O le­ga­do de John

A ide­o­lo­gia de John Len­non se re­cu­sa a en­ve­lhe­cer en­quan­to o mun­do se ne­gar a cul­ti­var a paz

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - John Lennon - - Índice - Tex­to David Cin­tra | De­sign Va­nes­sa Su­eishi

Oa­no de 2015 fi­ca­rá mar­ca­do por (mais) uma cri­se hu­ma­ni­tá­ria na Eu­ro­pa. Aos mi­lha­res, re­fu­gi­a­dos da gu­er­ra na Sí­ria se lan­ça­ram ao mar em bus­ca de no­vas pers­pec­ti­vas de vi­da. Em bus­ca de paz. Mui­tos não com­ple­ta­ram a tra­ves­sia do Me­di­ter­râ­neo fei­ta em bo­tes im­pro­vi­sa­dos. E a mai­o­ria dos que a com­ple­ta­ram não po­de fa­lar que te­nha en­con­tra­do al­go mui­to me­lhor. Por que o ris­co? Sim­ples: as chan­ces de mor­rer eram ain­da mai­o­res se fi­cas­sem.

E o que is­so tem a ver com John Len­non? Bas­ta ima­gi­nar se ele es­ti­ves­se vi­vo. Fa­ria uma mú­si­ca? Tal­vez. Um pro­nun­ci­a­men­to po­lê­mi­co? Tal­vez. Pu­bli­ca­ria uma men­sa­gem aber­ta con­tra a Eu­ro­pa? Tal­vez. Mas uma coi­sa é cer­ta: não se ca­la­ria. E is­so diz mui­to so­bre uma das fi­gu­ras mais icô­ni­cas do sé­cu­lo 20, além de re­ve­lar sua re­le­vân­cia pa­ra os di­as atu­ais.

Não por aca­so, nas mui­tas ho­me­na­gens fei­tas pe­lo mun­do afo­ra no 75º ani­ver­sá­rio do ído­lo, uma das que mais cha­mou a aten­ção acon­te­ceu no Cen­tral Park, em No­va York, dois di­as an­tes da da­ta, on­de uma mul­ti­dão se reu­niu pa­ra for­mar o sím­bo- lo da paz em ho­me­na­gem ao ído­lo. En­tre os ma­ni­fes­tan­tes, di­ver­sos car­ta­zes pe­di­am o fim da gu­er­ra na Sí­ria. Um de­les lem­bra­va uma fra­se de John: “fa­çam amor e não gu­er­ra”.

Um re­bel­de em lu­ta per­ma­nen­te por mui­tas cau­sas, es­pe­ci­al­men­te a paz, John sou­be co­mo pou­cos usar a ar­te pa­ra ex­pres­sar su­as opi­niões po­lí­ti­cas, as­sim co­mo sen­ti­men­tos ín­ti­mos. Su­as mú­si­cas – al­gu­mas ve­zes de ma­nei­ra enig­má­ti­ca, ou­tras com um pé no dis­cur­so pan­fle­tá­rio, mas sem­pre sus­ten­ta­das por uma ge­ni­a­li­da­de poé­ti­ca ím­par – in­ci­tam à re­fle­xão, fa­zem pen­sar. Em uma épo­ca mar­ca­da por ex­pres­sões de ódio, dis­cri­mi­na­ção, xe­no­fo­bia, ter­ro­ris­mo, vi­o­lên­cia de Es­ta­do e agres­sões ao meio am­bi­en­te, o dis­cur­so pa­ci­fis­ta, hu­ma­nis­ta e li­ber­tá­rio de John Len­non soa ain­da mais atu­al. Es­miu­çar su­as idei­as di­fi­cil­men­te tra­rá uma so­lu­ção ime­di­a­ta pa­ra qual­quer um dos pro­ble­mas que afli­ge a hu­ma­ni­da­de, mas cer­ta­men­te mos­tra­rá ca­mi­nhos al­ter­na­ti­vos bem mais pro­mis­so­res que os que têm le­va­do mi­lha­res a aban­do­nar su­as ori­gens em bus­ca do in­cer­to.

