O fim da banda

Co­mo fo­ram os úl­ti­mos e tur­bu­len­tos ca­pí­tu­los da banda cri­a­da por John – e ter­mi­na­da por ele mes­mo

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - John Lennon - - Índice - Tex­to Thi­a­go Ko­gu­chi | De­sign Va­nes­sa Su­eishi

Eu era a mor­sa/Mas ago­ra eu sou John/ En­tão, que­ri­dos ami­gos/Vo­cês só têm que con­ti­nu­ar/O so­nho aca­bou”. Nos ver­sos fi­nais da mú­si­ca God, de seu pri­mei­ro ál­bum pós-Be­a­tles, o John Len­non/Plas­tic Ono Band, lan­ça­do no fi­nal de 1970, Len­non não so­men­te de­cre­tou o fim da banda que ele mes­mo co­me­çou, mas tam­bém re­mo­ver as es­pe­ran­ças que pa­re­ci­am ter sur­gi­do nos in­crí­veis anos 60. Ain­da sob o im­pac­to de um mun­do sem os Be­a­tles, as pes­so­as se per­gun­ta­vam: por quê eles ter­mi­na­ram?

Ca­mi­nhos tor­tu­o­sos

Po­de-se di­zer que tu­do co­me­çou em 29 de agos­to de 1966. Qu­an­do os Be­a­tles to­ca­ram Long Tall Sally no Can­dles­tick Park, na ci­da­de de San Fran­cis­co (EUA), não re­pre­sen­ta­va so­men­te o fim de mais um show, mas de to­da a lou­cu­ra da Be­a­tle­ma­nia. John, Ge­or­ge e Rin­go já ha­vi­am con­ven­ci­do Paul de que eles de­ve­ri­am pa­rar com as per­for­man­ces ao vi­vo, e aque­la se­ria a úl­ti­ma apre­sen­ta­ção.

Por três me­ses, ca­da um to­mou seu ca­mi­nho, e John per­ce­beu que al­go po­de­ria mu­dar “Pen­sei: ‘Bem, na ver­da­de es­se de­ve ser o fim. Não há mais tur­nês. Is­so qu­er di­zer que ha­ve­rá um es­pa­ço va­zio no fu­tu­ro’. Foi en­tão que co­me­cei a pen­sar na pos­si­bi­li­da­de de uma vi­da sem os Be­a­tles. E a par­tir daí foi plan­ta­da a se­men­te da ideia de que eu de al­gum mo­do de­via sair sem ser ex­pul­so pe­los ou­tros”, re­ve­lou. O pro­ble­ma é que a ideia ain­da era mui­to re­cen­te, e Len­non não ti­nha a co­ra­gem pa­ra sair so­zi­nho da banda que ele ha­via cri­a­do.

Por três me­ses, ca­da um to­mou seu ca­mi­nho, e John per­ce­beu que al­go po­de­ria mu­dar

No fi­nal do mes­mo ano, a banda co­me­çou seu no­vo pro­je­to. “Que­re­mos fa­zer o nos­so me­lhor ál­bum e le­var o tem­po que for pre­ci­so”, ex­pli­cou Len­non ao pro­du­tor Ge­or­ge Mar­tin. Cin­co me­ses e mui­tas ho­ras de gra­va­ção de­pois, os Be­a­tles lan­ça­ram Sgt. Pep­per’s Lo­nely He­arts Club Band, con­si­de­ra­do até ho­je um dos me­lho­res ál­buns da his­tó­ria. Pou­co me­nos de dois me­ses de­pois, no en­tan­to, veio a pri­mei­ra bom­ba: Bri­an Eps­tein, o em­pre­sá­rio que pra­ti­ca­men­te cri­ou e cui­dou dos qua­tro, ha­via mor­ri­do de uma over­do­se de so­ní­fe­ros.

“Ali, eu sou­be que es­tá­va­mos fer­ra­dos. Eu não ti­nha ilu­são a res­pei­to de nos­sa in­ca­pa­ci­da­de em fa­zer ou­tra coi­sa que não fos­se to­car, e fi­quei as­sus­ta­do”, con­fes­sou John. No en­tan­to, Paul McCart­ney de­ci­diu que eles de­ve­ri­am se­guir com o pro­je­to Ma­gi­cal Mis­tery Tour, que in­cluía fil­ma­gens du­ran­te uma ex­cur­são da banda. De­pois da mor­te de Eps­tein, Paul pa­re­cia ter to­ma­do pa­ra si os ru­mos do gru­po, o que co­me­çou a de­sa­gra­dar os co­le­gas. Qu­an­do o fil­me foi lan­ça­do, as crí­ti­cas fo­ram mui­to ne­ga­ti­vas, e Len­non con­fes­sou ter fi­ca­do um pou­co fe­liz ao ver o fra­cas­so do lon­ga.

