USE YOUR IL­LU­SI­ON E SE­PA­RA­ÇÃO

A dé­ca­da de 90 veio com o Guns al­can­çan­do seu ápi­ce de su­ces­so. “A ban­da mais pe­ri­go­sa do mun­do” con­quis­tou o pla­ne­ta, mas o am­bi­en­te tó­xi­co – li­te­ral e fi­gu­ra­ti­va­men­te fa­lan­do – des­truiu as re­la­ções en­tre Axl e os de­mais in­te­gran­tes

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - Guns N' Roses - - ÍNDICE - TEX­TO Fa­bio To­le­do/Co­la­bo­ra­dor DE­SIGN Jo­se­ma­ra Nas­ci­men­to

No­vos ca­mi­nhos apre­sen­ta­dos no lan­ça­men­to dos dois ál­buns e a tur­nê que de­sin­te­grou o gru­po

Afe­ro­ci­da­de apre­sen­ta­da em Ap­pe­ti­te for Destruction ca­ti­vou a ju­ven­tu­de oi­ten­tis­ta nos Es­ta­dos Uni­dos com sua ge­nui­ni­da­de, não de­mo­ran­do pa­ra se tor­nar um fenô­me­no glo­bal. En­cer­ra­da a tur­nê de 180 shows e lan­ça­men­to de GN’R Li­es, o Guns en­trou em fé­ri­as. Po­rém, o tem­po de des­can­so se trans­for­mou em ócio, e do ócio vi­e­ram abu­sos de dro­gas ca­da vez mai­o­res. A vol­ta pa­ra os es­tú­di­os dei­xou cla­ra a si­tu­a­ção: o fu­tu­ro do GN’R es­ta­va em jo­go por con­ta des­ses ex­ces­sos. Se não de to­do o gru­po, de um mem­bro em es­pe­ci­al – Ste­ven Adler.

O ba­te­ris­ta es­ta­va tão vi­ci­a­do em he­roí­na que não ti­nha con­di­ções de to­car, atra­pa­lhan­do as ses­sões de gra­va­ção pa­ra no­vas mú­si­cas. Sem o pro­gres­so de­se­ja­do, Adler foi ex­pul­so da ban­da, em ju­lho de 1990. Em seu lu­gar, che­gou Matt So­rum, vis­to por Slash du­ran­te tur­nê do The Cult, on­de to­ca­va an­tes de ser cha­ma­do pa­ra as­su­mir as ba­que­tas do Guns.

Use Your Il­lu­si­on

Com to­dos em mai­or sin­to­nia, te­ve iní­cio a pro­du­ção do no­vo ál­bum, Use Your Il­lu­si­on, o qual Axl que­ria ir além do que foi em Ap­pe­ti­te (ou “quei­mar o Ap­pe­ti­te”, con­for­me de­cla­rou em uma oca­sião), se­guin­do uma no­va di­re­ção e am­pli­an­do o pro­ces­so cri­a­ti­vo pa­ra al­go mais épi­co. Nas pa­la­vras de Slash, “Use Your Il­lu­si­on es­ta­va em to­dos os lu­ga­res. Era co­mo uma ver­são do Ál­bum Bran­co dos Be­a­tles, tal­vez não tão bom, mas as mú­si­cas apon­ta­vam vá­ri­as di­re­ções di­fe­ren­tes”.

O su­ces­so na cri­a­ção dos rit­mos foi ta­ma­nho que dois ál­buns aca­ba­ram lan­ça­dos – Use Your Il­lu­si­on I e II. Ne­les, o que se ou­via era uma ban­da bas­tan­te di­fe­ren­te. Vi­o­li­nos, pi­a­nos, te­cla­do (Dizzy Re­ad foi cha­ma­do e se tor­nou o sex­to mem­bro do gru­po), vo­zes de fun­do, um no­vo Guns sur­gia, apre­sen­tan­do tão gran­di­o­sas quan­to no Ap­pe­ti­te, co­mo Don’t Cry, No­vem­ber Rain e um co­ver de Li­ve and Let Die, do Wings, li­de­ra­do por Paul McCart­ney, no pri­mei­ro ál­bum, en­quan­to Ci­vil War, Yes­ter­days, You Could Be Mi­ne (fa­mo­sa por ser mú­si­ca te­ma de O Ex­ter­mi­na­dor do Fu­tu­ro 2: O Jul­ga­men­to Fi­nal) e uma ver­são de Knoc­kin’ on He­a­ven’s Do­or, de Bob Dy­lan, no se­gun­do. Co­mo crí­ti­cos da épo­ca co­men­ta­ram, era o bom, o mau e o feio do es­pí­ri­to do Guns em du­as gran­des obras do Rock.

