HIS­TÓ­RI­AS DE FÃS

Não im­por­ta há quan­to tem­po o Nir­va­na se des­pe­diu das pa­ra­das mu­si­cais – tem mui­ta gen­te que até ho­je re­ve­ren­cia o fenô­me­no do grunge. Co­nhe­ça al­gu­mas his­tó­ri­as de fãs ex­tre­ma­men­te fiéis que com­pro­vam a atem­po­ra­li­da­de do som

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - NIRVANA - EDIÇÃO DE COLECIONADOR - - Índice - Mary El­len Ma­cha­do

Pes­so­as fas­ci­na­das que fa­zem o Nir­va­na se­guir mais vi­vo do que nun­ca

São mais de 27 mi­lhões de cur­ti­das na pá­gi­na ofi­ci­al do Fa­ce­bo­ok. O nú­me­ro de se­gui­do­res na con­ta ofi­ci­al do Twit­ter su­pe­ra a ca­sa dos 800 mil. Um ca­nal no YOU­TU­BE com mais de dois mi­lhões de ins­cri­tos. Além de nú­me­ros de res­pei­to pa­ra uma ban­da que en­cer­rou as ati­vi­da­des há mais de 20 anos, es­ses ín­di­ces com­pro­vam que o Nir­va­na ain­da mo­ve mul­ti­dões. E, se o grunge de fa­to se­gue vi­vo, de­ve mui­to dis­so a uma ga­le­ra que con­ti­nua fas­ci­na­da pe­lo som e pe­lo uni­ver­so re­la­ci­o­na­do ao trio de Se­at­tle.

Iden­ti­fi­ca­ção com­ple­ta

Per­gun­tar pa­ra um fã quan­do ele co­me­çou a ou­vir uma ban­da é abrir uma ver­da­dei­ra cai­xa de re­cor­da­ções e bons mo­men­tos. Quan­do Ri­chard Car­va­lho, de 25 anos, nas­ceu, Ne­ver­mind já ha­via si­do lan­ça­do há seis me­ses. En­tão de on­de te­ria vin­do es­se fas­cí­nio to­do pe­lo som? “Eu es­ta­va com de­pres­são e a mú­si­ca ex­pres­sa­va tu­do aqui­lo que eu não con­se­guia co­lo­car pa­ra fo­ra, to­da aque­la rai­va que eu ti­nha, sa­be?”, co­men­ta.

E se a iden­ti­fi­ca­ção com as le­tras já ha­via si­do for­te, quan­do pes­qui­sou mais so­bre a vi­da do ído­lo Kurt Co­bain, Ri­chard te­ve uma gran­de sur­pre­sa. “Eu vi que te­mos mui­tas coi­sas em co­mum. Nas­ce­mos no mes­mo dia, sen­do os dois do signo de Pei­xes. Além dis­so, as­sim co­mo ele, te­nho mui­tas do­res de estô­ma­go e ti­ve for­tes ata­ques de­pres­si­vos”, enu­me­ra.

Pa­ra con­fir­mar de vez to­da es­sa ad­mi­ra­ção, du­as das dez ta­tu­a­gens de Ri­chard fa­zem re­fe­rên­cia ao Nir­va­na. No pei­to, ta­tu­ou sua fra­se fa­vo­ri­ta de Kurt: “as coi­sas têm um bri­lho que com o tem­po se vão”. Já no bra­ço di­rei­to dei­xou re­gis­tra­da Co­me as You Are, sua mú­si­ca pre­fe­ri­da. Ri­chard tam­bém cur­te as fai­xas Smells Like Te­en Spi­rit e Floyd the Bar­ber, e co­le­ci­o­na li­vros e ca­mi­se­tas da ban­da.

Ar­re­ba­ta­dor

Aos 25 anos, Na­ta­lia Ch­varts tam­bém é ou­tra que nas­ceu no au­ge da ex­plo­são do Nir­va­na – ape­nas al­guns di­as an­tes do lan­ça­men­to de Ne­ver­mind. Seu con­ta­to ini­ci­al com a ban­da foi por meio de um veí­cu­lo im­pres­so. “Quan­do He­a­vi­er than He­a­ven – Mais Pe­sa­do que o Céu (a mais com­ple­ta bi­o­gra­fia so­bre Kurt) saiu em 2001, a re­vis­ta da MTV fez uma ma­té­ria enor­me so­bre o Kurt Co­bain. Eu até já ha­via vis­to al­guns cli­pes do Nir­va­na, mas foi de­pois de ler es­sa ma­té­ria que eu fi­quei fas­ci­na­da e de­ci­di cor­rer atrás de mais in­for­ma­ções so­bre a ban­da”, re­la­ta.