Mos­tran­do as gar­ras

O en­ga­ja­men­to de Len­non em cau­sas so­ci­ais e po­lí­ti­cas se ma­ni­fes­tou um pou­co mais tar­di­a­men­te que seu ta­len­to mu­si­cal. Se em ter­mos ar­tís­ti­cos El­vis Presley foi sua mai­or

re­fe­rên­cia, no cam­po po­lí­ti­co não há dú­vi­das de que Bob Dy­lan te­ve in­fluên­cia de­ci­si­va. Foi ele que mos­trou a John – e to­da uma ge­ra­ção – que a ar­te po­de­ria ser tam­bém um ca­nal de ma­ni­fes­ta­ção de idei­as, em­bo­ra se­ja di­fí­cil afir­mar qu­an­do e co­mo exa­ta­men­te a se­men­te re­vo­lu­ci­o­ná­ria ger­mi­nou na men­te de Len­non. É fa­mo­so um epi­só­dio de 1963, em que os Be­a­tles se apre­sen­ta­vam no Royal Va­ri­ety Per­for­man­ce, even­to anu­al or­ga­ni­za­do pe­la fa­mí­lia re­al bri­tâ­ni­ca. Di­an­te da rai­nha-mãe e inú­me­ros mem­bros da no­bre­za, Len­non sol­tou (em tra­du­ção li­vre): “pa­ra nos­so úl­ti­mo nú­me­ro, gos­ta­ria de con­tar com a aju­da de vo­cês. O pes­so­al sen­ta­do no fun­do ba­ta as mãos e os de­mais ape­nas ba­lan­cem as joi­as”. Uma iro­nia que so­ou des­res­pei­to­sa pa­ra com a realeza pre­sen­te, mas cer­ta­men­te re­pre­sen­ta­va mi­lhões de ga­ro­tos in­gle­ses. Des­de aque­la apre­sen­ta­ção, a im­pren­sa e par­te do pú­bli­co per­ce­beu que ha­via mui­to mais por trás das fran­jas do “Quar­te­to Fa­bu­lo­so”.

Em 1965, de­pois de se apro­xi­ma­rem de Dy­lan – que al­guns bió­gra­fos afir­mam ter os apre­sen­ta­do às drogas – os Be­a­tles gra­va­ram o ál­bum Re­vol­ver, um ver­da­dei­ro di­vi­sor de águas na car­rei­ra da banda. Com ar­ran­jos mais com­ple­xos e le­tras que su­pe­ra­vam os so­nhos de amor ado­les­cen­te, Re­vol­ver evi­den­ci­a­va que al­go ha­via mu­da­do. E, re­al­men­te, aque­le foi um ano mar­can­te não ape­nas pa­ra o mú­si­co, mas pa­ra o pen­sa­dor John Len­non. Nes­sa épo­ca, te­ria con­fes­sa­do as­sim su­as in­qui­e­ta­ções ao ami­go de in­fân­cia Pe­te Shot­ton (em tra­du­ção li­vre): “Quan­to mais eu te­nho, quan­to mais ve­jo e mais ex­pe­ri­ên­cia ad­qui­ro, mais con­fu­so eu fi­co em re­la­ção a quem eu sou e so­bre que por­ra é a vi­da”. Cer­ta­men­te sua ca­be­ça fer­vi­lha­va.

Ain­da nes­se pe­río­do, por su­ges­tão do ami­go Ge­or­ge Har­ri­son, Len­non te­ria ti­do con­ta­to com li­vros re­li­gi­o­sos co­mo o Bha­ga­vad Gi­ta eo Li­vro Ti­be­ta­no dos Mor­tos, além de ter apro­fun­da­do um pou­co em lei­tu­ras da Bí­blia. Is­so, ali­a­do ao su­ces­so mun­di­al e uma in­ci­pi­en­te fi­lo­so­fia de vi­da que co­me­ça­va a bro­tar em sua men­te, po­de ter in­flu­en­ci­a­do em sua mais fa­mo­sa e po­lê­mi­ca de­cla­ra­ção: “O cris­ti­a­nis­mo vai aca­bar. Vai se dis­si­par, de­pois su­cum­bir. Nem pre­ci­so dis­cu­tir is­so. Es­tou cer­to e o tem­po vai pro­var. Ho­je so­mos mais po­pu­la­res do que Je­sus Cris­to. Não sei o que vem pri­mei­ro, o rock’n’roll ou o cris­ti­a­nis­mo. Je­sus era le­gal, mas seus dis­cí­pu­los eram es­tú­pi­dos e or­di­ná­ri­os”. A fra­se caiu co­mo uma bom­ba, es­pe­ci­al­men­te nos Es­ta­dos Uni­dos.

