ES­TI­LO E SONORIDADE

O sur­gi­men­to e a ascensão do Guns N’ Ro­ses no mun­do da mú­si­ca foi im­pac­tan­te: com um jei­to úni­co de com­por­ta­men­to e mu­si­ca­li­da­de, a ban­da ino­vou e re­vo­lu­ci­o­nou o Rock

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - Guns N' Roses - - ÍNDICE - TEX­TO Vi­ní­cius Gá­li­co/Co­la­bo­ra­dor DE­SIGN Jo­se­ma­ra Nas­ci­men­to

Os rit­mos e o ce­ná­rio que in­flu­en­ci­a­ram a cons­tru­ção do re­per­tó­rio do Guns

Ar­mas e ro­sas pa­re­cem com­por uma com­bi­na­ção um tan­to im­pro­vá­vel em di­ver­sos as­pec­tos. En­quan­to a pri­mei­ra po­de re­pre­sen­tar vi­o­lên­cia, mor­te, po­der ou vi­ri­li­da­de, a se­gun­da é sem­pre um si­nal de be­le­za, amor e se­re­ni­da­de. Pou­co diá­lo­go en­tre am­bas, cer­to? No en­tan­to, quan­do o as­sun­to em ques­tão é mú­si­ca, po­de­mos nos sur­pre­en­der so­bre co­mo a jun­ção das du­as pa­la­vras trans­cen­dem qual­quer eti­mo­lo­gia ou re­pre­sen­ta­ção pa­ra se trans­for­mar em uma das mai­o­res ban­das de Rock de to­dos os tem­pos.

Não há mis­té­ri­os, es­ta­mos fa­lan­do do Guns N’ Ro­ses, o já len­dá­rio gru­po que sa­cu­diu a mú­si­ca e a cul­tu­ra nos anos 1980 com a sua dis­po­si­ção em le­var o es­ti­lo de vi­da “se­xo, dro­gas e Rock n’ Roll” à ris­ca. Ama­dos por mui­tos fi­lhos, odi­a­dos por to­dos os pais, a ban­da sur­giu com uma com­bi­na­ção ex­plo­si­va de es­té­ti­ca e sonoridade que vi­ria a so­mar – e mui­tas ve­zes a se opor – ao cal­dei­rão mu­si­cal oi­ten­tis­ta e ele­var o Hard Rock a um no­vo pa­ta­mar. Ta­ma­nha a in­ten­si­da­de dis­so tu­do ren­deu ao con­jun­to uma al­cu­nha pe­cu­li­ar: “a ban­da mais pe­ri­go­sa do mun­do”.

Uma dé­ca­da in­ten­sa e in­cer­ta

Os anos 1980 co­me­ça­ram, mu­si­cal­men­te, com uma trans­for­ma­ção do ce­ná­rio mains­tre­am mu­si­cal. Àque­la al­tu­ra, mui­tos afir­ma­vam que a era das gran­des ban­das de Rock e seus shows em es­tá­di­os e are­nas es­ta­vam sen­do su­pe­ra­das por um no­vo pe­río­do, on­de uma sé­rie de no­vos es­ti­los mais pró­xi­mos ou dis­tan­tes do Rock sur­gia – mui­tas ve­zes, de gos­to um tan­to du­vi­do­so. O Glam Me­tal de ban­das co­mo Mö­tley Crüe, Poi­son e Twis­ted Sis­ters, ape­li­da­do de “he­avy me­tal fa­ro­fa”, da­va as car­tas com sua sonoridade ca­da vez mais pró­xi­ma ao pop e vi­su­ais an­dró­gi­nos, com pen­te­a­dos ex­tra­va­gan­tes, ma­qui­a­gens car­re­ga­das e cal­ças de cou­ro in­cri­vel­men­te aper­ta­das.

A pró­pria mú­si­ca de­no­mi­na­da Pop che­ga­va ao es­tre­la­to. Mi­cha­el Jack­son, Ma­don­na e Cyn­di Lau­per eram pre­sen­ças ga­ran­ti­das nas rá­di­os, televisões, to­pos dos mais ven­di­dos e di­ta­vam to­da uma cul­tu­ra. O mo­vi­men­to Punk, bem co­mo o Hip-Hop, se es­ta­be­le­cia de vez após uma dé­ca­da de intenso de­sen­vol­vi­men­to e am­bos já con­quis­ta­vam as su­as par­ce­las de fa­ma. O ex­pe­ri­en­te e ma­du­ro Hard Rock se­guia ocu­pan­do seu lu­gar ao sol e ban­das co­mo AC/DC e Ae­ros­mith eram acla­ma­das pe­lo pú­bli­co e pe­la mí­dia, mas um no­vo fô­le­go ao mo­vi­men­to era ca­da vez mais ne­ces­sá­rio.