Eu es­ta­va com de­pres­são e a mú­si­ca ex­pres­sa­va tu­do aqui­lo que eu não con­se­guia co­lo­car pa­ra fo­ra, to­da aque­la rai­va que eu ti­nha, sa­be?” Ri­chard Car­va­lho

Mas Na­ta­lia to­ca num pon­to im­por­tan­te: era um ou­tro mo­men­to e, por mais que se­ja di­fí­cil pa­ra nós ima­gi­nar­mos ho­je, não exis­tia es­sa fa­ci­li­da­de de aces­so a con­teú­dos por meio da in­ter­net. “Eu ti­nha só 10 anos de ida­de e fui dan­do um jei­to”, co­men­ta, “es­pe­ci­al­men­te com aju­da das re­vis­tas e da te­le­vi­são. Hou­ve ve­zes em que eu sou­be le­tras de mú­si­cas que eu se­quer ha­via es­cu­ta­do, por­que a letra es­ta­va ali nas re­vis­tas, mas a mú­si­ca não to­ca­va nem no rá­dio e nem na MTV”.

De­pois de um tem­po, a jo­vem con­se­guiu jun­tar uma gra­na e re­a­li­zar seu so­nho: com­prar o Ne­ver­mind – cu­ja oi­ta­va fai­xa, Drain You, é a sua fa­vo­ri­ta, ain­da que seu ál­bum do co­ra­ção se­ja In Ute­ro.

O mais le­gal é que Na­ta­lia não pa­rou por aí – pe­lo con­trá­rio, a aqui­si­ção do ál­bum clás­si­co de 1991 foi ape­nas o pon­to de par­ti­da pa­ra uma vas­ta co­le­ção. “Es­tou sem­pre len­do e de­vo­ran­do to­dos os li­vros que são lan­ça­dos so­bre a ban­da e so­bre Kurt Co­bain, e te­nho qua­se to­dos os lançamentos ofi­ci­ais em vi­nil (e em CD), além dos DVDs e box sets”, diz.

Além dis­so, Na­ta­lia tem uma ga­ve­ta to­tal­men­te de­di­ca­da às ca­mi­se­tas da ban­da e de Kurt –e a rou­pa nú­me­ro um da co­le­ção foi ad­qui­ri­da em uma oca­sião mui­to es­pe­ci­al: uma vi­a­gem que fez a Se­at­tle em 2012, em que te­ve a opor­tu­ni­da­de de co­nhe­cer to­dos os lo­cais mar­can­tes re­la­ci­o­na­dos ao íco­ne do grunge.

“Eu vi­si­tei a ex­po­si­ção so­bre Nir­va­na no EMP Mu­seum, e tam­bém es­ti­ve em fren­te à úl­ti­ma ca­sa em que Kurt vi­veu, no ban­co que di­zem que o pró­prio gos­ta­va de sen­tar e con­tem­plar a pai­sa­gem… Fo­ram al­guns dos mo­men­tos mais emo­ci­o­nan­tes da mi­nha vi­da, e ve­nho às lá­gri­mas quan­do lem­bro de tu­do em que pen­sei quan­do es­ta­va ali: aque­le lu­gar tem uma ener­gia es­tra­nha e inex­pli­cá­vel”, con­ta, “e além de ser a re­a­li­za­ção de um so­nho da ado­les­cên­cia, sen­ti que foi o mais per­to que pu­de es­tar do meu ído­lo, da voz de to­da uma ge­ra­ção”.

Pa­ra co­ro­ar ta­ma­nha ad­mi­ra­ção, Na­ta­lia de­ci­diu fa­zer uma ta­tu­a­gem com o ros­to do seu ído- lo no bra­ço. “Que­ro olhar pa­ra es­sa ta­tu­a­gem e lem­brar to­dos os di­as do tan­to que sou gra­ta por es­sa ban­da ter exis­ti­do. Do tan­to que me aju­dou na tran­si­ção da in­fân­cia pa­ra a ado­les­cên­cia, e da ado­les­cên­cia pa­ra a vi­da adul­ta. O Nir­va­na é uma cha­ma de ‘es­pí­ri­to ado­les­cen­te’ que vai sem­pre es­tar ace­sa den­tro de mim”, fi­na­li­za.

