VI­DA APÓS A MOR­TE

A in­fluên­cia do Nir­va­na na mú­si­ca e os ru­mos dos in­te­gran­tes de­pois do tér­mi­no da ban­da

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - NIRVANA - EDIÇÃO DE COLECIONADOR - - Índice -

A in­fluên­cia do Nir­va­na no meio mu­si­cal e os ru­mos dos ou­tros in­te­gran­tes da ban­da

Após a trá­gi­ca mor­te de Kurt Co­bain, em abril de 1994, a crí­ti­ca mu­si­cal en­ten­deu que a ge­ra­ção que cul­tu­a­va o grunge iria en­trar em de­clí­nio. To­da a “re­bel­dia” ex­pres­sa­da em riffs de gui­tar­ra e em le­tras que fa­la­vam de amor e ódio aca­ba­ria. Po­rém, o Nir­va­na e o grunge se tor­na­ram len­das, e as can­ções ain­da são mui­to po­pu­la­res en­tre os jo­vens que não ade­ri­ram às ati­tu­des pas­si­vas da so­ci­e­da­de em que vi­vem.

O Nir­va­na re­pre­sen­tou to­dos os jo­vens que es­ta­vam acor­dan­do pa­ra a vi­da adul­ta e en­ca­ran­do uma re­a­li­da­de não es­pe­ra­da. Is­so era vis­to nas ati­tu­des e no mo­do de se ves­tir: os je­ans ras­ga­dos, o tê­nis sur­ra­do e a ca­mi­sa xa­drez, um es­ti­lo ur­ba­no que con­tra­ri­a­va o exa­ge­ro da cor e do bre­ga dos anos 80.

Ne­ver­mind im­pul­si­o­nou o grunge e ser­viu co­mo for­ma de con­so­li­da­ção do rock al­ter­na­ti­vo. Gra­ças ao su­ces­so das ban­das de Se­at­tle, a ge­ra­ção dos anos 90 pô­de co­nhe­cer gru­pos co­mo Mudho­ney, Scre­a­ming Tre­es, L7, Tad, The Mel­vins, Fla­ming Lips, Ur­ge Over­kill, Soul Asy­lum, The Bre­e­ders e mui­tos ou­tros.

Mui­tas ban­das co­mo Sil­ver­chair (no seu pri­mei­ro ál­bum Frogs­tomp), Korn e The Whi­te Stri­pes sur­gi­ri­am, anos de­pois, por con­ta do su­ces­so do Nir­va­na e de ou­tras ban­das co­mo Pe­arl Jam, Ali­ce In Chains e Sound­gar­den. A ban­da aus­tra­li­a­na The Vi­nes tam­bém foi con­si­de­ra­da uma das “cri­as” dos gru­pos por pos­suir um es­ti­lo de rock de ga­ra­gem, ori­gi­ná­rio do seu co­me­ço de car­rei­ra co­mo uma ban­da co­ver de Nir­va­na.

Não tão in­fe­li­zes co­mo um gru­po de blu­es, não tão cho­ro­sos co­mo uma ban­da emo ou re­vol­ta­dos co­mo uma ban­da de heavy me­tal, o Nir­va­na mos­tra­va in­sa­tis­fa­ção na me­di­da cer­ta e era is­so que le­va­va os jo­vens a es­cu­ta­rem su­as can­ções. Eé o que até ho­je faz com que mui­tos ado­les­cen­tes se in­te­res­sem pe­la ban­da.

O fa­to é que o su­ces­so do Nir­va­na ser­viu pa­ra mos­trar o que acon­te­cia lon­ge da ce­na mu­si­cal vis­ta na MTV e na gran­de mí- dia. O le­ga­do mais im­por­tan­te dei­xa­do pe­la ban­da tal­vez se­ja a que­bra da bar­rei­ra que se­pa­ra­va o que era acla­ma­do co­mo mains­tre­am do que era con­si­de­ra­do al­ter­na­ti­vo. Kurt e seus ami­gos le­va­ram o un­der­ground a um ní­vel aci­ma.

Krist No­vo­se­lic: mú­si­ca e po­lí­ti­ca

Com o fim da ban­da, Krist No­vo­se­lic pas­sou a se en­vol­ver com a po­lí­ti­ca nor­te-ame­ri­ca­na. Em 1995, o ex-bai­xis­ta do Nir­va­na propôs a cri­a­ção de um co­mi­tê po­lí­ti­co cha­ma­do JAMPAC ( the Joint Ar­tists and Mu­sic Pro­mo­ti­ons Po­li­ti­cal Ac­ti­on Com­mit­tee), pa­ra lu­tar con­tra leis im­pos­tas por Washing­ton, co­mo im­pe­dir que me­no­res de ida­de fre­quen­tas­sem cer­tos shows. Por con­ta des­se en­vol­vi­men­to, ele se jun­tou ao Par­ti­do De­mo­cra­ta.

Ape­sar da re­la­ção com a po­lí­ti­ca, em 1997, No­vo­se­lic lan­çou o ál­bum Swe­et 75. A ban­da que ha­via for­ma­do com a can­to­ra Yva Las Ve­gas com­pu­nha can­ções bem di­fe­ren­tes do Nir­va­na e, em 2000, che­gou ao fim por con­ta das di­fe­ren­ças cri­a­ti­vas que exis­ti­am en­tre os com­po­si­to­res.

