O as­sas­si­na­to

As úl­ti­mas ho­ras de John Len­non fo­ram mar­ca­das por uma agen­da in­ten­sa, en­tu­si­as­mo e a es­tu­pi­dez de um as­sas­si­no ab­so­lu­ta­men­te frio

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - John Lennon - - Índice - Tex­to David Cin­tra | De­sign Va­nes­sa Su­eishi

Em 9 de ou­tu­bro de 1980 John Len­non com­ple­tou 40 anos de vi­da. As pes­so­as que con­vi­vi­am com ele per­ce­bi­am que aque­le era um de seus me­lho­res mo­men­tos em re­la­ção às ques­tões pes­so­ais. Tal­vez, o me­lhor. Na­que­le ano, que­bra­ra uma pau­sa de cin­co anos sem en­vol­vi­men­to com a mú­si­ca. Dou­ble Fan­tasy, ál­bum em par­ce­ria com a es­po­sa Yo­ko Ono, es­ta­va pres­tes a ir pa­ra as lo­jas. Vol­ta­ra a cri­ar após uma aven­tu­ra de bar­co que o le­vou dos Es­ta­dos Uni­dos ao ar­qui­pé­la­go de Ber­mu­das. Na ilha pa­ra­di­sía­ca, sua cha­ma cri­a­ti­va se re­a­cen­deu e al­gu­mas can­ções co­me­ça­ram a bro­tar em sua men­te. Be­au­ti­ful Boy e Wo­man, en­tre elas. A pri­mei­ra, pa­ra seu fi­lho Se­an, que se jun­ta­ra a ele em Ha­mil­ton, a ca­pi­tal da ilha. A ou­tra, evi­den­te­men­te, pa­ra Yo­ko. Es­se é uma par­te do re­tra­to do mo­men­to que o ído­lo vi­via, to­tal­men­te de­di­ca­do à fa­mí­lia. E em paz com ele mes­mo.

A ma­tu­ri­da­de de qua­tro dé­ca­das bem vi­vi­das e o dis­tan­ci­a­men­to do show bu­si­ness o aju­dou a su­pe­rar fan­tas­mas e exor­ci­zar demô­ni­os que o ator­men­ta­ram por qua­se to­da a ju­ven­tu­de.

O pe­que­no Se­an tam­bém ani­ver­sa­ri­a­va na­que­le dia. Com­ple­ta­va cin­co anos. Yo­ko Ono con­tra­tou cin­co aviões pa­ra es­cre­ve­rem no céu de Ma­nhat­tan a men­sa­gem “Happy Birth­day John and Se­an - Lo­ve Yo­ko”, o que foi fei­to mais de uma vez e va­leu até um bom des­ta­que no no­ti­ciá­rio lo­cal. En­quan­to um gru­po de fãs fa­zia plan­tão em fren­te ao Da­ko­ta, o lu­xu­o­so con­do­mí­nio em que a fa­mí­lia Ono Len­non vi­via em Ma­nha­tan, na ten­ta­ti­va de con­se­guir en­tre­gar car­tões de ani­ver­sá­rio e ter al­gum con­ta­to com o ído­lo. Mais tar­de, Fred Se­a­man, o po­lê­mi­co as­sis­ten­te do ca­sal, anun­ci­a­va que “na pró­xi­ma pri­ma­ve­ra” eles fa­ri­am uma tur­nê com shows nos Es­ta­dos Uni­dos, Eu­ro­pa e Ja­pão. En­fim, a no­va dé­ca­da se pro­nun­ci­a­va ge­ne­ro­sa pa­ra o ex-be­a­tle.

