DUFF E STE­VEN

A in­fân­cia e a ju­ven­tu­de de Izzy Stra­dlin, Duff McKa­gan e Ste­ve Adler

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - Guns N' Roses - - ÍNDICE - TEX­TO Éri­ca Aguiar DE­SIGN Jo­se­ma­ra Nas­ci­men­to

A vi­da pré-GN’R dos ou­tros co-fun­da­do­res

Qual é a fór­mu­la do su­ces­so? O que faz al­guns ar­tis­tas se des­ta­ca­rem em meio a tan­tos ou­tros que ba­ta­lham di­a­ri­a­men­te pa­ra ter o mí­ni­mo de re­co­nhe­ci­men­to? Há quem de­fen­da a ideia de que o ta­len­to nas­ce com ca­da in­di­ví­duo, mas no ca­so dos mem­bros do Guns N’ Ro­ses, uma vi­da re­bel­de des­de a ju­ven­tu­de po­de jus­ti­fi­car o es­pí­ri­to re­vo­lu­ci­o­ná­rio da ban­da e sua rá­pi­da ascensão após o lan­ça­men­to do pri­mei­ro dis­co.

Izzy Stra­dlin

Em 8 de abril de 1962, na pe­que­na ci­da­de de La­fayet­te (In­di­a­na) nos Es­ta­dos Uni­dos, nas­cia um gui­tar­ris­ta pro­mis­sor cha­ma­do Jef­frey Dean Is­bell. O me­ni­no gos­ta­va de es­cu­tar ar­tis­tas co­mo Bob Dy­lan, Pink Floyd, Ali­ce Co­o­per e Led Zep­pe­lin. Mas quem o in­flu­en­ci­ou, nos pri­mei­ros mo­men­tos de vi­da, foi a avó pa­ter­na, ba­te­ris­ta de uma ban­da de jazz com as ami­gas: “Aque­las se­nho­ras que to­ca­vam swing e jazz nas fes­tas... e eu as­sis­tia à Fa­mí­lia Dó-Re-Mi na te­le­vi­são e pen­sa­va: ‘Is­so pa­re­ce bom, vou

fa­zer is­so’”, dis­se em uma en­tre­vis­ta. Pos­te­ri­or­men­te, Sto­o­ges, New York Dolls e Sex Pis­tols es­ta­ri­am en­tre su­as pre­fe­rên­ci­as mu­si­cais.

Lo­go ao com­ple­tar oi­to anos, con­ven­ceu os pais a com­pra­rem um con­jun­to de ba­te­ria, ape­sar de sua his­tó­ria pro­fis­si­o­nal na mú­si­ca co­me­çar ape­nas na ado­les­cên­cia. Du­ran­te o en­si­no mé­dio, co­me­çou uma ban­da com ami­gos, em que Axl Ro­se era vo­ca­lis­ta. Jun­tos, in­ter­pre­ta­vam ver­sões de can­ções den­tro de ga­ra­gens, pois não exis­ti­am clu­bes on­de po­de­ri­am se apre­sen­tar.

Ape­sar de não gos­tar do co­lé­gio, for­mou-se em 1979, com uma mé­dia D. De­pois dis­so, mu­dou-se pa­ra Los An­ge­les, na Ca­li­fór­nia, pa­ra ini­ci­ar sua car­rei­ra mu­si­cal. A de­ci­são pe­la ci­da­de foi por­que o cli­ma era me­lhor e o lu­gar era “on­de tu­do es­ta­va”. Em um pri­mei­ro mo­men­to, tor­nou-se ba­te­ris­ta da ban­da Naughty Wo­men, de­pois, The Atoms. Mas, quan­do seu kit de ba­te­ria foi rou­ba­do, ele ven­deu o que so­brou e com­prou um bai­xo pa­ra par­ti­ci­par do gru­po de he­avy me­tal Shi­re. Mas ain­da não era es­sa a ideia fi­nal, pois a gui­tar­ra ba­se o atraiu por “pa­re­cer mais co­ol” e por ser mais fá­cil de com­por mú­si­cas.

Axl, por sua vez, se­guiu o ami­go pa­ra Los An­ge­les, o que cul­mi­nou na for­ma­ção da Hollywood Ro­se e, em 1984, na gra­va­ção de al­gu­mas can­ções de­mos jun­tos.

Duff McKa­gan

O bai­xis­ta Mi­cha­el An­drew McKa­gan, mais co­nhe­ci­do co­mo Duff, nas­ceu em Se­at­tle, nos Es­ta­dos Uni­dos, em 1964. Ga­nhou o ape­li­do quan­do ain­da ti­nha dois anos e nun­ca mais o aban­do­nou. Ele era o ca­çu­la de oi­to fi­lhos do ca­sal Ali­ce e El­mer, e apren­deu a to­car bai­xo com seu ir­mão Bruce, mes­mo não gos­tan­do do ins­tru­men­to lo­go de ca­ra.

