AR­MAS E RO­SAS NA SEL­VA DOS AN­JOS

Os cin­co in­te­gran­tes do Guns N’ Ro­ses per­cor­re­ram um lon­go ca­mi­nho até for­ma­rem a ban­da, em 1985. E en­tão, bas­ta­ram ape­nas dois anos pa­ra atin­gi­rem o es­tre­la­to

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - Guns N' Roses - - COMEÇO - TEX­TO Vi­ní­cius Gá­li­co/Co­la­bo­ra­dor DE­SIGN Jo­se­ma­ra Nas­ci­men­to

Oco­me­ço dos anos 1980 foi agi­ta­do pa­ra os fu­tu­ros in­te­gran­tes do Guns N’ Ro­ses. Axl Ro­se e Izzy Stra­dlin ha­vi­am se mu­da­do de uma pe­que­na ci­da­de cha­ma­da La­fayet­te, no es­ta­do de In­di­a­na, pa­ra Los An­ge­les, na Ca­li­fór­nia, há al­guns anos e ca­da vez mais se es- ta­be­le­ci­am no ce­ná­rio mu­si­cal efer­ves­cen­te da ci­da­de. Izzy, que fez as ma­las um ano an­tes de Axl, che­gou à ci­da­de co­mo ba­te­ris­ta, mas lo­go des­co­briu seu ta­len­to com a gui­tar­ra e mar­ca­va pre­sen­ça em al­gu­mas ban­das de pou­ca no­to­ri­e­da­de quan­do en­trou pa­ra o Hollywood Ro­se.

Axl, por ou­tro la­do, apren­dia ca­da vez mais so­bre co­mo so­bre­vi­ver em meio a sel­va de pe­dra e dei­xa­va de la­do o ga­ro­to cai­pi­ra de Loui­si­a­na de ou­tro­ra, quan­do che­ga­ra à Ci­da­de dos An­jos. Após con­se­guir a opor­tu­ni­da­de de to­car com uma ban­da cha­ma­da Ra­pid­fi­re, em 1983, a fa­ma de vo­ca­lis­ta co­me­çou a cir­cu­lar en­tre os gru­pos do ce­ná­rio mu­si­cal de West Hollywood.

En­quan­to is­so, Slash e Ste­ven fun­da­ram o Ro­ad Crew, tam­bém em 1983. No ano se­guin­te, Slash foi cha­ma­do pa­ra in­te­grar o Hollywood Ro­se. Jun­to com Izzy Stra­dlin e Axl Ro­se, es­sa cur­ta ex­pe­ri­ên­cia se­ria um “pro­tó­ti­po” do fu­tu­ro Guns N’ Ro­se. Mas ela foi re­al­men­te cur­ta. Izzy lo­go aban­do­nou a ban­da e Slash fa­ria o mes­mo após um show que ter­mi­nou em de­sas­tre quan­do Axl e Tra­cii Guns (ou­tro mem­bro do gru­po) ar­ran­ja­ram bri­ga com um es­pec­ta­dor da pla­teia. O tem­pe­ra­men­to da fu­tu­ra ban­da tam­bém es­ta­va sen­do de­se­nha­do.

Tu­do pa­re­cia con­fu­so en­tre os gru­pos de West Hollywood, e re­al­men­te era. Em 1985, Axl aban­do­nou o Hollywood Ro­se e se jun­tou a Izzy na no­va ban­da de Tra­cii Guns, o L.A Guns. Slash re­tor­nou pa­ra o Ro­ad Crew pa­ra lo­go em se­gui­da to­car em um con­jun­to cha­ma­do Black She­ep. Era as­sim que as coi­sas acon­te­ci­am, tu­do mui­to rá­pi­do, con­fu­so e in­cons­tan­te.

En­fim, Guns N’ Ro­ses

Mas tu­do iria mu­dar ain­da em 1985. En­tre idas e vin­das, Axl Ro­se e Tra­cii Guns de­ci­dem unir for­ças no­va­men­te e fun­dir o que so­brou de su­as du­as ban­das pa­ra cri­ar um no­vo e po­de­ro­so gru­po. A par­tir de en­tão, L.A Guns e Hollywood Ro­se pas­sa­vam a se cha­mar Guns N’ Ro­ses. Na pri­mei­ra for­ma­ção da ban­da, te­mos Axl nos vo­cais, Izzy e Tra­cii nas gui­tar­ras, Rob Gard­ner na ba­te­ria e Ole Bei­ch no bai­xo.