Fa­zen­do con­ta­tos

A his­tó­ria de amor de Ga­bri­el Pu­gli­a­ni, de 29 anos, com o Nir­va­na co­me­ça bem pa­re­ci­da com a de Na­ta­lia. “Co­me­cei a ou­vir Nir­va­na aos 11 anos e nun­ca mais pa­rei. Mo­ra­va em Itu­ve­ra­va, no in­te­ri­or de São Pau­lo, e na épo­ca não

ti­nha aces­so à in­ter­net – e con­se­quen­te­men­te não co­nhe­cia mui­tas ban­das. Um pri­mo meu, mais no­vo e mais ‘in­for­ma­do’, pois mo­ra­va em uma ci­da­de mai­or, me trou­xe al­guns CDs de di­ver­sas ban­das co­mo Guns N´ Ro­ses, Red Hot Chil­li Pep­pers e Nir­va­na, e a úl­ti­ma foi amor à pri­mei­ra vis­ta”, re­lem­bra.

A par­tir daí, Ga­bri­el mer­gu­lhou de ca­be­ça nes­se uni­ver­so. E o fa­to de ser jor­na­lis­ta só fez com que se de­bru­ças­se ca­da vez so­bre as in­for­ma­ções do trio. “Eu gos­to de ‘es­tu­dar’ so­bre a ban­da, en­tão pre­ser­vo dez li­vros so­bre eles em meu ar­má­rio, e te­nho um quar­to com a pa­re­de tam­pa­da com pôs­te­res que an­tes eram re­vis­tas”, co­men­ta, “além dis­so, te­nho to­dos os ál­buns da dis­co­gra­fia, al­guns bo­o­tlegs, lançamentos in­ter­na­ci­o­nais e vi­nis. Ao to­do, são 24 CDs, oi­to do­cu­men­tá­ri­os, 11 shows em DVD, cin­co box sets, um VHS (com o úl­ti­mo show do Nir­va­na) e mui­tos gi­gas de ar­qui­vos no com­pu­ta­dor”.

Na­que­la di­fí­cil per­gun­ta de apon­tar qual é mú­si­ca fa­vo­ri­ta, Ga­bri­el se di­vi­de: ele lista You Know You’re Right, Old Age e o co­ver They Hung Him On A Cross, do mú­si­co Le­ad­belly, en­quan­to seu ál­bum pre­fe­ri­do é In Ute­ro.

Por fim, o jor­na­lis­ta não quis fi­car só no seu uni­ver­so par­ti­cu­lar de ado­ra­ção ao Nir­va­na: a von­ta­de era con­ver­sar com ou­tros fãs, e apro­vei­tou as fer­ra­men­tas da in­ter­net pa­ra is­so.“Em 2007, cri­ei no YOU­TU­BE o Ca­nal NB (Nir­va­na Brasil). Não pos­ta­va com tan­ta frequên­cia e com­pro­mis­so, era co­mo se fos­se um ti­po de te­ra­pia. Em 2013, co­me­cei a pos­tar com mais re­gu­la­ri­da­de e se­ri­e­da­de, des­de en­tão­pu­bli­quei aná­li­ses, his­tó­ri­as e curiosidades so­bre a ban­da”, ex­pli­ca.

Atu­al­men­te, o nú­me­ro de ins­cri­tos su­pe­ra o de 23 mil, com mais de dois mi­lhões de vi­su­a­li­za­ções de con­teú­do – que ho­je in­clui ain­da ou­tras ban­das do ce­ná­rio do rock. “Uma das coi­sas mais le­gais que o ca­nal me pro­por­ci­o­nou foi es­se con­ta­to com ou­tras pes­so­as. Ou­vir his­tó­ri­as de amor com­par­ti­lha­do, con­ver­sar com co­le­ci­o­na­do­res, pes­so­as que es­ti­ve­ram em al­gum show do Nir­va­na, ban­das que de­mons­tram seu amor fa­zen­do be­lís­si­mos co­vers, en­fim. Ho­je te­nho ami­gos em to­das as re­giões do Brasil e até fo­ra do país que com­par­ti­lham do mes­mo ca­ri­nho pe­lo Nir­va­na”, des­ta­ca Ga­bri­el.

In­cor­po­ran­do o ído­lo

O mú­si­co Antô­nio Car­los da Sil­va Jú­ni­or, de 32 anos, pe­gou gos­to de ver­da­de pe­lo Nir­va­na ao as­sis­tir um show pe­la te­vê em 1993.“Foi quan­do eles se apre­sen­ta­ram no Rio de Ja­nei­ro, e lem­bro que o show foi mui­to di­fe­ren­te do que eu es­cu­ta­va na rá­dio – per­ce­bi a di­fe­ren­ça en­tre o gra­va­do em estúdio e o ao vi­vo –e a par­tir des­se mo­men­to mi­nha vi­da mu­dou”, re­cor­da.

