A vi­da pós-Be­a­tles

Ex­pe­ri­men­ta­lis­mo, crí­ti­cas, ati­vis­mo po­lí­ti­co: John fez de tu­do de­pois de dei­xar os Be­a­tles

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - John Lennon - - Índice - Tex­to Thi­a­go Ko­gu­chi | De­sign Va­nes­sa Su­eishi

John Len­non se des­pe­diu ofi­ci­al­men­te dos Be­a­tles em 5 de se­tem­bro de 1969, co­lo­can­do um fim na banda que ele mes­mo cri­ou. No en­tan­to, an­tes da se­pa­ra­ção, ele já ha­via mos­tra­do sua ca­pa­ci­da­de de cri­ar sem Paul, Ge­or­ge e Rin­go. E mes­mo de­pois de sair da banda, ain­da tra­ba­lhou com os an­ti­gos com­pa­nhei­ros – ex­ce­to McCart­ney, por­que os atri­tos en­tre os dois cus­ta­ram a se ate­nu­ar.

A ca­pa po­lê­mi­ca

En­quan­to os Be­a­tles es­ta­vam em es­tú­dio tra­ba­lhan­do em seu ál­bum The Be­a­tles, John pas­sa­va por pro­ble­mas no ca­sa­men­to. Sua es­po­sa Cynthia sen­tia-se ca­da vez mais in­fe­liz e dis­tan­te do ma­ri­do, e de­ci­diu vi­a­jar com al­guns ami­gos pa­ra a Gré­cia, em maio de 1968. So­zi­nho em ca­sa, Len­non fez um con­vi­te pa­ra a ar­tis­ta plás­ti­ca Yo­ko Ono: “vo­cê qu­er ou­vir al­gu­mas das coi­sas que eu te­nho to­ca­do em meu es­tú­dio?”.

E foi o que fi­ze­ram. As gra­va­ções de Len­non eram ex­pe­ri­ên­ci­as mu­si­cais que ha­via fei­to, mas que di­fi­cil­men­te fa­ri­am par­te de al­gu­ma com­po­si­ção da banda. Yo­ko Ono su­ge­riu en­tão que eles fi­zes­sem seus pró­pri­os sons. Qu­an­do Cynthia re­tor­nou de vi­a­gem, sur­pre­en­deu-se com os dois sen­ta­dos no chão, com rou­pões bran­cos e se en­tre­o­lhan­do en­quan­to com­pu­nham.

Yo­ko era uma ar­tis­ta que já ha­via par­ti­ci­pa­do de even­tos mul­ti­mí­dia, e John es­ta­va a to­do tem­po cri­an­do sons. As­sim, o re­sul­ta­do era com­pos­to de ver­da­dei­ras ex­pe­ri­ên­ci­as so­no­ras, fei­tas com di­ver­sos ti­pos de ins­tru­men­tos e efei­tos de gra­va­ção. Mais do que mú­si­cas, o en­con­tro se­lou de vez o sen­ti­men­to de Len­non por Ono. “Bem, de­pois que Yo­ko e eu nos en­con­tra­mos, eu não per­ce­bi que es­ta­va apai­xo­na­do por ela. Eu ain­da pen­sa­va nis­so co­mo uma co­la­bo­ra­ção ar­tís­ti­ca, co­mo re­al­men­te foi”, de­cla­rou à re­vis­ta Play­boy em uma de su­as úl­ti­mas en­tre­vis­tas, em 1980.

Em 11 de no­vem­bro de 1968, era lan­ça­do Un­fi­nished Mu­sic No. 1: Two Vir­gins, o pri­mei­ro dis­co de John Len­non com Yo­ko Ono – e sem os Be­a­tles. Mas se as fai­xas do dis­co já cau­sa­ri­am es­tra­nhe­za, a ima­gem de ca­pa cau­sou mui­ta po­lê­mi­ca: uma fo­to­gra­fia do ca­sal abra­ça­do de la­do com­ple­ta­men­te nus, sem qual­quer cen­su­ra.