Bem-vin­do à sel­va, Duff

O pon­to de vi­ra­da de­fi­ni­ti­vo pa­ra que o Guns mi­ras­se o es­tre­la­to foi che­ga­da de Mi­cha­el McKa­gan, o Duff, à ban­da, ain­da em 1985. Duff mu­da­ra pa­ra Los An­ge­les um ano an­tes, em 1984, vin­do de Se­at­tle. Lá par­ti­ci­pou ati­va­men­te do ce­ná­rio punk, ten­do fei­to par­te de mais de 31 ban­das to­can­do bai­xo, gui­tar­ra e ba­te­ria.

Duff co­nhe­ceu pri­mei­ro Slash e Ste­ven, após res­pon­der a um anún­cio de jor­nal em que o Ro­ad Crew pro­cu­ra­va um no­vo bai­xis­ta. Se en­con­tra­ram em um bar e con­vi­ve­ram por al­guns di­as, mas a ideia não en­gre­nou. De to­do mo­do, McKa­gan es­ta­be­le­ceu uma gran­de ami­za­de com os dois ra­pa­zes e foi em­bo­ra com seus nú­me­ros de te­le­fo­ne no bol­so.

Al­gum tem­po de­pois, Duff en­tra­ria no Guns N’ Ro­ses a con­vi­te de Izzy pa­ra to­car no lu­gar de Ole Bei­ch. O no­vo bai­xis­ta lo­go sim­pa­ti­zou com a ener­gia e a vi­ta­li­da­de da ban­da. No en­tan­to, di­ver­gên­ci­as en­tre o no­vo in­te­gran­te, Tra­cii Guns e Rob Gard­ner sur­gi­ri­am. Jun­tos, to­dos vi­nham fa­zen­do bons shows e con­quis­tan­do al­gum pú­bli­co, mas Duff con­si­de­ra­va que os dois se con­ten­ta­vam em se­rem fa­mo­sos ape­nas por al­guns quar­tei­rões de West Hollywood, e ele que­ria mais que is­so.

Pa­ra es­ti­mu­lar a ban­da a cor­rer atrás do pró­prio su­ces­so em vez de es­pe­rar que al­guém os des­co­bris­se pe­los ba­res da re­gião, Duff propôs ao Guns que eles fi­zes­sem uma tur­nê pe­la Cos­ta Oes­te dos EUA, sain­do de Los An­ge­les e in­do até Se­at­tle. Se­ria a for­ma ide­al de me­dir a ca­pa­ci­da­de de im­pac­to de ser som e ava­li­ar seus elos fra­cos.

E eles des­co­bri­ram mui­tas coi­sas. Pou­cos di­as an­tes da tur­nê, Tra­cii Guns e Rob Gard­ner aban­do­na­ram a ban­da, dei­xan­do o fu­tu­ro do gru­po in­cer­to. Foi en­tão que Duff lem­brou dos dois mú­si­cos que ha­via co­nhe­ci­do há al­gum tem­po e te­le­fo­nou pa­ra eles. Às vés­pe­ras do tour, Slash e Ste­ven Adler che­ga­ram: a for­ma­ção clás­si­ca do Guns N’ Ro­ses es­ta­va con­so­li­da­da.

Hell Tour

Com os no­vos in­te­gran­tes, tu­do es­ta­va pre­pa­ra­do pa­ra co­lo­ca­rem o pé na es­tra­da. Mas lo­go eles des­co­bri­ram que na­da se­ria tão fá­cil. O car­ro que con­se­gui­ram pa­ra a vi­a­gem que­brou nas pri­mei­ras ho­ras e não res­tou al­ter­na­ti­va a não ser pedir ca­ro­na nas ro­do­vi­as. Per­de­ram to­dos os shows, ex­ce­to o úl­ti­mo.

Mo­ri­bun­dos após um per­cur­so de mais de 1.500 quilô­me­tros, a ban­da fez sua apre­sen­ta­ção em Se­at­tle, mas, no­va­men­te, as coi­sas não saí­ram co­mo es­pe­ra­do. O do­no da bo­a­te em que to­ca­ram se re­cu­sou a pa­gar o ca­chê de U$200 pro­me­ti­dos. Se­gun­do ele, o gru­po não ha­via ren­di­do mui­tos in­gres­sos na­que­la noi­te.

