FEIOS, SUJOS E MALVADOS

Co­mo os Sto­nes saí­ram de um apar­ta­men­to imun­do e clu­bes claus­tro­fó­bi­cos e che­ga­ram ao to­po das pa­ra­das de su­ces­so

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA ESPECIAL ROLLING STONES - 1 - - ÍNDICE -

As­su­min­do a iden­ti­da­de mar­gi­nal

De­pois da es­treia ofi­ci­al, o Rol­lin’ Sto­nes en­trou em uma es­pé­cie de pe­río­do de in­cu­ba­ção. Mick e Keith mu­da­ram-se pa­ra um apar­ta­men­to alugado por Bri­an Jo­nes, on­de pas­sa­vam o tem­po to­do ou­vin­do dis­cos e ten­tan­do des­co­brir co­mo seus ído­los ti­ra­vam “aque­le” som. Mer­gu­lha­ram fun­do no uni­ver­so do blu­es de Chi­ca­go e dos pi­o­nei­ros do rock’n’roll. Mas tam­bém, qua­se li­te­ral­men­te, co­me­ram um pou­co do pão que o di­a­bo amas­sou – ou pe­lo me­nos as mi­ga­lhas.

O blu­es co­mo ali­men­to

Não le­vou mui­to tem­po pa­ra o apar­ta­men­to se trans­for­mar em um lo­cal ina­bi­tá­vel por pes­so­as co­muns. Ini­ci­al­men­te, Bri­an o alu­ga­ra pa­ra mo­rar com Pat An­drews e o pe­que­no Ju­li­an Mark, seu se­gun­do fi­lho. Pou­co de­pois, Jag­ger se ins­ta­lou por lá, uma vez que a ca­sa dos seus pais fi­ca­va bem lon­ge dos clu­bes e lo­cais que fre­quen­ta­vam. Pat não de­mo­rou a per­ce­ber que Bri­an não es­ta­va nem um pou­co in­te­res­sa­do em ser um bom pai ou ma­ri­do. Era só mú­si­ca, o tem­po

to­do. As­sim, pe­gou o fi­lho e se man­dou, tal­vez, já pre­ven­do o ca­os que se ins­ta­la­ria por lá.

Com is­so, so­bra­va um lu­gar pa­ra Keith. E, pa­ra aju­dar a pa­gar o alu­guel, ain­da ar­ru­ma­ram mais um ca­ra, um cer­to Ja­mes Phel­ge, que apa­re­ceu de­pois de Mick anun­ci­ar no mi­cro­fo­ne do Ea­ling que ha­via uma va­ga no “apê”. De acor­do com Keith Ri­chards, o ca­ra era ca­paz de con­du­tas ain­da mais as­que­ro­sas que as de­les. Na­tu­ral­men­te, o flat fi­ca­ria imun­do. A úni­ca coi­sa que re­al­men­te man­ti­nham lim­pa era a rou­pa, gra­ças ao fa­to de Do­ris, a mãe de Keith ser de­mons­tra­do­ra de má­qui­nas de la­var rou­pa, as­sim pre­ci­sa­va de pe­ças su­jas, o que não era di­fí­cil con­se­guir com eles.

Mas em ou­tros que­si­tos, co­mo a co­zi­nha, a bar­ra era pe­sa­da. A pia es­ta­va sem­pre atu­lha­da de lou­ça e res­tos de co­mi­da que cri­a­vam colô­ni­as de fun­go. “Pa­ra a gen­te era qua­se uma ques­tão pro­fis­si­o­nal dei­xar aqui­lo hor­rí­vel, uma vez que tí­nha­mos pou­cos mei­os pa­ra vi­ver em ou­tras con­di­ções”, afir­ma Keith em su­as me­mó­ri­as.

Du­ros, mui­tas ve­zes to­ca­vam em tro­ca ape­nas de cer­ve­ja. Rou­bar lei­te e co­mi­da era a ma­nei­ra mais co­mum de se ali­men­ta­rem. Mas uma coi­sa não fal­ta­va: mú­si­ca. En­tre­tan­to, não qual­quer uma, bus­ca­vam imi­tar os blu­es­men de Chi­ca­go. É fa­mo­sa a fra­se de Muddy Wa­ters, qu­an­do per­gun­ta­do o que acha­va dos Rolling Sto­nes: “Eles rou­ba­ram mi­nha mú­si­ca, mas me fi­ze­ram fa­mo­so”. Sim, mas não é tão sim­ples as­sim apren­der a to­car co­mo um gênio. “E, en­quan­to fi­cá­va­mos jun­tos, po­día­mos fin­gir que éra­mos ne­gros. A gen­te se dei­xa­va en­char­car por aque­la mú­si­ca, mas ela não mu­da­va a cor da nos­sa pe­le”, di­ver­te-se Ri­chards.

