SAIN­DO DA GA­RA­GEM

Com no­me de­fi­ni­do, o Nir­va­na grava seu pri­mei­ro dis­co

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - NIRVANA - EDIÇÃO DE COLECIONADOR - - Índice - TEX­TO Thiago Ko­gu­chi DE­SIGN Mary El­len Ma­cha­do

Ble­a­ch, o pri­mei­ro voo da ban­da

Eu queria um no­me que so­as­se bo­ni­to ou agra­dá­vel em vez de um no­me punk rock mes­qui­nho, obs­ce­no co­mo An­gry Sa­mo­ans”. Após di­ver­sas mu­dan­ças, o trio com­pos­to por Kurt Co­bain, Krist No­vo­se­lic e mais al­guém na ba­te­ria se­ria co­nhe­ci­do co­mo Nir­va­na.

O pri­mei­ro dis­co do Nir­va­na foi lan­ça­do pe­la Sub Pop, uma pe­que­na pro­du­to­ra in­de­pen­den­te de Se­at­tle, em ju­nho de 1989 nos Es­ta­dos Uni­dos. A de­mo que Jack En­di­no, pro­du­tor da em­pre­sa, en­vi­ou pa­ra Jo­nathan Po­ne­man, um dos só­ci­os, agra­dou bas­tan­te. Foi o su­fi­ci­en­te pa­ra que o Nir­va­na con­se­guis­se seu pri­mei­ro es­pa­ço em uma gra­va­do­ra. Em no­vem­bro de 1988, o

gru­po, en­tão com Krist, Kurt Co­bain e Chad Chan­ning, lan­çou seu pri­mei­ro single, Lo­ve Buzz. No mês se­guin­te, eles co­me­ça­ri­am as gra­va­ções de Ble­a­ch.

As gra­va­ções ti­ve­ram iní­cio na vés­pe­ra de Na­tal de 1988 e du­ra­ram cin­co ho­ras. A ban­da sur­pre­en­deu pe­la boa qua­li­da­de do som apre­sen­ta­do, mas era es­pe­ra­do que is­so acon­te­ces­se. Chad Chan­ning lem­bra que eles en­sai­a­ram de for­ma in­ten­sa e em ho­rá­ri­os inu­si­ta­dos. “Das oi­to da noi­te até às seis da ma­nhã, e fi­ze­mos is­so to­da noi­te”. O Nir­va­na tam­bém gra­vou nos di­as 29, 30 e 31 de de­zem­bro, 14 e 24 de ja­nei­ro do ano se­guin­te. No fi­nal, o pro­du­tor Jack En­di­no ti­nha 30 ho­ras de gra­va­ção em mãos.

Ble­a­ch foi lan­ça­do em 15 de ju­nho de 1989, e te­ve gran­de im­por­tân­cia à épo­ca, pois de­fi­niu o es­ti­lo do Nir­va­na. Kurt Co­bain acre­di­ta­va que as mú­si­cas do ál­bum se adap­ta­ram ao grunge que a Sub Pop queria, ain­da que ele sen­tis­se cer­ta pres­são pa­ra que o som da ban­da se man­ti­ves­se per­to dis­so.

Por trás de Ble­a­ch

A ideia ini­ci­al era que o dis­co se cha­mas­se Too Many Hu­mans, mas Kurt pre­fe­riu Ble­a­ch de­pois de ver um car­taz so­bre pre­ven­ção da AIDS du­ran­te uma vi­a­gem do Nir­va­na a São Fran­cis­co. O pa­pel da­va in­for­ma­ções aos vi­ci­a­dos em he­roí­na de co­mo “bran­que­ar” su­as agu­lhas an­tes de usá-las, jun­to com o slo­gan “Ble­a­ch Your Works”.