Rock in Rio II

A pri­mei­ra apre­sen­ta­ção do Guns com su­as no­vas ba­la­das acon­te­ceu em um es­tá­dio do Ma­ra­ca­nã lo­ta­do, du­ran­te o Rock in Rio II, em 20 de ja­nei­ro de 1991. Em fren­te ao pal­co, 120 mil pes­so­as pu­la­ram, can­ta­ram e vi­bra­ram com o som do gru­po. Três di­as de­pois, uma ou­tra apre­sen­ta­ção no fes­ti­val acon­te­ceu. Qua­se sem dor­mir nes­se in­ter­va­lo de tem­po (os in­te­gran­tes apro­vei­ta­ram bas­tan­te a noi­te ca­ri­o­ca), Axl, Slash, Izzy, Duff e Matt fi­ze­ram ou­tro show me­mo­rá­vel, mos­tran­do a to­dos o que po­de­ria vir na pró­xi­ma tur­nê, com iní­cio mar­ca­do pa­ra qua­tro me­ses de­pois.

Pé na es­tra­da e nas con­fu­sões

Pas­sa­das as his­tó­ri­cas apre­sen­ta­ções no Bra­sil em ja­nei­ro, o GN’R co­me­çou a se pre­pa­rar pa­ra cair de vez na es­tra­da. Após três shows de aque­ci­men­to em San Fran­cis­co, Los An­ge­les e No­va York, no dia 24 de maio, em East Troy, Wis­con­sin, ti­nha iní­cio ofi­ci­al­men­te a Use Your Il­lu­si­on Tour. O lan­ça­men­to do ál­bum du­plo nos pri­mei­ros me­ses da tur­nê pro­mo­veu ain­da mais os shows, oca­si­o­nan­do uma agen­da cheia por dois anos e meio. Com exi­bi­ções me­mo­rá­veis, a ban­da cons­ta­tou seu lu­gar no Olim­po do Rock. Por

ou­tro la­do, ou­tros shows mar­ca­ram ne­ga­ti­va­men­te, cau­san­do des­gas­tes ir­re­pa­rá­veis nas re­la­ções en­tre os in­te­gran­tes.

Não so­men­te a tur­nê em si afe­tou os mem­bros do Guns, mas o com­por­ta­men­to de seu front­man. Axl Ro­se já não ti­nha mui­to con­ta­to com Izzy, Duff, Slash, Dizzy e Matt, sen­do não mui­to in­co­mum que o vo­ca­lis­ta não apa­re­ces­se pa­ra um show, ou o aban­do­nas­se no meio, por qual­quer mo­ti­vo que fos­se, mui­tas ve­zes in­cluin­do uma bri­ga com al­gum es­pec­ta­dor – ca­so do tu­mul­to na apre­sen­ta­ção de ju­lho de 1991 em St. Louis, quan­do a ban­da pre­ci­sou sair do es­ta­do do Mis­sou­ri es­con­di­da pa­ra não ser pre­sa por in­ci­tar de­sor­dem.

Ou­tro as­pec­to que de­sa­gra­da­va o con­jun­to com re­la­ção a Axl era a ma­nei­ra co­mo a ban­da es­ta­va sen­do gui­a­da por ele. No iní­cio da Use Your Il­lu­si­on Tour, o vo­ca­lis­ta in­ti­mou os de­mais mem­bros a ce­de­rem os di­rei­tos so­bre o Guns N’ Ro­ses pa­ra ele, co­mo uma for­ma de man­ter a exis­tên­cia do gru­po, mes­mo se os abu­sos de dro­gas aca­bas­sem com a for­ma­ção do mo­men­to. Mas su­as in­ten­ções fo­ram além: em­bar­can­do na on­da dos vi­de­o­cli­pes, o vo­ca­lis­ta fi­cou ob­ce­ca­do por cri­ar su­per­pro­du­ções, de al­tos or­ça­men­tos. Don’t Cry, No­vem­ber Rain e Es­tran­ged fo­ram as can­ções se­le­ci­o­na­das pa­ra a cri­a­ção de uma tri­lo­gia de vi­de­o­cli­pes do ál­bum, que cus­ta­ram a “ba­ga­te­la” de qua­tro mi­lhões de dó­la­res.