Len­non ar­gu­men­tou que a ca­pa “pa­re­cia na­tu­ral pa­ra nós. To­dos es­ta­mos re­al­men­te nus”. O ál­bum cau­sou mui­tas con­tro­vér­si­as e foi con­si­de­ra­do obs­ce­no em mui­tos

Yo­ko era uma ar­tis­ta que já ha­via par­ti­ci­pa­do de even­tos mul­ti­mí­dia, e John es­ta­va a to­do tem­po cri­an­do sons. As­sim, o re­sul­ta­do era com­pos­to de ver­da­dei­ras ex­pe­ri­ên­ci­as so­no­ras, fei­tas com di­ver­sos ti­pos de ins­tru­men­tos e efei­tos de gra­va­ção

lu­ga­res – 30 mil có­pi­as che­ga­ram a ser re­co­lhi­das no es­ta­do de No­va Jer­sey, nos Es­ta­dos Uni­dos, em ja­nei­ro de 1969. Pa­ra ou­tros lan­ça­men­tos, no­vas es­tra­té­gi­as fo­ram ado­ta­das, co­mo a uti­li­za­ção da ima­gem em que o ca­sal es­ta­va de cos­tas (e ain­da nus) ou com um pa­pel mar­rom que co­bria boa par­te da fo­to.

Two Vir­gins, co­mo fi­cou co­nhe­ci­do pos­te­ri­or­men­te, cha­mou mais a aten­ção pe­la po­lê­mi­ca do que re­al­men­te pe­la mú­si­ca. O ál­bum não em­pla­cou na In­gla­ter­ra, mas che­gou a al­can­çar a mo­des­ta 124ª po­si­ção na lis­ta dos mais ven­di­dos nos Es­ta­dos Uni­dos. A ex­pe­ri­ên­cia, no en­tan­to, foi o pri­mei­ro tra­ba­lho de Len­non com Yo­ko Ono e sem os usu­ais com­pa­nhei­ros.

Fim das ex­pe­ri­ên­ci­as

A in­ten­ção do ca­sal Len­non/Ono era cri­ar uma sé­rie com Un­fi­nished Song, uma ten­ta­ti­va de fa­zer re­gis­tros da vi­da a dois. Seis me­ses de­pois do lan­ça­men­to do po­lê­mi­co Two Vir­gins, che­ga­va ao mer­ca­do Un­fi­nished Mu­sic No. 2: Li­fe with the Li­ons, uma con­ti­nu­a­ção da pro­pos­ta, cu­jo no­me ha­via si­do ins­pi­ra­do em um pro­gra­ma de rá­dio da re­de es­ta­tal BBC.

As gra­va­ções fo­ram di­vi­di­das em du­as par­tes. A pri­mei­ra (que fi­cou no la­do B do ál­bum) foi exe­cu­ta­da no hos­pi­tal Que­en Char­lot­te, no pe­río­do em que Yo­ko Ono se re­cu­pe­ra­va de um acidente de car­ro. Na oca­sião, um gra­va­dor de fi­ta cas­se­te fez to­dos os re­gis­tros dos sons fei­tos no quar­to do ca­sal. A se­gun­da – o la­do A do dis­co – con­sis­tia em uma per­for­man­ce do ca­sal na Uni­ver­si­da­de de Cam­brid­ge.

Li­fe with the Li­ons foi lan­ça­do em maio de 1969 pe­la Zap­ple, uma sub­si­diá­ria da Ap­ple – o se­lo cri­a­do pe­los Be­a­tles. Mes­mo com uma ca­pa me­nos po­lê­mi­ca (des­sa vez, era um re­gis­tro de John ao la­do de Yo­ko na ca­ma do hos­pi­tal), o ál­bum não te­ve um gran­de de­sem­pe­nho. Ape­sar das 60 mil có­pi­as ven­di­das nos Es­ta­dos Uni­dos, pou­co mais de cin­co mil fo­ram co­mer­ci­a­li­za­das na In­gla­ter­ra. John fi­cou de­sa­pon­ta­do com a em­pre­sa, que ha­via fei­to qua­se ne­nhum es­for­ço pa­ra pro­mo­ver o tra­ba­lho.