Ge­ni­ais e ge­ni­o­sos

Em fe­ve­rei­ro de 1968, Ge­or­ge Har­ri­son con­ven­ceu os ou­tros mem­bros a es­tu­dar me­di­ta­ção na Ín­dia – o gui­tar­ris­ta es­ta­va ca­da vez mais in­te­res­sa­do na cul­tu­ra e fi­lo­so­fia ori­en­tais. No en­tan­to, a ex­pe­ri­ên­cia se re­ve­lou meio frus­tran­te. Ge­or­ge fi­cou ir­ri­ta­do ao ver que John e Paul es­ta­vam usan- do seu tem­po pa­ra com­por. Além dis­so, Rin­go não fi­cou mais que pou­cas se­ma­nas, já que a co­mi­da in­di­a­na era mui­to for­te pa­ra seu or­ga­nis­mo.

Na vol­ta, John de­ci­diu as­su­mir de vez seu re­la­ci­o­na­men­to com Yo­ko Ono, o que o le­vou a ter­mi­nar seu ca­sa­men­to com Cynthia. O pro­ble­ma é que Len­non que­ria sua com­pa­nhei­ra pre­sen­te em to­dos os mo­men­tos de sua vi­da, e is­so in­cluía até mes­mo par­ti­ci­par dos tra­ba­lhos com a banda, co­mo se fos­se uma in­te­gran­te. O fa­to de­sa­gra­da­va um pou­co os ou­tros be­a­tles, já que pouquís­si­mas pes­so­as par­ti­ci­pa­vam das sessões.

Com es­sa ati­tu­de, a po­si­ção de Len­non era cla­ra: ele que­ria que Yo­ko Ono fi­zes­se par­te do gru­po. “John fun­dou a banda, por is­so acha­va que os ou­tros ti­nham de acei­tar. Eu não fa­zia ques­tão de fa­zer par­te”, de­cla­rou a ar­tis­ta plás­ti­ca pos­te­ri­or­men­te. Era uma fa­ca de dois gu­mes pa­ra Paul, Ge­or­ge e Rin­go; ao mes­mo tem­po que al­gu­mas in­ter­ven­ções do ca­sal pa­re­ces­sem ir­re­le­van­tes ou ri­dí­cu­las, Yo­ko da­va con­fi­an­ça pa­ra que John tra­ba­lhas­se ain­da me­lhor.

John e Yo­ko jun­tos tam­bém re­pre­sen­ta­va ou­tro pon­to im­por­tan­te: a par­ce­ria com Paul não se­ria mais a mes­ma

John e Yo­ko jun­tos tam­bém re­pre­sen­ta­va ou­tro pon­to im­por­tan­te: a par­ce­ria com Paul não se­ria mais a mes­ma. Du­ran­te a gra­va­ção de The Be­a­tles (o fa­mo­so “Ál­bum Bran­co”), fi­cou evi­den­te que a ca­pa­ci­da­de cri­a­ti­va de Len­non e McCart­ney era for­te; o pro­ble­ma era que se ba­se­a­va mais na com­pe­ti­ção do que em in­cen­ti­vos. Pa­ra­le­la­men­te, Ge­or­ge co­me­ça­va a com­por com mais in­ten­si­da­de e até mes­mo Rin­go ti­nha mú­si­cas de au­to­ria pró­pria pa­ra gra­var.

Is­so ge­rou ou­tro pro­ble­ma: ca­da in­te­gran­te via seus co­le­gas co­mo me­ros mú­si­cos de su­por­te. O pri­mei­ro a per­ce­ber is­so foi Rin­go. Du­ran­te

uma gra­va­ção, ele fi­cou ir­ri­ta­do com as or­dens de Paul e aban­do­nou o es­tú­dio. Após du­as se­ma­nas e mui­tas con­ver­sas, o ba­te­ris­ta vol­tou ao tra­ba­lho, sen­do re­ce­bi­do com flo­res pe­los ami­gos. Por con­ta de to­dos es­ses fa­tos, McCart­ney já cha­mou o The Be­a­tles de “ál­bum ten­so”.

Ne­gó­ci­os à par­te

Sem Bri­an Eps­tein, mas com mui­to di­nhei­ro, os Be­a­tles de­ci­di­ram in­ves­tir em um ne­gó­cio pró­prio, on­de po­de­ri­am in­clu­si­ve con­tra­tar e lan­çar ou­tros ar­tis­tas. As­sim, a Ap­ple – que se tor­nou uma cor­po­ra­ção com di­ver­sos seg­men­tos – foi cri­a­da. No en­tan­to, a so­lu­ção vi­ra­ria uma enor­me dor de ca­be­ça pois ne­nhum de­les en­ten­dia de ad­mi­nis­tra­ção, e um pe­que­no ca­os co­me­çou a se for­mar nas fi­nan­ças da em­pre­sa.

