As mu­lhe­res de John

Qua­se tu­do na vi­da de John Len­non acon­te­ceu de ma­nei­ra não con­ven­ci­o­nal ou saiu de con­tro­le ou te­ve des­fe­cho trá­gi­co. Na vi­da amo­ro­sa não foi di­fe­ren­te

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - John Lennon - - Índice - Tex­to David Cin­tra | De­sign Va­nes­sa Su­eishi

Opri­mei­ro re­la­ci­o­na­men­to amo­ro­so de John Len­non foi com Bar­ba­ra Ba­ker, com quem cos­tu­ma­va sair pa­ra an­dar de bi­ci­cle­ta ou pa­ti­nar pe­las ru­as do bair­ro. Ela es­ta­va com John qu­an­do ele co­me­çou o Qu­ar­ry­men e pre­sen­ci­ou a pri­mei­ra apre­sen­ta­ção do gru­po, jun­to com Ju­lia. Foi com Bar­ba­ra que John se ini­ci­ou na vi­da se­xu­al. No fun­do não eram na­mo­ra­dos, ape­nas “fi­can­tes”, em ter­mos mais atu­ais. Em 1957, Bar­ba­ra fi­cou grá­vi­da, mas, ape­sar de te­rem tran­sa­do al­gu­mas ve­zes, John não era o pai. A fa­mí­lia da mo­ça a le­vou pa­ra lon­ge de Li­ver­po­ol pa­ra ter a cri­an­ça que foi pa­ra um pro­gra­ma de ado­ção. A “ami­za­de” en­tre os dois con­ti­nu­ou por um tem­po. Qu­an­do Ju­lia, a mãe de Len­non, mor­reu, ele pro­cu­rou Bar­ba­ra e pas­sou ho­ras com ela em um par­que. Mas de­pois des­sa épo­ca, viram-se pou­cas ve­zes e per­de­ram con­ta­to.

Às es­con­di­das

Em 1958, John foi ad­mi­ti­do na Fa­cul­da­de de Ar­tes de Li­ver­po­ol e, lo­go nos pri­mei­ros me­ses, co­me­çou a sair com uma ga­ro­ta cha­ma­da Thel­ma Pic­kles, po­rém, o re­la­ci­o­na­men­to du­rou pou­co tem­po. Lo­go ele se en­can­ta­ria por ou­tra ga­ro­ta de sua sa­la: Cynthia Powell. Eram opos­tos. Ele, re­bel­de, des­lei­xa­do com os es­tu­dos e o cen­tro das aten­ções qu­an­do es­ta­va com os ami­gos. Ela, com­por­ta­da e tí­mi­da. Foi John quem ini­ci­ou o fler­te e par­tiu pa­ra a con­quis­ta.

Qu­an­do co­me­ça­ram a tro­car olha­res, ela ti­nha um na­mo­ra­do, mas John não se in­ti­mi­dou e foi até o fim. No iní­cio do na­mo­ro, co­mo ain­da mo­ra­vam com su­as fa­mí­li­as, se en­con­tra­vam pa­ra ir ao ci­ne­ma ou a al­gum bar. Lo­go o re­la­ci­o­na­men­to se apro­fun­da­ria, bem co­mo a pos­ses­si­vi­da­de de John. Em sua au­to­bi­o­gra­fia, John, pu­bli­ca­da em 2005, Cynthia con-

Cynthia e John na­mo­ra­vam fir­me qu­an­do os Be­a­tles co­me­ça­ram e ela acom­pa­nhou ca­da dia da for­ma­ção do gru­po

ta ter so­fri­do agres­sões fí­si­cas pe­lo me­nos em du­as oca­siões, de­vi­do ao ciú­me exa­ge­ra­do de seu na­mo­ra­do. Am­bas sem um mo­ti­vo jus­to. As­sim, ela se afas­tou e fi­ca­ram se­pa­ra­dos por três me­ses. Re­a­ta­ram após os de­vi­dos pe­di­dos de des­cul­pas e ju­ras de que nun­ca mais ha­ve­ria qual­quer agres­são.

