A con­quis­ta do mun­do

A che­ga­da da banda aos Es­ta­dos Uni­dos mar­cou o iní­cio da mai­or on­da de his­te­ria já re­gis­tra­da na mú­si­ca

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - John Lennon - - Índice - Tex­to Thi­a­go Ko­gu­chi | De­sign Va­nes­sa Su­eishi

No co­me­ço de 1964, du­ran­te uma tur­nê na Fran­ça, os Be­a­tles es­ta­vam hos­pe­da­dos no Ho­tel Ge­or­ge V, em Pa­ris, qu­an­do Bri­an Eps­tein sur­giu, al­tas ho­ras da noi­te, com uma gran­de no­tí­cia: I Want To Hold Your Hand ha­via che­ga­do ao nú­me­ro 1 da re­vis­ta nor­te-ame­ri­ca­na Bill­bo­ard. En­tre eu­fo­ria, bri­ga de tra­ves­sei­ros e Paul an­dan­do de ca­va­li­nho nas cos­tas do se­gu­ran­ça Mal Evans, eles fi­nal­men­te cum­pri­ri­am sua pro­mes­sa: só iri­am pa­ra os EUA de­pois que al­can­ças­sem o to­po por lá, nu­ma mis­tu­ra de ar­ro­gân­cia ju­ve­nil so­ma­da ao so­nho do su­ces­so.

De sin­gle em sin­gle

A che­ga­da até o to­po co­me­çou ofi­ci­al­men­te em se­tem­bro de 1962, qu­an­do os Be­a­tles en­tra­ram nos es­tú­di­os Ab­bey Ro­ad pa­ra as pri­mei­ras gra­va­ções. De ca­ra, um im­pas­se: Ge­or­ge Mar­tin que­ria que a banda gra­vas­se How Do You Do It pa­ra o sin­gle de es­treia, mas os ra­pa­zes acre­di­ta­vam em Lo­ve Me Do, as­si­na­da pe­lo duo Len­non/ McCart­ney. No mês se­guin­te, a can­ção se­ria o la­do A do sin­gle, en­quan­to P.S. I Lo­ve You es­ta­ria no la­do B. O tra­ba­lho ini­ci­al al­can­çou o 17º lu­gar nas pa­ra­das bri­tâ­ni­cas, um re­sul­ta­do mui­to bom pa­ra uma banda co­nhe­ci­da so­men­te em par­te do país.

O bom re­tor­no ga­ran­tiu à banda a con­ti­nui­da­de do tra­ba­lho. Pou­co me­nos de um mês de­pois do pri­mei­ro sin­gle, eles vol­ta­ram aos es­tú­di­os pa­ra o pró­xi­mo lan­ça­men­to, que ti­nha Ple­a­se Ple­a­se Me e Ask Me Why. Du­ran­te a gra­va­ção, Ge­or­ge Mar­tin anun­ci­ou no cir­cui­to in­ter­no de Ab­bey Ro­ad: “Pa­ra­béns, ca­va­lhei­ros. Vo­cês aca­ba­ram de fa­zer o pri­mei­ro nú­me­ro um”. A pro­fe­cia do pro­du­tor se con­fir­ma­ria no sin­gle se­guin­te, com­pos­to por From Me To You e Thank You Girl. A do­bra­di­nha foi lan­ça­da em abril de 1963 e fi­cou se­te se­ma­nas no to­po dos mais ven­di­dos na In­gla­ter­ra.

Os Be­a­tles lan­ça­ri­am mais dois sin­gles na­que­le ano e se con­so­li­da­ri­am co­mo os ar­tis­tas nú­me­ro um da ter­ra da rai­nha. She Lo­ves You/I’ll Get You, lan­ça­do em agos­to, ven­deu qua­se dois mi­lhões de có­pi­as e ba­teu re­cor­des de ven­das. E a che­ga­da de I Want To Hold Your Hand/This Boy no fi­nal do ano foi ape­nas a con­fir­ma­ção de que os Be­a­tles eram uma ma­nia na In­gla­ter­ra.