O dis­co pos­sui a so­no­ri­da­de mar­can­te do grunge, pou­cos (mas pe­sa­dos) acor­des de gui­tar­ra e com uma for­te pre­sen­ça do bai­xo em vá­ri­as mú­si­cas, co­mo a fai­xa de aber­tu­ra, Blew. Al­guns crí­ti­cos não gos­ta­ram mui­to da ma­nei­ra co­mo Chad Chan­ning con­du­ziu a ba­te­ria, já que, em mui­tas ve­zes fi­cou en­co­ber­ta pe­los de­mais ins­tru­men­tos. Coin­ci­dên­cia ou não, o pro­du­tor Jack En­di­no pre­fe­riu man­ter as fai­xas gra­va­das com Da­le Cro­ver com a ba­que­ta, e Chan­ning saiu da ban­da de­pois de Ble­a­ch.

Com ex­ce­ção de Lo­ve Buzz (um co­ver do gru­po ho­lan­dês Shoc­king Blue), as le­tras do dis­co fo­ram to­das es­cri­tas por Kurt Co­bain. De acor­do com o lí­der da ban­da, ele pou­co se im­por­ta­va com as le­tras, sen­do que 80% de­las fo­ram es­cri­tas na noi­te an­te­ri­or das gra­va­ções. “Foi co­mo se eu es­ti­ves­se ir­ri­ta­do. Não sei com o quê. Va­mos ape­nas gri­tar al­gu­mas le­tras ne­ga­ti­vas e, con­tan­to que

elas não se­jam se­xis­tas e não fi­ca­rem mui­to cons­tran­ge­do­ras, tu­do fi­ca­rá bem”, afir­mou Kurt à re­vis­ta Spin, em 1993.

Já a ca­pa de Ble­a­ch foi fo­to­gra­fa­da por Tracy Ma­ran­der, ex-na­mo­ra­da de Kurt, du­ran­te uma apre­sen­ta­ção na Re­ko Mu­se, uma ga­le­ria de ar­te lo­ca­li­za­da na ci­da­de de Olym­pia, Washing­ton.

Pro­cu­ra-se ba­te­ris­ta

Kurt Co­bain, Krist No­vo­se­lic e mais um. Tal­vez es­sa fos­se a ma­nei­ra mais fá­cil de apre­sen­tar os com­po­nen­tes do Nir­va­na. Vá­ri­os ba­te­ris­tas que pas­sa­ram pe­la ban­da sim­ples­men­te não du­ra­ram mui­to tem­po no car­go, e so­men­te com Da­ve Grohl o gru­po te­ve sua for­ma­ção mais es­tá­vel, até a mor­te de Kurt.

O pri­mei­ro par­cei­ro de Kurt e Krist, ain­da no Fe­cal Mat­ter, foi Bob MCFAD­DEN. Mas um mês de­pois, Aa­ron Burckhard as­su­miu as ba­que­tas. Kurt e Krist fo­ram obri­ga­dos a mu­dar de ci­da­de, o que os le­vou a dis­pen­sa­rem os ser­vi­ços de Burckhard. Pa­ra o seu lu­gar, a du­pla con­vi­dou Da­le Cro­ver, que fa­zia par­te do Mel­vins. Com ele, o Nir­va­na gra­vou su­as pri­mei­ras fi­tas de­mo. Mas a par­ce­ria du­rou pou­co tem­po, já que Cro­ver foi obri­ga­do a mu­dar de ci­da­de.

O no­vo in­te­gran­te da ban­da, en­tão, era Da­ve Fos­ter. Mas Kurt es­pe­ci­al­men­te não gos­ta­va da apa­rên­cia do no­vo ba­te­ris­ta, que era bas­tan­te tra­di­ci­o­nal em re­la­ção ao pú­bli­co al­ter­na­ti­vo dos shows de rock em que se apre­sen­ta­vam. Mas Fos­ter “re­sol­veu” a si­tu­a­ção ao en­vol­ver-se em uma bri­ga com o fi­lho de um po­lí­ti­co im­por­tan­te da re­gião de Aber­de­en. Is­so fez com que Da­ve fi­cas­se du­as se­ma­nas pre­so e per­des­se sua car­tei­ra de mo­to­ris­ta, o que o im­pos­si­bi­li­tou de di­ri­gir até os lo­cais de en­saio com a ban­da.

