O iní­cio dos Be­a­tles

As­sim co­mo mui­tos, John Len­non foi in­flu­en­ci­a­do pe­lo rei do rock. Mas se tor­nou uma lenda no mes­mo pa­ta­mar do ído­lo

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - John Lennon - - Índice - Tex­to Thi­a­go Ko­gu­chi | De­sign Va­nes­sa Su­eishi

Em uma das ce­nas do fil­me O Ga­ro­to de Li­ver­po­ol (2009), um jo­vem John Len­non can­ta ( Let Me Be Your) Teddy Be­ar, de El­vis Presley, jun­to com sua mãe, Ju­lia. “Por que Deus não po­de­ria fa­zer um El­vis?”, ques­ti­o­na o ra­paz, num mis­to de êxtase e in­con­for­mis­mo. “Por­que ele es­ta­va te sal­van­do pa­ra ser John Len­non”, ga­ran­te Ju­lia. Di­to e fei­to.

O iní­cio de tu­do

“Na­da ha­via cau­sa­do qual­quer efei­to em mim até El­vis”, ex­pli­cou Len­non pa­ra o bió­gra­fo Hun­ter Da­vi­es. De fa­to, qu­an­do o rei do rock em­pla­cou Heartbreak Ho­tel, mi­lha­res de jo­vens se iden­ti­fi­ca­ram com a mú­si­ca, mas, prin­ci­pal­men­te, com o jei­to da­que­le can­tor jo­vem, bo­ni­to e que en­can­ta­va o pú­bli­co com seus pas­sos de dan­ça em ci­ma do pal­co.

Tia Mi­mi “so­freu” com a fi­xa­ção de John pe­lo ído­lo. “Eu nun­ca mais ti­ve um mi­nu­to de paz”, re­cor­da. “Era El­vis Presley, El­vis Presley, El­vis Presley. No fi­nal, eu dis­se ‘El­vis Presley es­tá de acor­do, John, mas eu não o qu­e­ro no ca­fé da ma­nhã, jan­tar e chá’”.

Qu­an­do a lou­cu­ra do rock co­me­çou, John não ti­nha qual­quer ins­tru­men­to que pu­des­se to­car. Foi sua mãe quem lhe deu o pri­mei­ro vi­o­lão – uma pe­ça de se­gun­da mão “ga­ran­ti­da con­tra de­fei­to” – que cus­tou 10 li­bras. Ju­lia lhe en­si­nou os pri­mei­ros acor­des, ain­da que fos­sem pa­ra ban­jo. Mas foi o su­fi­ci­en­te pa­ra Len­non.

Foi sua mãe quem lhe deu o pri­mei­ro vi­o­lão – uma pe­ça de se­gun­da mão ‘ga­ran­ti­da con­tra de­fei­to’– que cus­tou 10 li­bras.

Na épo­ca, ou­tra on­da que pe­gou mui­tos jo­vens in­gle­ses foi o skif­fle. Era um es­ti­lo de mú­si­ca que ga­nhou fa­ma com Lon­nie Do­ne­gan e sua can­ção Rock Is­land Line, lan­ça­da no iní­cio de 1956, cu­ja ba­ti­da mis­tu­ra­va um pou­co de jazz, blu­es e coun­try. No en­tan­to, o que en­can­tou a ge­ra­ção de John foi a sim­pli­ci­da­de: uma banda de skif­fle ti­nha ins­tru­men­tos co­mo uma tá­bua de la­var rou­pa, um vi­o­lão e o “tea chest bass”, um bai­xo fei­to com ca­bo de vas­sou­ra e uma cai­xa de chá. Com al­guns ami­gos, era pos­sí­vel ter uma banda.

Paul McCart­ney se tor­nou um mem­bro ca­da vez mais es­tá­vel da banda, tan­to que, em fe­ve­rei­ro de 1958, apre­sen­tou a John seu ami­go de es­co­la, Ge­or­ge Har­ri­son, que tam­bém era gran­de fã de El­vis Presley.

