O ADEUS DE KURT

Pas­sa­dos mais de 20 anos, a mor­te do ído­lo ain­da re­per­cu­te

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - NIRVANA - EDIÇÃO DE COLECIONADOR - - Índice - Tre­cho fi­nal da car­ta es­cri­ta por Kurt Co­bain an­tes do sui­cí­dio

As cir­cuns­tân­ci­as e os mis­té­ri­os em tor­no da mor­te do ído­lo

Kurt se afun­dou na he­roí­na, não ape­nas co­mo di­ver­são, mas tam­bém pa­ra ali­vi­ar as do­res de estô­ma­go que tan­to o in­co­mo­da­vam. Mas o ví­cio es­ta­va tão for­te que che­gou ao pon­to de Court­ney se sen­tir a en­fer­mei­ra de­le, pron­ta pa­ra re­a­ni­má-lo de­pois da pró­xi­ma over­do­se.

Jun­ta­men­te aos ami­gos de Kurt, Court­ney de­ci­diu fa­zer uma intervenção pa­ra que ele fos­se in­ter­na­do em um cen­tro de re­a­bi­li­ta­ção. Kurt acei­tou, en­tre­tan­to, an­tes de ir, pe­diu pa­ra seu ami­go Dy­lan Carl­son com­prar uma ar­ma por­que, se­gun­do ele, se sen­tia ame­a­ça­do e ti­nha me­do de que al­guém en­tras­se em sua ca­sa.

O vo­ca­lis­ta do Nir­va­na se in­ter­nou no Cen­tro de Re­cu­pe­ra­ção Exo­dus em mar­ço de 1994. En­tre su­as ati­vi­da­des, es­ta­va a con­ver­sa com o con­se­lhei­ro de abu­so de subs­tân­ci­as, Ni­al Stim­son, que ale­ga que Kurt ne­ga­va o abu­so de he­roí­na e ra­ra­men­te men­ci­o­na­va su­as bri­gas com Court­ney. O que o pre­o­cu­pa­va era per­der a ca­sa na bri­ga ju­di­ci­al com Ke­vin Kers­la­ke, que o pro­ces­sou por cau­sa das idei­as que te­ve pa­ra o ví­deo de He­art-Sha­ped Box.

Após vi­si­tas ao Exo­dus, Dy­lan Carl­son dis­se que o can­tor es­ta­va ani­ma­do e fa­zia mui­tos pla­nos pa­ra de­pois que saís­se da re­a­bi­li­ta­ção.

No co­me­ço de abril, Kurt fu­giu da clí­ni­ca pu­lan­do o mu­ro do lo­cal. Ele com­prou uma pas­sa­gem de avião pa­ra Se­at­tle e alu­gou um car­ro. Ao sa­ber da fu­ga, Court­ney fi­cou his­té­ri­ca e li­gou pa­ra to­dos os tra­fi­can­tes que co­nhe­cia pa­ra per­gun­tar se eles sa­bi­am do pa­ra­dei­ro do can­tor. Ela che­gou até a es­pa­lhar o bo­a­to de que ha­via so­fri­do uma over­do­se pa­ra ver se Kurt en­tra­ria em con­ta­to. Co­mo ele não deu si­nal de vi­da, Court­ney con­tra­tou um de­te­ti­ve par­ti­cu­lar, Tom Grant na ten­ta­ti­va de en­con­trá-lo bem.

Sui­cí­dio

No dia oi­to de abril do mes­mo ano, Gary Smith, fun­ci­o­ná­rio da em­pre­sa con­tra­ta­da pa­ra ins­ta­lar um no­vo sis­te­ma na ca­sa da La­ke Washing­ton Bou­le­vard, em Se­at­tle, en­con­trou um cor­po na es­tu­fa. De ca­ra, ele achou que era um ma­ne­quim, mas quan­do ele viu que ha­via san­gue per­to da ore­lha do cor­po, per­ce­beu que era ho­mem. Kurt es­ta­va com um fe­ri­men­to vi­sí­vel na ca­be­ça e ao seu la­do en­con­tra­ram uma es­pin­gar­da e uma folha de pa­pel com es­cri­tos, a car­ta de sui­cí­dio de Kurt.