Ape­sar de te­rem pas­sa­do frio e fo­me, foi nes­se pe­río­do de “ges­ta­ção” que sen­ti­ram que po­de­ri­am ser uma boa banda. Mick ain­da es­ta­va na fa­cul­da­de, on­de fa­zia eco­no­mia e ti­nha au­las de ma­nhã. Phel­ge ti­nha em­pre­go. As­sim, Bri­an e Keith fi­ca­vam sós boa par­te do dia e a úni­ca coi­sa que fa­zi­am era to­car gui­tar­ra, com Bri­an co­mo pro­fes­sor.

A gen­te se sen­tou lá, co­me­çou a to­car e de re­pen­te es­ta­mos to­dos sor­rin­do: “Ooh, ye­ah!”. Es­sa sen­sa­ção va­le mais do que qual­quer coi­sa no mun­do. Tem um mo­men­to em que vo­cê re­al­men­te sen­te que saiu do pla­ne­ta por um ins­tan­te e que nin­guém con­se­gue te al­can­çar. Vo­cê se sen­te ele­va­do por­que es­tá com aque­les ca­ras que que­rem fa­zer a mes­ma coi­sa que vo­cê. E qu­an­do is­so dá cer­to, ra­paz, a gen­te sen­te que cri­ou asas. E sa­be que foi até um lu­gar que a mai­o­ria das pes­so­as nun­ca vai sa­ber on­de é, um lu­gar es­pe­ci­al. Daí, vo­cê qu­er fi­car vol­tan­do pa­ra lá, mas ater­ris­sa de no­vo, e qu­an­do cai de vol­ta, en­tra em ca­na. Mas a gen­te sem­pre qu­er vol­tar lá, é co­mo vo­ar sem pre­ci­sar de bre­vê.

(Keith Ri­chards, so­bre a pri­mei­ra apre­sen­ta­ção dos Rol­lin’ Sto­nes, em 12 de ju­lho de 1962).

Mos­tran­do a ca­ra

A se­gun­da apre­sen­ta­ção dos Sto­nes acon­te­ce­ria no Ea­ling, 16 di­as após de­bu­ta­rem no Mar­quee. Ape­sar de não te­rem agra­da­do ao exi­gen­te pú­bli­co de am­bas as ca­sas, por pa­re­ce­rem mais uma banda de rock e não de jazz, e to­ca­rem um ti­po de blu­es que nin­guém mais to­ca­va, nos me­ses de se­tem­bro e ou­tu­bro, con­se­gui­ram fa­zer uma de­ze­na de apre­sen­ta­ções, pra­ti­ca­men­te sem re­ce­be­rem por is­so. Em vis­ta das des­pe­sas e do que ga­nha­vam, es­ta­vam pa­gan­do pa­ra se­rem os Rol­lin’ Sto­nes.

En­tão, o nú­me­ro de shows co­me­çou a au­men­tar. Ain­da em 1962, em no­vem­bro, fi­ze­ram 12 apre­sen­ta­ções, en­quan­to em de­zem­bro, fo­ram mais 16. Além do Ea­ling e do Mar­quee, to­ca­ram vá­ri­as ve­zes em clu­bes igual­men­te pe­que­nos co­mo o Fla­min­go, o Craw­daddy (que mais à fren­te se­ria mui­to im­por­tan­te na con­so­li­da­ção do gru­po), o Red Li­on, o Stu­dio 51, o Pic­ca­dilly, o Ricky Tick, o Ma­nor Hou­se e na Fa­cul­da­de de Ar­tes de Sid­cup, to­dos por ca­chês ir­ri­só­ri­os, po­rém, su­fi­ci­en­tes pa­ra mar­ca­rem ter­ri­tó­rio, es­pe­ci­al­men­te en­tre o pú­bli­co fe­mi­ni­no e a mo­le­ca­da, em­bo­ra bus­cas­sem um som mais ma­du­ro.