The Qu­ar­ry­men

En­tre as cer­ca de cin­co mil ban­das de skif­fle que sur­gi­ram na In­gla­ter­ra en­tre 1956 e 1957, pou­co mais de 700 es­ta­vam em Li­ver­po­ol. Uma de­las era for­ma­da por seis es­tu­dan­tes da Qu­ar­ry Bank High Scho­ol For Boys: John Len­non, Bill Smith, Eric Grif­fiths, Rod Da­vis, Pe­te Shot­ton e Co­lin Han­ton. O gru­po, que ini­ci­al­men­te re­ce­beu o no­me The Black Jacks, lo­go foi ba­ti­za­do co­mo The Qu­ar­ry­men, em re­fe­rên­cia à es­co­la.

Uma das apre­sen­ta­ções mais im­por­tan­tes da banda foi fei­ta no dia 6 de ju­lho de 1957, em uma fes­ta re­a­li­za­da no pá­tio da Igre­ja Saint Pe­ter, no su­búr­bio de Wo­ol­ton. The Qu­ar­ry­men to­cou em um pal­co im­pro­vi­sa­do na car­ro­ce­ria de um ca­mi­nhão pa­ra al­gu­mas de­ze­nas de pes­so­as que par­ti­ci­pa­vam das fes­ti­vi­da­des. En­tre elas, es­ta­va um jo­vem Ja­mes Paul McCart­ney, que foi apre­sen­ta­do a John de­pois do show. In­te­res­sa­do em fa­zer par­te do gru­po, Paul im­pres­si­o­nou Len­non ao to­car Twenty Flight Rock, de Ed­die Co­ch­ran, com os acor­des cor­re­tos. A par­tir da­que­le dia, co­me­ça­va uma das mai­o­res par­ce­ri­as da his­tó­ria da mú­si­ca, Len­non/McCart­ney (sai­ba mais na pá­gi­na 36).

Aliás, a en­tra­da e saí­da de in­te­gran­tes era al­go cor­ri­quei­ro, o que di­fi­cul­ta­va man­ter uma for­ma­ção es­tá­vel. Ini­ci­al­men­te, as bri­gas en­tre os ra­pa­zes acon­te­ci­am pe­los mo­ti­vos mais co­muns; pos­te­ri­or­men­te, os ga­ro­tos, re­cém-saí­dos do co­lé­gio, ti­nham que se de­di­car aos tra­ba­lhos em pe­río­do in­te­gral. John con­se­guiu in­gres­sar no Li­ver­po­ol Col­le­ge of Art pa­ra es­tu­dar ar­tes, o que lhe ga­ran­tia tem­po pa­ra a banda.

Paul McCart­ney se tor­nou um mem­bro ca­da vez mais es­tá­vel do Qu­ar­ry­men, tan­to que, em fe­ve­rei­ro de 1958, apre­sen­tou a John seu ami­go de es­co­la, Ge­or­ge Har­ri­son, que tam­bém era gran­de fã de El­vis Presley. Co­mo car­tão de vi­si­tas, Ge­or­ge to­cou Raun­chy, uma mú­si­ca ins­tru­men­tal de Bill Jus­tis, e agra­dou Len­non. A par­tir da­que­le mo­men­to, Har­ri­son foi acei­to pe­lo gru­po.

Após um pe­río­do sem apre­sen­ta­ções, The Qu­ar­ry­men con­se­guiu to­car al­gu­mas noi­tes do Cas­bah, um ca­fé de Li­ver­po­ol, e par­ti­ci­pou de um con­cur­so pro­mo­vi­do por Car­roll Lewis, um co­nhe­ci­do ca­ça­dor de ta­len­tos da In­gla­ter­ra. Na oca­sião, eles se apre­sen­ta­ram co­mo Johnny and The Mo­on­dogs. A banda con­se­guiu che­gar às fi­nais, que fo­ram re­a­li­za­das em Man­ches­ter. No en­tan­to, sem con­di­ções de fi­car na ci­da­de, ti­ve­ram que de­sis­tir.

Na pe­ga­da be­at

No co­me­ço de 1960, The Qu­ar­ry­men ga­nhou um no­vo in­te­gran­te. Stu­art Sut­clif­fe era um dos me­lho­res ami­gos de John Len­non na Li­ver­po­ol Col­le­ge of Art e sem­pre acom­pa­nha­va a banda nos en­sai­os. Qu­an­do Stu, co­mo era co­nhe­ci­do, ga­nhou um con­cur­so de pin­tu­ra e re­ce­beu 60 li­bras co­mo prê­mio, de­ci­diu in­ves­tir em um bai­xo Hof­ner pa­ra se jun­tar a John e seus par­cei­ros na banda – ape­sar de não sa­ber to­car uma só no­ta do ins­tru­men­to.