Se­guiu-se a is­so o iní­cio de uma pesquisa in­ten­sa so­bre a ban­da:

re­cor­tes de jor­nais e re­vis­tas, fi­tas k7 gra­va­das – Antô­nio rou­ba­va as de mú­si­ca ser­ta­ne­ja da avó, co­la­va um du­rex e gra­va­va Nir­va­na por ci­ma –, cli­pes, en­tre­vis­tas e do­cu­men­tá­ri­os na MTV (de­vi­da­men­te gra­va­dos em VHS), e o fã ain­da co­me­çou a es­tu­dar in­glês e a to­car vi­o­lão e gui­tar­ra.

“Além de CDs, fi­tas, VHS e DVDs, te­nho qua­dros, ban­dei­ra, re­vis­tas, li­vros e de­ze­nas de ca­mi­se­tas do Nir­va­na, e fiz al­gu­mas ré­pli­cas das gui­tar­ras que Kurt usava com a aju­da da mi­nha es­po­sa Ca­mi­la: fui atrás de to­das as dis­tor­ções, efei­tos e su­as con­fi­gu­ra­ções – as mes­mas em que o Kurt usava nos shows”, re­la­ta. “E, em re­la­ção a es­co­lher en­tre os ál­buns e mú­si­cas pre­fe­ri­dos, é di­fí­cil. Gos­to de ou­vir to­das as ver­sões de to­das as mú­si­cas, ca­da uma com sua pe­cu­li­a­ri­da­de, des­de ver­sões ‘de­mo’ voz e vi­o­lão, té aque­las ao vi­vo, de­pen­de mui­to de co­mo es­tá o dia pa­ra mim”.

Po­rém, a ho­me­na­gem má­xi­ma aos seus ído­los ain­da es­ta­va por vir. “Em 1999, to­quei Nir­va­na pe­la pri­mei­ra vez pa­ra uns ami­gos no vi­o­lão e is­so me des­per­tou a von­ta­de de ser mú­si­co. Al­guns anos de­pois, to­quei pe­la pri­mei­ra vez em uma ca­sa de shows, com a ban­da Blew. O chão ba­lan­ça­va a ca­sa in­tei­ra, to­mei ba­nho de cer­ve­ja, foi mui­to lou­co”, re­lem­bra. No ano 2000, a ban­da mu­dou de no­me pa­ra Ble­a­ch Nir­va­na Co­ver – Antô­nio in­cor­po­rou seu ape­li­do Kurt e se­gue, na gui­tar­ra e nos vo­cais, em tur­nê por vá­ri­as ci­da­des do sul do Brasil, ao la­do do ba­te­ris­ta e bac­king vo­cal Ch­rist Oli­vei­ra e do bai­xis­ta Pau­lo Guimarães.

“Fa­zer o co­ver, além de ser pra­ze­ro­so, é mui­to de­sa­fi­a­dor pa­ra atin­gir os tim­bres e dei­xar a ‘vi­be’ do pal­co – aque­la mes­ma vis­ta por mui­tas ve­zes nos shows do pró­prio Nir­va­na.

O re­per­tó­rio é com­pos­to por um set list di­ver­si­fi­ca­do, com hits e ‘la­dos B’, e, além de fi­el à so­no­ri­da­de, é tam­bém fi­el aos fi­gu­ri­nos. E o mais le­gal é que a ga­le­ra vem até mim de­pois e fa­la que os fi­ze­mos vol­tar aos anos 90, e con­tam his­tó­ri­as de co­mo co­nhe­ce­ram o Nir­va­na”, co­me­mo­ra o mú­si­co.

Ho­je, além de re­se­nhas do Nir­va­na, o ca­nal de Ga­bri­el tam­bém de­ba­te ou­tros as­sun­tos do uni­ver­so do rock; abai­xo, a vas­ta co­le­ção do jor­na­lis­ta.

Na­ta­lia na ex­po­si­ção do Nir­va­na no EMP Mu­seum, em Se­at­tle; abai­xo, no por­tão da ca­sa on­de Kurt vi­veu.

Du­as das dez ta­tu­a­gens de Ri­chard fa­zem re­fe­rên­cia ao Nir­va­na; abai­xo, as ca­mi­se­tas e li­vros da ban­da.

TEX­TO Vic­tor Santos DE­SIGN

Além de inú­me­ros itens do Nir­va­na, Antô­nio “Kurt” ho­me­na­geia seu ído­lo por meio da ban­da Ble­a­ch Nir­va­na Co­ver

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.