O úl­ti­mo dis­co da fa­se ex­pe­ri­men­tal, Wed­ding Al­bum, tam­bém era o au­ge da pro­pos­ta de re­gis­trar a vi­da do ca­sal. “Era co­mo di­vi­dir nos­so ca­sa­men­to com qual­quer pes­soa que qui­ses­se di­vi­di-lo co­nos­co. Não es­pe­rá­va-

John es­ta­va fi­nal­men­te se­pa­ra­do dos Be­a­tles, e is­so o im­pul­si­o­nou a bus­car no­vos ru­mos pa­ra si mes­mo

mos um gran­de su­ces­so de­le. Era mais co­mo... por is­so se cha­ma ‘Ál­bum de Ca­sa­men­to’. Vo­cê sa­be, pes­so­as fa­zem um ál­bum de ca­sa­men­to, mos­tram pa­ra pa­ren­tes qu­an­do eles apa­re­ce­rem. Bem, nos­sos pa­ren­tes são o que vo­cê cha­ma de fãs”, ex­pli­cou Len­non.

O ál­bum pos­sui ape­nas uma fai­xa de ca­da la­do, com du­ra­ção mé­dia de 22 mi­nu­tos. En­quan­to o la­do A é um re­gis­tro aber­to de John e Yo­ko se cha­man­do, a fa­ce opos­ta, cha­ma­da Ams­ter­dam, ti­nha gra­va­ções do pe­río­do de “Bed-in” que o ca­sal fez na lua de mel na ca­pi­tal ho­lan­de­sa. Com is­so, che­ga­va ao fim a fa­se de ex­pe­ri­ên­ci­as mu­si­cais de Len­non/Ono – jun­to com a saí­da de­fi­ni­ti­va de John dos Be­a­tles.

Fi­nal­men­te so­lo

John es­ta­va fi­nal­men­te se­pa­ra­do dos Be­a­tles, e is­so o im­pul­si­o­nou a bus­car no­vos ru­mos pa­ra si mes­mo. Jun­to de Yo­ko Ono, co­me­çou a fa­zer a cha­ma­da te­ra­pia do gri­to pri­mal, uma psi­co­te­ra­pia cri­a­da por Arthur Ja­nov, que in­clu­si­ve foi o res­pon­sá­vel pe­los en­con­tros. O tra­ta­men­to se ba­se­a­va em re­ve­lar com­por­ta­men­tos re­pri­mi­dos na in­fân­cia, al­go que pa­re­ceu fa­zer bem a Len­non.

As­sim, John co­me­çou a com­por de­mos pa­ra um no­vo tra­ba­lho, e lo­go es­ta­va de vol­ta aos es­tú­di­os Ab­bey Ro­ad pa­ra gra­var. Jun­to com a Plas­tic Ono Band, um gru­po con­cei­tu­al que cri­ou jun­to com a es­po­sa, deu iní­cio a um de seus me­lho­res tra­ba­lhos so­lo, o ál­bum John Len­non/Plas­tic Ono Band, lan­ça­do em de­zem­bro de 1970.

Des­ta vez, sem tan­tos ex­pe­ri­men­ta­lis­mos, John tra­ba­lho com te­mas es­pi­nho­sos, co­mo a re­la­ção com a mãe (na can­ção Mother) e os ído­los e fi­gu­ras his­tó­ri­cas em que não acre­di­ta, co­mo Je­sus Cris­to, Adolf Hi­tler, El­vis Presley e até mes­mo os Be­a­tles, e tam­bém de­cre­tou o fim do so­nho, na fai­xa God. Além dis­so, Len­non mos­trou sua fa­ce po­li­ti­za­da em Wor­king Class He­ro, em que fa­la so­bre a vi­da dos tra­ba­lha­do­res co­muns da In­gla­ter­ra.