Co­me­çar de no­vo

Dou­ble Fan­tasy foi lan­ça­do em 17 de no­vem­bro de 1980. Elo­gi­a­do pe­la mai­o­ria dos crí­ti­cos, caiu ra­pi­da­men­te no gos­to de an­ti­gos e no­vos fãs. Fe­liz com os re­sul­ta­dos, Len­non, sem­pre acom­pa­nha­do de Yo­ko, con­ce­dia inú­me­ras en­tre­vis­tas des­de en­tão.

que ape­nas os fãs in­flu­en­ci­a­dos por ela po­de­ri­am di­zer o quan­to e quão pro­fun­da­men­te re­pen­sa­ram su­as con­vic­ções po­lí­ti­cas. E Len­non ti­nha cons­ci­ên­cia dis­so, por is­so, con­ti­nu­ou a pro­mo­ver atos in­só­li­tos e inu­si­ta­dos a fa­vor de seus ide­ais. Fo­ram re­a­li­za­dos ou­tros bed-ins na Fran­ça e no Ca­na­dá (os Es­ta­dos Uni­dos ne­ga­ram o vis­to pa­ra o ca­sal, ale­gan­do que John era vi­ci­a­do em drogas), du­ran­te os quais con­ce­de­ram inú­me­ras en­tre­vis­tas, al­gu­mas a jor­na­lis­tas que con­tes­ta­vam o “mé­to­do” de protesto. Ao fi­nal do bed-in de Mon­tre­al, John con­vo­cou a to­dos os que os acom­pa­nha­vam pa­ra can­ta­rem com ele e Yo­ko uma no­va mú­si­ca. Era Gi­ve Pe­a­ce a Chan­ce, mais um hi­no pa­ci­fis­ta, que al­guns me­ses de­pois se­ria can­ta­da por uma mul­ti­dão de cer­ca de meio mi­lhão de pes­so­as em Washing­ton, du­ran­te um protesto con­tra a Gu­er­ra do Vi­et­nam. Len­non sou­be do acon­te­ci­do pe­la te­vê e de­cla­rou: “foi um dos mai­o­res mo­men­tos de mi­nha vi­da”.

O mi­li­tan­te ili­mi­ta­do

Ain­da em 1969, um ou­tro ato po­lí­ti­co de John pe­la paz cha­ma­ria a aten­ção do mun­do. Ele de­vol­veu sua Medalha do Im­pé­rio Bri­tâ­ni­co, con­de­co­ra­ção re­ce­bi­da em 1965 aos qua­tro Be­a­tles. Jun­to à hon­ra­ria, es­cre­veu um pe­que­no re­ca­do à rai­nha: “Sua majestade, es­tou de­vol­ven­do es­sa MBE em protesto con­tra o en­vol­vi­men­to da Grã-Bre­ta­nha no lan­ce de Bi­a­fra na Nigéria, con­tra nos­so apoio à Gu­er­ra do Vi­et­nam e con­tra a que­da de “Cold Tur­key” nas pa­ra­das. Com amor, John Len­non”.

O im­pac­to da­que­le ato na In­gla­ter­ra foi es­tron­do­so. Gran­de par­te da im­pren­sa in­gle­sa quis pe­gar em seu pé por ci­tar Cold Tur­key, que evi­den­te­men­te re­pre­sen­ta­va a cos­tu­mei­ra iro­nia do as­tro e não ti­nha na­da a ver com o re­al mo­ti­vo. Além dis­so, re­pre­sen­tou uma es­pé­cie de rom­pi­men­to de John com to­do o seu pas­sa­do de be­a­tle, al­go que se con­fir­ma­ria com o fim ofi­ci­al da banda no ano se­guin­te. An­tes, po­rém, ele e Yo­ko par­ti­ci­pa­ri­am de inú­me­ras cam­pa­nhas hu­ma­ni­tá­ri­as, co­mo a de com­ba­te à fo­me em Bi­a­fra (a da medalha) ou a de cons­tru­ção de uma es­co­la pa­ra cri­an­ças ci­ga­nas. Ou­tra que cha­mou a aten­ção foi War Is Over, que es­pa­lhou out­do­ors por di­ver­sas ca­pi­tais com a fra­se “A gu­er­ra aca­bou – se vo­cê qui­ser. Fe­liz Na­tal, John e Yo­ko”. A cam­pa­nha foi lan­ça­da com um con­cer­to be­ne­fi­cen­te pa­ra a Uni­cef. Se­gui­ram-se o apoio a pro­tes­tos con­tra o apartheid na Áfri­ca do Sul, de­nún­ci­as de in­jus­ti­ças co­me­ti­das por tribunais in­gle­ses con­tra pes­so­as co­muns, ma­ni­fes­ta­ções pe­la des­trui­ção das ar­mas nu­cle­a­res e mui­tas ou­tras cau­sas.