Cynthia e John na­mo­ra­vam fir­me qu­an­do os Be­a­tles co­me­ça­ram e ela acom­pa­nhou ca­da dia da for­ma­ção do gru­po. Ela che­gou a mo­rar em um dos quar­tos que a tia de John alu­ga­va pa­ra es­tu­dan­tes, por­tan­to, es­ti­ve­ram sob o mes­mo te­to, em­bo­ra dor­mis­sem em ca­mas se­pa­ra­das. Lo­go co­me­ça­ri­am as tur­nês e uma agen­da in­ten­sa pa­ra o gru­po, com pouquís­si­mos di­as li­vres pa­ra uma vi­da ín­ti­ma re­gu­lar. Al­go que du­ra­ria pe­lo me­nos até 1965 e cer­ta­men­te ex­te­nu­ou a to­dos.

Em 1961, os Be­a­tles já eram po­pu­la­res na In­gla­ter­ra e a pre­sen­ça (e o as­sé­dio) fe­mi­ni­no nos bas­ti­do­res era co­mum. Um dos ca­sos mais fa­mo­sos de John nes­sa épo­ca foi Pa­tri­cia In­der, uma loi­ra que acom­pa­nha­va o gru­po, com par­ti­cu­lar de­vo­ção por Len­non. Ini­ci­a­ram um re­la­ci­o­na­men­to pa­ra­le­lo, sem que Cynthia des­con­fi­as­se de na­da.

Mas eis que, já em 1962, com o gru­po em ple­na “ex­plo­são”, Cyn en­gra­vi­da. Uma si­tu­a­ção ines­pe­ra­da e que po­de­ria co­lo­car a car­rei­ra de­le em ris­co. Na épo­ca, os em­pre­sá­ri­os tra­ta­vam es­se as­sun­to com cer­to ri­gor qu­an­do se tra­ta­va de ban­das “te­ens”. Es­con­di­am as na­mo­ra­das e omi­ti­am o fa­to de al­guns mú­si­cos se­rem ca­sa­dos. Não era in­co­mum que, quem que­bras­se es­sas re­gras não-es­cri­tas, fos­se subs­ti­tuí­do. No en­tan­to, Bri­an Eps­tein sa­bia que no ca­so dos Be­a­tles es­sa op­ção não exis­tia. As­sim, deu seu apoio pa­ra o ca­sa­men­to às pres­sas, mas sem qual­quer pu­bli­ci­da­de. A ce­rimô­nia foi fei­ta ape­nas em car­tó­rio, no dia 23 de agos­to de 1962, com pouquís­si­mas tes­te­mu­nhas. Além do pró­prio Bri­an, Paul McCart­ney e Ge­or­ge Har­ri­son a pre­sen­ci­a­ram ao la­do de Tony e Mar­gery, ir­mão de Cynthia. Mi­mi, a tia que cui­dou de Len­non por to­da sua in­fân­cia, re­cu­sou-se a ir e a mãe de Cynthia, que mo­ra­va no Ca­na­dá na épo­ca, não con­se­guiu che­gar a tem­po. De­pois de ca­sa­dos, to­dos fo­ram a um res­tau­ran­te que não ti­nha li­cen­ça pa­ra ser­vir be­bi­das al­coó­li­cas, as­sim brin­da­ram com água.

Ju­li­an

John Char­les Ju­li­an nas­ceu em 8 de abril de 1963, em Li­ver­po­ol. Em­bo­ra os Be­a­tles já fos­sem um gran­de fenô­me­no pop, ne­nhum jor­nal ou re­vis­ta de mú­si­ca, sem­pre in­te­res­sa­dos na vi­da par­ti­cu­lar das es­tre­las “te­ens”, pu­bli­cou qual­quer no­ta so­bre o nas­ci­men­to do pe­que­no Ju­li­an, exa­ta­men­te co­mo acon­te­ce­ra com o ca­sa­men­to de seus pais. Aliás, pa­ra os fãs e a im­pren­sa, John es­ta­va “li­vre”. A agen­da lo­ta­da pro­vo­ca­va lon­gas au­sên­ci­as de Len­non, mais um dè­já vu em sua vi­da pri­va­da. Em­bo­ra não no mes­mo ní­vel de seu pai, John não acom­pa­nhou de per­to a pri­mei­ra in­fân­cia de Ju­li­an, que pre­fa­ci­ou o pre­fá­cio do li­vro de Cynthia com pa­la­vras amar­gas em re­la­ção a seu pai. “Cres­cer co­mo fi­lho de John Len­non foi um ca­mi­nho ár­duo. Ao lon­go da mi­nha vi­da, vá­ri­as pes­so­as já me dis­se­ram: ‘Eu ama­va seu pai’. Sem­pre te­nho uma gran­de mis­tu­ra de sen­ti­men­tos qu­an­do ou­ço is­so. Sei que meu pai foi um ído­lo pa­ra mi­lhões de pes­so­as que cres­ce­ram aman­do sua mú­si­ca e seus ide­ais. Pa­ra mim, en­tre­tan­to, ele não era um mú­si­co ou um íco­ne da paz, mas o pai que eu ama­va e que me