Cer­to ou er­ra­do, dis­se is­so com na­tu­ra­li­da­de e co­ra­gem, qua­li­da­des ra­ras em as­tros da mú­si­ca de qual­quer épo­ca. Po­rém, a pres­são pa­ra que se des­cul­pas­se foi gran­de. Pou­cos di­as de­pois, em uma en­tre­vis­ta co­le­ti­va com a pre­sen­ça do quar­te­to, ele foi um pou­co eva­si­vo e dei­xou cla­ro que as pes­so­as o in­ter­pre­ta­ram mal, uma vez que em ne­nhum mo­men­to dis­se que eles eram “me­lho­res” ou “mai­o­res” que Je­sus, mas sim que eram mais co­nhe­ci­dos – o que pos­si­vel­men­te fos­se ver­da­de, afi­nal, o Cris­ti­a­nis­mo não é a re­li­gião mais pra­ti­ca­da em mui­tos paí­ses em que os Be­a­tles eram fa­mo­sos. Cu­ri­o­sa­men­te, anos de­pois ele dis­se ter se ar­re­pen­di­do de ter “vol­ta­do atrás” e em sua mú­si­ca mais fa­mo­sa ( Ima­gi­ne) faz um ata­que até mais for­te a to­das as re­li­giões.

En­tre os ma­ni­fes­tan­tes, di­ver­sos car­ta­zes pe­di­am o fim da gu­er­ra na Sí­ria. Um de­les lem­bra­va uma fra­se de John: ‘fa­çam amor e não gu­er­ra’

All you ne­ed is lo­ve ain­da po­de ser con­si­de­ra­do um hi­no pa­ci­fis­ta e, ape­sar de to­da a sim­pli­ci­da­de da men­sa­gem, ca­be mui­to bem no mun­do atu­al, em que o ódio pa­re­ce ter triun­fa­do

Re­vo­lu­ção às aves­sas

A mi­li­tân­cia de Len­non pe­la paz se cris­ta­li­zou re­al­men­te em uma can­ção pe­la pri­mei­ra vez em 1967, em­bo­ra ele já ti­ves­se com­pos­to le­tras com te­or po­lí­ti­co, co­mo A Day In The Li­fe, no ál­bum Sgt. Pep­pers. Con­vi­da­dos co­mo atra­ção prin­ci­pal da pri­mei­ra trans­mis­são ao vi­vo via sa­té­li­te da BBC, os Be­a­tles can­ta­ram pa­ra um pú­bli­co es­ti­ma­do de 350 mi­lhões de pes­so­as ao re­dor do pla­ne­ta, uma can­ção inédita, com­pos­ta por John, que de cer­ta for­ma re­su­mia a ide­o­lo­gia hip­pie. All you ne­ed is lo­ve ain­da po­de ser con­si­de­ra­do um hi­no pa­ci­fis­ta e, ape­sar de to­da a sim­pli­ci­da­de da men­sa­gem, ca­be mui­to bem no mun­do atu­al, em que o ódio pa­re­ce ter triun­fa­do.