Já em 2002, o mú­si­co en­trou pa­ra a ban­da Eyes Adrift, a qual lan­çou um úni­co dis­co e lo­go se des­fez. Po­rém, qua­tro anos de­pois, Krist se tor­nou o bai­xis­ta da ban­da Flip­per. Ele re­a­li­zou tur­nês com o gru­po, mas, em no­vem­bro de 2008, a ban­da anun­ci­ou uma pau­sa na car­rei­ra, ale­gan­do que os mem­bros pre­ci­sa­vam re­sol­ver al­guns pro­ble­mas an­tes de en­tra­rem em tur­nê no­va­men­te. Po­rém, an­tes de vol­ta­rem, uma par­ce­ria en­tre ex-mem­bros do Nir­va­na acon­te­ceu. Em 2011, Krist con­tri­buiu to­can­do bai­xo na can­ção I Should Ha­ve Known do no­vo gru­po do ex-ba­te­ris­ta Da­ve Grohl, o Foo Figh­ters.

Atu­al­men­te, No­vo­se­lic se de­di­ca a Fair Vo­te, uma or­ga­ni­za­ção não-go­ver­na­men­tal que lu­ta pa­ra que a es­co­lha do pre­si­den­te nos Es­ta­dos Uni­dos se­ja na­ci­o­nal e não por es­ta­dos, co­mo acon­te­ce atu­al­men­te.

Em­bo­ra te­nha fi­ca­do fa­mo­so por ser o bai­xis­ta do Nir­va­na, Krist tam­bém to­ca

acor­deão. Em mar­ço des­se ano, ele to­cou o ins­tru­men­to em um even­to da Fair Vo­te, em Mary­land (EUA), on­de in­ter­pre­tou Royals, da jo­vem ar­tis­ta Lor­de.

Da­ve Grohl

Após a mor­te de Kurt Co­bain, Da­ve Grohl pen­sou em se jun­tar ao gru­po Tom Petty & the He­art­bra­kers, on­de as­su­mi­ria a ba­te­ria da ban­da. A prin­cí­pio, Da­ve acei­tou o con­vi­te, mas ao fa­lar so­bre as su­as com­po­si­ções dos tem­pos do Nir­va­na, Tom Petty acon­se­lhou o bai­xis­ta a ser lí­der da sua pró­pria ban­da, pois per­de­ria seu tem­po ao to­car com o gru­po de Petty.

As­sim, Da­ve, jun­to com seu ami­go Bar­ret Jo­nes, gra­vou al­gu­mas de su­as can­ções que de­ram ori­gem ao pri­mei­ro dis­co do Foo Figh­ters em 1994. Ele en­vi­ou as fi­tas gra­va­das em estúdio pa­ra di­ver­sas gra­va­do­ras, que se in­te­res­sa­ram pe­la no­va ban­da. Jun­to com Na­te Men­del (bai­xo), Wil­li­am Golds­mith (ba­te­ria) e Pat Sme­ar (gui­tar­ra), Da­ve (des­sa vez, nos vo­cais) for­ma­va ofi­ci­al­men­te o Foo Figh­ters.

Quan­do Pat dei­xou o gru­po em 1997, Ch­ris Shi­flett as­su­miu sua po­si­ção. Ain­da no mes­mo ano, Golds­mith dei­xou a fun­ção de ba­te­ris­ta e Tay­lor Haw­kins a as­su­miu. Mas em 2006, Pat vol­tou à ban­da e ho­je, o Foo Figh­ters é re­co­nhe­ci­do por can­ções co­mo Ever­long, Le­arn to Fly, Best of You e mui­tas ou­tras.

Co­mo ar­tis­ta so­lo, em 2002, Da­ve Grohl fez uma par­ti­ci­pa­ção no dis­co Songs For The De­af do Qu­e­ens of the Sto­ne Age, to­can­do ba­te­ria e se apre­sen­tan­do em al­guns shows. O ex-ba­te­ris­ta do Nir­va­na tam­bém par­ti­ci­pou do fil­me Te­na­ci­ous D, a pa­lhe­ta do des­ti­no. Ele ain­da to­cou ba­te­ria nos ál­buns The Pick of Des­tiny (do gru­po Te­na­ci­ous D) e With Te­eth (do Nin­ce In­ch Nails).

Em 2009, jun­to com o bai­xis­ta John Paul Jo­nes (ex-Led Zep­pe­lin) e o vo­ca­lis­ta e gui­tar­ris­ta Josh Hom­me (do Qu­e­ens of the Sto­ne Age), Da­ve for­mou a ban­da Them Cro­o­ked Vul­tu­res, em que tam­bém quis as­su­mir o pos­to de ba­te­ris­ta.

Ape­sar dis­so, a mú­si­ca não foi o úni­co cam­po de tra­ba­lho de Grohl. Em 2013, ele lan­çou seu pri­mei­ro do­cu­men­tá­rio, Sound City. A tri­lha so­no­ra do fil­me con­ta com a par­ti­ci­pa­ção do ex-be­a­tle, Paul MCCART­NEY, e Krist No­vo­se­lic na can­ção Cut Me So­me Slack. Mas as par­ce­ri­as fa­mo­sas do mú­si­co não pa­ram por aí. Ele tam­bém to­cou com ar­tis­tas co­mo Bru­ce Springs­te­en, Da­vid Bowie, Ed­die Ved­der, Jack Whi­te e Jimmy Pa­ge.

TEX­TO Éri­ca Agui­ar DE­SIGN Ana Pau­la Mal­do­na­do/Co­la­bo­ra­do­ra

Em 2005, o Co­mi­tê Me­mo­ri­al Kurt Co­bain co­lo­cou uma pla­ca, na ci­da­de de Aber­de­en, co­mo uma for­ma de tri­bu­to ao ar­tis­ta. Na pla­ca, lê-se “Wel­co­me to Aber­de­en – Co­me As You Are”, uma re­fe­rên­cia a uma das can­ções mais co­nhe­ci­das da ban­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.