Sei que meu pai foi um ído­lo pa­ra mi­lhões de pes­so­as que cres­ce­ram aman­do sua mú­si­ca e seus ide­ais. Pa­ra mim, en­tre­tan­to, ele não era um mú­si­co ou um íco­ne da paz, mas o pai que eu ama­va e que me de­cep­ci­o­nou de mui­tas for­mas Ju­li­an Len­non

de­cep­ci­o­nou de mui­tas for­mas. De­pois que fiz cin­co anos, qu­an­do meus pais se se­pa­ra­ram, eu o vi pou­cas ve­zes. Qu­an­do nos en­con­trá­va­mos, ele se mos­tra­va dis­tan­te e in­ti­mi­da­dor. Cres­ci an­si­an­do por mais con­ta­to, mas me sen­tia re­jei­ta­do e pou­co im­por­tan­te em sua vi­da”. Mais re­cen­te­men­te, po­rém, Ju­li­an fez de­cla­ra­ções pa­ra a im­pren­sa em que diz ter “fi­nal­men­te” per­do­a­do seu pai.

Cynthia até su­por­tou a vi­da co­mo es­po­sa “se­cre­ta” de um be­a­tle, aliás, de um as­tro co­mo John Len­non. Ela en­ten­dia que is­so po­de­ria atra­pa­lhar sua car­rei­ra e a do gru­po, te­se sus­ten­ta­da prin­ci­pal­men­te por Bri­an Eps­tein. Até po­dia fa­zer vis­ta gros­sa pa­ra as fo­fo­cas so­bre ou­tras mu­lhe­res. No fun­do, tam­bém pre­fe­ria fi­car lon­ge dos bas­ti­do­res. Mas não se­gu­rou a on­da qu­an­do ele mer­gu­lhou no LSD e co­me­çou a apa­re­cer to­dos os di­as cha­pa­do, acom­pa­nha­do de pes­so­as es­tra­nhas em sua ca­sa. Len­non já an­da­ra con­fes­san­do a ami­gos que es­ta­va can­sa­do de seu ca­sa­men­to, que já con­si­de­ra­va ape­nas um jo­go de ce­na. Mas a go­ta d’água que fez tu­do des­mo­ro­nar de vez en­tre ele, Cyn e Ju­li­an, ti­nha um no­me bem pou­co fa­mi­li­ar pa­ra os in­gle­ses.

A ex­cen­tri­ci­da­de e ou­sa­dia de Yo­ko re­pre­sen­ta­vam pa­ra John o opos­to de Cynthia

Yo­ko

No dia 9 de no­vem­bro de 1966, cer­ca de três me­ses após os Be­a­tles anun­ci­a­rem o fim das tur­nês, Len­non acei­tou o con­vi­te do ar­tis­ta plás­ti­co John Dun­bar pa­ra ver a ex­po­si­ção de uma ar­tis­ta cha­ma­da Yo­ko Ono, que es­ta­va ex­pon­do em sua ga­le­ria, a In­di­ca. O fa­to de ela ser ja­po­ne­sa já era al­go ra­ro em Lon­dres, ser uma ar­tis­ta de van­guar­da, era ain­da mais in­co­mum. Is­so cer­ta­men­te agu­çou a cu­ri­o­si­da­de de Len­non.