O pri­mei­ro veí­cu­lo a no­ti­ci­ar a mor­te do can­tor foi a rá­dio KXRX, avi­sa­da por Gary Smith. A ir­mã de Kurt, Kim­berly, ou­viu a no­tí­cia e li­gou pa­ra a rá­dio, ques­ti­o­nan­do o mo­ti­vo pa­ra no­ti­ci­a­rem aqui­lo, e a aten­den­te pe­diu pa­ra ela li­gar pa­ra a po­lí­cia. Lo­go após a con­fir­ma­ção, Kim­berly avi­sou sua mãe, Wendy. Em uma de­cla­ra­ção pa­ra a As­so­ci­a­ted Press, Wendy dis­se que ele ha­via en­tra­do pa­ra o clu­be dos 27 anos e que não sa­be­ria o que fa­zer a par­tir de en­tão, de­pois da mor­te do fi­lho.

A pe­rí­cia de­cla­rou a da­ta da mor­te co­mo o dia cin­co de abril, ou se­ja, o cor­po foi en­con­tra­do três di­as após o fa­le­ci­men­to. A cau­sa da mor­te, uma per­fu­ra­ção de es­pin­gar­da na ca­be­ça, in­di­cou sui­cí­dio. Po­rém, o mo­ti­vo da mor­te sem­pre foi ro­de­a­do por in­cer­te­zas e ain­da ge­ra con­tro­vér­si­as en­tre al­guns fãs.

No­vas evi­dên­ci­as

Em mar­ço de 2014, a po­lí­cia de Se­at­tle en­con­trou no­vas fo­tos do ca­so Kurt Co­bain. Um in­ves­ti­ga­dor de cri­mes an­ti­gos en­con-

trou ro­los de fil­me não re­ve­la­dos da ce­na da mor­te. A por­ta-voz da po­lí­cia, Re­nee Witt, ale­gou que não há pos­si­bi­li­da­de de te­rem no­vas re­vi­ra­vol­tas no ca­so por­que as fo­tos, com uma me­lhor qua­li­da­de, ape­nas apre­sen­tam no­vos ân­gu­los às já re­ve­la­das.

Pro­va­vel­men­te, os in­ves­ti­ga­do­res do ca­so, na épo­ca, não de­ram im­por­tân­cia aos ro­los de fil­me, já que eles ti­nham aces­so às fo­tos ti­ra­das com uma po­la­roid, que re­ve­la a fo­to na ho­ra.

O de­te­ti­ve Mi­ke Ci­esyns­ki acre­di­ta que Kurt foi mes­mo pa­ra a ca­sa com o pro­pó­si­to de co­me­ter sui­cí­dio e que não queria ser en­con­tra­do e sal­vo.

Ou­tros ca­sos na fa­mí­lia

A pri­ma de Kurt, Be­verly, re­ve­lou na épo­ca que hou­ve ou­tros ca­sos de sui­cí­dio com ar­ma na fa­mí­lia, e o can­tor ha­via si­do di­ag­nos­ti­ca­do com dé­fi­cit de aten­ção, hi­pe­ra­ti­vi­da­de e trans­tor­no bi­po­lar. En­tre ou­tros su­pos­tos mo­ti­vos pa­ra o ato es­tão o his­tó­ri­co de dro­gas, de­pres­são clí­ni­ca e ins­ta­bi­li­da­de emo­ci­o­nal.