Pou­co tem­po de­pois, uma ou­tra com­po­si­ção de­le cau­sa­ria po­lê­mi­ca. No agi­ta­do ve­rão de 1968, em di­ver­sos paí­ses os jo­vens iam às ru­as pa­ra pro­tes­tar, con­tra guer­ras ou por mais li­ber­da­de, e a pa­la­vra-cha­ve dei­xa­ra de ser “paz e amor” e pas­sa­ra a ser “re­vo­lu­ção”. Len­non re­sol­veu en­tão ex­pli­ci­tar sua po­si­ção atra­vés de sua gran­de es­pe­ci­a­li­da­de e compôs Revolution. O re­sul­ta­do não agra­dou os re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os de plan­tão, uma vez que na can­ção ele pe­dia pa­ra não con­ta­rem com ele pa­ra uma re­vo­lu­ção que in­cluís­se “des­trui­ção”, além de dei­xar cla­ro que não con­tri­bui­ria com di­nhei­ro ”pa­ra pes­so­as que odi­a­vam” e in­ci­tan­do os jo­vens a “mu­da­rem a ca­be­ça”, no lu­gar de se fi­li­a­rem a ins­ti­tui­ções. A re­vo­lu­ção de Len­non não in­cluía a vi­o­lên­cia. Ghan­di era a re­fe­rên­cia ób­via.

Re­pre­sen­tan­tes da es­quer­da bri­tâ­ni­ca, en­vol­vi­dos em ver­da­dei­ras ba­ta­lhas de rua, não dei­xa­ram pas­sar em bran­co e o jor­nal Black Dwarf, bas­tan­te re­pre­sen­ta­ti­vo da “no­va es­quer­da” in­gle­sa da épo­ca, pu­bli­cou uma “car­ta aber­ta a John Len­non”, as­si­na­da pe­lo jor­na­lis­ta John Hoy­land, na qual a po­si­ção de Len­non era bas­tan­te cri­ti­ca­da. John res­pon­deu com uma “Car­ta mui­to aber­ta”, re­a­fir­man­do sua po­si­ção an­ti­vi­o­lên­cia. Sem en­trar no mé­ri­to da ques­tão, o que o epi­só­dio mos­tra es­tá além das ide­o­lo­gi­as de um la­do e ou­tro: Len­non ti­nha uma men­sa­gem pa­ra o mun­do e fa­zia ques­tão de dis­cu­ti-la, com quem qu­er que fos­se, mes­mo sen­do um dos mais re­no­ma­dos as­tros do rock. Ele não pre­ci­sa­va dis­so e, com cer­te­za, fa­ria mui­to mais su­ces­so de com­pu­ses­se can­ções de amor.

Lu­ta in­com­pre­en­di­da

Iro­ni­ca­men­te, po­rém, foi o amor que o fez mer­gu­lhar na mi­li­tân­cia. Na­da mu­dou tan­to John co­mo sua união com Yo­ko Ono. E na­da re­for­çou tan­to sua con­vic­ção de usar a fa­ma co­mo ar­ma pa­ra di­vul­gar sua men­sa­gem pa­ci­fis­ta. Aliás, após co­nhe­cer Yo­ko, Len­non re­al­men­te dei­xa­va de ser um com­po­si­tor de mú­si­cas pop pa­ra se tor­nar uma es­pé­cie de fi­ló­so­fo (não no con­cei­to aca­dê­mi­co, cla­ro). Qu­an­do resolveram ofi­ci­a­li­zar a união, em mar­ço de 1969, sa­ben­do que a im­pren­sa es­ta­ria ba­ban­do por ima­gens do ca­sa­men­to (e da lua de mel) de uma das mai­o­res ce­le­bri­da­des da épo­ca, o ca­sal op­tou por fa­zer o fa­mo­so “bed-in” de se­te di­as, no qual di­vul­gou a cau­sa da paz. Pou­co com­pre­en­di­da na épo­ca (e, tal­vez, ain­da ho­je) por ser con­si­de­ra­da “sem efi­cá­cia”, o re­sul­ta­do da ação é imen­su­rá­vel, uma vez

Mul­ti­dão for­ma o sím­bo­lo da paz pa­ra ho­me­na­ge­ar Len­non em No­va York, em ou­tu­bro des­se ano

Após fim dos Be­a­tles, John ra­ra­men­te apa­re­cia sem Yo­ko a seu la­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.