A co­zi­nha es­quen­ta

Nes­se meio tem­po, Dick Tay­lor aban­do­nou o bar­co pa­ra es­tu­dar. De­pois de uns di­as sem bai­xis­ta, Bill Wy­man en­tra pa­ra o gru­po. De ca­ra, foi re­pro­va­do por Keith e Mick, afi­nal era o opos­to de­les: ti­nha 26 anos (se­te a mais do que eles), era ca­sa­do, ti­nha um fi­lho e um em­pre­go fi­xo. Mas Bill era ami­go de Tony Chap­man, com quem to­ca­ra no The Clif­tons e, aci­ma de tu­do, ti­nha um am­pli­fi­ca­dor Vox AC30, o que dei­xou Keith e Bri­an fas­ci­na­dos. No en­tan­to, lo­go que co­me­çou a to­car, ga­ran­tiu a va­ga por sua com­pe­tên­cia. Com ele a qua­li­da­de das per­for­man­ces me­lho­rou sen­si­vel­men­te.

“No­vo bai­xis­ta fa­zen­do tes­te com Tony. Um dos me­lho­res en­sai­os de to­dos. O bai­xo agre­ga mais po­tên­cia aos sons. Além dis­so, ga­ran­ti­mos com es­se bai­xis­ta um am­pli­fi­ca­dor Vox de 100 gns. De­ci­di­do o re­per­tó­rio pa­ra to­car no Mar­quee. Tem de ser o má­xi­mo pra gen­te ga­ran­tir mais da­tas”, ano­tou Keith em um diá­rio, no dia 2 de ja­nei­ro de 1963, uma quar­ta-fei­ra.

Cla­ra­men­te o gru­po evo­luía, ape­sar da po­bre­za em que vi­vi­am. Mas ain­da ha­via uma la­cu­na: a ba­te­ria. Tony Chap­man não acom­pa­nha­va a evo­lu­ção, era in­cons­tan­te. Em 14 de ja­nei­ro da­que­le que se­ria um dos anos mais in­ten­sos da car­rei­ra da banda, Tony es­ta­va fo­ra, con­for­me re­gis­trou Ri­chards.

Char­lie Watts era co­nhe­ci­do por to­dos os Sto­nes há al­gum tem­po. Já ha­via si­do con­vi­da­do inú­me­ras ve­zes pa­ra se jun­tar ao gru­po e sem­pre dei­xa­va nas en­tre­li­nhas que se eles con­se­guis­sem shows re­gu­lar­men­te po­de­ria acei­tar. Com a saí­da de Tony, Mick e Keith o con­ven­ce­ram a pre­en­cher a va­ga, mes­mo que pro­vi­so­ri­a­men­te. For­ma­va-se as­sim aque­la que é co­nhe­ci­da co­mo uma das “co­zi­nhas mais quen­tes” do rock.

En­fim, fa­mo­sos

Os Sto­nes ago­ra es­ta­vam pron­tos, com Mick, Keith, Bri­an, Ian Stewart, Bill e Char­lie. Uma banda equi­li­bra­da não pe­las se­me­lhan­ças en­tre seus com­po­nen­tes, mas sim pe­las di­fe­ren­ças. En­quan­to um la­do da banda reu­nia três mo­le­ques com ze­ro sen­so de res­pon­sa­bi­li­da­de e que­ri­am to­car por de­vo­ção ao blu­es, o ou­tro agre­ga­va três ca­ras mais ve­lhos, que pre­ci­sa­vam ter uma fon­te de ren­da re­gu­lar. Até mes­mo a ma­nei­ra de li­dar com as mu­lhe­res, que des­de o iní­cio or­bi­ta­ram em gran­de nú­me­ro em tor­no do gru­po, era di­fe­ren­te. Bri­an e Mick eram os pre­fe­ri­dos, mas in­ca­pa­zes de man­ter um re­la­ci­o­na­men­to que in­cluís­se o ter­mo fidelidade. Char­lie e Bill, por sua vez, eram ca­sa­dos e le­va­vam a sé­rio seus com­pro­mis­sos.