A par­tir da­que­le ano, as coi­sas to­ma­ri­am um no­vo ru­mo pa­ra o gru­po, a co­me­çar pe­lo no­me. Co­mo não eram mais es­tu­dan­tes de Qu­ar­ry Bank, Stu su­ge­riu uma mu­dan­ça pa­ra The Be­a­tles, que mis­tu­ra­va o be­at mu­si­cal com uma re­fe­rên­cia a Buddy Holly and The Cric­kets. An­tes de um gran­de show em Li­ver­po­ol com as ban­das do mo­men­to, no en­tan­to, um dos pro­du­to­res achou me­lhor co­lo­car um no­me mai­or, co­mo Long John and The Sil­ver Be­a­tles. Len­non não gos­tou da ideia de ser cha­ma­do de Long John; no fi­nal, eles se apre­sen­ta­ram co­mo The Sil­ver Be­a­tles.

Ago­ra ba­ti­za­da co­mo The Be­a­tles, a banda en­ca­rou uma ver­da­dei­ra ma­ra­to­na. O con­tra­to pre­via shows de até seis ho­ras por dia, de se­gun­da a do­min­go

Ama­du­re­ci­men­to

Em maio de 1960, John e com­pa­nhia saí­ram em sua pri­mei­ra tur­nê co­mo banda. O can­tor Johnny Gen­tle fa­ria uma ex­cur­são de no­ve di­as pe­la Es­có­cia e pre­ci­sa­va de um gru­po de apoio pa­ra to­car com ele. Foi Al­lan Wil­li­ams, do­no de um bar que os ra­pa­zes sem­pre fre­quen­ta­vam, quem fez o pa­pel de em­pre­sá­rio. Ape­sar de can- sa­ti­va e frus­tran­te (com di­rei­to a um acidente com a van que os trans­por­ta­va), ha­via si­do uma ex­pe­ri­ên­cia inédita pa­ra o The Sil­ver Be­a­tles.

Foi Al­lan Wil­li­ams, aliás, o res­pon­sá­vel pe­la ida de John, Paul e Ge­or­ge pa­ra Ham­bur­go, na Ale­ma­nha. Em uma vi­a­gem a Lon­dres, ele en­con­trou Bruno Kos­ch­mi­der, do­no da Kai­ser­kel­ler, co­nhe­ci­da ca­sa de shows da ci­da­de ale­mã. Kos­ch­mi­der es­ta­va pro­cu­ran­do ban­das in­gle­sas que pu­des­sem to­car em seu es­ta­be­le­ci­men­to. Ele ha­via le­va­do Tony She­ri­dan pa­ra se apre­sen­tar no lo­cal e o show ha­via si­do um su­ces­so.

No dia 16 de agos­to, John, Paul, Ge­or­ge, Stu e Pe­te Best, o no­vo ba­te­ris­ta, em­bar­ca­ram nu­ma van jun­to com Wil­li­ams e fo­ram pa­ra Ham­bur­go. Na che­ga­da, o âni­mo vi­rou de­cep­ção: eles to­ca­ri­am no In­dra, um clu­be pe­que­no da ci­da­de, e dor­mi­ri­am em uma sa­la mi­nús­cu­la atrás da te­la de projeção de um ci­ne­ma. Lon­ge de ca­sa e sem con­di­ções de de­sis­tir, en­ca­ra­ram o de­sa­fio.

Ago­ra ba­ti­za­da co­mo The Be­a­tles, a banda en­ca­rou uma ver­da­dei­ra ma­ra­to­na. O con­tra­to pre­via shows de até seis ho­ras por dia, de se­gun­da a do­min­go. Além dis­so, ha­via

o pro­ble­ma de ser um pú­bli­co es­tran­gei­ro e acos­tu­ma­do com agi­ta­ção. O jei­to, en­tão, era não so­men­te to­car, mas pu­lar e se con­tor­cer em per­for­man­ces chei­as de ati­tu­de, o que ren­deu um gran­de apren­di­za­do. “Nós me­lho­ra­mos e fi­ca­mos mais con­fi­an­tes. Não tí­nha­mos co­mo evi­tar, com to­da a ex­pe­ri­ên­cia, to­can­do a noi­te to­da”, lem­bra John.