An­te à re­cu­sa, Axl ate­ou fo­go em to­a­lhas de pa­pel e ten­tou in­cen­di­ar o lu­gar. Os se­gu­ran­ças ex­pul­sa­ram o quin­te­to. De­pois, a ban­da en­trou em uma ou­tra bo­a­te e ten­tou rou­bar os equi­pa­men­tos do gru­po que ha­via to­ca­do lá: tra­ta­va-se do Sound­gar­den. O re­sul­ta­do foi ou­tro fra­cas­so, uma tre­men­da con­fu­são, mas o Guns N’ Ro­ses re­tor­nan­do pa­ra Los An­ge­les co­mo uma ver­da­dei­ra ban­da de Rock – pe­lo me­nos no es­pí­ri­to!

O re­tor­no, Hell Hou­se e Gef­fen

De­pois da tur­nê, veio a “Hell Hou­se”. Era as­sim que os in­te­gran­tes cha­ma­vam um cu­bí­cu­lo de 3,5 por 3,5 me­tros, sem ba­nhei­ro ou co­zi­nha, on­de pas­sa­ram a mo­rar. Nes­te “lu­gar in­fer­nal”, co­mo eles mes­mos de­fi­ni­ri­am pos­te­ri­or­men­te, a ban­da compôs pra­ti­ca­men­te to­das as mú­si­cas do fu­tu­ro Ap­pe­ti­te for Destruction.

Foi um pe­río­do di­fí­cil, vi­ven­do em con­di­ções pre­cá­ri­as, sem­pre ali­men­ta­do pe­lo so­nho do su­ces­so. Mas ape­sar de to­da in­sa­lu­bri­da­de e de­gra­da­ção, a di­ver­são e a lou­cu­ra eram ga­ran­ti­das.

Não de­mo­rou mui­to tem­po pa­ra que o lu­gar pas­sas­se a ser fre­quen­ta­do por ou­tras ban­das e uma mul­ti­dão de pes­so­as. Dro­gas, se­xo e be­bi­das ro­la­vam à sol­ta em um ní­vel que bei­ra­va a in­sa­ni­da­de. E foi jus­ta­men­te de­vi­do a es­se es­ti­lo de vi­da que, mais uma vez, o Guns N’ Ro­ses era ex­pul­so de al­gum lu­gar. Após con­fu­são e de­nún­cia envolvendo uma me­nor de ida­de, Axl e Slash pre­ci­sa­vam dar o fo­ra se qui­ses­sem evi­tar a pri­são.

Quem os sal­vou foi uma em­pre­sá­ria do meio da mú­si­ca cha­ma­da Vicky Ha­mil­ton, que já pos­suía al­gu­ma fa­ma no ce­ná­rio mu­si­cal lo­cal. Ela os abri­gou, ali­men­tou, agen­dou shows e di­vul­gou o tra­ba­lho de­les pa­ra di­ver­sas gra­va­do­ras. Foi as­sim que, após o in­ci­den­te envolvendo a po­lí­cia, con­se­gui­ram re­tor­nar aos pal­cos de West Hollywood.

Daí pa­ra o es­tre­la­to, bas­ta­ram mais al­guns pas­sos. De­pois de mui­tas ten­ta­ti­vas frus­tra­das de fe­char acor­do com gra­va­do­ras, Tom Zu­taut – um jo­vem ca­ça ta­len­tos com um óti­mo faro pa­ra o su­ces­so – des­co­briu a ban­da. Tra­ba­lhan­do pa­ra a Gef­fen, Zo­ots, co­mo era co­nhe­ci­do, con­se­guiu con­ven­cer os exe­cu­ti­vos da gra­va­do­ra a con­tra­tá-la. Foi um ver­da­dei­ro jo­go de cin­tu­ra pa­ra con­ci­li­ar o gru­po de ro­quei­ros re­bel­des e ho­mens en­gra­va­ta­dos. En­quan­to is­so, Vicky Ha­mil­ton era dei­xa­da de la­do, jun­to a to­das as dí­vi­das que con­traiu pa­ra sus­ten­tar o es­ti­lo de vi­da da ban­da.

O con­tra­to foi as­si­na­do em mar­ço de 1986. A par­tir daí, co­me­ça­va o pro­ces­so de gra­va­ção do pri­mei­ro ál­bum da ban­da, o Ap­pe­ti­te for Destruction. Ele se­ria lan­ça­do no ano se­guin­te, em 1987, e ape­sar de le­var al­gum tem­po pa­ra en­ga­tar no ca­mi­nho do su­ces­so, re­vo­lu­ci­o­na­ria a tra­je­tó­ria do Guns N’ Ro­ses e do Rock co­mo es­ti­lo mu­si­cal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.