Os anos 60 aca­ba­ram e jun­to com eles o so­nho de um mun­do sem guer­ras. John per­ce­beu is­so, so­freu co­mo to­dos os que ha­vi­am so­nha­do, mas con­ti­nu­ou a gra­var dis­cos ge­ni­ais e a es­cre­ver le­tras de te­or po­li­ti­za­do. Em su­as men­sa­gens, no fun­do, es­ta­va em bus­ca de uma hu­ma­ni­da­de me­lhor. Por um tem­po, aban­do­nou o es­tre­la­to pa­ra cui­dar de seu fi­lho Se­an, mas ja­mais dei­xou de ser um so­nha­dor. In­fe­liz­men­te, se ler­mos as no­tí­ci­as de ho­je, a im­pres­são é que a men­sa­gem e a ar­te de Len­non não fo­ram su­fi­ci­en­tes pa­ra trans­for­mar so­nhos em re­a­li­da­de.

Os anos 60 aca­ba­ram e jun­to com eles o so­nho de um mun­do sem guer­ras. John per­ce­beu is­so, so­freu co­mo to­dos os que ha­vi­am so­nha­do, mas con­ti­nu­ou a gra­var dis­cos ge­ni­ais e a es­cre­ver le­tras de te­or po­li­ti­za­do

Con­for­me tes­te­mu­nho do fo­tó­gra­fo Bob Gru­en, que es­ti­ve­ra com o mú­si­co no fi­nal de se­ma­na an­te­ri­or. ‘Ele mos­tra­va ter uma pers­pec­ti­va po­si­ti­va, um sen­ti­men­to de es­pe­ran­ça em re­la­ção ao fu­tu­ro’

Ho­je, pas­sa­do tan­to tem­po, há quem ve­ja pre­mo­ni­ções em al­gu­mas de­cla­ra­ções fei­tas por John nes­se pe­río­do. Pa­ra o jor­na­lis­ta Jo­nathan Cott, da re­vis­ta Rolling Sto­ne, ele dis­se: “dê uma chan­ce a paz, não ma­te pes­so­as pe­la paz”. No dia 6 de de­zem­bro, o DJ Andy Pe­e­bles da BBC per­gun­tou-lhe co­mo ele se sen­tia em re­la­ção à se­gu­ran­ça em New York, uma me­tró­po­le pe­ri­go­sa, se com­pa­ra­da a Lon­dres. Len­non res­pon­deu que ado­ra­va a ci­da­de por­que as pes­so­as o dei­xa­vam em paz. Lá, ele po­dia ir a res­tau­ran­tes ou ao ci­ne­ma, sem que as pes­so­as o in­co­mo­das­sem, mes­mo qu­an­do lhe pe­di­am au­tó­gra­fos. Con­se­gui­am o que que­ri­am e iam em­bo­ra. Ou se­ja, ele an­da­va li­vre­men­te, não ti­nha qual­quer pre­o­cu­pa­ção em re­la­ção à sua se­gu­ran­ça pes­so­al. A per­gun­ta po­de­ria ser in­ter­pre­ta­da co­mo um aler­ta, mas tam­bém ca­su­al, ape­nas uma cu­ri­o­si­da­de do en­tre­vis­ta­dor, acos­tu­ma­do a ver ce­le­bri­da­des cer­ca­das de se­gu­ran­ças.