En­tão, sur­giu Gi­or­gio Go­melsky, um rus­so vi­ci­a­do em blu­es e ad­mi­nis­tra­dor de clu­bes na re­gião do Soho. Ele alu­ga­ra um sa­lão que fi­ca­va nos fun­dos de um pub, o Sta­ti­on Ho­tel, em Ri­ch­mond, on­de ins­ta­lou o Craw­daddy Club nas

noi­tes de do­min­go. Co­mo banda “re­si­den­te”, con­tra­ta­ra o Da­ve Hunt Rhythm & Blu­es Band, mas o aca­so – mui­ta ne­ve, no ri­go­ro­so in­ver­no de 1963, um dos mais con­ge­lan­tes já re­gis­tra­dos – fez com que o gru­po não pu­des­se com­pa­re­cer em uma das sessões e Bri­an Jo­nes con­ven­ceu Go­melsky a co­lo­car os Sto­nes no lu­gar. Im­pres­si­o­na­do com a evo­lu­ção do gru­po – já os vi­ra no Pic­ca­dilly, em uma noi­te de­sas­tro­sa – con­tra­tou-os lo­go após e dis­pen­sou o Da­ve Hunt. Nas seis se­ma­nas se­guin­tes, o Rolling Sto­nes en­tra­ria da es­tra­da de­fi­ni­ti­va ru­mo ao to­po do rock’n’roll.

Go­melsky tor­nou-se o pri­mei­ro em­pre­sá­rio dos Sto­nes, de ma­nei­ra ama­do­ra, co­mo tu­do o que fa­zi­am até en­tão, sem as­si­nar qual­quer con­tra­to. Foi res­pon­sá­vel por co­lo­cá-los em evi­dên­cia. E mais: apre­sen­tou-os aos Be­a­tles. A sin­to­nia en­tre os mem­bros das du­as ban­das mais fa­mo­sas da his­tó­ria do rock foi ime­di­a­ta. Os Be­a­tles já eram bem fa­mo­sos na épo­ca e ha­vi­am ado­ta­do uma ima­gem de bons ra­pa­zes, sob ori­en­ta­ção de Bri­an Eps­tein, mas na épo­ca que to­ca­vam em Ham­bur­go, não eram mui­to di­fe­ren­tes dos Sto­nes, in­clu­si­ve, exe­cu­ta­vam vá­ri­os dos nú­me­ros do re­per­tó­rio “sto­ni­a­no” de en­tão. A su­pos­ta ri­va­li­da­de en­tre os dois gru­pos nun­ca foi além das pá­gi­nas de jor­nais e re­vis­tas.

En­tão, um ar­ti­go no Re­cord Mir­ror, um dos mais im­por­tan­tes se­ma­ná­ri­os de mú­si­ca da In­gla­ter­ra dos anos 60, com elo­gi­os ras­ga­dos à banda e uma pro­fe­cia (“Os Sto­nes es­tão des­ti­na­dos a ser o mai­or gru­po da ce­na de r&b”), pre­ci­pi­ta­ria os fa­tos. Já não eram mais in­vi­sí­veis. De min­gua­das de­ze­nas pas­sa­ram a atrair mul­ti­dões. O Ear­ling, por exem­plo, fi­ca­ra pe­que­no de­mais. Ago­ra as fi­las da­vam vol­tas no quar­tei­rão. De uma ho­ra pa­ra ou­tra, pas­sa­ram a ser pro­cu­ra­dos por agen­tes e gra­va­do­ras, cla­ro, to­dos em bus­ca de “no­vos Be­a­tles”, que já ha­vi­am es­tou­ra­do com Lo­ve Me Do e Ple­a­se Ple­a­se Me.

Éra­mos seis

Nes­se pon­to, en­tra em ce­na An­drew Lo­og Oldham, um jo­vem re­la­ções pú­bli­cas que ha­via tra­ba­lha­do na agên­cia de Bri­an Eps­tein e ago­ra pro­cu­ra­va seus pró­pri­os ca­mi­nhos. Se­guin­do a in­di­ca­ção de um ami­go, Pe­ter Jo­nes, do Re­cord Mir­ror, Oldham re­sol­veu ver aque­la banda que co­me­ça­va a cau­sar al­vo­ro­ço. Ao vê-los no pal­co, ime­di­a­ta­men­te sen­tiu a ener­gia e o po­ten­ci­al. Em pou­cos di­as, “rou­bou” os Sto­nes de Go­melsky e co­me­çou a la­pi­dar o di­a­man­te bru­to que ti­nha em mãos. Ain­da era maio da­que­le alu­ci­nan­te 1963.

Uma das pri­mei­ras ati­tu­des de Oldham co­mo agen­te foi exi­gir que Ian Stewart saís­se, com a des­cul­pa de que seis in­te­gran­tes eram mui­to e po­de­ria pre­ju­di­car a es­tra­té­gia de mar­ke­ting que ti­nha em men­te. Na re­a­li­da­de, acha­va que “Stu” não se en­cai­xa­va na ima­gem que pre­ten­dia tra­ba­lhar.

