A fa­mí­lia Len­non

Nascido em uma fa­mí­lia de as­cen­dên­cia ir­lan­de­sa, John Len­non é fru­to de um re­la­ci­o­na­men­to in­con­se­quen­te, si­tu­a­ção que o in­co­mo­dou ao lon­go da vi­da

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - John Lennon - - Índice - Tex­to David Cin­tra | De­sign Va­nes­sa Su­eishi

Se ta­len­to mu­si­cal é al­go he­re­di­tá­rio, John Len­non o her­dou, em par­te, de seu avô pa­ter­no, que tam­bém era John, po­rém, mais co­nhe­ci­do por Jack. Nascido em 1855 em Du­blin, na Ir­lan­da, on­de a fa­mí­lia era ori­gi­nal­men­te O’Le­an­nain e mi­grou qu­an­do ele ain­da era cri­an­ça pa­ra Li­ver­po­ol, na In­gla­ter­ra. De­pois de uma ten­ta­ti­va frus­tra­da de se tor­nar pa­dre, tal co­mo o John Len­non do sé­cu­lo 20 fa­ria, Jack cru­zou o Atlân­ti­co em bus­ca de fa­ma no mun­do da mú­si­ca. Em New York, ele in­te­grou uma tru­pe de me­nes­tréis, a An­drew Ro­ber­ton’s Co­lo­red Ope­ra­tic Ken­tucky Mins­trels, que al­can­çou um re­la­ti­vo su­ces­so, in­clu­si­ve re­a­li­zan­do uma tur­nê pe­la Ir­lan­da, em 1897. Mas, já na ca­sa dos 50 anos de vi­da, o me­nes­trel re­sol­veu vol­tar pa­ra Li­ver­po­ol, on­de tra­ba­lhou co­mo es­cri­tu­rá­rio. Ju­lia Baird (meia ir­mã de John Len­non), afir­ma em seu li­vro Ima­gi­ne: cres­cen­do com o meu ir­mão John Len­non que o re­gres­so de Jack se deu por con­ta da mor­te de sua es­po­sa. De fa­to, no re­tor­no, le­vou com ele uma fi­lha cha­ma­da Mary, fru­to des­se ca­sa­men­to.

Al­fred

A fi­lha, en­tre­tan­to, lo­go o dei­xa­ria e Jack se ca­sa­ria mais uma vez, ago­ra com uma ir­lan­de­sa cha­ma­da Mary Ma­gui­re, mais co­nhe­ci­da por Polly. O ca­sal te­ve oi­to cri­an­ças, mas du­as não so­bre­vi­ve­ram à pri­mei­ra in­fân­cia. As ou­tras seis – Ge­or­ge, Her­bert, Syd­ney, Al­fred, Char­les e Edith – fo­ram criadas com as di­fi­cul­da­des da épo­ca. No en­tan­to, qu­an­do Jack mor­reu, em 1921, de com­pli­ca­ções he­pá­ti­cas – qua­se cer­ta­men­te con­sequên­ci­as do uso abu­si­vo de ál­co­ol – a si­tu­a­ção fi­cou in­sus­ten­tá­vel pa­ra Mary. Jack já es­ta­va na ca­sa dos 70 e so­bre­vi­via com o pou­co que ga­nha­va co­mo mú­si­co e show­man, uma vez que já não con­se­guia mais tra­ba­lho nas fir­mas de Li­ver­po­ol. Ou se­ja, dei­xou a fa­mí­lia na mi­sé­ria.

Por sor­te, Polly con­se­guiu que Al­fred - na épo­ca, ca­ri­nho­sa­men­te cha­ma­do Alf (mais tar­de, ga­nha­ria o ape­li­do de Fred­die) – e Edith vi­ves­sem em sis­te­ma de in­ter­na­to no Blu­e­co­at Hos­pi­tal, uma ins­ti­tui­ção de ca­ri­da­de. Com is­so, li­vrou-os da fo­me imi­nen­te, con­se­guiu que ti­ves­sem uma boa edu­ca­ção e ain­da ali­vi­ou um pou­co as des­pe­sas de ca­sa. As­sim so­bra­va pa­ra cui­dar das de­mais cri­an­ças. Alf ti­nha no­ve anos de ida­de.

