AXL RO­SE

Da mes­ma for­ma que é ca­paz de fa­zer um pú­bli­co gi­gan­tes­co pe­gar fo­go, o front­man tam­bém é ca­paz de in­cen­di­ar – em um mau sen­ti­do – su­as re­la­ções, co­le­ci­o­nan­do pro­ble­mas fo­ra dos pal­cos

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - Guns N' Roses - - ÍNDICE - TEX­TO Fa­bio To­le­do/Co­la­bo­ra­dor DE­SIGN Jo­se­ma­ra Nas­ci­men­to

A bom­ba re­ló­gio, ca­paz de ar­ran­car elo­gi­os ou xin­ga­men­tos dos fãs

São pou­cos os ar­tis­tas ca­pa­zes de unir pre­sen­ça de pal­co, sen­su­a­li­da­de, cri­a­ti­vi­da­de, ca­ris­ma e va­ri­a­ções tô­ni­cas na voz – de um to­que romântico pa­ra um can­tar ex­plo­si­vo, co­mo se com­ba­tes­se demô­ni­os in­ter­nos. En­tre eles es­tá Axl Ro­se.

Da mes­ma for­ma que aca­bou con­sa­gra­do co­mo um dos gran­des gê­ni­os da mú­si­ca, o front­man do Guns N’ Ro­ses tam­bém é cri­ti­ca­do por mui­tos fãs do Rock n’ Roll por seu gê­nio for­te e pe­lo que foi con­si­de­ra­do um ego tão gran­de quan­to su­as qua­li­da­des co­mo ar­tis­ta, apon­ta­do co­mo um dos mo­ti­vos pe­lo fim da for­ma­ção clás­si­ca da ban­da.

In­fân­cia pro­ble­má­ti­ca

Ro­se nas­ceu em La­fayet­te, es­ta­do da Loui­si­a­na, em 6 de fe­ve­rei­ro de 1962. Sha­ron Eli­za­beth, sua mãe, ti­nha ape­nas 16 anos quan­do o fi­lho nas­ceu com o no­me de Wil­li­am Bruce Ro­se Jr., ho­me­na­gem ao pai, um “de­lin­quen­te lo­cal pro­ble­má­ti­co”. Wil­li­am Bruce Ro­se aban­do­nou a fa­mí­lia e a ci­da­de após se­ques­trar seu fi­lho de ain­da dois anos e – se­gun­do Axl te­ria des­co­ber­to anos de­pois, ao se sub­me­ter à psi­co­te­ra­pia – o mo­les­tar.

Sha­ron se ca­sou com Stephen L. Bai­ley, pre­ga­dor de uma igre­ja pen­te­cos­tal, e mu­dou o no­me do fi­lho pa­ra Wil­li­am Bruce Bai­ley. Em meio a vi­o­lên­ci­as fí­si­cas so­fri­das por ele e sua mãe pra­ti­ca­das pe­lo pa­dras­to, o úni­co alen­to era o con­ta­to com a mú­si­ca na igre­ja. Foi lá on­de apren­deu a to­car pi­a­no.

Seu de­sen­vol­vi­men­to co­mo ado­les­cen­te re­bel­de e o re­la­ci­o­na­men­to di­fí­cil com o pa­dras­to lo­go lhe ren­de­ram a ex­pul­são de ca­sa e o aban­do­no da es­co­la. Res­ga­tan­do o so­bre­no­me ori­gi­nal, Wil­li­am re­fe­ria a si mes­mo co­mo W. Ro­se. Foi es­se o mo­men­to em que o jo­vem pas­sou a fre­quen­tar a de­le­ga­cia de po­lí­cia por uma sé­rie de de­li­tos.

Fuga pa­ra LA

Ro­se de­ci­diu que se­gui­ria os pas­sos de seu ami­go de ban­da do co­lé­gio, o gui­tar­ris­ta Jef­frey Is­bell, mais co­nhe­ci­do co­mo Izzy Stra­dlin, e par­ti­ria pa­ra Los An­ge­les. Na Ci­da­de dos An­jos, ten­tou a sor­te no Glam Me­tal, po­pu­lar no ce­ná­rio mu­si­cal lo­cal, en­quan­to ten­ta­va se sus­ten­tar com em­pre­gos mais con­ven­ci­o­nais.

Uma das ban­das em que Ro­se to­cou no pri­mei­ro ano em LA se cha­ma­va AXL, na qual al­can­çou um al­to grau de imer­são, a pon­to de al­guns ami­gos lhe su­ge­ri­rem que in­se­ris­se Axl em seu so­bre­no­me. Es­ta­va fei­to: en­fim, W. Axl Ro­se sur­gia em cor­po, es­pí­ri­to e no­me.

Ape­sar do en­can­to com a ban­da, ela não foi pa­ra fren­te. Em ja­nei­ro de 1984 ele foi con­vi­da­do por seu ami­go de ju­ven­tu­de, Izzy, pa­ra for­mar ou­tra ban­da – a Hollywood Ro­se.

En­tre ar­mas e ro­sas

Nos dois anos se­guin­tes, Axl di­vi­dia as aten­ções es­pe­ci­al­men­te en­tre dois con­jun­tos, o Hollywood Ro­se e o LA Guns. Uma

união en­tre os gru­pos sur­giu após a en­tra­da do gui­tar­ris­ta Tra­cii Guns e do ba­te­ris­ta Rob Gard­ner na for­ma­ção do Ro­se, cri­an­do o Guns N’ Ro­ses, em mar­ço 1985.