Izzy, Duff e Slash não eram fa­vo­rá­veis ao ru­mo que o Guns to­ma­va, mas o front­man pou­co con­sul­ta­va as opi­niões de seus par­cei­ros. As­sim, na re­ta fi­nal do pri­mei­ro ano da tur­nê, um in­te­gran­te des­cia de bor­do.

Des­fal­que na gui­tar­ra

En­tre os mem­bros, Izzy Stra­dlin era aque­le que co­me­ça­va a en­con­trar a so­bri­e­da­de, es­pe­ci­al­men­te com re­la­ção ao uso de dro­gas. Foi as­sim que ele viu a si­tu­a­ção de seus ou­tros co­le­gas de ban­da, a ma­nei­ra co­mo Axl do­mi­na­va a to­dos e on­de tu­do is­so da­ria. Em Man­nheim, Ale­ma­nha, um no­vo tu- mul­to co­mo o de St. Louis por pou­co não acon­te­ceu: fo­ram du­as ho­ras de atra­so e saí­da do vo­ca­lis­ta no pal­co na quin­ta mú­si­ca, su­pos­ta­men­te por con­ta de uma pes­soa que fil­ma­va sem a per­mis­são da ban­da, mas o gru­po vol­tou após cer­ca de 10 mi­nu­tos e a apre­sen­ta­ção se­guiu da me­lhor ma­nei­ra.

A má ges­tão do Guns por par­te de Axl e os abu­sos de dro­gas dos in­te­gran­tes fez com que Izzy dei­xas­se a ban­da, fa­zen­do seu úl­ti­mo show em agos­to de 1991, em Lon­dres, mas anun­ci­an­do sua saí­da de ma­nei­ra ofi­ci­al em 7 de no­vem­bro. Pa­ra subs­ti­tuí-lo na gui­tar­ra rít­mi­ca, após uma aná­li­se de cer­ca de 30 no­mes – e re­cu­sa de Da­ve Na­var­ro, da en­tão aca­ba­da Ja­ne’s Ad­dic­ton e no­me fa­vo­ri­to de Axl –, o es­co­lhi­do foi Gilby Clar­ke, ou­tro gui­tar­ris­ta do ce­ná­rio an­ge­li­no.

De vol­ta ao show

Além da es­treia de Clar­ke, a apre­sen­ta­ção em Wor­ces­ter, Mas­sa­chu­setts, em 5 de de­zem­bro, mar­cou a in­cre­men­ta­ção do Guns, com a en­tra­da de vo­cais de apoio e ins­tru­men­tos de so­pro. O que era um gru­po de

seis ro­quei­ros che­ga­va a mar­ca de 13 mem­bros no pal­co, as su­per­pro­du­ções dos vi­de­o­cli­pes co­me­ça­vam a ga­nhar es­pa­ço nos shows.

A par­tir de ju­lho de 1992, GN’R e Me­tal­li­ca uni­ram su­as tur­nês e lo­ta­ram es­tá­di­os nos EUA. Po­rém, nem tu­do foi su­ces­so. Lo­go nas pri­mei­ras das 25 per­for­man­ces, Axl apre­sen­tou pro­ble­mas na gar­gan­ta. Em 8 de agos­to, em Mon­tre­al, Ca­na­dá, após um aci­den­te pi­ro­téc­ni­co que fe­riu o vo­ca­lis­ta do Me­tal­li­ca, Ja­mes Het­fi­eld, en­cur­tan­do o show da ban­da, o Gun­ner pre­ci­sa­va con­tro­lar a si­tu­a­ção com uma gran­de exi­bi­ção. Mas o pro­ble­ma que o afe­ta­va im­pe­diu de ir lon­ge, aban­do­nan­do o pal­co após no­ve can­ções (pa­ra variar um pou­co). O que se viu na sequên­cia foi uma re­vol­ta de jo­vens ro­quei­ros pe­la ci­da­de: car­ros vi­ra­dos, ja­ne­las que­bra­das e es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais sa­que­a­dos, um ce­ná­rio de guer­ra no ter­ri­tó­rio ca­na­den­se.