Sua ado­les­cên­cia foi mar­ca­da por uma pai­xão pe­lo Punk e o Glam Rock. Quan­do ti­nha 15 anos, for­mou a ban­da punk Vains, on­de to­ca­va bai­xo. Ao mes­mo tem­po, tam­bém to­ca­va gui­tar­ra com ou­tro gru­po, abrin­do shows. Aos 16 anos, a ban­da Fast­backs o con­tra­tou co­mo ba­te­ris­ta, de­pois de a in­te­gran­te Kim War­nick lhe ofe­re­cer uma ca­ro­na. Mes­mo as­sim, o jo­vem aban­do­nou o gru­po em pou­co tem­po.

Duff aban­do­nou tam­bém o en­si­no mé­dio e re­sol­veu tra­ba­lhar em um res­tau­ran­te. Nes­se pe­río­do, se en­vol­veu com dro­gas e ar­ru­mou al­guns pro­ble­mas com a po­lí­cia. Em 1983, aos 19 anos, ha­via guar­da­do di­nhei­ro su­fi­ci­en­te e mu­dou-se pa­ra Los An­ge­les pa­ra “ten­tar a sor­te”. Seu pri­mei­ro em­pre­go foi em um res­tau­ran­te, o Black An­gus, mas ele lo­go saiu do car­go, pois, na se­ma­na se-

“Vo­cê pas­sa por mui­tas ban­das quan­do co­me­ça a to­car aos 15 anos e, no co­me­ço, vo­cê não sa­be exa­ta­men­te o que qu­er fa­zer. Vo­cê só qu­er to­car. Even­tu­al­men­te, vo­cês se apro­xi­mam e a quí­mi­ca é cer­tei­ra”,

Duff McKa­gan em en­tre­vis­ta pa­ra a re­vis­ta bri­tâ­ni­ca Ker­rang! em 1987

guin­te, en­con­trou o anún­cio do jor­nal Recy­cler, pu­bli­ca­do por Slash e Ste­ven Adler que pro­cu­ra­vam um ba­te­ris­ta pa­ra a ban­da Ro­ad Crew.

Ste­ven Adler

Nas­ci­do Mi­cha­el Co­let­ti, em 22 de ja­nei­ro de 1965, Ste­ven era fi­lho de um íta­lo-ame­ri­ca­no e de uma ju­dia nor­te-ame­ri­ca­na. De­pois que seu pai aban­do­nou a fa­mí­lia em Cle­ve­land (Ohio), sua mãe se mu­dou com os ir­mãos pa­ra Los An­ge­les.

Co­mo pos­suía o mes­mo no­me de seu pai e a re­li­gião não per­mi­tia que cri­an­ças ti­ves­sem o no­me de pes­so­as vi­vas, pas­sou a cha­mar-se Mi­cha­el e a ado­tar o so­bre­no­me do pa­dras­to (o se­gun­do ma­ri­do de sua mãe): Adler.

De­vi­do ao seu mau com­por­ta­men­to no iní­cio da ado­les­cên­cia, aos 13 anos, foi en­vi­a­do a Hollywood pa­ra mo­rar com os avós. E foi um aci­den­te de ska­te que o fez co­nhe­cer Saul Hud­son que pa­rou pa­ra so­cor­rê-lo e aju­dá-lo, tor­nan­do-se ami­gos.

Um pou­co mais ve­lho, re­tor­nou pa­ra a ca­sa dos pais em Val­ley, on­de con­cluiu o en­si­no mé­dio e apren­deu a to­car ba­te­ria por con­ta pró­pria. “Eu nun­ca fre­quen­tei uma au­la de ba­te­ria na mi­nha vi­da. Eu apren­di as­sis­tin­do e es­cu­tan­do com mui­to cui­da­do ou­tros ba­te­ris­tas to­ca­rem, que­ren­do mui­to apren­der e acre­di­tan­do em mim mes­mo”, dis­se em uma en­tre­vis­ta.

“Eu apren­di a to­car em par­ques ou de­pó­si­tos va­zi­os. Eu co­lo­ca­va meu walk­man e ia pa­ra os par­ques to­car. Mi­nha avó me deu seu ve­lho Grem­lin e eu vi­via nes­se car­ro. Mi­nha ba­te­ria tam­bém vi­via no Grem­lin e era so­men­te com is­so que eu me im­por­ta­va”, con­fes­sou em en­tre­vis­ta pa­ra a re­vis­ta Mo­dern Drum­mer.

Sua gran­de ins­pi­ra­ção mu­si­cal era Ro­ger Tay­lor, o ba­te­ris­ta do gru­po bri­tâ­ni­co Qu­e­en. “Eu sem­pre gos­tei do Pop e Dis­co dos anos 70 – eu fui re­al­men­te in­flu­en­ci­a­do pe­lo Qu­e­en”, afir­mou em uma en­tre­vis­ta pa­ra o jor­nal North Hollywood – To­lu­ca La­ke Pat­ch.

O mú­si­co re­tor­nou pa­ra Hollywood em 1983, on­de for­mou a ban­da Ro­ad Crew com Slash, seu ami­go da ado­les­cên­cia. E a sua his­tó­ria se cru­zou com a de Duff McKa­gan quan­do a du­pla pu­bli­cou um anún­cio de jor­nal pro­cu­ran­do por um bai­xis­ta.

“Eu sem­pre gos­tei do Pop e Dis­co dos anos 70 – eu fui re­al­men­te in­flu­en­ci­a­do pe­lo Qu­e­en”, Ste­ven Adler

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.