A cri­a­ção do hi­no

Pa­ra o tra­ba­lho se­guin­te, John con­vi­dou o ex-co­le­ga de banda Ge­or­ge Har­ri­son pa­ra par­ti­ci­par das gra­va­ções (Ge­or­ge to­cou em me­ta­de das dez mú­si­cas). O gui­tar­ris­ta apro­vei­tou a oca­sião e cha­mou seu ami­go, o bai­xis­ta Klaus Vo­or­mann. Len­non tam­bém con­ta­ria com o apoio do pro­du­tor Phil Spec­tor no no­vo ál­bum. O ál­bum Ima­gi­ne, lan­ça­do em 1971, trou­xe al­gu­mas das mú­si­cas mais po­pu­la­res da fa­se so­lo de John, a co­me­çar pe­la fai­xa-tí­tu­lo que abre o dis­co, em que can­ta um ver­da­dei­ro hi­no de um mun­do sem bar­rei­ras co­mo as na­ci­o­na­li­da­des e as re­li­giões. Je­a­lous Guy se tor­nou uma de su­as mú­si­cas mais re­gra­va­das ao lon­go do tem­po. Mas a mai­or po­lê­mi­ca veio com How Do You Sle­ep?, uma can­ção agres­si­va con­tra as su­pos­tas pro­vo­ca­ções fei­tas por Paul McCart­ney no ál­bum Ram. Re­za a lenda que, du­ran­te as gra­va­ções da mú­si­ca, o cons­tran­gi­men­to den­tro do es­tú­dio era vi­sí­vel en­tre os pre­sen­tes.

O ál­bum Ima­gi­ne, lan­ça­do em 1971, trou­xe al­gu­mas das mú­si­cas mais po­pu­la­res da fa­se so­lo de John, a co­me­çar pe­la fai­xa­tí­tu­lo que abre o dis­co, em que can­ta um ver­da­dei­ro hi­no de um mun­do sem bar­rei­ras co­mo as na­ci­o­na­li­da­des e as re­li­giões

Anos in­ten­sos

O ca­sal Len­non Ono se mu­dou pa­ra No­va York no fi­nal de 1971 e man­te­ve sua pos­tu­ra de mi­li­tân­cia na ci­da­de. Is­so se re­fle­tiu nas com­po­si­ções de So­me Ti­me In New York City, ál­bum lan­ça­do em 1972. É pos­sí­vel ou­vir um for­te dis­cur­so fe­mi­nis­ta em Sis­ters, O Sis­ters e os pro­ble­mas do sis­te­ma edu­ca­ci­o­nal em Born in a Pri­son. John tam­bém se ma­ni­fes­tou so­bre os con­fli­tos re­li­gi­o­sos na Ir­lan­da com Sun­day Blo­ody Sun­day (sem re­la­ção com a com­po­si­ção da banda U2) e The Luck of the Irish. Além dis­so, pres­tou uma ho­me­na­gem à ati­vis­ta do mo­vi­men­to ne­gro An­ge­la Da­vis na can­ção An­ge­la.

Após for­te en­ga­ja­men­to so­ci­al, John pre­fe­riu se afas­tar um pou­co das polêmicas. En­tre­tan­to, ou­tro pro­ble­ma sur­gi­ria em sua vi­da: seu ca­sa­men­to pas­sa­va por um mo­men­to ins­tá­vel. Em ju­nho de 1973, o ca­sal de­ci­diu se se­pa­rar, e nos 18 me­ses se­guin­tes em que se man­ti­ve­ram dis­tan­tes, John lan­çou três ál­buns.

Mind Ga­mes (1973) não con­se­guiu man­ter o mes­mo fô­le­go po­lí­ti­co de seu an­te­ces­sor. Walls and Brid­ges (1974) di­vi­diu a crí­ti­ca, ape­sar de ter si­do um dos tra­ba­lhos pre­fe­ri­dos de John. Já em Rock’n’Roll (1975), Len­non faz co­vers de com­po­si­to­res clás­si­cos do gê­ne­ro e que o in­flu­en­ci­a­ram no iní­cio de car­rei­ra, co­mo Chuck Ber­ry, Fats Do­mi­no e Ge­ne Vin­cent.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.