A con­quis­ta do Tio Sam

Se o su­ces­so na ter­ra na­tal já era uma re­a­li­da­de, nos Es­ta­dos Uni­dos a coi­sa foi bem di­fe­ren­te – e mais com­pli­ca­da. Os Be­a­tles eram pou­co co­nhe­ci­dos en­tre os nor­te­a­me­ri­ca­nos, tan­to que a Ca­pi­tol Re­cords, re­pre­sen­tan­te da EMI no país, che­gou a re­pas­sar os di­rei­tos pa­ra um se­lo me­nor cha­ma­do Vee-Jay.

A pri­mei­ra ten­ta­ti­va foi com o sin­gle Ple­a­se Ple­a­se Me/ Ask Me Why. Ape­sar de não ter ido tão mal (fi­cou no Top 40 da Bill­bo­ard), um er­ro de im­pres­são na ca­pa anun­ci­ou a banda co­mo Be­at­tles, com dois Tes. Ou­tros lan­ça­men­tos che­ga­ram ao mer­ca­do dos Es­ta­dos Uni­dos, mas os re­sul­ta­dos eram fra­cos e pou­co em­pol­gan­tes.

Ape­sar dis­so, os exe­cu­ti­vos da gra­va­do­ra con­ti­nu­a­vam a fa­zer su­as apos­tas na banda, já que os Be­a­tles já eram uma fe­bre do ou­tro la­do do Atlân­ti­co. En­tão, co­me­çou uma ver­da­dei­ra blitz­kri­eg nos Es­ta­dos Uni­dos: além do sin­gle Lo­ve Me Do/P.S. I Lo­ve You, a Ca­pi­tol lan­çou dois dis­cos em pou­co mais de dez di­as, cha­ma­dos Me­et The Be­a­tles e In­tro­du­cing The Be­a­tles. Mas foi com I Want To Hold Your Hand/This Boy que os qua­tro ra­pa­zes de Li­ver­po­ol, fi­nal­men­te, tor­na­ram-se nú­me­ro um na Amé­ri­ca.

O dia em que NY pa­rou

Em ou­tu­bro de 1963, o apre­sen­ta­dor nor­te-ame­ri­ca­no Ed Sul­li­van, um dos mais po­pu­la­res do país, es­ta­va em Lon­dres qu­an­do viu os Be­a­tles re­tor­na­rem de uma tur­nê. A mul­ti­dão de fãs que os es­pe­ra­vam no ae­ro­por- to im­pres­si­o­nou Sul­li­van, que tra­tou de acer­tar uma par­ti­ci­pa­ção em seu show em fe­ve­rei­ro do ano se­guin­te.

A da­ta não po­de­ria ter si­do me­lhor. Além de os Be­a­tles es­ta­rem no to­po dos EUA no iní­cio de 1964, ha­via tam­bém um fa­tor ines­pe­ra­do: o país ain­da es­ta­va de lu­to pe­la mor­te do pre­si­den­te John F. Ken­nedy, em no­vem­bro do ano an­te­ri­or. No en­tan­to, qu­an­do eles de­sem­bar­ca­ram em No­va York, em 7 de fe­ve­rei­ro, os gri­tos e a his­te­ria das fãs pa­re­ci­am ter es­pan­ta­do o mo­men­to tris­te.

Is­so se con­fir­mou dois di­as de­pois, qu­an­do John, Paul, Ge­or­ge e Rin­go to­ca­ram cin­co mú­si­cas no The Ed Sul­li­van Show: All My Lo­ving, Till The­re Was You, She Lo­ves You, I Saw Her Stan­ding The­re e I Want To Hold Your Hand. Cer­ca de 73 mi­lhões de pes­so­as as­sis­ti­ram à apre­sen­ta­ção pe­la te­vê, um re­cor­de até en­tão. Diz-se que a ci­da­de de No­va York não re­gis­trou um fur­to ou rou­bo nos quin­ze mi­nu­tos em que os Be­a­tles es­ti­ve­ram no ar. A Be­a­tle­ma­nia era uma re­a­li­da­de.

John, Paul, Ge­or­ge e Rin­go (esq. pa­ra dir.), lo­go após sua che­ga­da em No­va York, em 1964

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.