SEX&DRUGS&ROCK&ROLL

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA ESPECIAL ROLLING STONES - 1 - - ÍNDICE -

Os anos mais pro­du­ti­vos e tur­bu­len­tos

Na vi­ra­da dos anos 60 pa­ra os 70, os Rolling Sto­nes che­ga­ram ao ápi­ce mu­si­cal, com uma sequên­cia ma­ta­do­ra de ál­buns clás­si­cos e cris­ta­li­za­ram o “es­ti­lo rol­lin’ sto­ne” de ser: he­do­nis­mo ex­tre­mo, mu­lhe­res (mui­tas mu­lhe­res), se­xo, be­bi­da, en­tor­pe­cen­tes, pri­sões, mor­tes trá­gi­cas e o me­lhor do rock’n’roll

Os Be­a­tles anun­ci­a­ram a apo­sen­ta­do­ria dos pal­cos em 1966. Os Sto­nes não se­gui­ram o mes­mo ca­mi­nho e con­ti­nu­a­ram fa­zen­do tur­nês, em­bo­ra te­nham fei­to uma lon­ga pau­sa en­tre abril de 1967 e no­vem­bro de 1969. Mes­mo lon­ge da es­tra­da, por on­de pas­sa­vam dei­xa­vam um ras­tro de es­cân­da­los, com noi­ta­das épi­cas de se­xo re­ga­das a to­do ti­po de drogas. A má fa­ma, ar­ti­fí­cio usa­do pa­ra pro­mo­vê-los, os trans­for­ma­ra em um imã pa­ra con­fu­sões. O fa­to de te­rem as­su­mi­do es­sa ima­gem – e, de cer­to mo­do, en­go­li­dos por ela – os co­lo­ca­va na mi­ra das au­to­ri­da­des e na pau­ta da im­pren­sa sen­sa­ci­o­na­lis­ta.

Por ou­tro la­do, a ex­pe­ri­ên­cia da es­tra­da, es­pe­ci­al­men­te nos con­ta­tos com a na­ta do blu­es e do rock, os

le­vou ra­pi­da­men­te a uma ma­tu­ri­da­de mu­si­cal pou­cas ve­zes atin­gi­da. Char­lie e Bill ha­vi­am se trans­for­ma­do em um en­ti­da­de rít­mi­ca úni­ca, en­quan­to Keith e Mick ab­sor­ve­ram to­das as ar­ti­ma­nhas da com­po­si­ção. Ao mes­mo tem­po, Bri­an con­ti­nu­a­va sua bus­ca por no­vas so­no­ri­da­des, foi atrás das raí­zes do blu­es, na Áfri­ca, e só apri­mo­ra­va sua ha­bi­li­da­de em to­car qual­quer ti­po de ins­tru­men­to. A mú­si­ca ori­en­tal o fas­ci­na­va. Mas se fe­cha­va ca­da vez mais em seu mun­do e se dis­tan­ci­a­va da banda.

Mu­si­cal­men­te, Af­ter­math mar­cou a trans­for­ma­ção de uma banda que fa­zia os me­lho­res co­vers de blu­es e r&b da In­gla­ter­ra a um gru­po que po­dia ter seu pró­prio re­per­tó­rio. Mas cri­ou em pres­são por no­vos dis­cos com o mes­mo vi­gor. As­sim, Betwe­en The But­tons, o ál­bum se­guin­te, ape­sar de ter con­se­gui­do che­gar ao ter­cei­ro lu­gar na In­gla­ter­ra, não em­pla­cou ne­nhum gran­de hit, o que cer­ta­men­te en­co­ra­jou a in­clu­são de Ruby Tu­es­day e Let’s Spend The Night To­gether na edi­ção nor­te-ame­ri­ca­na. Foi a úl­ti­ma pro­du­ção de An­drew Oldham com eles.

Por ques­tões con­tra­tu­ais, o gru­po pre­ci­sa­va fa­zer mais um ál­bum em 1967. O ter­re­mo­to Sgt. Pep­pers ain­da sa­cu­dia a in­dús­tria mu­si­cal. O mer­ca­do apon­ta­va pa­ra a psi­co­de­lia e a ex­pe­ri­men­ta­ção. E os Sto­nes mer­gu­lha­ram fun­do nis­so em Their Sa­ta­nic Ma­jes­ti­es Re­quest. Sem dú­vi­da, um ál­bum mui­to di­fe­ren­te de tu­do o que ha­vi­am fei­to – e tam­bém fa­ri­am de­pois – mas que até ho­je di­vi­de opi­niões de fãs e crí­ti­cos.