A va­ga re­cém-aber­ta foi ocu­pa­da por um ve­lho co­nhe­ci­do: Aa­ron Burckhard. A ban­da, en­tre­tan­to, no­va­men­te per­de­ria seu ba­te­ris­ta por pro­ble­mas com di­re­ção. Des­sa vez, Burckhard pe­gou o car­ro de Kurt em­pres­ta--

do pa­ra com­prar cer­ve­jas lo­go após um en­saio. Só que ele pre­fe­riu pa­rar em uma ta­ver­na pa­ra be­ber. No fi­nal da noi­te, Aa­ron foi pre­so por di­ri­gir bê­ba­do, e o au­to­mó­vel de Co­bain aca­bou sen­do apre­en­di­do.

A so­lu­ção en­con­tra­da por Kurt e Krist foi pu­bli­car um anún­cio: “Heavy, light punk rock band: Ae­ros­mith, Led Zep­pe­lin, Black Sab­bath, Black Flag, Scrat­ch Acid, Buttho­le Sur­fers. Se­eks drum­mer.” (“Ban­da de punk rock le­ve, pe­sa­da: Ae­ros­mith, Led Zep­pe­lin, Black Sab­bath, Black Flag, Scrat­ch Acid, Buttho­le Sur­fers. Pro­cu­ra ba­te- ris­ta”, em tradução li­vre). Mas am­bos já ti­nham al­guém em men­te: Chad Chan­ning. Eles fi­ca­ram im­pres­si­o­na­dos com a ha­bi­li­da­de do mú­si­co em uma apre­sen­ta­ção em Ever­gre­en e o con­vi­da­ram pa­ra to­car jun­to com o Nir­va­na. Chan­ning dis­se que, após al­guns en­sai­os, sen­tiu-se par­te do gru­po, mes­mo que eles nun­ca te­nham di­to “vo­cê es­tá den­tro”.

Foi com es­sa for­ma­ção – Kurt Co­bain, Krist No­vo­se­lic e Chad Chan­ning – que o Nir­va­na gra­vou seu pri­mei­ro single, Lo­ve Buzz, e o pri­mei­ro ál­bum, Ble­a­ch. Aliás, a pro­du­ção do dis­co tam­bém con­tou com a par­ti­ci­pa­ção “sim­bó­li­ca” do gui­tar­ris­ta Jason Ever­man, já que, na ver­da­de, ele não ha­via to­ca­do em ne­nhu­ma mú­si­ca, mas seu no­me foi cre­di­ta­do. No­vo­se­lic diz que fi­ze­ram is­so pa­ra que ele se sen­tis­se à von­ta­de, mas a ver­da­de é que Ever­man ban­cou to­da a pro­du­ção do ál­bum: 606,17 dó­la­res.

Após o lan­ça­men­to de Ble­a­ch, em maio de 1989, o Nir­va­na fez sua pri­mei­ra tur­nê na­ci­o­nal. No en­tan­to, du­ran­te as vi­a­gens, o des­con­ten­ta­men­to dos três in­te­gran­tes com Ever­man era cres­cen­te, e Kurt de­mi-

tiu o gui­tar­ris­ta. Em abril de 1990, foi a vez de Chan­ning, que não es­ta­va nem um pou­co con­for­tá­vel pe­lo fa­to de não es­tar en­vol­vi­do com as pro­du­ções do gru­po.

Cin­co me­ses de­pois, Buzz Os­bor­ne, an­ti­go par­cei­ro de Kurt no Fe­cal Mat­ter e mem­bro do Mel­vins, apre­sen­tou um no­vo ba­te­ris­ta à du­pla: Da­ve Grohl. De acor­do com o pro­du­tor But­ch Vig, “Krist e Kurt gos­ta­ram de Da­ve por­que ele to­ca­va a ba­te­ria com mais for­ça do que qual­quer um”. Foi pre­ci­so ape­nas um tes­te rá­pi­do pa­ra que ele fos­se acei­to. “Nós sa­bía­mos em dois mi­nu­tos que ele era o ba­te­ris­ta cer­to”, re­ve­lou Krist No­vo­se­lic.