Ve­ne­ra­do por Keith co­mo gran­de res­pon­sá­vel por man­tê-los fo­ca­dos e in­cu­tir-lhes um sen­so pro­fis­si­o­nal, ape­sar da ba­gun­ça que eram su­as vi­das par­ti­cu­la­res, Stewart não se afas­tou do gru­po. Acei­tou o pa­pel de co­ad­ju­van­te, mas con­ti­nu­ou por per­to, tor­nan­do-se o “sex­to sto­ne” ou o “sto­ne in­vi­sí­vel”, com par­ti­ci­pa­ção em qua­se to­dos os dis­cos gra­va­dos pe­lo gru­po até sua mor­te, em 1985. Dei­xou sua mar­ca em clás­si­cos co­mo Honky Tonk Wo­men, Brown Su­gar e It’s Only Rock and Roll (but I Li­ke it). “Pa­ra nós, ele nun­ca foi man­da­do em­bo­ra. E ele en­ten­dia to­tal­men­te a si­tu­a­ção. ‘Eu não pa­re­ço com vo­cês, pa­re­ço?’ Meu cha­pa, Stu ti­nha o mai­or co­ra­ção do mun­do”, es­cre­veu Keith em sua bi­o­gra­fia.

O pri­mei­ro vi­nil a gen­te nun­ca es­que­ce

O pas­so se­guin­te se­ria as­si­nar com uma gra­va­do­ra, no ca­so, a Dec­ca era o al­vo de Oldham. Ele sa­bia que por te­rem per­di­do os Be­a­tles, os ca­ras es­ta­vam de­ses­pe­ra­dos pa­ra re­pa­rar o pre­juí­zo. Mas os acon­te­ci­men­tos na­que- les me­ses ini­ci­ais do Rolling Sto­nes se su­ce­di­am em rit­mo alu­ci­nan­te. Um pou­co an­tes de Bri­an e Oldham acer­ta­rem o con­tra­to com a Dec­ca, o gru­po gra­va­ra uma de­mo com cin­co mú­si­cas nos Es­tú­di­os IBC, on­de tra­ba­lha­va um ami­go de Bri­an, cha­ma­do Glyn Johns. Em tro­ca de fa­ze­rem a gra­va­ção – não ti­nham di­nhei­ro pa­ra pa­gar, cla­ro – de­ram ex­clu­si­vi­da­de a Johns por seis me­ses pa­ra que ten­tas­se ven­der a fi­ta pa­ra a pró­pria Dec­ca. Nem ele nem a banda acre­di­ta­vam que pu­des­se dar cer­to.

Com o in­te­res­se des­per­ta­do pe­la ma­té­ria do Re­cord Mir­ror, po­rém, o jo­go mu­da­ra. Evi­den­te­men­te, não se­ria di­fí­cil pa­ra ele con­se­guir con­ven­cer a Dec­ca, an­tes de Oldham. A saí­da en­con­tra­da foi men­tir que a banda es­ta­va aca­ban­do e pe­gar a fi­ta de vol­ta. Sem fi­ta, sem ne­gó­cio. Bri­an se en­car­re­gou dis­so. Fei­ta a tra­pa­ça, es­ta­vam li­vres pa­ra as­si­nar. Ou me­lhor, Bri­an es­ta­va, pois era re­co­nhe­ci­do co­mo lí­der da banda e ne­go­ci­ou tu­do com Oldham, em no­me dos de­mais.

De qual­quer for­ma, em 10 de maio de 1963, a banda que há seis me­ses mor­ria de frio em um apar­ta­men­to imun­do, en­tra­va em es­tú­dio pa­ra gra­var seu pri­mei­ro sin­gle por uma gra­va-

do­ra gran­de. Uma chan­ce de ou­ro que não po­dia ser des­per­di­ça­da. Ti­nham ape­nas três ho­ras pa­ra gra­va­rem du­as mú­si­cas. Es­co­lhe­ram Co­me On, de Chuck Ber­ry, pa­ra la­do A e I Want To Be Lo­ved, de Wil­lie Di­xon, pa­ra o B. Lan­ça­do em 7 de ju­nho da­que­le ano, o sin­gle não con­se­guiu mais do que um 20º lu­gar na pa­ra­da do New Mu­si­cal Ex­press.