A MTV sur­gi­ra em 1981 e vi­nha pro­mo­ven­do uma re­vo­lu­ção na in­dús­tria fo­no­grá­fi­ca. Se uma ban­da pre­ci­sa­va to­car nas rá­di­os pa­ra fa­zer su­ces­so, a par­tir de en­tão era pre­ci­so que seus vi­de­o­cli­pes fos­sem trans­mi­ti­dos na te­le­vi­são. A mú­si­ca es­ta­va, de­fi­ni­ti­va­men­te, se tor­nan­do ca­da vez mais ima­gé­ti­ca.

E en­quan­to is­so, de­fi­ni­ções acer­ca do pró­prio Rock e os ca­mi­nhos que vi­nham sen­do to­ma­dos pe­lo gê­ne­ro tor­na­ram-se um cam­po de aca­lo­ra­dos de­ba­tes. O que era o Rock Oi­ten­tis­ta? Qual o le­ga­do her­da­do das ge­ra­ções an­te­ri­o­res e o que vi­ria de­pois?

É cla­ro que não po­de­mos, em ne­nhum mo­men­to ,de­cla­rar a mor­te do es­ti­lo mu­si­cal. Mas é fa­to que, após tan­tas dé­ca­das de in­ven­ções e rein­ven­ções que trans­for­ma­ram o mun­do da mú­si­ca, a che­ga­da do ex­cên­tri­co 80’s si­na­li­za­va um fu­tu­ro in­cer­to e ne­bu­lo­so pa­ra o bom e ve­lho Rock e sua es­sên­cia.

É em meio a es­te ce­ná­rio no­vo e in­cer­to que sur­ge o Guns N’ Ro­ses rein­ven­tan­do, res­ga­tan­do e mes­clan­do so­no­ri­da­des e es­té­ti­cas pa­ra vir a se tor­nar, co­mo mui­tos o con­si­de­ram, “a úl­ti­ma gran­de ban­da do Rock n’ Roll”.

Um no­vo-ve­lho es­ti­lo

A sonoridade e es­ti­lo da ban­da re­pre­sen­ta­ram um pon­to de in­ter­sec­ção en­tre os di­fe­ren­tes ru­mos que a mú­si­ca to­ma­va na­que­le pe­río­do. Sen­do uma ban­da de Rock, o Guns N’ Ro­ses sus­ten­ta­va a es­sên­cia do es­ti­lo, se­ja em su­as can­ções, se­ja na ma­nei­ra de vi­ver, no cha­ma­do Rock n’ Roll way of li­fe. E não fal­ta­vam re­fe­rên­ci­as pa­ra eles. Do Hard Rock agres­si­vo e vo­cais ele­tri­zan­tes de Ae­ros­mith, The Who e De­ep Pur­ple, pas­san­do por ban­das co­mo Na­za­reth e Lynyrd Skynyrd, até os pi­a­nos e ares de es­pe­tá­cu­lo épi­co das obras do Qu­e­en (ins­pi­ra­ção mui­to pre­sen­te no ter­cei­ro ál­bum do Guns, o Use Your Il­lu­si­on), o Rock cor­ria pe­las vei­as e sul­cos dos dis­cos do gru­po.

Da mes­ma for­ma se fa­zi­am pre­sen­te no­vas ten­dên­ci­as e so­no­ri­da­des que se so­ma­vam à amál­ga­ma de ma­triz ro­quei­ra. Den­tre as mais mar­can­tes, te­mos a pre­sen­ça da “cru­e­za” do Punk na ba­ti­da, no rit­mo e na ca­dên­cia das mú­si­cas do Guns N’ Ro­ses,

mui­to ins­pi­ra­do pe­lo bai­xis­ta Duff McKa­gan, um gran­de fã do es­ti­lo e par­ti­ci­pan­te do ce­ná­rio punk de Se­at­tle que, pos­te­ri­or­men­te, da­ria ori­gem ao Grun­ge de ban­das co­mo Nir­va­na e Sound­gar­den.