Cri­a­ção do rocks­tar

No Guns, Axl apre­sen­tou, em le­tras, voz e ati­tu­des, aque­le jo­vem re­vol­ta­do de La­fayet­te. Mas a cons­tru­ção des­se per­so­na­gem da mú­si­ca vai além. Ape­sar de ti­rar a rai­va de seu pas­sa­do pa­ra co­lo­car em me­lo­di­as, o ar­tis­ta bus­ca­va ins­pi­ra­ções ao ou­vir Lynyrd Skynyrd an­tes de re­a­li­zar as com­po­si­ções. Axl tam­bém ti­nha apre­ço pe­las ba­la­das mar­can­tes do Qu­e­en, o rock pe­sa­do do Na­za­reth, o glam me­tal do Ha­noi Rocks, o rock in­dus­tri­al do Ni­ne In­ch Nails, além de ser fã de­cla­ra­do de El­ton John.

Seu tim­bre in­con­fun­dí­vel, pe­lo qual fi­cou co­nhe­ci­do co­me­çou em uma brin­ca­dei­ra. Até o Hollywood Ro­se, ele uti­li­za­va sua voz na­tu­ral – co­mo po­de ser ou­vi­do em Mr. Browns­to­ne e Pa­ti­en­ce. O tom agu­do e es­tri­den­te veio em um en­saio do Ro­se, on­de Axl can­tou um co­ver de Hair of the Dog, do Na­za­reth, imi­tan­do o vo­ca­lis­ta Dan Mc­caf­ferty. Izzy gos­tou do que ou­viu e pe­diu pa­ra seu ami­go se­guir can­tan­do da­que­le jei­to.

Trans­tor­no bi­po­lar

Em uma en­tre­vis­ta pa­ra o ca­nal VH1, Axl co­men­tou: “Te­nho que me equi­li­brar, sa­ber quan­do de­vo des­truir tu­do ao meu re­dor e quan­do pre­ci­so ser le­gal com to­do mun­do”. Uma de­cla­ra­ção que po­de so­ar co­mum em se tra­tan­do de seu com­por­ta­men­to fe­roz den­tro e fo­ra dos pal­cos. Con­tu­do, exis­te uma ver­da­de pre­sen­te, tra­tan­do-se tam­bém de sua con­di­ção clínica. Is­so por­que, ain­da na ado­les­cên­cia, Axl foi di­ag­nos­ti­ca­do com psi­co­se ma­nía­co-de­pres­si­va, mais co­nhe­ci­da co­mo trans­tor­no bi­po­lar.

Tal di­ag­nós­ti­co po­de ex­pli­car cer­tas pas­sa­gens po­lê­mi­cas da vi­da do vo­ca­lis­ta. A ir­ri­ta­bi­li­da­de ex­tre­ma po­de ser vis­ta no epi­só­dio da con­fu­são em St. Louis, as­sim co­mo nas al­te­ra­ções emo­ci­o­nais du­ran­te al­guns shows – che­gan­do até mes­mo a aban­do­nar o pal­co. Des­pe­sas ex­ces­si­vas e ex­tre­mas pros­pec­ções e hi­pe­ra­ti­vi­da­de es­tão na his­tó­ria do ál­bum Chinese Democracy.

Ou­tro agra­van­te é que ele não le­va o dis­túr­bio com de­vi­da se­ri­e­da­de, re­cu­san­do tra­ta­men­to – mais uma ati­tu­de que faz par­te das ca­rac­te­rís­ti­cas do trans­tor­no bi­po­lar. Po­rém, Axl fre­quen­ta ses­sões com te­ra­peu­tas.

Mu­lhe­res

No­vem­ber Rain, Swe­et Child O’ Mi­ne, Es­tran­ged, Roc­ket Qu­e­en, Don’t Cry... Mui­tas são as can­ções ins­pi­ra­das em re­la­ci­o­na­men­tos que Axl te­ve com mu­lhe­res ao lon­go de sua vi­da. En­tre aven­tu­ras de uma noi­te ou al­guns anos, des­ta­ca-se sua re­la­ção com Erin Everly. Eles na­mo­ra­ram nos anos 80 e se ca­sa­ram em abril de 1990, em uma da­que­las capelas clás­si­cas de Las Ve­gas.

Em dez me­ses, o ca­só­rio es­ta­va ter­mi­na­do, de­pois de vá­ri­os abu­sos de Axl, que le­va­ram Everly a pro­ces­sá-lo por vi­o­lên­cia do­més­ti­ca e es­tu­pro. Stepha­nie Sey­mour, o ca­so se­guin­te do vo­ca­lis­ta, tam­bém ter­mi­nou no tri­bu­nal por vi­o­lên­cia. A ale­ga­ção de Ro­se é que seu ca­rá­ter foi mol­da­do de ma­nei­ra er­ra­da, pois na in­fân­cia te­ve que acre­di­tar que mu­lhe­res e se­xu­a­li­da­de eram coi­sas más e, de­vi­do ao tra­ta­men­to vi­o­len­to do seu pa­dras­to com sua mãe, tes­te­mu­nha­do por ele, que a vi­o­lên­cia do­més­ti­ca era um ca­mi­nho normal da vi­da. Po­rém, após in­de­ni­zar Erin e Stepha­nie, em 1994, Axl su­miu du­ran­te anos – re­a­pa­re­ceu em 2000, com uma no­va for­ma­ção do Guns N’ Ro­ses.

Os pri­mei­ros anos de vi­da do fu­tu­ro as­tro dei­xa­ram gran­des mar­cas na per­so­na­li­da­de de Axl Ro­se.

O Ra­pid­fi­re foi uma das ban­das por on­de Axl pas­sou an­tes da for­ma­ção do Guns N’ Ro­ses.

A re­bel­dia na ado­les­cên­cia fez Axl pas­sar al­gu­mas ve­zes pe­la de­le­ga­cia de La­fayet­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.