Ju­lia

A ou­tra par­te do DNA mu­si­cal de Len­non po­de ser cre­di­ta­da a seu bi­savô pa­ter­no, Wil­li­am Henry

Stan­ley, que foi mú­si­co, em­bo­ra não te­nha fi­ca­do fa­mo­so e pas­sa­do boa par­te de sua vi­da em es­cri­tó­ri­os. Um de seus fi­lhos, Ge­or­ge Er­nest Stan­ley, o “Pop”, nascido em 1874, ca­sou-se com An­nie Ja­ne Millward, um ano mais ve­lha do que ele, que deu à luz se­te cri­an­ças, das quais um me­ni­no e uma me­ni­na – Henry e Char­lot­te – fa­le­ce­ram com me­nos de três anos. Ou­tras cin­co ga­ro­tas so­bre­vi­ve­ram: Mary (“Mi­mi”), Eli­za­beth Ja­ne (“Ma­ter”), An­ne Ge­or­gi­na (“Nany”), Ju­lia (“Judy”) e Har­ri­et (“Har­rie”). Criadas com se­ve­ri­da­de pe­la mãe, as cin­co pou­co vi­am o pai, ma­ri­nhei­ro, sem­pre em lon­gas jor­na­das pe­los ma­res.

O lar es­sen­ci­al­men­te fe­mi­ni­no con­tras­ta­va com a ru­de­za de ma­ri­nhei­ro e o con­ser­va­do­ris­mo de Pop, qu­an­do es­te apa­re­cia. As dis­cus­sões com Mi­mi, a mais ve­lha, eram cons­tan­tes. A re­la­ção com Nany era pro­ble­má­ti­ca, pois Ge­or­ge acha­va que ela não era sua fi­lha e a re­jei­ta­va aber­ta­men­te. Com Ju­lia e Har­ri­et, po­rém, era o opos­to. Tra­ta­va-as com ca­ri­nho. Uma dis­tin­ção in­com­pre­en­sí­vel. Mas a in­fluên­cia do pai na edu­ca­ção das me­ni­nas aca­bou sen­do bem me­nor do que a da pró­pria Mi­mi, que aju­dou a mãe a cui­dar das ou­tras.

Ju­lia nas­ceu em 1913 e se dis­tin­guia das ir­mãs pe­la be­le­za e ca­ris­ma. Era ale­gre, gos­ta­va de can­tar e dan­çar. Ain­da bem jo­vem apren­deu com o o avô Wil­li­am a to­car ban­jo e pi­a­no. Além de ser uma bela rui­va, tam­bém pos­suía uma boa voz pa­ra can­tar. Sua for­te per­so­na­li­da­de e os be­los tra­ços lo­go cha­ma­ram a aten­ção dos ho­mens. Aos 14 anos, co­me­çou a sair com um su­jei­to que en­con­tra­ra nu­ma tar­de no par­que e a con­quis­ta­ra após ati­rar no la­go seu cha­péu co­co, que le­va­ra Ju­lia às gar­ga­lha­das quan­to ele ten­ta­ra pu­xar con­ver­sa com ela. O ano era 1927 e o no­me do ra­paz, Al­fred Len­non. Nos pró­xi­mos dez anos, os dois vi­ve­ri­am uma re­la­ção ale­gre em al­guns mo­men­tos e com­pli­ca­da na mai­or par­te do tem­po. Am­bos gostavam de can­tar e dan­çar e o fa­zi­am sem­pre que Fred­die es­ta­va em ter­ra fir­me, uma vez que, qua­se sem­pre, es­ta­va em al­to-mar, tra­ba­lhan­do em gran­des na­vi­os, co­mo ca­ma­rei­ro ou gar­çom. Nas vi­a­gens, ar­ru­ma­va sem­pre um jei­to de se apre­sen­tar can­tan­do ou con­tan­do te­a­tral­men­te ca­sos que vi­via nas lon­gas jor­na­das ou nos portos em que pa­ra­va. En­tre su­as che­ga­das e par­ti­das de Li­ver­po­ol, ele ain­da aju­dou Ju­lia a se aper­fei­ço­ar na ar­te de to­car ban­jo. For­ma­vam um ca­sal mu­si­cal, com to­da a cer­te­za.

John

Em 1938, a fa­mí­lia de Ju­lia, que não apro­va­va Fred­die, foi sur­pre­en­di­da pe­lo anún­cio de que os dois ha­vi­am se ca­sa­do. Ge­or­ge acha­va que sua fi­lha pre­di­le­ta, tão bela, ale­gre e sim­pá­ti­ca, po­de­ria con­quis­tar al­guém mais prós­pe­ro que Al­fred. As­sim, o ma­trimô­nio ce­le­bra­do ape­nas em car­tó­rio, no dia 3 de de­zem­bro da­que­le ano, te­ve co­mo tes­te­mu­nhas ape­nas um dos ir­mãos de Fred e uma ami­ga de tra­ba­lho de Ju­lia. Co­me­mo­ra­ram o ca­sa­men­to com uma tar­de no ci­ne­ma, após a qual ca­da um vol­tou pa­ra sua ca­sa. Se­quer ti­nham um lu­gar pa­ra mo­rar e, nos pri­mei­ros me­ses, ela con­ti­nu­ou no lar de seus pais e ele, em um quar­ti­nho que alu­ga­va.