Os Be­a­tles se apre­sen­ta­ram no In­dra e no Kai­ser­kel­ler, de Bruno Kos­ch­mi­der. No en­tan­to, qu­an­do acei­ta­ram um con­vi­te pa­ra um show na Top Ten, uma con­cor­ren­te, Kos­ch­mi­der se vin­gou da trai­ção, de­nun­ci­an­do Ge­or­ge às au­to­ri­da­des – Har­ri­son era me­nor de ida­de. Paul e Pe­te fo­ram de­por­ta­dos após um in­ci­den­te no ci­ne­ma, e John de­ci­diu par­tir an­tes de ser pe­go. Stu foi o úni­co a fi­car por cau­sa de seu na­mo­ro com a fo­tó­gra­fa As­trid Kir­chherr.

Na vol­ta pa­ra Li­ver­po­ol, o gru­po foi con­vi­da­do a to­car no Ca­vern Club, um bar co­nhe­ci­do na ce­na da ci­da­de. O lo­cal é uma re­fe­rên­cia na car­rei­ra da banda, já que os Be­a­tles se apre­sen­ta­ram lá 292 ve­zes. Acos­tu­ma­dos com ma­ra­to­nas, os ra­pa­zes vol­ta­ram a Ham­bur­go – des­sa vez, le­ga­li­za­dos – on­de so­ma­ram mais 92 noi­tes de shows à car­rei­ra. De­fi­ni­ti­va­men­te, eles se tor­na­ram uma banda ex­pe­ri­en­te.

Gen­te gran­de

Bri­an Eps­tein era ge­ren­te de uma lo­ja de dis­cos de Li­ver­po­ol qu­an­do uma cli­en­te per­gun­tou so­bre um sin­gle cha­ma­do My Bon­nie, gra­va­do por Tony She­ri­dan e The Be­at Brothers. Cu­ri­o­so com a banda, o em­pre­sá­rio saiu à pro­cu­ra dos tais mú­si­cos, até que des­co­briu o re­al no­me do gru­po e que to­ca­vam re­gu­lar­men­te no Ca­vern Club.

Eps­tein achou o gru­po meio du­ro no pal­co, mas gos­tou da mú­si­ca e do hu­mor dos ra­pa­zes. As­sim, mar­cou uma reu­nião em que dis­cu­ti­ria um pos­sí­vel con­tra­to com eles. As­sim, em 24 de ja­nei­ro de 1962, Bri­an Eps­tein se tor­nou o em­pre­sá­rio dos Be­a­tles, e sua pri­mei­ra gran­de mis­são era en­con­trar uma gra­va­do­ra de gran­de por­te que qui­ses­se gra­var.

Eps­tein mos­trou as mú­si­cas a vá­ri­as em­pre­sas, mas so­men­te a Par­lopho­ne, um se­lo da gi­gan­te

Eps­tein achou o gru­po meio du­ro no pal­co, mas gos­tou da mú­si­ca e do hu­mor dos ra­pa­zes. As­sim, mar­cou uma reu­nião em que dis­cu­ti­ria um pos­sí­vel con­tra­to com a banda

EMI vol­ta­do até en­tão pa­ra pro­du­ções hu­mo­rís­ti­cas, acei­tou con­ver­sar so­bre o ma­te­ri­al. O pro­du­tor Ge­or­ge Mar­tin gos­tou de al­gu­mas can­ções e de­ci­diu que va­le­ria a pe­na in­ves­tir nos Be­a­tles.

Ha­via ain­da um úl­ti­mo en­tra­ve: o ba­te­ris­ta Pe­te Best des­to­a­va dos ou­tros in­te­gran­tes por seu com­por­ta­men­to tí­mi­do e pe­lo es­ti­lo que não com­bi­na­va pa­ra as gra­va­ções em es­tú­dio. John, Paul e Ge­or­ge co­nhe­ci­am o ba­te­ris­ta da Rory Storm and The Hur­ri­ca­nes, cha­ma­do Rin­go Starr, e acre­di­ta­vam que se­ria uma boa es­co­lha. Mes­mo sob pro­tes­tos dos fãs, Best foi de­mi­ti­do e Rin­go, cha­ma­do pa­ra, as­sim, com­ple­tar os Be­a­tles.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.