Len­non es­ta­va con­fi­an­te com a no­va fa­se, con­for­me tes­te­mu­nho do fo­tó­gra­fo Bob Gru­en, que es­ti­ve­ra com o mú­si­co no fi­nal de se­ma­na an­te­ri­or. “Ele mos­tra­va ter uma pers­pec­ti­va po­si­ti­va, um sen­ti­men­to de es­pe­ran­ça em re­la­ção ao fu­tu­ro. Es­ta­va pres­tes a fa­zer seu re­tor­no com res­pos­tas pa­ra a to­dos os seus gri­tos, su­as bus­cas, su­as an­dan­ças e su­as te­ra­pi­as. Des­co­briu que po­de­ria fi­car bem com sua fa­mí­lia e só­brio, e ain­da di­vul­gar men­sa­gens com as quais as pes­so­as se iden­ti­fi­ca­ri­am. Pa­re­cia, fi­nal­men­te, ter en­ten­di­do o que era es­tar vi­vo e ser um lí­der, no sen­ti­do de que ele po­de­ria pen­sar e ex­pres­sar o que to­do mun­do es­ta­va sen­tin­do”.

Foi es­se “no­vo Len­non” – mui­to di­fe­ren­te da­que­le jo­vem ávi­do por no­vi­da­des que o mun­do co­nhe­ce­ra nos anos 60, ou do “he­rói da clas­se tra­ba­lha­do­ra” e mi­li­tan­te incondicional da lu­ta pe­la paz, da pri­mei­ra me­ta­de da dé­ca­da de 70 – que acor­dou na­que­la ma­nhã do dia 8 de de­zem­bro, uma se­gun­da-fei­ra re­che­a­da de com­pro­mis­sos pro­fis­si­o­nais. Ele e Yo­ko se­gui­am pro­mo­ven­do o ál­bum re­cém-lan­ça­do e, ao mes­mo tem­po, já se pre­pa­ra­vam pa­ra fi­na­li­zar o su­ces­sor. Es­pe­ci­al­men­te John es­ta­va en­tu­si­as­ma­do com es­se no­vo ci­clo cri­a­ti­vo. Na ver­da­de, ha­via com­pos­to 22 mú­si­cas, mas nem to­das pu­de­ram ser in­cluí­das em Dou­ble Fan­tasy. As­sim, de­ci­di­ra fa­zer uma es­pé­cie de con­ti­nu­a­ção do dis­co, que se cha­ma­ria Milk and Ho­ney.

Cli­ques pa­ra a eter­ni­da­de

An­tes de ini­ci­ar a ma­ra­to­na de com­pro­mis­sos, Len­non e Yo­ko to­ma­ram seu ca­fé da ma­nhã no La For­tu­na, que fi­ca­va bem pró­xi­mo ao Da­ko­ta. Ele co­meu ovos a be­ne­dict, uma re­cei­ta bem ame­ri­ca­na que le­va ovos es­cal­fa­dos (co­zi­dos sem cas­ca em água fer­ven­te), mo­lho ho­lan­dês e ba­con ou pre­sun­to, tu­do co­lo­ca­do so­bre fa­ti­as de pão, se­gui­do de um cap­puc­ci­no. Cer­ta­men­te fu­mou um ci­gar­ro Gi­ta­ne, seu pre­fe­ri­do, lo­go após a pe­que­na re­fei­ção. A se­guir, foi a uma bar­be­a­ria ali per­to e fez um cor­te pa­re­ci­do com o que usa­va bem no iní­cio dos Be­a­tles, na épo­ca de Ham­bur­go, ao es­ti­lo

As fotos se tor­na­ram his­tó­ri­cas não ape­nas por te­rem si­do as úl­ti­mas do ca­sal jun­to, mas tam­bém por to­da a sim­bo­lo­gia en­vol­vi­da, com Len­non em po­si­ção fe­tal, agar­ra­do a uma Yo­ko de pre­to

“Teddy Boy”, com to­pe­te e cos­te­le­tas lon­gas. Es­ta­va pron­to pa­ra a se­gun­da ses­são de fotos que fez pa­ra a ca­pa da re­vis­ta Rolling Sto­ne. Os cli­ques da fo­tó­gra­fa An­nie Lei­bo­vitz, com quem já tra­ba­lha­ra al­gu­mas ve­zes, ilus­tra­ri­am tam­bém uma en­tre­vis­ta con­ce­di­da a Jo­nathan Cott di­as an­tes.

