ATOR PRIN­CI­PAL

Qual­quer fil­me com El­vis Presley era ga­ran­tia de pú­bli­co e ren­da, mas a fór­mu­la do su­ces­so foi re­pe­ti­da à exaus­tão e se des­gas­tou

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA ESPECIAL ROLLING STONES - 1 - - ÍNDICE -

O ci­ne­ma usou e abu­sou da ima­gem do rei do rock – com di­rei­to a três fil­mes por ano!

Se El­vis ti­nha dú­vi­das em re­la­ção à sua car­rei­ra de­pois que ser­viu o exér­ci­to, elas lo­go fo­ram dis­si­pa­das as­sim que cum­priu su­as obri­ga­ções mi­li­ta­res. Sin­gles co­mo Stuck On You e It’s Now Or Ne­ver/Are You Lo­ne­so­me To­night?, além do ál­bum El­vis Is Back!, al­can­ça­ram o to­po di­as após seus lan­ça­men­tos, pro­van­do que os fãs es­ta­vam re­al­men­te an­si­o­sos pe­la sua vol­ta.

El­vis tam­bém pro­ta­go­ni­zou epi­só­di­os in­te­res­san­tes. Em maio de 1960, foi con­vi­da­do a par­ti­ci­par de um pro­gra­ma es­pe­ci­al apre­sen­ta­do por Frank Si­na­tra – uma iro­nia, já que Si­na­tra ha­via de­cla­ra­do três anos atrás que o rock era “bru­tal, feio, de­ge­ne­ra­ti­vo e vi­ci­o­so” e que era to­ca­do por “tro­glo­di­tas cre­ti­nos”. No ano se­guin­te, fez um show be­ne­fi­cen­te pa­ra o me­mo­ri­al de Pe­arl Har­bor, que se­ria sua úl­ti­ma apa­ri­ção ao vi­vo em se­te anos. Ago­ra, seus in­te­res­ses es­ta­vam di­re­ci­o­na­dos pa­ra o oes­te do país, es­pe­ci­al­men­te Hollywo­od.

Es­tre­la de ci­ne­ma

El­vis sem­pre te­ve a in­ten­ção de atu­ar, ins­pi­ra­do prin­ci­pal­men­te por ato­res co­mo Ja­mes De­an e Mar­lon Bran­do. Foi seu em­pre­sá­rio, Tom Par­ker, que ar­ran­jou um tes­te pa­ra um pa­pel co­ad­ju­van­te no fil­me Lá­gri­mas do Céu, pro­du­zi­do pe­la Pa­ra­mount Pic­tu­res. Ape­sar de não ter si­do es­co­lhi­do pa­ra o elen­co, a em­pre­sa ofe­re­ceu, em 1956, um con­tra­to pa­ra a pro­du­ção de um fil­me, com a op­ção de mais seis lon­gas.

O pri­mei­ro (dos 33 fil­mes) es­tre­la­dos por El­vis foi Lo­ve Me Ten­der ➀ , homô­ni­mo ao seu gran­de su­ces­so mu­si­cal na épo­ca. A in­ten­ção era re­al­men­te apro­vei­tar o óti­mo mo­men­to da can­ção e atrair o pú­bli­co, tan­to que o no­me ori­gi­nal do lon­ga foi al­te­ra­do (era The Re­no’s Brothers). Além dis­so, qua­tro ce­nas mu­si­cais fo­ram in­cluí­das no ro­tei­ro. Ape­sar das crí­ti­cas ruins, a pro­du­ção ob­te­ve boa ren­da com bi­lhe­te­ria.

Os pon­tos al­tos da car­rei­ra ci­ne­ma­to­grá­fi­ca de El­vis fo­ram Jai­lhou­se Rock (1957) ➁ e The King Cre­o­le (1958) ➂ . En­quan­to o pri­mei­ro ob­te­ve bo­as crí­ti­cas e su­as ce­nas mu­si­cais são lem­bra­das até ho­je co­mo um pre­de­ces­sor dos cli­pes mu­si­cais, o se­gun­do é con­si­de­ra­do um dos me­lho­res fil­mes do rei do rock.

As­sim, os pro­du­to­res de Hollywo­od ti­nham uma fór­mu­la efi­caz em mãos: um ro­tei­ro le­ve em que El­vis fa­zia o pa­pel de mo­ci­nho e es­ta­va sem­pre cer­ca­do de mu­lhe­res bo­ni­tas, além de vá­ri­as ce­nas mu­si­cais pa­ra im­pul­si­o­nar a ven­da das tri­lhas so­no­ras. Ela foi ex­plo­ra­da ao má­xi­mo, ao pon­to de Presley fa­zer três fil­mes por ano en­tre 1964 e 1969.

En­tão, vi­e­ram os pro­ble­mas. A fór­mu­la se des­gas­tou ra­pi­da­men­te, e os fil­mes se tor­na­ram re­pe­ti­ti­vos e pou­co atra­en­tes. O que mais pre­o­cu­pa­va eram as tri­lhas so­no­ras, ge­ral­men­te fei­tas em es­ca­la industrial por com­po­si­to­res que não ti­nham fa­mi­li­a­ri­da­de com o es­ti­lo de El­vis. O re­sul­ta­do foi ine­vi­tá­vel: Presley em­pla­cou nes­se pe­río­do ape­nas uma mú­si­ca no Top 10.

O fra­co de­sem­pe­nho no ci­ne­ma e a di­fi­cul­da­de em em­pla­car hits co­me­ça­ram a dei­xar El­vis de­pri­mi­do e com dú­vi­das em re­la­ção à sua car­rei­ra. Tal­vez fos­se o mo­men­to de re­con­si­de­rar uma vol­ta a dois pal­cos de on­de ha­via se afas­ta­do há anos: as apre­sen­ta­ções ao vi­vo e a te­le­vi­são.

El­vis “em ação” no fil­me Jai­lhou­se Rock, de 1957

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.