A cos­tu­mei­ra com­pa­ra­ção com Sgt. Pep­pers, po­rém, cos­tu­ma des­va­lo­ri­zar sua qua­li­da­de. Em­bo­ra te­nham abu­sa­do dos tons psi­co­dé­li­cos, in­clu­si­ve na ca­pa, uma boa au­di­ção de Sa­ta­nic Ma­jes­ti­es lo­go mos­tra es­tru­tu­ras bem di­fe­ren­tes.

Os pro­ble­mas pes­so­ais – e po­li­ci­ais – que ator­men­ta­vam o gru­po, cer­ta­men­te in­flu­en­ci­a­ram no cli­ma her­me­ti­ca­men­te fe­cha­do do dis­co. Pa­ra uns, é mal-com­pre­en­di­do, pa­ra ou­tros, uma ten­ta­ti­va frus­tra­da de fa­zer al­go tão gran­di­o­so quan­to os Be­a­tles. “Tí­nha­mos per­di­do o gás. Acho que na épo­ca nem per­ce­bi is­so, mas era um pe­río­do em que po­de­ría­mos ter afun­da­do — um fim na­tu­ral pa­ra uma banda res­pon­sá­vel por mui­tos su­ces­sos”, re­ve­la Keith em sua au­to­bi­o­gra­fia.

Vi­ra­da de me­sa

Ape­sar de Their Sa­ta­nic Ma­jes­ti­es não ter si­do um fra­cas­so to­tal, afi­nal, fi­cou en­tre os três mais ven­di­dos dos dois la­dos do Atlân­ti­co, o gru­po não fi­cou sa­tis­fei­to com o re­sul­ta­do. Uma das con­sequên­ci­as foi o fim da par­ce­ria com An­drew Oldham, a bem da ver­da­de já mais pre­o­cu­pa­do com seus pró­pri­os ne­gó­ci­os do eu com a banda que aju­da­ra a pro­je­tar. Pa­ra o lu­gar, es­ca­la­ram o pro­du­tor Jimmy Mil­ler e ini­ci­a­ram os pre­pa­ra­ti­vos par um no­vo ál­bum. Des­ta vez, a pro­pos­ta era uma vol­ta às raí­zes. E que vol­ta!

Em de­zem­bro de 1968, o mun­do re­ce­bia Beg­gars Ban­quet, até ho­je clas­si­fi­ca­do co­mo uma dos me­lho­res dis­cos de blu­es rock de to­dos os tem­pos. Es­tão lá Sym­pathy for the De­vil, com seu back­ground afro cos­tu­ra­do pe­la gui­tar­ra cor­tan­te de Keith e uma das pri­mei­ras le­tras aber­ta­men­te sa­ta­nis­tas da his­tó­ria – a pri­mei­ra a fa­zer su­ces­so, com cer­te­za; Stre­et Figh­ting Man e seu riff rai­vo­so per­me­an­do um con­vi­te à re­be­lião; os blu­es “la­mu­ri­o­sos” No Ex­pec­ta­ti­ons e Salt Of The Earth com seu co­ro de igre­ja; a além da sa­ca­na Stray Cat Blu­es. E Jum­pin’ Jack Flash, a pre­fe­ri­da de Keith e pri­mei­ra pro­du­ção de Mil­ler com o gru­po, ain­da fi­cou fo­ra do ál­bum por ter si­do lan­ça­da em um sin­gle an­tes. En­fim, seis anos de­pois de ini­ci­a­rem sua aven­tu­ra, os Sto­nes ha­vi­am acha­do o seu som.

A ou­sa­dia da fo­to pro­mo­ci­o­nal de Sticky Fin­gers é re­fle­xo do som que bus­ca­ram no dis­co e da fa­se mais cri­a­ti­va do gru­po

Keith em al­gum lu­gar da dé­ca­da de 1970, ti­ran­do tu­do de sua gui­tar­ra e, qua­se cer­ta­men­te, pen­san­do no pró­xi­mo pi­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.