A du­pla e úl­ti­ma fan­ta­sia de Len­non

O mun­do aguar­da­va an­si­o­so o no­vo tra­ba­lho de John, mas ja­mais es­pe­ra­va o fi­nal trá­gi­co

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - John Lennon - - A Obra -

Qu­an­do Se­an Ta­ro Ono Len­non nas­ceu, em 9 de ou­tu­bro de 1975, seu pai de­ci­diu co­lo­car a car­rei­ra em se­gun­do pla­no pa­ra se de­di­car ex­clu­si­va­men­te à sua cri­a­ção. Pa­ra quem ha­via pas­sa­do os úl­ti­mos 15 anos em in­ten­sa ati­vi­da­de, a “li­cen­ça-pa­ter­ni­da­de” sem tem­po de­ter­mi­na­do de John Len­non sur­pre­en­deu mui­ta gen­te.

John ha­via fei­to seu anún­cio ofi­ci­al em Tó­quio, ca­pi­tal do Ja­pão, em 1977, afir­man­do que ele e Yo­ko “ha­vi­am ba­si­ca­men­te de­ci­di­do, sem ne­nhu­ma gran­de de­ci­são, fi­car com nos­so be­bê o má­xi­mo de tem­po que pu­der­mos até sen­tir­mos que po­de­mos ter nos­so pró­prio tem­po pa­ra cri­ar coi­sas fo­ra da fa­mí­lia”. Nes­se pe­río­do, colaborou com uma mú­si­ca pa­ra um tra­ba­lho de Rin­go Starr, fez al­guns de­se­nhos e ras­cu­nhou um li­vro com con­teú­do au­to­bi­o­grá­fi­co.

Du­ran­te uma vi­a­gem de bar­co que fez dos Es­ta­dos Uni­dos até o ar­qui­pé­la­go de Ber­mu­das, em 1980, John pas­sou por al­gu­mas ex­pe­ri­ên­ci­as que cha­mou de “ter­rí­veis, mas re­vi­go­ran­tes”. Após uma tem­pes­ta­de em al­to mar, Len­non foi obri­ga­do a con­tro­lar a em­bar­ca­ção, já que os ou­tros in­te­gran­tes pas­sa­ram mal ou es­ta­vam ex­te­nu­a­dos. Ao per­ce­ber a fra­gi­li­da­de da vi­da den­tro de uma jor­na­da in­ten­sa, ele se sen­tiu con­fi­an­te pa­ra com­por no­va­men­te.

De vol­ta à ati­va, John lan­çou um sin­gle com (Just Li­ke) Star­ting Over e Kiss Kiss Kiss, uma com­po­si­ção de Yo­ko Ono. Mas a ex­pec­ta­ti­va pe­lo no­vo tra­ba­lho era enor­me, já que Len­non fi­cou cin­co anos sem lan­çar qual­quer can­ção inédita. As­sim, no dia 14 de no­vem­bro de 1980, lan­çou, jun­to com Yo­ko Ono, Dou­ble Fan­tasy, um ál­bum de es­tú­dio com 14 mú­si­cas.

Hou­ve cer­to de­sa­pon­ta­men­to em re­la­ção às mú­si­cas, que te­ve re­per­cus­são ne­ga­ti­va en­tre os crí­ti­cos. In­fe­liz­men­te, não hou­ve tem­po pa­ra que John Len­non di­ge­ris­se as im­pres­sões so­bre seu tra­ba­lho. No dia 8 de de­zem­bro da­que­le ano, Mark David Chap­man ti­ra­ria a vi­da do mú­si­co com qua­tro ti­ros em fren­te ao edi­fí­cio Da­ko­ta.

A co­mo­ção pe­la mor­te fez com que a pro­cu­ra por Dou­ble Fan­tasy au­men­tas­se con­si­de­ra­vel­men­te, tan­to que se tor­nou o tra­ba­lho mais ven­di­do da car­rei­ra so­lo de John. Além dis­so, o dis­co re­ce­beu o prê­mio de ál­bum do ano no Grammy de 1981. Três anos de­pois, Yo­ko Ono ain­da lan­çou um tra­ba­lho pós­tu­mo do ma­ri­do, Milk and Ho­ney.

Ao per­ce­ber a fra­gi­li­da­de da vi­da den­tro de uma jor­na­da in­ten­sa, ele se sen­tiu con­fi­an­te pa­ra com­por no­va­men­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.