A tur­nê con­jun­ta de Guns e Me­tal­li­ca ter­mi­nou em 6 de ou­tu­bro. Na sequên­cia, Axl, Slash e a tru­pe de mais de uma de­ze­na de mú­si­cos em­bar­ca­vam pa­ra a Amé­ri­ca do Sul. Fo­ram no­ve shows no sub­con­ti­nen­te, três de­les no Bra­sil, mas não no mes­mo ní­vel da­que­le ob­ti­do no Rock in Rio.

“The Spaghet­ti In­ci­dent?” e se­pa­ra­ção

A Use Your Il­lu­si­on Tour ter­mi­nou em 17 de ju­lho de 1993, em Bu­e­nos Aires. A da­ta mar­cou co­mo úl­ti­ma exi­bi­ção com Gilby Clar­ke, Matt So­rum e Slash ao la­do de Axl. No mes­mo ano, o quin­to ál­bum da ban­da foi lan­ça­do. In­ti­tu­la­do “The Spaghet­ti In­ci­dent?”, apre­sen­tou uma sequên­cia de co­vers do Guns, mui­tos de­les gra­va­dos ain­da na épo­ca do Use Your Il­lu­si­on, com Izzy na gui­tar­ra de ba­se subs­ti­tuí­do pos­te­ri­or­men­te por Clar­ke, em can­ções que re­tor­na­vam à fe­ro­ci­da- de de Ap­pe­ti­te for Destruction e va­ri­a­ções na fun­ção de vo­ca­lis­ta en­tre Axl e Duff. O tí­tu­lo do ál­bum é uma pi­a­da in­ter­na so­bre uma bri­ga de co­mi­da envolvendo Axl e Ste­ven Adler, men­ci­o­na­da du­ran­te o pro­ces­so do ba­te­ris­ta con­tra a ban­da. O ad­vo­ga­do de Adler des­cre­veu o ocor­ri­do co­mo “o in­ci­den­te do es­pa­gue­te”.

Ape­sar de um iní­cio bom (che­gou à quar­ta po­si­ção no ran­king da Bill­bo­ard nas pri­mei­ras se­ma­nas, com 190 mil có­pi­as ven­di­das), “The Spaghet­ti In­ci­dent?” foi um fra­cas­so se com­pa­ra­do com os ou­tros ál­buns da ban­da. Is­so au­men­tou a ten­são en­tre os in­te­gran­tes, mas um no­vo ma­te­ri­al co­me­ça­ria a ser pro­du­zi­do já no ano se­guin­te.

Frag­men­ta­do

Na vi­ra­da pa­ra 1994, al­gu­mas can­ções com­pos­tas por Slash já eram gra­va­das, po­rém o “de­sem­pe­nho” da ban­da não agra­da­va Axl e o pro­je­to foi dei­xa­do de la­do. De fa­to, as idei­as do front­man já não en­cai­xa­vam de ma­nei­ra al­gu­ma nos

an­sei­os do res­tan­te do gru­po. Em de­zem­bro da­que­le ano, o lan­ça­men­to de um co­ver de Sym­pathy For The De­vil, dos Sto­nes, pa­ra a tri­lha so­no­ra do fil­me En­tre­vis­ta com o Vam­pi­ro, foi o úl­ti­mo tra­ba­lho da for­ma­ção com Slash, Duff, Matt e Axl. O con­tra­to de Clar­ke es­ta­va en­cer­ra­do e ele ha­via si­do subs­ti­tuí­do por Paul To­bi­as, o qual cau­sou atri­tos mai­o­res en­tre Axl e Slash de­vi­do a di­fe­ren­ças pes­so­ais en­tre os gui­tar­ris­tas.

Em ou­tu­bro de 1996, a gui­tar­ra prin­ci­pal do Guns dei­xa­va de ser de Slash. Em agos­to do ano se­guin­te, era Duff quem se des­pe­dia. Os gas­tos com alu­guel de es­tú­di­os sem pro­du­zir e sua vi­da ago­ra co­mo pai fi­ze­ram o bai­xis­ta op­tar pe­la es­ta­bi­li­da­de. As­sim, da­que­les ca­be­lu­dos que se tor­na­ram sím­bo­lo pa­ra os jo­vens e o ter­ror pa­ra os pais nos anos oi­ten­ta, ape­nas Axl Ro­se res­tou no GN’R.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.