Ela ain­da da­va os re­to­ques fi­nais em al­gu­mas pe­ças – a inau­gu­ra­ção da mos­tra es­ta­va pre­vis­ta pa­ra o dia se­guin­te – qu­an­do Dun­bar e John apa­re­ce­ram. A ex­po­si­ção reu­nia tra­ba­lhos, no mí­ni­mo, exó­ti­cos. A pe­ça que mais cha­mou a aten­ção de John era um pe­da­ço de ma­dei­ra com al­guns pre­gos por per­to e um car­taz con­vi­dan­do o pú­bli­co a “pe­gar um pre­go”. Ele per­gun­tou a ela se po­de­ria. Yo­ko, sem sa­ber de quem se tra­ta­va, dis­se não. No fi­nal das con­tas, ela dis­se que per­mi­ti­ria, mas por cin­co xe­lins. E ele res­pon­deu que pa­ga­ria a quan­tia de ma­nei- ra ima­gi­ná­ria e pre­ga­ria um pre­go ima­gi­ná­rio.

Al­guns di­as de­pois, Yo­ko deu um jei­to de en­tre­gar a ele uma có­pia de seu li­vro Gra­pe­fruit, ini­ci­an­do sua cam­pa­nha de con­quis­ta, que po­de­ria pa­re­cer im­pos­sí­vel em uma pri­mei­ra e fria aná­li­se. Mas a ex­cen­tri­ci­da­de e ou­sa­dia de Yo­ko re­pre­sen­ta­vam pa­ra John o opos­to de Cynthia, que àque­la al­tu­ra era sim­ples­men­te a mãe de um fi­lho nascido por aca­so. E ele era um su­jei­to mui­to se­xu­al, o que Yo­ko sa­cou de ca­ra. O fa­to é que as vi­das de am­bos pas­sa­ram a se cru­zar até um ine­vi­tá­vel re­la­ci­o­na­men­to pa­ra­le­lo, a des­pei­to de ela tam­bém ser ca­sa­da com o pro­du­tor de ci­ne­ma Tony Cox, com quem ti­nha uma fi­lha, Kyo­ko. Aliás, ele era seu se­gun­do ma­ri­do, o pri­mei­ro fo­ra o com­po­si­tor Toshi Ichiya­na­gi, de quem ha­via se se­pa­ra­do em 1961.

Cynthia des­co­briu tu­do qu­an­do, ao re­tor­nar de uma va­gem à Gré­cia, en­con­trou John e Yo­ko ape­nas em rou­pas de ba­nho den­tro de sua pró­pria ca­sa. Cyn vi­rou as cos­tas e de­sa­pa­re­ceu por uns di­as. Após se acal­mar, vol­tou e en­con­trou John, que se comportou co­mo se na­da ti­ves­se acon­te­ci­do. Foi o bas­tan­te. Em agos­to de 1968 ela en­trou com o pe­di­do de di­vór­cio, no qual fez cons­tar o tes­te­mu­nho de uma das em­pre­ga­das da ca­sa que fla­gra­ra o pa­trão com Yo­ko na ca­ma e o des­cre­via co­mo “um ma­ri­do vi­o­len­to, que es­ta­va sem­pre dro­ga­do”. Yo­ko e Cox tam­bém se di­vor­ci­a­ram, já no ano se­guin­te.

Jun­tos e se­pa­ra­dos

Des­de que as­su­mi­ram a re­la­ção, John e Yo­ko pas­sa­ram a ser vis­tos in­va­ri­a­vel­men­te jun­tos. E ele a via em tu­do. Não ha­via mais um ou ou­tro, mas os dois. Até mes­mo no es­tú­dio, pa­ra on­de ele mes­mo, Paul, Ge­or­ge e Rin­go ja­mais ha­vi­am le­va­do na­mo­ra­das ou es­po­sas. Uma in­ter­fe­rên­cia sem­pre ci­ta­da co­mo um dos prin­ci­pais mo­ti­vos pa­ra o fim da banda – fo­ram mui­tos, na re­a­li­da­de, mas le­vá-la ao “es­pa­ço sa­gra­do” de gra­va­ção dos Be­a­tles, cer­ta­men­te não dei­xou os de­mais à von­ta­de. No en­tan­to, tu­do po­de ter si­do tam­bém ape­nas uma pro­vo­ca­ção de John. Afi­nal, o cli­ma en­tre eles não an­da­va bem há tem­pos.

