí­ti­cas se­ri­am um pro­ble­ma pe­que­no em re­la­ção ao que en­ca­ra­ria a par­tir de uma tur­nê de 15 di­as no meio-oes­te dos Es­ta­dos Uni­dos. Su­as apre­sen­ta­ções – prin­ci­pal­men­te de um co­ver da can­to­ra Big Ma­ma Thorn­ton cha­ma­da Hound Dog – sem­pre le­va­vam mui­tos jo­vens, que re­a­gi­am de for­ma in­ten­sa e apai­xo­na­da às mú­si­cas e às dan­ças do El­vis. Após um show em Wis­con­sin, a di­o­ce­se da ci­da­de de La Cros­se se viu obri­ga­da a en­vi­ar uma men­sa­gem ao che­fe do FBI, J. Ed­gar Ho­o­ver, aler­tan­do que “Presley era um pe­ri­go de­fi­ni­ti­vo pa­ra a se­gu­ran­ça dos EUA. Su­as ações e seus mo­vi­men­tos eram ta­ma­nhos a pon­to de ati­çar as pai­xões se­xu­ais da ju­ven­tu­de”. O au­ge da po­lê­mi­ca te­ria si­do os au­tó­gra­fos que El­vis te­ria da­do na bar­ri­ga e na co­xa de du­as jo­vens.

O “pro­ble­ma” só au­men­tou qu­an­do El­vis fez sua se­gun­da apre­sen­ta­ção no pro­gra­ma de Mil­ton Ber­le. O pró­prio Ber­le su­ge­riu ao can­tor que não to­cas­se vi­o­lão: “dei­xem que to­dos o ve­jam, fi­lho”. Li­vre de ins­tru­men­tos, Presley fez o que sa­bia me­lhor: me­xer seu cor­po com aque­les mo­vi­men­tos que en­lou­que­ci­am as fãs e cho­ca­vam os mais con­ser­va­do­res. Os prin­ci­pais jor­nais do país de­to­na­ram o mú­si­co com crí­ti­cas à apre­sen­ta­ção; foi nes­sa épo­ca que sur­giu o pe­jo­ra­ti­vo ape­li­do “El­vis The Pel­vis”.

O diá­rio News­pa­per afir­mou que a úni­ca es­pe­ci­a­li­da­de de El­vis era “o mo­vi­men­to acen­tu­a­do do cor­po”. Já o New York Daily foi mais du­ro: a mú­si­ca po­pu­lar ha­via atin­gi­do o ní­vel mais bai­xo com Presley

Se, pa­ra os crí­ti­cos, o ní­vel de El­vis era bai­xo, os ín­di­ces de au­di­ên­cia eram bem al­tos a ca­da no­va apa­ri­ção em re­de na­ci­o­nal. A NBC vol­tou a con­vi­dar Presley pa­ra ou­tro pro­gra­ma da ca­sa, des­sa vez, o Ste­ve Al­len Show. Po­rém, as coi­sas se­ri­am di­fe­ren­tes: Al­len não era fã de rock, por is­so, El­vis fez uma apre­sen­ta­ção mais co­me­di­da. Ves­tin­do um tra­je mais ele­gan­te com gra­va­ta bor­bo­le­ta, ele can­tou Hound Dog num tom mais len­to. O pró­prio can­tor ex­pli­cou de­pois que não que­ria de­sa­gra­dar nin­guém, en­tão fez na te­vê uma per­for­man­ce di­fe­ren­te do que mos­tra­va ao vi­vo. Anos de­pois, ele se re­fe­ri­ria a es­se show co­mo o “mais ri­dí­cu­lo de sua car­rei­ra”.

A vi­ra­da

Ed Sul­li­van foi um dos apre­sen­ta­do­res mais im­por­tan­tes da te­vê nor­te-ame­ri­ca­na. Em qua­se 25 anos de car­rei­ra, re­ce­beu os no­mes mais im­por­tan­tes do ce­ná­rio ar­tís­ti­co e mu­si­cal das dé­ca­das de 50 e 60, dos Be­a­tles ao Jack­son Fi­ve. Uma apa­ri­ção no seu The Ed Sul­li­van Show era uma vi­tri­ne gi­gan­tes­ca. O pro­ble­ma é que, de­pois de ver El­vis no pro­gra­ma de Mil­ton Ber­le, afir­mou que o can­tor “não era pa­ra o pú­bli­co fa­mí­lia”.