Por exi­gên­cia de John, Yo­ko te­ria de es­tar com ele nas fotos. Por vol­ta das 11h, Lei­bo­vitz e uma as­sis­ten­te che­ga­ram ao pré­dio. Por su­ges­tão de John, al­gu­mas fotos fo­ram fei­tas com ele nu abra­ça­do a Yo­ko ves­ti­da. Pro­va­vel­men­te, ela já não se sen­tia mais tão à von­ta­de em po­sar sem rou­pas co­mo na po­lê­mi­ca ca­pa do ál­bum Un­fi­nished Mu­sic No. 1: Two Vir­gins, o pri­mei­ro da du­pla, lan­ça­do em 1968. As fotos se tor­na­ram his­tó­ri­cas não ape­nas por te­rem si­do as úl­ti­mas do ca­sal jun­to, mas tam­bém por to­da a sim­bo­lo­gia en­vol­vi­da, com Len­non em po­si­ção fe­tal, agar­ra­do a uma Yo­ko de pre­to.

A úl­ti­ma en­tre­vis­ta

Após as fotos, pou­co de­pois do meio-dia, o ca­sal re­ce­beu uma equi­pe de qua­tro pes­so­as da rá­dio RKO, co­man­da­da pe­lo DJ Da­ve Sho­lin, pa­ra uma en­tre­vis­ta de 90 mi­nu­tos que se es­ten­de­ria por qua­se três ho­ras, na qual fa­lou so­bre Dou­ble Fan­tasy, que de­di­ca­va “às pes­so­as que cres­ce­ram co­mi­go. Eu es­tou di­zen­do ‘Es­tou aqui ago­ra, co­mo vo­cês es­tão? Co­mo vão seus re­la­ci­o­na­men­tos? Vo­cês pas­sa­ram por tu­do is­so? Os anos 70 fo­ram uma cha­ti­ce, não acham?’ Mas es­ta­mos aqui, que tal ten­tar­mos fa­zer dos 80 al­go bom, por­que ain­da de­pen­de de nós que eles se­jam co­mo qui­ser­mos. Não es­tá fo­ra de nos­so al­can­ce. Eu ain­da acre­di­to no amor, eu ain­da acre­di­to na paz, eu ain­da acre­di­to no pen­sa­men­to po­si­ti­vo”.

Em ou­tro tre­cho ele fa­la so­bre seu es­ta­do de es­pí­ri­to em re­la­ção ao tra­ba­lho. “Es­tou as­sim tão an­si­o­so pa­ra gra­var dis­cos de­vi­do ao mo­do co­mo me sin­to. Eu qu­e­ro fa­zer mais al­guns dis­cos an­tes de sair em tur­nê. Gos­ta­ria de fa­zer pe­lo me­nos mais um ál­bum an­tes de to­mar a de­ci­são de con­tra­tar to­dos es­ses mú­si­cos ca­ros e le­vá-los pa­ra a es­tra­da”. Ou se­ja, o Len­non ar­tis­ta es­ta­va de vol­ta. A fa­se pai­zão 100% de­di­ca­do aos afa­ze­res do­més­ti­cos e à cri­a­ção do fi­lho ha­via mes­mo che­ga­do ao fim, em­bo­ra seu amor e pre­o­cu­pa­ção por Se­an pa­re­ces­se ain­da mui­to mai­or que a pai­xão pe­la mú­si­ca. Em ou­tra fra­se mui­to ci­ta­da des­sa en­tre­vis­ta, fa­lan­do so­bre a can­ção Star­ting Over, ele as­se­gu­rou: “eu pen­so que meu tra­ba­lho não es­ta­rá fi­na­li­za­do até que eu es­te­ja mor­to e se­pul­ta­do, e es­pe­ro que is­so le­ve mui­to, mui­to tem­po. As­sim, pa­ra mim, ela (a can­ção) é uma par­te de uma gran­de obra ini­ci­a­da des­de que me tor­nei um ho­mem pú­bli­co até ago­ra”.