A no­ta de sui­cí­dio, des­ti­na­da ao ami­go ima­gi­ná­rio de in­fân­cia, Bod­dah, po­de ser in­ter­pre­ta­da tan­to co­mo uma des­pe­di­da do meio mu­si­cal quan­to da vi­da. Ele se mos­tra cul­pa­do por não se sen­tir mais ani­ma­do pa­ra ou­vir e fa­zer mú­si­ca e diz que“é me­lhor quei­mar do que se apa­gar aos pou­cos” em re­fe­rên­cia à mú­si­ca Hey Hey My My ( In­to the Black), de Neil Young.

As­sas­si­na­to

A pri­mei­ra pes­soa a afir­mar, pu­bli­ca­men­te, que Kurt ha­via si­do as­sas­si­na­do foi Ri­chard Lee, em uma sé­rie de pro­gra­mas in­ti­tu­la­da Kurt Co­bain Was Mur­de­red. O jor­na­lis­ta ale­gou dis­cre­pân­ci­as nos re­la­tó­ri­os da po­lí­cia, co­mo um ví­deo, gra­va­do no dia oi­to de abril, de ci­ma de uma ár­vo­re fo­ra da ga­ra­gem, mos­tran­do a au­sên­cia de san­gue.

Ou­tros de­fen­so­res des­sa te­o­ria são os jor­na­lis­tas Ian Hal­pe­rin e Max Wal­la­ce, au­to­res do li­vro Lo­ve and

De­ath: The Mur­der of Kurt Co­bain. O avô de Kurt, Le­land Co­bain, deu um de­poi­men­to pa­ra os jor­na­lis­tas afir­man­do que não acre­di­ta que o ne­to te­nha se sui­ci­da­do e que não tem cer­te­za de qu­em foi o au­tor do cri­me, mas po­de­ria ter si­do Court­ney, por cau­sa do di­vór­cio. En­tre as con­tra­di­ções apon­ta­das por Le­land, des­ta­cam-se os ma­xi­la­res que não se que­bra­ram com o cho­que do dis­pa­ro e a ar­ma, que es­ta­va no pei­to, mas de­ve­ria ter sal­ta­do pa­ra lon­ge.

A te­se de Tom Grant

O de­te­ti­ve con­tra­ta­do por Court­ney não de­sis­tiu do ca­so Kurt Co­bain, mes­mo de­pois

Obri­ga­do do fun­do do meu ar­den­te e nau­se­a­do estô­ma­go por su­as car­tas e pre­o­cu­pa­ção nes­tes úl­ti­mos anos. Eu sou um be­bê er­rá­ti­co e triste! Eu não te­nho mais a pai­xão, e por is­so lem­bre-se, é me­lhor quei­mar de vez do que se apa­gar aos pou­cos. Paz, amor, em­pa­tia.

Kurt Co­bain”

de o cor­po ter si­do en­con­tra­do. Su­as in­ves­ti­ga­ções con­ti­nu­a­ram e, após ter cer­te­za e po­der pro­var sua te­se, pu­bli­cou tu­do no si­te co­bain­ca­se.com. Na épo­ca, al­gu­mas pes­so­as dis­se­ram que Grant e os veí­cu­los que co­bri­ram o ca­so so­fre­ram ame­a­ças e pro­ces­sos, mas ele ne­ga es­sa afir­ma­ção.

Sua te­o­ria tam­bém foi re­gis­tra­da no li­vro The Kurt Co­bain Mur­der In­ves­ti­ga­ti­on, com res­pos­tas pa­ra ques­tões até en­tão inex­pli­cá­veis. Grant po­le­mi­za ao elen­car fa­tos es­tra­nhos re­la­ci­o­na­dos ao ca­so. Por exem­plo, o car­tão de cré­di­to de Kurt Co­bain foi blo­que­a­do por Court­ney en­quan­to ele es­ta­va de­sa­pa­re­ci­do. Se­gun­do o in­ves­ti­ga­dor, se­ria mais fá­cil lo­ca­li­zá-lo se o car­tão es­ti­ves­se fun­ci­o­nan­do, mas mes­mo as­sim fez o que Court­ney lhe pe­diu. An­tes que a mí­dia di­vul­gas­se a mor­te do can­tor, al­guém ten­tou usar seu car­tão por du­as ve­zes, uma de­las pa­ra com­prar flo­res.