A for­ma­ção com Kurt Co­bain na gui­tar­ra e no vo­cal, Krist No­vo­se­lic no bai­xo e Da­ve Grohl na ba­te­ria foi a mais du­ra­dou­ra do Nir­va­na, até a mor­te de Kurt, em 1994. O trio tam­bém foi res­pon­sá­vel pe­la gra­va­ção de Ne­ver­mind, o se­gun­do dis­co da ban­da e con­si­de­ra­do um dos mais im­por­tan­tes ál­buns dos anos 90.

Su­jo, pe­sa­do e ba­ru­lhen­to

O som cru e os acor­des pe­sa­dos de gui­tar­ra se jun­tam a le­tras irô­ni­cas e de te­mas con­fli­tan­tes, co­mo a bus­ca pe­la li­ber­da­de e a ali­e­na­ção so­ci­al. Jun­te a is­so mú­si­cos e can­to­res pou­co pre­o­cu­pa­dos em fa­zer uma gran­de per­for­man­ce (mas com mui­ta von­ta­de pa­ra que­brar os ins­tru­men­tos a ca­da fi­nal

de show) e em rou­pas sur­ra­das e tão su­jas quan­to si pró­pri­os. Des­sa ma­nei­ra, o grunge se tor­nou mais que um gê­ne­ro mu­si­cal: foi uma for­ma ba­ru­lhen­ta de se ex­pres­sar.

E foi pre­ci­so um som bem al­to pa­ra se fa­zer ou­vir. Afi­nal, o grunge tem ori­gem em Se­at­tle, uma das ci­da­des mais im­por­tan­tes do no­ro­es­te dos Es­ta­dos Uni­dos, ou se­ja, fo­ra dos prin­ci­pais cen­tros cul­tu­rais do país: Los An­ge­les e No­va York. Por es­se mo­ti­vo, quan­do o mo­vi­men­to foi des­co­ber­to pe­la gran­de mí­dia, ele já es­ta­va ama­du­re­ci­do. Além dis­so, é co­mum tam­bém cha­mar o es­ti­lo de “Som de Se­at­tle”.

O grunge pos­sui in­fluên­ci­as do hard rock e do punk, com for­te re­fe­rên­cia ao som fei­to por ban­das co­mo Sto­o­ges, Black Sab­bath, Ra­mo­nes, Led Zep­pe­lin e Ae­ros­mith. Ou­tra ca­rac­te­rís­ti­ca que mar­cou o mo­vi­men­to, res­ga­ta­da dos anos 60, foi a ideia da ban­da de ga­ra­gem, pois mui­tos gru­pos co­me­ça­ram a fa­zer seu ba­ru­lho de ma­nei­ra im­pro­vi­sa­da nes­ses es­pa­ços.

As pri­mei­ras ban­das a “saí­rem da ga­ra­gem”, ou se­ja, a gra­var em um estúdio, fo­ram o Gre­en Ri­ver (1983) e o Sound­gar­den (1984). Na oca­sião, o lo­cal foi a Sub Pop, que ain­da era um se­lo in­de­pen­den­te, mas lo­go se tor­na­ria a gra­va­do­ra ofi­ci­al do grunge. E va­le lem­brar tam­bém que o Sound­gar­den ain­da es­tá na ati­va.

A par­tir daí, mui­tas ou­tras ban­das sur­gi­ram, ca­da uma de­sen­vol­ven­do seu es­ti­lo den­tro do grunge. Mudho­ney, Mother Lo­ve Bo­ne, Pe­arl Jam e Ali­ce in Chains tam­bém saí­ram da re­gião de Se­at­tle pa­ra fa­zer su­ces­so. Mas o mai­or no­me do mo­vi­men­to ain­da é o Nir­va­na, e Ne­ver­mind é con­si­de­ra­do um mar­co na his­tó­ria do es­ti­lo. Na pá­gi­na 84, vo­cê con­fe­re uma ma­té­ria es­pe­ci­al e mais de­ta­lha­da so­bre a ce­na grunge.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.