Ou­tros ar­tis­tas e seg­men­tos da mú­si­ca tam­bém re­fe­ren­ci­a­vam o quin­te­to. Por exem­plo, em di­ver­sas opor­tu­ni­da­des Axl Ro­se abor­dou a im­por­tân­cia de El­ton John pa­ra as su­as mú­si­cas. A lis­ta é gran­de e de­mons­tra bem co­mo a ban­da foi ca­paz de cri­ar uma no­va rou­pa­gem – e co­mo al­guns gos­tam de afir­mar, au­men­tar a so­bre­vi­da – do Rock n’ Roll.

To­das es­sas ins­pi­ra­ções tor­na­ram-se o di­fe­ren­ci­al da ban­da em meio ao ce­ná­rio mu­si­cal dos anos 1980. Pi­ta­das e do­ses de ou­tros ar­tis­tas de­ram ao Guns a fór­mu­la pa­ra se des­ta­car e ir além dos de­mais gru­pos de sua épo­ca.

Um enor­me le­ga­do

Mui­tas pes­so­as gos­tam de de­fi­nir a im­por­tân­cia de uma ban­da pa­ra a mú­si­ca em nú­me­ros. De fa­to, a quan­ti­da­de de dis­cos ven­di­dos, de bi­lhe­te­ri­as es­go­ta­das, tur­nês e ar­re­ca­da­ção, de­mons­tram o al­can­ce e a in­fluên­cia que um gru­po al­can­çou em sua car­rei­ra. No en­tan­to, nú­me­ros por si só não con­fe­rem a ne­nhu­ma ban­da o sta­tus de len­da. São mui­tos os exem­plos de ar­tis­tas que ven­de­ram mui­to, even­tu­al­men­te que­bra­ram re­cor­des e, no en­tan­to, se en­cer­ra­ram nis­so.

O Guns N’ Ro­ses pos­sui nú­me­ros de so­bra pa­ra os­ten­tar. Já su­pe­ra­ram a mar­ca de 100 mi­lhões de dis­cos ven­di­dos em to­do mun­do – uma quan­tia pra lá de res­pei­tá­vel – e seu pri­mei­ro dis­co, Ap­pe­ti­te for Destruction, é o ál­bum de es­treia mais bem-su­ce­di­do da his­tó­ria: al­go en­tre 28 e 33 mi­lhões de uni­da­des fo­ram ven­di­das. Tur­nês mi­li­o­ná­ri­as, es­tá­di­os lo­ta­dos por on­de pas­sa­vam, 10 es­ta­tu­e­tas e 27 in­di­ca­ções nas mais im­por­tan­tes pre­mi­a­ções da mú­si­ca mun­di­al vêm a so­mar às es­ta­tís­ti­cas que fa­zem do Guns uma ban­da de su­ces­so, nu­me­ri­ca­men­te fa­lan­do.

Mas não, a ban­da mais pe­ri­go­sa do mun­do não so­bre­vi­ve de nú­me­ros. Uma ver­da­dei­ra mi­to­lo­gia sur­giu em seu en­tor­no e trans­mi­te a to­dos, até ho­je, ares que mui­tas ve­zes ul­tra­pas­sam as su­as pró­pri­as mú­si­cas. Guns N’ Ro­ses é sinô­ni­mo de ex­plo­são e in­ten­si­da­de. E mes­mo os as­pec­tos mais con­tro­ver­sos, co­mo o cons­tan­te abu­so de dro­gas, o com­por­ta­men­to ins­tá­vel de seus mem­bros e as cons­tan­tes brigas com­ple­men­tam o seu le­ga­do.

Su­as mú­si­cas, na­tu­ral­men­te, tam­bém são uma re­fe­rên­cia pa­ra o mun­do pós 1987. São tan­tas as que se tor­na­ram ver­da­dei­ros hi­nos do Rock, co­mo Wel­co­me to the Jun­gle, e Swe­et Child O’Mi­ne (pa­ra ci­tar so­men­te o pri­mei­ro ál­bum), que não con­vém lis­tar to­das aqui. A pre­sen­ça e as re­fe­rên­ci­as à ban­da na mú­si­ca e cul­tu­ra pop são mar­can­tes.

Pa­ra o bem ou pa­ra o mal, os cin­co ra­pa­zes am­bi­ci­o­sos e per­di­dos pe­la Los An­ge­les de 1980 se trans­for­ma­ram em um dos mai­o­res sím­bo­los da mú­si­ca. Ar­mas e ro­sas, quem di­ria, fun­di­ram-se em uma com­bi­na­ção ex­plo­si­va: o Guns N’ Ro­ses é uma len­da do Rock.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.