De­co­lan­do

Pa­ra­le­la­men­te, com agen­da cheia, o di­nhei­ro co­me­çou a apa­re­cer. Keith e Mick fo­ram os pri­mei­ros a sair de Edith Gro­ve pa­ra um lu­gar mais lim­po e con­for­tá­vel. Bri­an tam­bém dei­xa a len­dá­ria in­cu­ba­do­ra e vai mo­rar na ca­sa dos pais de sua na­mo­ra­da, Lin­da La­wren­ce. Bill e Char­lie sa­em de seus em­pre­gos re­gu­la­res e pas­sam a se de­di­car ex­clu­si­va­men­te ao gru­po.

O fra­cas­so de Co­me On co­lo­cou pres­são so­bre o se­gun­do sin­gle. Se fa­lhas­sem mais uma vez, a Dec­ca po­de­ria dis­pen­sá-los. Oldham sa­bia dis­so, as­sim, es­ta­va de­ses­pe­ra­do por um hit. En­tão, o aca­so re­sol­veu dar mais uma for­ça. En­quan­to a banda en­sai­a­va no Stu­dio 51, tes­tan­do hits po­ten­ci­ais, Oldham saiu pa­ra to­mar um ar e en­con­trou John Len­non e Paul McCart­ney. Na con­ver­sa, o em­pre­sá­rio expôs o pro­ble­ma. Os dois Be­a­tles en­tão ofe­re­ce­ram uma com­po­si­ção que es­ta­vam ain­da la­pi­dan­do, cha­ma­da I Wan­na Be Your Man.

Cla­ro que o es­per­to Oldham sa­bia que, na­que­le mo­men­to, qual­quer coi­sa que ti­ves­se a mão de John e Paul cha­ma­ria a aten­ção. A du­pla foi com ele ao es­tú­dio e pas­sou a mú­si­ca pa­ra os no­vos co­le­gas. Em 7 de ou­tu­bro, os Sto­nes gra­va­ram a ver­são de­fi­ni­ti­va da­que­le que se tor­na­ria o pri­mei­ro hit da banda. Cla­ro que de­ram uma tur­bi­na­da na can­ção, co­mo fi­cou cla­ro qu­an­do saiu a ver­são dos Be­a­tles, três se­ma­nas de­pois no ál­bum With The Be­a­tles, com Rin­go no vo­cal. No la­do B, co­lo­ca­ram Sto­ned, um blu­es len­to, ba­se­a­do em uma can­ção de Bo­o­ker T. O sin­gle che­ga­ria ao 12º lu­gar, o que fez a Dec­ca vol­tar a olhar pa­ra eles.

Com­pon­do

Mas Oldham sa­bia que não po­de­ri­am gra­var co­vers pa­ra sem­pre. Com o su­ces­so das com­po­si­ções pró­pri­as de John e Paul, a Dec­ca já pres­si­o­na­va seus ar­tis­tas pa­ra que fi­zes­sem o mes­mo. En­tão, mais um epi­só­dio

an­to­ló­gi­co acon­te­ce­ria. Oldham sim­ples­men­te tran­cou Keith e Mick em uma co­zi­nha e dis­se que só sai­ri­am de­pois de es­cre­ve­rem uma mú­si­ca. A du­pla pas­sou a noi­te to­da, ali, tran­ca­da e ten­tan­do fa­zer al­go. As­sim nas­ceu a ro­mân­ti­ca It Should Be You. Nas se­ma­nas se­guin­tes, a du­pla compôs ou­tras bo­ba­gens, mui­to di­fe­ren­tes do que os Sto­nes es­ta­vam acos­tu­ma­dos a to­car. O pri­mei­ro hit com a as­si­na­tu­ra Jag­ger-Ri­chards se­ria As Te­ars Go By, na voz de Ma­ri­an­ne Faith­full. Nas­cia uma no­va du­pla de com­po­si­to­res que mu­da­ria o rock’n’roll pa­ra sem­pre.

