AMI­GOS PA­RA SEM­PRE

Krist No­vo­se­lic e Da­ve Grohl, os gran­des par­cei­ros de Kurt

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - NIRVANA - EDIÇÃO DE COLECIONADOR - - Índice - TEX­TO Da­vid Cin­tra DE­SIGN Ana Pau­la Mal­do­na­do/Co­la­bo­ra­do­ra

Um raio-X de Krist No­vo­se­lic e Da­ve Grohl

Des­de o iní­cio, o Nir­va­na era a “ban­da de Kurt”. Ele de­ci­dia tu­do: des­de o que e co­mo to­ca­ri­am até os no­mes e a ar­te das ca­pas dos dis­cos da ban­da. As le­tras eram to­das de­le tam­bém. Mas é uma gran­de injustiça atri­buir a res­pon­sa­bi­li­da­de pe­lo êxi­to do gru­po ex­clu­si­va­men­te a ele. Seus com­pa­nhei­ros de ban­da ti­ve­ram par­ti­ci­pa­ções im­por­tan­tes pa­ra que o Nir­va­na pu­des­se che­gar aon­de che­gou. Com cer­te­za, os gran­des par­cei­ros de Kurt em sua jor­na­da fo­ram Krist No­vo­se­lic e Da­ve Grohl. Es­sa é a for­ma­ção clássica que fez do Nir­va­na a mai­or ban­da de rock dos anos 90.

O par­cei­ro ide­al

Krist Anthony No­vo­se­lic nas­ceu em 16 de maio de 1965, em Comp­ton, ci­da­de in­te­gran­te da re­gião me­tro­po­li­ta­na de Los An­ge­les, California. Seus pais, Krist e Ma­ri­ja, eram imi­gran­tes cro­a­tas (iu­gos­la­vos na épo­ca, já que, em 1963, a Croá­cia ain­da fa­zia par­te da Iu­gos­lá­via). A fa­mí­lia mu­dou-se de Los An­ge­les pa­ra Aber­de­en em 1979, quan­do Krist ti­nha 14 anos. Em 1980, tal­vez por ser um pou­co di­fe­ren­te, “Ch­ris”, co­mo era co­nhe­ci­do em Aber­de­en (só ado­ta­ria a grafia ori­gi­nal de seu no­me em 1992), co­me­çou a sen­tir- se de­pri­mi­do e seus pais o man­da­ram pa­ra a Croá­cia, on­de vi­veu por cer­ca de um ano com pa­ren­tes. Quan­do foi pa­ra lá já era fã de ban­das co­mo Led Zep­pe­lin, Ae­ros­mith e Black Sab­bath. No re­tor­no, trou­xe na ba­ga­gem o gos­to pe­lo punk rock, es­pe­ci­al­men­te Sex Pis­tols e Ra­mo­nes. Tam­bém apren­deu a fa­lar flu­en­te­men­te o idi­o­ma de seus pa­ren­tes. E a be­ber mui­to. Quan­do co­me­ça­va, sim­ples­men­te não podia pa­rar e en­tra­va em um ou­tro mun­do, só seu.

Quan­do seus pais se di­vor­ci­a­ram, em 1983, pou­co de­pois de sua for­ma­tu­ra no co­lé­gio, Krist, que já era um ga­ro­to pro­ble­má­ti­co, pas­sou a ser ba­si­ca­men­te um de­lin­quen­te. Fi­cou co­nhe­ci­do nas fes­tas por es­tar sem­pre lou­co e apron­tan­do to­das. Co­mo Aber­de­en não era lá tão gran­de, era ine­vi­tá­vel que um dia co­nhe­ces­se Kurt. Além da mú­si­ca, o fa­to de ter os pais se­pa­ra­dos fa­ci­li­tou pa­ra que se apro­xi­mas­se do gui­tar­ris­ta. Mais do que um par­cei­ro mu­si­cal e de lou­cu­ras, Krist sem­pre es­ta­va dis­pos­to a co­la­bo­rar, co­lo­can­do seu car­ro à dis­po­si­ção. Nos mo­men­tos mais di­fí­ceis do iní­cio da car­rei­ra, ele se man­te­ve ao la­do de Kurt e se­gu­rou to­das as on­das. Foi em sua van que fi­ze­ram a pri­mei­ra tur­nê na­ci­o­nal do Nir­va­na, que atra­ves­sou os Es­ta­dos Uni­dos em dois me­ses de mui­tas bo­as e más his­tó­ri­as.