O fa­to é que a pre­sen­ça cons­tan­te de Yo­ko ao la­do de Len­non, on­de qu­er que ele fos­se, mo­ti­vou dis­cus­sões bas­tan­te ás­pe­ras en­tre ele e Paul McCart­ney, que che­gou a mal­tra­tá-la em Ab­bey Ro­ad. John e Yo­ko se ca­sa­ram em 20 de mar­ço de 1969, em Gi­bral­tar, sem a pre­sen­ça de fa­mi­li­a­res ou ami­gos. Os Be­a­tles se se­pa­ra­ram ofi­ci­al­men­te em abril de 1970, qu­an­do Paul anun­ci­ou sua saí­da da banda, an­te­ci­pan­do-se ao ex-par­cei­ro.

A re­la­ção amo­ro­sa ele­va­da a um grau má­xi­mo pe­lo ca­sal, po­rém, pas­sou por cri­ses. Afi­nal, tra­ta-se de John Wins­ton Len­non. Em 1973, che­ga­ram a se se­pa­rar. Na ver­da­de, o ca­sa­men­to não ia bem e, pa­ra sal­vá-lo, de­ci­di­ram dar um tem­po. O mais in­te­res­san­te é que Yo­ko con­tro­la­va de tal mo­do a vi­da do ca­sal, que até ar­ru­mou uma no­va com­pa­nhei­ra pa­ra John, May Fung Yee Pang, uma jo­vem de as­cen­dên­cia chi­ne­sa dez anos mais jo­vem que ele. Yo­ko per­ce­be­ra que John a olha­va de ma­nei­ra di­fe­ren­te e ar­ran­jou tu­do pa­ra que ela o acom­pa­nhas­se em uma vi­a­gem a Los An­ge­les, pa­ra pro­mo­ve­rem o ál­bum Mind Ga­mes, o pri­mei­ro de John sem in­ter­fe­rên­cia de Yo­ko no es­tú­dio.

O “fi­nal de se­ma­na per­di­do” aca­bou du­ran­do cer­ca de um ano e meio. E May es­te­ve a seu la­do na mai­or par­te do tem­po. Mas Len­non tam­bém co­me­çou a be­ber sem con­tro­le e a con­su­mir drogas pe­sa­das. Cer­ta­men­te, nes­sa fa­se que ele mes­mo ba­ti­za­ria co­mo “o fim de se­ma­na per­di­do”, não foi “fi­el” a May (e Yo­ko, de ta­be­la).

Que­bran­do a cor­ren­te

John e Yo­ko re­a­ta­ram após ela apa­re­cer em um show de El­ton John no Ma­di­son Squa­re Gar­den, em No­va York, que te­ve par­ti­ci­pa­ção de Len­non, em 28 de no­vem­bro de 1974. A se­pa­ra­ção fun­ci­o­na­ra e a cha­ma da pai­xão, que am­bos jul­ga­vam ter se apa­ga­do foi re­a­ce­sa. Me­nos de um ano de­pois, em 9 de ou­tu­bro de 1975, nas­cia Se­an Ta­ro Ono Len­non. Um ver­da­dei­ro pre­sen­te de ani­ver­sá­rio pa­ra John, que com­ple­ta­va 35 anos na oca­sião.

De­ci­di­do a que­brar o ci­clo de fi­lhos in­de­se­ja­dos e pais au­sen­tes em sua vi­da, Len­non pro­me­teu a si mes­mo que des­sa vez fa­ria tu­do di­fe­ren­te. O amor e de­di­ca­ção que ne­gou a Ju­li­an foi da­do em do­bro a Se­an. As­sim, um dos mai­o­res as­tros da mú­si­ca pop, cu­jas com­po­si­ções mu­da­ram os ru­mos da pró­pria cul­tu­ra oci­den­tal, trans­for­ma­va-se em um “sim­ples” pai co­ru­ja e um ver­da­dei­ro “do­no de ca­sa”. John – e Yo­ko tam­bém – sus­pen­deu to­tal­men­te sua car­rei­ra pa­ra cui­dar do fi­lho. Pas­sa­ri­am-se en­tão qua­se cin­co anos até que vol­tas­se a com­por.

Cynthia (aci­ma) se ca­sou com John sem que mui­tas fãs sou­bes­sem. Da re­la­ção, nas­ceu Ju­li­an (abai­xo, com John)

Yo­ko Ono (aci­ma) e John se tor­na­ram pra­ti­ca­men­te um só. Qu­an­do Se­an nas­ceu, John deu um tem­po na car­rei­ra pa­ra se de­di­car ao fi­lho

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.