De acor­do com o lau­do da pe­rí­cia, ha­via no san­gue de Kurt uma do­se de he­roí­na três ve­zes mai­or que a ne­ces­sá­ria pa­ra ma­tá-lo. Sen­do as­sim, se­ria im­pos­sí­vel ele in­je­tar a dro­ga, ti­rar a se­rin­ga, guar­dar os uten­sí­li­os, des­do­brar a man­ga da ca­mi­sa e pu­xar o ga­ti­lho. As se­rin­gas não apre­sen­ta­vam im­pres­sões di­gi­tais, o que su­ge­re que a dro­ga te­nha si­do usa­da pa­ra in­ca­pa­ci­tar a ví­ti­ma an­tes do ti­ro.

A ar­ma usa­da no cri­me foi com­pra­da por Dy­lan, a pe­di­do de Kurt. O gui­tar­ris­ta não te­ria aten­di­do ao pe­di­do do ami­go se achas­se que ele era sui­ci­da. Além dis­so, o po­si­ci­o­na­men­to da ar­ma e o lo­cal em que a cáp­su­la foi en­con­tra­da su­ge­rem que a ce­na do cri­me foi al­te­ra­da. Grant de­fen­de tam­bém que a es­pin­gar­da es­ta­va car­re­ga­da com três ba­las, o que in­di­ca­ria o uso por pro­te­ção e não pa­ra a fi­na­li­da­de do sui­cí­dio.

En­quan­to tra­ba­lha­va pa­ra Court­ney, Tom Grant fez uma có­pia do bi­lhe­te de sui­cí­dio que, nas úl­ti­mas li­nhas, apre­sen­ta­va uma ca­li­gra­fia di­fe­ren­te. Os pe­ri­tos em ca­li­gra­fia con­sul­ta­dos, po­rém, ale­ga­ram que es­sa amos­tra não foi con­clu­si­va pa­ra a aná­li­se.

Por­tan­to, há a pos­si­bi­li­da­de de es­sa par­te ter si­do acres­cen­ta­da sem o co­nhe­ci­men­to de Kurt.

O de­te­ti­ve en­con­trou vá­ri­as in­co­e­rên­ci­as na pos­tu­ra de Court­ney. Na ten­ta­ti­va de sui­cí­dio de Kurt em Ro­ma, ela cha­mou a am­bu­lân­cia e pas­sou ma­qui­a­gem, nu­ma cla­ra pre­o­cu­pa­ção com a ima­gem. Após o can­tor acor­dar do co­ma, con­tou aos mé­di­cos que não ha­via ten­ta­do se ma­tar e não lem­bra­va do que ti­nha acon­te­ci­do. A per­da de me­mó­ria é nor­mal em ca­sos de con­su­mo de Rohyp­nol. Bas­ta lem­brar que a subs­tân­cia faz par­te da com­po­si­ção do “Boa Noi­te Cin­de­re­la”, que cau­sa am­né­sia. Após uma vi­si­ta à ca­sa de Se­at­tle, Grant en­con­trou um fras­co va­zio de Rohyp­nol com o no­me de Court­ney.

A pró­pria ad­vo­ga­da do ca­sal, Ro­se­mary Car­roll, re­co­nhe­ce a exis­tên­cia de con­tra­di­ções pre­sen­tes em al­guns de­poi­men­tos e tam­bém de do­cu­men­tos que pro­va­ri­am se Kurt ten­tou ou não se ma­tar, que fo­ram qu­ei­ma­dos por Court­ney.