As di­ver­gên­ci­as que sur­gi­ram a par­tir da­li tam­bém des­gas­ta­ram um gru­po já com­ba­li­do. En­quan­to Paul que­ria que seu cu­nha­do e seu so­gro, John e Lee East­man, cui­das­sem dos ne­gó­ci­os; John, Ge­or­ge e Rin­go pre­fe­ri­am Al­len Klein, um em­pre­sá­rio que há tem­pos que­ria tra­ba­lhar com a banda. As dis­cus­sões por con­ta dos ru­mos da Ap­ple che­ga­ram a tal pon­to que McCart­ney foi obri­ga­do a as­si­nar um con­tra­to que no­me­a­va Klein co­mo o ma­na­ger dos Be­a­tles, mas o bai­xis­ta ja­mais con­cor­dou.

Ali­a­do a is­so, sur­giu a ideia de um no­vo pro­je­to, que se tor­nou o ál­bum Let It Be. As sessões do ál­bum se­ri­am gra­va­das a fim de se tor­nar um do­cu­men­tá­rio pos­te­ri­or­men­te. Ha­via tam­bém a dis­cus­são so­bre uma pos­sí­vel re­to­ma­da das apre­sen­ta­ções ao vi­vo, que ha­via em­pol­ga­do prin­ci­pal­men­te John. No en­tan­to, Ge­or­ge era o mais in­co­mo­da­do com a ideia.

Aliás, Ge­or­ge Har­ri­son dei­xou evi­den­te sua in­sa­tis­fa­ção com o mo­men­to. En­quan­to ele se ir­ri­ta­va com as cons­tan­tes or­dens de um wor­kaho­lic Paul, su­as di­fe­ren­ças em re­la­ção a John qua­se che­ga­ram às vi­as de fa­to – al­guns di­zem que eles re­al­men­te bri­ga­ram. Ge­or­ge aban­do­nou os es­tú­di­os, mas Len­non pa­re­cia in­di­fe­ren­te ao fa­to, tan­to que su­ge­riu a en­tra­da de Eric Clap­ton no lu­gar do com­pa­nhei­ro. Dois di­as de­pois, con­tu­do, Har­ri­son vol­tou, mas pe­diu que aban­do­nas­sem a ideia dos shows ao vi­vo.

Ge­or­ge aban­do­nou os es­tú­di­os, mas Len­non pa­re­cia in­di­fe­ren­te ao fa­to, tan­to que su­ge­riu a en­tra­da de Eric Clap­ton no lu­gar do com­pa­nhei­ro. Dois di­as de­pois, con­tu­do, Har­ri­son vol­tou, mas pe­diu que aban­do­nas­sem a ideia dos shows ao vi­vo

As sessões pa­ra Ab­bey Ro­ad fo­ram sur­pre­en­den­te­men­te mais tran­qui­las. Tal­vez por­que to­dos sen­ti­am que o dis­co se­ria o úl­ti­mo tra­ba­lho dos Be­a­tles jun­tos

Ru­mos dis­tin­tos

Se as gra­va­ções de Let It Be fo­ram ten­sas, as sessões pa­ra Ab­bey Ro­ad fo­ram sur­pre­en­den­te­men­te mais tran­qui­las. Tal­vez por­que to­dos sen­ti­am que o dis­co se­ria o úl­ti­mo tra­ba­lho dos Be­a­tles jun­tos. Na épo­ca das gra­va­ções (1969), os in­te­gran­tes já ti­nham pro­je­tos pa­ra­le­los, co­mo a Plas­tic Ono Band, de John e Yo­ko. Além dis­so, o des­gas­te era evi­den­te.

Pou­cos di­as de­pois do lan­ça­men­to de Ab­bey Ro­ad, Paul ten­tou mais uma vez con­ven­cer seus com­pa­nhei­ros a re­a­li­zar uma tur­nê, a fim de re­vi­ver “os ve­lhos tem­pos”. A res­pos­ta de John, con­tu­do, foi ar­re­ba­ta­do­ra: “Acho que vo­cê es­tá doi­do. Não ia fa­lar na­da, mas es­tou ter­mi­nan­do a banda. E eu me sin­to bem. É co­mo um di­vór­cio”. Len­non, in­for­mal­men­te, de­cre­ta­ria o fi­nal do so­nho que ha­via co­me­ça­do pou­co mais de 20 anos an­tes.

A res­pos­ta dei­xou to­dos per­ple­xos, in­clu­si­ve Yo­ko Ono. A ques­tão era que o fim ain­da não po­dia ser anun­ci­a­do: Al­len Klein ha­via fe­cha­do bons con­tra­tos re­cen­te­men­te e o anún­cio co­lo­ca­ria tu­do a per­der. Ha­via tam­bém a in­ten­ção de lan­çar o ma­te­ri­al gra­va­do pa­ra Let It Be, que John cha­mou de “o pi­or mon­te de mer­da já gra­va­do”. O ál­bum, lan­ça­do em 24 de abril de 1970, foi o úl­ti­mo es­for­ço cri­a­ti­vo da mai­or banda de to­dos os tem­pos.

Não ia fa­lar na­da, mas es­tou ter­mi­nan­do a banda. E eu me sin­to bem

John Len­non

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.