Tra­ba­lho pe­sa­do

Ter­mi­na­da a en­tre­vis­ta, já no meio da tar­de, eles se pre­pa­ra­ram pa­ra vol­tar ao Hit Fac­tory, o es­tú­dio on­de es­ta­vam tra­ba­lhan­do em uma fai­xa pa­ra o pró­xi­mo ál­bum. No en­tan­to, a li­mu­si­ne con­tra­ta­da pa­ra trans­por­tá-los até lá se atra­sou e o pes­so­al da RKO ofe­re­ceu uma ca­ro­na a eles no car­ro da em­pre­sa. An­tes de em­bar­car, John foi pa­ra­do por um fã que lhe pe­diu pa­ra au­to­gra­far uma có­pia de

Dou­ble Fan­tasy. Era Mark Chap­man.

A ce­na foi re­gis­tra­da pe­las len­tes do fo­tó­gra­fo ama­dor Paul Go­resh, que fa­zia par­te do gru­po que sem­pre es­ta­va nas ime­di­a­ções. Fã dos Be­a­tles, ele ti­nha co­me­ça­do uma pe­que­na ami­za­de com John e Yo­ko no ano an­te­ri­or. Qu­an­do sou­be que o ído­lo re­to­ma­ria as ati­vi­da­des ar­tís­ti­cas, Go­resh re­sol­veu fi­car por per­to do Da­ko­ta e ti­rar quan­tas fotos pu­des­se. A ca­pa do sin­gle Wat­ching the Whe­els, com Be­au­ti­ful Boy de um la­do e Yes, I’m your an­gel do ou­tro, lan­ça­do no ano se­guin­te, foi ilus­tra­da com uma fo­to do ca­sal sain­do do Da­ko­ta ba­ti­da por ele.

No Hit Fac­tory, John e Yo­ko tra­ba­lha­ram na mú­si­ca Wal­kin’ on thin ice, de Yo­ko Ono. Len­non gra­vou su­as par­tes de gui­tar­ra e con­tri­buiu na mi­xa­gem do que se­ria o pri­mei­ro hit da car­rei­ra de Yo­ko. No meio da ses­são en­con­trou tem­po pa­ra te­le­fo­nar pa­ra sua tia Mi­mi, que mo­ra­va em Li­ver­po­ol, e fa­lar que pro­va­vel­men­te iria vi­si­tá-la em bre­ve.

Após cer­ca de qua­tro ho­ras de tra­ba­lho, já por vol­ta das 22h, John de­ci­diu que bas­ta­va. Es­ta­va can­sa­do e que­ria pa­rar pa­ra co­mer al­gu­ma coi­sa na vol­ta pa­ra ca­sa. Dis­se aos téc­ni­cos do es­tú­dio que vol­ta­ri­am na ma­nhã se­guin­te pa­ra ter­mi­na­rem a mú­si­ca. No en­tan­to, já den­tro da li­mu­si­ne – que des­ta vez os es­pe­ra­va – de­ci­di­ram ir di­re­to pa­ra o Da­ko­ta, uma vez que que­ri­am ver co­mo es­ta­va Se­an, que fi­ca­ra aos cui­da­dos da es­po­sa de Se­a­man, o se­cre­tá­rio.

Pas­sos fi­nais

Ao che­ga­rem, des­ce­ram do car­ro e se di­ri­gi­ram à en­tra­da do pré­dio, com John um pou­co à fren­te de Yo­ko. As ru­as pró­xi­mas ao pré­dio cos­tu­ma­vam fi­car de­ser­tas à noi­te. As­sim, de­vem ter acha­do es­tra­nho qu­an­do uma pes­soa, co­mo se saís­se do na­da, da es­cu­ri­dão, cha­mou John: “Mis­ter Len­non”. Ele pa­rou por uns se­gun­dos. A se­guir, cin­co dis­pa­ros eco­a­ram na noi­te de Ma­nha­tan. Os re­ló­gi­os mar­ca­vam 10h52 em New York. Mark Chap­man des­car­re­gou seu re­vól­ver ca­li­bre 38 nas cos­tas de Len­non. Qua­tro pro­jé­teis acer­ta­ram o al­vo, dois nas cos­tas e dois nos om­bros.