Se­ma­nas após a mor­te do can­tor, Micha­el DeWitt, o ba­bá de Fran­ces, con­fes­sou ter che­ca­do a ca­sa de Se­at­tle a pe­di­do Court­ney ape­nas no dia três de abril. Nos ou­tros di­as, ele dis­se pa­ra a can­to­ra que ha­via che­ca­do, mas não o fez. En­tre os di­as três e oi­to de abril, Kurt po­de ter fi­ca­do nes­sa ca­sa.

Se­gun­do Ro­se­mary Car­roll, Kurt ha­via pe­di­do o di­vór­cio e pre­ten­dia fi­car com a guar­da de Fran­ces. Es­ta­va fa­zen­do tam­bém um no­vo tes­ta­men­to, no qual não in­cluía Court­ney. Se­ma­nas an­tes da mor­te do can­tor, Court­ney pe­diu pa­ra que Ro­se­mary con­tra­tas­se o ad­vo­ga­do de di­vór­cio mais cru­el e efi­ci­en­te que ela pu­des­se en­con­trar.

Tom Grant afir­ma que, mes­mo que al­gu­mas pes­so­as te­nham di­to ver Kurt em um par­que pe­la ma­nhã, pou­cos di­as an­tes de en­con­tra­rem o cor­po, ele já es­ta­ria mor­to na oca­sião. Es­sas tes­te­mu­nhas te­ri­am si­do plan­ta­das na im­pren­sa pa­ra atra­pa­lhar as in­ves­ti­ga­ções.

Ou­tro fa­to cu­ri­o­so é que o mé­di­co le­gis­ta que re­gis­trou a mor­te de Kurt era ami­go do ca­sal, prin­ci­pal­men­te de Court­ney, com qu­em cos­tu­ma­va fre­quen­tar al­gu­mas fes­tas.

O mú­si­co El­don Ho­ke, mais co­nhe­ci­do co­mo “El Du­ce”, re­ve­lou após a mor­te de Kurt que Court­ney ten­tou con­tra­tá-lo por 500 mil dó­la­res pa­ra ma­tá-lo. Uma se­ma­na an­tes da mor­te, a can­to­ra li­gou pa­ra o bar em que “El Du­ce” tra­ba­lha­va, mas ele es­ta­va em tur­nê com a ban­da, o que a dei­xou fu­ri­o­sa. Após pas­sar pe­lo po­lí­gra­fo por du­as ve­zes, foi cons­ta­ta­do que o mú­si­co fa­la­va a ver­da­de. Um mês de­pois da mor­te de Kurt, “El Du­ce” foi en­con­tra­do mor­to, após ser atro­pe­la­do por um trem, em cir­cuns­tân­ci­as que ain­da ho­je ge­ram dú­vi­das e sus­pei­tas.

Tom Grant apon­ta ou­tros mo­ti­vos pa­ra Court­ney ter man­da­do ma­tar Kurt, co­mo o acor­do pré-nup­ci­al que a dei­xa­ria com ape­nas me­ta­de do di­nhei­ro do ma­ri­do em ca­so de di­vór­cio e a pu­bli­ci­da­de que ela ga­nhou após a mor­te de Co­bain. Ou­tro fa­to que ele con­si­de­ra sus­pei­to é que, em en­tre­vis­ta pa­ra a re­vis­ta Rol­ling Sto­ne, Court­ney dei­xou es­ca­par que Kurt ha­via dei­xa­do uma se­gun­da car­ta de sui­cí­dio, mas ela quei­mou, por­que fa­la­va do di­vór­cio.

Po­li­ci­al ana­li­sa a ce­na do suí­ci­dio de Kurt

TEX­TO Ka­ri­na Alon­so/Co­la­bo­ra­do­ra DE­SIGN Mary El­len Ma­cha­do

Fo­tos ti­ra­das pe­la po­lí­cia de Se­at­tle da ca­sa on­de Kurt vi­via e mor­reu

Fo­tos da ar­ma que Kurt usou no sui­cí­dio – elas só fo­ram di­vul­ga­das pe­lo De­par­ta­men­to de Po­lí­cia de Se­at­tle em 2016

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.