Evi­den­te­men­te, Pop que não sa­bia de na­da, fi­cou fu­ri­o­so com a si­tu­a­ção, mas An­nie o con­ven­ceu de que na­da po­de­ria mais ser fei­to, era fa­to con­su­ma­do. Es­ta­vam ca­sa­dos de pa­pel pas­sa­do. No­ve me­ses de­pois, era de­cla­ra­da a gu­er­ra en­tre a In­gla­ter­ra e a Ale­ma­nha de Hi­tler. Al­fred foi con­vo­ca­do, as­sim co­mo Ge­or­ge, o ma­ri­do de Mi­mi, que acei­ta­ra se ca­sar com ele ape­nas na con­di­ção de que não ti­ves­sem fi­lhos. As­sim, ela e Ju­lia fi­ca­vam em ca­sa e vi­am seus ma­ri­dos

Ju­lia nas­ceu em 1913 e se dis­tin­guia das ir­mãs pe­la be­le­za e ca­ris­ma. Era ale­gre, gos­ta­va de can­tar e dan­çar. Ain­da bem jo­vem apren­deu com o o avô Wil­li­am a to­car ban­jo e pi­a­no

Ju­lia lhe deu no­me de John, em lem­bran­ça do pai de Al­fred, com­ple­men­ta­do com um Wins­ton, em ho­me­na­gem ao pri­mei­ro-mi­nis­tro in­glês. O sen­ti­men­to pa­trió­ti­co da­que­le pe­río­do an­da­va bas­tan­te exal­ta­do

ape­nas qu­an­do es­ta­vam de li­cen­ça, o que não era mui­to fre­quen­te na­que­les pri­mei­ros tem­pos da gu­er­ra.

Em uma des­sas li­cen­ças, o ca­sal se viu só na ca­sa, o que ra­ra­men­te acon­te­cia, e John foi con­ce­bi­do. Nem ela, nem ele que­ri­am uma gra­vi­dez em di­as tão di­fí­ceis, com Fred­die sem­pre au­sen­te. Não dei­xam de ser irô­ni­cas al­gu­mas pa­la­vras des­sa mes­ma cri­an­ça ge­ra­da aci­den­tal­men­te, di­tas qua­ren­ta anos de­pois em uma en­tre­vis­ta apa­ra a re­vis­ta Play­boy nor­te-ame­ri­ca­na: “Eu não vou men­tir pa­ra Ju­li­an. No­ven­ta por cen­to das pes­so­as nes­se pla­ne­ta, es­pe­ci­al­men­te no Oci­den­te, nas­ce­ram de uma gar­ra­fa de uís­que em um sá­ba­do à noi­te, sem qual­quer in­ten­ção de se fa­zer uma cri­an­ça. En­tão, no­ven­ta por cen­to de to­dos nós, e is­so in­clui to­do mun­do, so­mos aci­den­tes (…) Ju­li­an faz par­te des­sa mai­o­ria, as­sim co­mo eu”.

Fred­die só vol­ta­ria pa­ra ca­sa no Na­tal da­que­le ano, qu­an­do viu pe­la pri­mei­ra vez o fi­lho nascido às se­te da ma­nhã do dia 9 de ou­tu­bro, no Hos­pi­tal Ma­ter­ni­da­de de Li­ver­po­ol. Ju­lia lhe deu no­me de John, em lem­bran­ça do pai de Al­fred, com­ple­men­ta­do com um Wins­ton, em ho­me­na­gem ao pri­mei­ro-mi­nis­tro in­glês. O sen­ti­men­to pa­trió­ti­co da­que­le pe­río­do an­da­va bas­tan­te exal­ta­do.

Eram di­as di­fí­ceis pa­ra a po­pu­la­ção in­gle­sa. Ha­via ra­ci­o­na­men­tos e bom­bar­dei­os cons­tan­tes. De iní­cio, os ale­mães ata­ca­vam ape­nas Lon­dres, mas, de­pois de so­fre­rem um re­vi­de da Re­al For­ça Aé­rea que ata­cou Ber­lim, os al­vos se mul­ti­pli­ca­ram. Li­ver­po­ol, por ser uma ci­da­de por­tuá­ria era um dos mais ób­vi­os. Cer­ta­men­te, se não caí­ram bom­bas so­bre a ci­da­de na­que­le 9 de ou­tu­bro, du­ran­te su­as pri­mei­ras se­ma­nas de vi­da o pe­que­no John de­ve ter se as­sus­ta­do com o barulho das si­re­nes e das ex­plo­sões. As­sim veio ao mun­do John Wins­ton Len­non.

Al­fred Len­non, o ir­res­pon­sá­vel pai de John

Ao la­do de Ju­lia, a mãe que nun­ca po­de ter de ver­da­de. Aci­ma, em dois mo­men­tos da in­fân­cia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.