Há di­as o as­sas­si­no pla­ne­ja­va aque­le mo­men­to. Em seu de­poi­men­to, dis­se que pen­sou em ati­rar em John no mo­men­to em que ele au­to­gra­fou sua có­pia de Dou­ble Fan­tasy, mas de­sis­tiu e che-

As ru­as pró­xi­mas ao pré­dio cos­tu­ma­vam fi­car de­ser­tas à noi­te. As­sim, de­vem ter acha­do es­tra­nho qu­an­do uma pes­soa, co­mo se saís­se do na­da, da es­cu­ri­dão, cha­mou John: “Mis­ter Len­non”. Ele pa­rou por uns se­gun­dos. A se­guir, cin­co dis­pa­ros eco­a­ram na noi­te de Ma­nha­tan

gou a pen­sar em não ma­ta-lo mais: “Ele foi mui­to gen­til co­mi­go”, dis­se. Mas, se­gun­do ele mes­mo, ha­via vo­zes em sua ca­be­ça que di­zi­am pa­ra ele fa­zer o que fez. Era uma ob­ses­são que o do­mi­na­va há al­gum tem­po, que o pró­prio Chap­man des­cre­veu co­mo “uma lo­co­mo­ti­va des­go­ver­na­da. Não ha­via co­mo pa­rá-la. Na­da po­de­ria me im­pe­dir de fa­zer o que fiz. Ne­nhu­ma ora­ção, nem mi­nha for­ça de von­ta­de, nem o demô­nio, ne­nhum ho­mem, ne­nhum se­gu­ran­ça”.

Len­non ain­da deu al­guns pas­sos em di­re­ção ao hall de en­tra­da do Da­ko­ta, dis­se “fui atin­gi­do” e caiu. Yo­ko gri­ta­va es­te­ri­ca­men­te por so­cor­ro. Jay Has­tings, o por­tei­ro do pré­dio aci­o­nou ime­di­a­ta­men­te um alar­me que co­nec­ta­va o edi­fí­cio com a po­lí­cia e tam­bém cha­mou o so­cor­ro. John san­gra­va pro­fu­sa­men­te. Pou­co de­pois, os po­li­ci­ais Ste­ve Spi­ro e Pe­ter Cul­len che­ga­ram e pren­de­ram Chap­man que não ten­tou nem fu­gir. Mais vi­a­tu­ras po­li­ci­ais che­ga­ram e co­mo o so­cor­ro es­ta­va de­mo­ran­do, ven­do o es­ta­do crí-

Uma equi­pe de emer­gên­cia agiu ra­pi­da­men­te – em me­nos de três mi­nu­tos John es­ta­va na sa­la de cirurgia. Mas seu co­ra­ção já não ba­tia mais

ti­co da ví­ti­ma, os po­li­ci­ais Bill Gam­ble e Ja­mes Mo­ran resolveram co­lo­car John no ban­co de trás da vi­a­tu­ra e le­va­ram-no ao St. Lu­ke’s Ro­o­se­velt Hos­pi­tal. Uma se­gun­da vi­a­tu­ra, com Yo­ko a bor­do, se­guia atrás.

Uma equi­pe de emer­gên­cia agiu ra­pi­da­men­te – em me­nos de três mi­nu­tos John es­ta­va na sa­la de cirurgia. Mas seu co­ra­ção já não ba­tia mais. Os mé­di­cos, che­fi­a­dos pe­lo Dr. Stephan Lynn, ten­ta­ram re­a­ni­má-lo, mas na­da fun­ci­o­nou. Um ato es­tú­pi­do de um ho­mem ator­men­ta­do, que di­zia ou­vir vo­zes e ser fã de John. Len­non es­ta­va mor­to.

Mark Chap­man, a lou­cu­ra e a fri­e­za que apa­ga­ram o bri­lho de uma es­tre­la

Len­non dá um au­tó­gra­fo a seu as­sas­si­no

Em seu úl­ti­mo ca­fé da ma­nhã, Len­non co­meu o ti­pi­ca­men­te ame­ri­ca­no ovos a be­ne­dict

John e Yo­ko em um de seus bed-ins pe­la paz

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.