Is­so não im­pe­diu que os pro­du­to­res de Sul­li­van pro­cu­ras­sem El­vis. Afi­nal, a pre­sen­ça do can­tor no pro­gra­ma de Ste­ve Al­len ha­via su­pe­ra­do a au­di­ên­cia de seu show pe­la pri­mei­ra vez. As­sim, Presley foi con­vi­da­do a par­ti­ci­par de três apre­sen­ta­ções com um ca­chê de US$ 50 mil, um va­lor mui­to al­to pa­ra a épo­ca. Mas o di­nhei­ro foi bem gas­to, pois o pro­gra­ma de 9 de se­tem­bro de 1956, trans­mi­ti­do de Los An­ge­les, te­ve a au­di­ên­cia re­cor­de de 60 mi­lhões de es­pec­ta­do­res, al­go pró­xi­mo a 83% do to­tal. El­vis ha­via con­quis­ta­do os EUA de vez.

As ou­tras du­as apre­sen­ta­ções de El­vis fo­ram fei­tas em ou­tu­bro de 1956 e ja­nei­ro de 1957. Na úl­ti­ma de­las, o em­pre­sá­rio Tom Par­ker te­ria or­ques­tra­do a apa­ri­ção dos cen­so­res pa­ra ge­rar ain­da mais pu­bli­ci­da­de. As polêmicas, no en­tan­to, pa­re­ce­ram se en­cer­rar qu­an­do Ed Sul­li­van de­cla­rou no fi­nal do show que El­vis Presley era um ga­ro­to “le­gal e de­cen­te”.

Re­cru­ta Presley

O ano de 1956 ti­nha si­do óti­mo pa­ra El­vis. De acor­do com o The Wall Stre­et Jour­nal, seu fa­tu­ra­men­to com mer­chan­di­sing che­ga­ra a US$ 22 mi­lhões, e su­as mú­si­cas ha­vi­am che­ga­do ao to­po das pa­ra­das mais do que qual­quer ou­tro ar­tis­ta. Mas, dois di­as após a gran­de apre­sen­ta­ção no pro­gra­ma de Ed Sul­li­van, veio a bom­ba: o exér­ci­to dos Es­ta­dos Uni­dos de­cla­rou que Presley ti­nha enor­mes chan­ces de ser con­vo­ca­do a se alis­tar.

Na ex­pec­ta­ti­va do cha­ma­do ofi­ci­al, El­vis te­ve um ano de 1957 cheio. Atu­ou em dois fil­mes, com­prou a man­são Gra­ce­land, on­de vi­ve­ria com seus pais e pa­ren­tes, e fez os úni­cos três shows de sua car­rei­ra fo­ra dos Es­ta­dos Uni­dos: nas ci­da­des ca­na­den­ses de To­ron­to, Ot­tawa e Van­cou­ver. Presley fun­dou ain­da o El­vis Presley Youth Re­cre­a­ti­on Cen­ter, um cen­tro de re­cre­a­ção pa­ra cri­an­ças em sua ci­da­de na­tal, Tupelo.

Cin­co di­as an­tes do na­tal da­que­le ano – o úni­co que pas­sa­ria com to­da sua fa­mí­lia em Gra­ce­land –, El­vis re­ce­beu a fa­tí­di­ca no­tí­cia de que de­ve­ria se apre­sen­tar ao exér­ci­to. No en­tan­to, a apre­sen­ta­ção não se­ria ime­di­a­ta pa­ra que ele cum­pris­se al­guns com­pro­mis­sos de tra­ba­lho, co­mo a fi­na­li­za­ção de seu fil­me King Cre­o­le, em que ha­via in­ves­ti­do cer­ca de US$ 350 mil.

En­tão, em 24 de mar­ço de 1958, El­vis Aa­ron Presley se apre­sen­tou em Fort Chaf­fee, no es­ta­do do Ar­kan­sas e re­ce­beu o nú­me­ro de re­gis­tro 53310761. O fa­to se tor­nou um gran­de even­to com di­rei­to a co­ber­tu­ra da mí­dia na­que­le dia. Ci­en­te da res­pon­sa­bi­li­da­de, El­vis afir­mou que que­ria ser tra­ta­do co­mo um re­cru­ta qual­quer, sem dis­tin­ção. E is­so re­al­men­te acon­te­ceu, pois, no dia se­guin­te, ele re­ce­beu o tra­di­ci­o­nal cor­te de ca­be­lo mi­li­tar.