Mes­mo as­sim, o la­do A do ter­cei­ro sin­gle se­ria um co­ver de Not Fa­de Away, gra­va­da em 1957 por Buddy Holly, com uma brin­ca­dei­ra as­si­na­da por Phil Spec­tor e Nan­ker Phel­ge (pseudô­ni­mo que os Sto­nes usa­vam pa­ra as­si­nar as pri­mei­ras mú­si­cas da banda) cha­ma­da Lit­tle By Lit­tle. O sin­gle che­gou ao ter­cei­ro lu­gar e ain­da foi o pri­mei­ro do gru­po a ser lan­ça­do nos Es­ta­dos Uni­dos, um pas­so im­por­tan­te pa­ra qual­quer gru­po. Era fe­ve­rei­ro de 1964, a cha­ma­da in­va­são bri­tâ­ni­ca le­va­va ca­da vez mais gru­pos a cru­za­rem o Atlân­ti­co e en­che- rem os bol­sos de gra­va­do­ras e pro­du­to­res mu­si­cais – oca­si­o­nal­men­te, tam­bém dos ar­tis­tas.

“Es­ti­lo de vi­da”

Pa­ra com­ple­tar o ci­clo, ago­ra fal­ta­va um ál­bum. No iní­cio de fe­ve­rei­ro de 1964, os cin­co Sto­nes en­tra­vam no Re­gent Sound Stu­di­os pa­ra gra­var as 12 can­ções que com­po­ri­am o LP de es­treia. Fo­ram dez di­as de mui­to tra­ba­lho – cin­co gra­van­do e mais cin­co pa­ra mi­xa­gens – e ape­nas uma can­ção as­si­na­da por Jag­ger e Ri­chards, a açu­ca­ra­da Tell Me. O dis­co era ba­si­ca­men­te um re­su­mo das apre­sen­ta­ções ao vi­vo da banda e cap­tou es­sa ener­gia, as­sim co­mo a ur­gên­cia exi­gi­da pe­lo pou­co tem­po de es­tú­dio dis­po­ní­vel. Com mais de cem mil có­pi­as ven­di­das an­tes mes­mo de ir às lo­jas, The Rolling Sto­nes lo­go se tor­na­ria o ál­bum mais ven­di­do na In­gla­ter­ra, ba­ten­do With The Be­a­tles, o se­gun­do do Fab Four. Na con­tra-ca­pa do dis­co, Oldham in­cluiu a fra­se: “Os Rolling Sto­nes são mais do que um gru­po – são um es­ti­lo de vi­da.”

Fãs no­ru­e­gue­ses re­ce­bem o gru­po, em 1965. Ga­ro­tos e ga­ro­tas ti­nham mo­ti­va­ções mui­to di­fe­ren­tes pa­ra amar os Rolling Sto­nes...

es­quer­da, ca­pa de uma re­e­di­ção do pri­mei­ro vi­nil dos Sto­nes. À di­rei­ta, o ró­tu­lo do dis­co ori­gi­nal. Não che­gou a ser um su­ces­so, mas alar­gou um pou­co mais os ho­ri­zon­tes da banda

Ian Stewart, o “sex­to” Sto­ne, des­car­ta­do da for­ma­ção ofi­ci­al da banda, mas que ja­mais aban­do­nou o quin­te­to, acom­pa­nhan­do-os nas tur­nês co­mo pi­a­nis­ta con­tra­ta­do e par­ti­ci­pa­ções em qua­se to­dos os dis­cos gra­va­dos pe­lo gru­po até 1985, qu­an­do mor­reu

A for­ma­ção clás­si­ca dos Rolling Sto­nes se cris­ta­li­zou ape­nas com a che­ga­da de Char­lie Watts, em ja­nei­ro de 1963

Os cri­a­do­res da ex­po­si­ção Exhi­bi­ti­o­nism, que per­cor­re­rá vá­ri­os paí­ses em 2017, re­cri­a­ram o que se­ria o flat da rua Edith Gro­ve, em Lon­dres. Nes­se am­bi­en­te, sem aque­ci­men­to, Bri­an en­si­nou Keith inú­me­ros ma­ce­tes da gui­tar­ra

No pal­co de Os­lo, No­ru­e­ga, na tur­nê de 1965 pe­la Es­can­di­ná­via, pou­co de­pois de Sa­tis­fac­ti­on ser lan­ça­da nos EUA. Em al­gu­mas se­ma­nas, a can­ção os le­va­ria ao es­tre­la­to. Até che­ga­rem aí, po­rém, se di­ver­ti­ram por um lon­go e tor­tu­o­so ca­mi­nho

Cer­ca­dos pe­la im­pren­sa ho­lan­de­sa em Ams­ter­dã, 1966, épo­ca em que Bri­an e Mick ain­da di­vi­di­am as aten­ções dos jor­na­lis­tas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.