Em­bo­ra não per­mi­ta que a im­pren­sa in­va­da sua vi­da pri­va­da, Krist se ca­sou du­as ve­zes. A pri­mei­ra es­po­sa foi Shel­li Dil­ley, com qu­em na­mo­rou por qua­tro anos an­tes de ofi­ci­a­li­za­rem a re­la­ção, no fi­nal de 1989. Dez anos de­pois se di­vor­ci­a­ram. Shel­li par­ti­ci­pou ati­va­men­te da tra­je­tó­ria do Nir­va­na, des­de a for­ma­ção até o fi­nal trá­gi­co da ban­da. Em 2004, ca­sou-se pe­la se­gun­da vez, ago­ra com a ar­tis­ta plás­ti­ca Dar­bury Ayn Sten­de­ru.

A pe­ça-cha­ve

O mai­or pro­ble­ma do Nir­va­na des­de os pri­mei­ros di­as era a ba­te­ria. En­tre 1987 e 1991, as ba­que­tas do gru­po pas­sa­ram por qua­tro in­te­gran­tes di­fe­ren­tes. Até que Da­ve Grohl apa­re­ceu e a per­cus­são pas­sou a ser um dos pon­tos for­tes da ban­da. Des­de o pri­mei­ro tes­te, Kurt e Krist sou­be­ram que ele era o ca­ra ide­al pa­ra o pos­to, a pe­ça que fal­ta­va no que­bra-ca­be­ças do Nir­va­na per­fei­to. Não dá pa­ra ne­gar que a ban­da cres­ceu mui­to com sua che­ga­da.

Da­vid Eric Grohl nas­ceu em 14 de ja­nei­ro de 1969, na ci­da­de de War­ren, no es­ta­do de Ohio. Co­mo acon­te­ceu com seus dois com­pa­nhei­ros, seus pais tam­bém se di­vor­ci­a­ram, quan­do ele ti­nha seis anos. Des­de mui­to ce­do se en­vol­veu com o rock e, aos dez anos,

co­me­çou a mon­tar ban­das. A pri­mei­ra que re­al­men­te fez al­go foi o Dain Bra­ma­ge, que du­rou dois anos (1985-1987), gra­vou du­as de­mos e um ál­bum, I Scre­am Not Co­ming Down. Lo­go de­pois, fez um tes­te e foi apro­va­do no Scre­am, uma das prin­ci­pais e mais res­pei­ta­das ban­das punk de Washing­ton DC. Da­ve é o ba­te­ris­ta dos quar­to e quin­to ál­buns do Scre­am, No Mo­re Cen­sorship e Fum­ble (lan­ça­do pos­te­ri­or­men­te ao fim da ban­da, em 1990).

Após a de­ban­da­da do Scre­am, Grohl fi­cou um tem­po sem ban­da, até que Buzz Os­bor­ne, do Mel­vins, lhe pas­sou o te­le­fo­ne de Krist No­vo­se­lic, di­zen­do que o Nir­va­na pre­ci­sa­va de um ba­te­ris­ta. Da­ve Grohl li­gou. “Nós só fa­la­mos so­bre mú­si­ca. Tí­nha­mos gos­tos em co­mum e pa­re­cia ser­mos com­pa­tí­veis. En­tão com­prei uma có­pia de Ble­a­ch e ou­vi o dis­co dez ve­zes. Em­pa­co­tei mi­nha ba­te­ria e vo­ei pa­ra Se­at­tle”, con­tou em uma en­tre­vis­ta ao se­ma­ná­rio in­glês New Mu­si­cal Ex­press. Lo­go es­ta­ria gra­van­do um dos ál­buns mais im­por­tan­tes da his­tó­ria do rock. Sua ha­bi­li­da­de foi de­ci­si­va pa­ra a pe­ga­da de Ne­ver­mind. Não por aca­so, após o fim do Nir­va­na, cons­truiu uma só­li­da car­rei­ra e ho­je é um dos no­mes mais res­pei­ta­dos do uni­ver­so rock’n’roll.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.