A en­tra­da de El­vis no exér­ci­to tam­bém co­lo­ca­va em xe­que a sua car­rei­ra mu­si­cal. Até mes­mo o pró­prio can­tor acre­di­ta­va que di­fi­cil­men­te con­se­gui­ria re­tor­nar com su­ces­so. De acor­do com Ed­die Fa­dal, um em­pre­sá­rio que Presley co­nhe­ce­ra em su­as tur­nês, “ele [El­vis] acre­di­ta­va fir­me­men­te nis­so”.

A per­da

El­vis re­ce­beu al­gu­mas li­cen­ças du­ran­te seu trei­na­men­to pa­ra re­sol­ver ques­tões pro­fis­si­o­nais, co­mo gra­va­ções em es­tú­dio, e tal­vez aque­le que se­ria sua mai­or tra­gé­dia pes­so­al des­de en­tão. Sua mãe, que in­clu­si­ve alu­ga­ra um trai­ler pa­ra fi­car per­to do fi­lho no exér­ci­to, foi di­ag­nos­ti­ca­da com he­pa­ti­te agu­da. Ela re­tor­nou a Mem- phis pa­ra ser in­ter­na­da e re­ce­ber o tra­ta­men­to. No dia 12 de agos­to de 1958, Presley che­gou à ci­da­de pa­ra fi­car a se­nho­ra Gladys.

Não ha­via mui­to o que fa­zer. Dois di­as de­pois, Gladys Presley fa­le­ceu aos 46 anos de ida­de. Seu úni­co fi­lho fi­cou de­vas­ta­do com a mor­te, já que am­bos ti­nham uma li­ga­ção mui­to for­te. Mes­mo adul­to, sua mãe ain­da o tra­ta­va afe­ti­va­men­te co­mo uma cri­an­ça, in­clu­si­ve na for­ma co­mo se cha­ma­vam. O cor­po de Gladys foi en­ter­ra­do no ce­mi­té­rio de Fo­rest Hill, pró­xi­mo a Gra­ce­land.

El­vis vol­tou ao exér­ci­to e lo­go par­tiu pa­ra um pe­río­do de 18 me­ses na 3ª Di­vi­são Ar­ma­da em Frei­burg, na Ale­ma­nha. Mas sua vi­da não mu­dou mui­to: era fa­cil­men­te re­co­nhe­ci­do por on­de pas­sa­va e che­gou a fa­zer en­tre­vis­tas via te­le­fo­ne pa­ra pro­gra­mas de te­vê nos EUA.

Na Eu­ro­pa, El­vis tam­bém vi­veu três ex­pe­ri­ên­ci­as que mu­da­ri­am sua vi­da. A pri­mei­ra foi a jo­vem Pris­cil­la Be­au­li­eu, de ape­nas 14 anos, com quem se ca­sa­ria após se­te anos de na­mo­ro. A se­gun­da foi o ca­ra­tê, ar­te mar­ci­al em que se tor­nou fai­xa pre­ta. A ter­cei­ra e mais pe­ri­go­sa foi o uso de an­fe­ta­mi­na, que lhe fo­ram apre­sen­ta­das por um sar­gen­to. Presley fez uso re­gu­lar da subs­tân­cia ma­ra­vi­lha­do pe­los be­ne­fí­ci­os, co­mo ga­nho de for­ça e per­da de pe­so.

Em mar­ço de 1960, El­vis fi­nal­men­te cum­priu com su­as obri­ga­ções mi­li­ta­res e re­tor­nou pa­ra os Es­ta­dos Uni­dos, car­re­gan­do a pa­ten­te de sar­gen­to. Se acre­di­ta­va que sua car­rei­ra ha­via che­ga­do ao fim, foi ape­nas um le­do en­ga­no, já que no mes­mo mês vol­tou à ati­va, prin­ci­pal­men­te atu­an­do em fil­mes.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.