CONSPIRAÇÕES

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - NIRVANA - EDIÇÃO DE COLECIONADOR - - Índice -

As mais lou­cas te­o­ri­as en­vol­ven­do a mor­te de Kurt e ou­tros acon­te­ci­men­tos

A ver­são ofi­ci­al declara que foi sui­cí­dio. Mui­tos, po­rém, ain­da acre­di­tam que Kurt Co­bain foi as­sas­si­na­do e con­ti­nu­am a re­vi­rar o ca­so em bus­ca de pro­vas

2017 é o ano em que se com­ple­tam 23 anos da mor­te de Kurt Co­bain. Ape­sar de já ter se pas­sa­do tan­to tem­po, sua mor­te nun­ca foi es­que­ci­da. Ain­da ho­je, a fi­gu­ra do vo­ca­lis­ta do Nir­va­na ha­bi­ta o ima­gi­ná­rio dos fãs, co­mo sím­bo­lo de uma épo­ca – e de uma ban­da – que re­pre­sen­tou mui­tas mu­dan­ças so­ci­ais, po­lí­ti­cas e mu­si­cais. E, ao mes­mo tem­po, mo­ve cu­ri­o­sos e teó­ri­cos da cons­pi­ra­ção a pro­cu­ra­rem a re­al cau­sa de sua mor­te.

Sim, a ver­são ofi­ci­al já es­tá mais do que con­ta­da. É de co­nhe­ci­men­to ge­ral que o mú­si­co co­me­teu sui­cí­dio, den­tro de sua man­são em Se­at­tle, com um ti­ro de es­pin­gar­da ca­li­bre 20 na pró­pria ca­be­ça. Seu cor­po foi en­con­tra­do por um ele­tri­cis­ta que ti­nha ido até a re­si­dên­cia pa­ra con­ser­tar o sis­te­ma de alarme. De acor­do com o lau­do da pe­rí­cia, o ca­dá­ver foi des­co­ber­to mais de 48 ho­ras após o fa­le­ci­men­to.

Con­tu­do, não são to­dos que acre­di­tam nis­so. A mor­te de Kurt Co­bain ain­da é um mis­té­rio, e al­guns fa­tos que per­mei­am o ocor­ri­do dei­xam dú­vi­das so­bre a ve­ra­ci­da­de da ver­são ofi­ci­al, que afir­ma que o mú­si­co co­me­teu sui­cí­dio. Pa­ra al­guns, foi ape­nas fa­na­tis­mo e a não acei­ta­ção da fra­gi­li­da­de emo­ci­o­nal que le­va­ram o can­tor a co­me­ter tal ato. Pa­ra ou­tros, uma his­tó­ria mal con­ta­da que ain­da de­ve ser es­cla­re­ci­da.

No do­cu­men­tá­rio So­a­ked in Ble­a­ch, lan­ça­do em 2015, o es­pe­ci­a­lis­ta fo­ren­se em do­cu­men­tos Hei­di Har­ral­son afir­ma ter en­con­tra­do na ma­la de Court­ney uma folha com um ‘trei­no de ca­li­gra­fia’. O mais bi­zar­ro é que, com­pa­ran­do-a com a men­sa­gem da car­ta, Har­ral­son diz ter en­con­tra­do se­me­lhan­ças en­tre os ca­rac­te­res dos dois tex­tos

A car­ta

O item mais im­por­tan­te pre­sen­te no lo­cal on­de o cor­po foi en­con­tra­do – já que com­pro­va a te­se de que Kurt se sui­ci­dou – é tam­bém o mais po­lê­mi­co.

Jun­to ao ca­dá­ver do mú­si­co, ha­via uma car­ta de des­pe­di­da pa­ra Court­ney Lo­ve, sua es­po­sa na épo­ca.

No do­cu­men­to, Co­bain ex­pli­ca os mo­ti­vos que o le­va­ram a con­cluir que a me­lhor saí­da pa­ra aque­le da­do mo­men­to de sua vi­da era a mor­te, ex­pon­do su­as an­gús­ti­as e fal­ta de âni­mo pa­ra dar con­ti­nui­da­de à car­rei­ra e à pró­pria vi­da. En­tre­tan­to, acre­di­ta-se que par­te da car­ta não foi re­al­men­te es­cri­ta por Kurt.

Mui­tos de­fen­dem que a ca­li­gra­fia uti­li­za­da no fi­nal do tex­to não é a mes­ma que apa­re­ce no res­to do cor­po da car­ta. O ar­gu­men­to pa­ra tal fa­to é o de que se­ria re­al­men­te di­re­ci­o­na­da a Court­ney Lo­ve, mas di­zia res­pei­to ao di­vór­cio, al­go que já era ba­si­ca­men­te cer­to, pois a re­la­ção do ca­sal de­mons­tra­va sinais de des­gas­te há mui­to tem­po.

En­tre­tan­to, a car­ta te­ria si­do adul­te­ra­da, com tre­chos acres­cen­ta­dos pa­ra que o tex­to ga­nhas­se um tom de des­pe­di­da e re­me­tes­se ao sui­cí­dio. No do­cu­men­tá­rio So­a­ked in Ble­a­ch, lan­ça­do em 2015, o es­pe­ci­a­lis­ta fo­ren­se em do­cu­men­tos Hei­di Har­ral­son afir­ma ter en­con­tra­do na ma­la de Court­ney uma folha com um “trei­no de ca­li­gra­fia”. O mais bi­zar­ro é que, com­pa­ran­do-a com a men­sa­gem da car­ta, Har­ral­son diz ter en­con­tra­do se­me­lhan­ças en­tre os ca­rac­te­res dos dois tex­tos.

No mes­mo do­cu­men­tá­rio, Ca­ro­le Chas­ki, es­pe­ci­a­lis­ta fo­ren­se em lin­guís­ti­ca, ga­ran­te que, além de apre­sen­tar ma­nei­ras di­fe­ren­tes de es­cri­ta, o con­teú­do da car­ta pos­sui dois es­ti­los lin­guís­ti­cos di­fe­ren­tes, um ao lon­go do do­cu­men­to e ou­tro dis­tin­to nos tre­chos fi­nais.

Sem di­gi­tais

En­quan­to a car­ta pa­re­ce ter pas­sa­do por mui­tas mãos, a ar­ma não dei­xa pis­tas de qu­em pos­sa ter puxado o ga­ti­lho. Is­so por­que não fo­ram en­con­tra­das di­gi­tais na es­pin­gar­da que Co­bain usou pa­ra se ma­tar – ou que uti­li­za­ram pa­ra ma­tá-lo. O ob­je­to de­mo­rou qua­se um mês pa­ra ser le­va­do à aná­li­se la­bo­ra­to­ri­al pa­ra iden­ti­fi­ca­ção de im­pres­sões di­gi­tais e, de­pois de re­a­li­za­da a pe­rí­cia, na­da foi en­con­tra­do.

Ou­tros de­ta­lhes da ce­na, co­mo o fa­to de a por­ta de eje­ção si­tu­ar-se no la­do di­rei­to da ar­ma e o car­tu­cho da ba­la ter si­do en­con­tra­do à es­quer­da do cor­po, ali­men­tam a te­se de que Kurt, na ver­da­de, foi as­sas­si­na­do. Ou­tra evi­dên­cia im­por­tan­te en­con­tra­va-se no pró­prio cor­po do can­tor. Se­gun­do dados re­ve­la­dos na épo­ca, a quan­ti­da­de de he­roí­na pre­sen­te em seu san­gue era tan­ta que ele não se­ria ca­paz de pu­xar o ga­ti­lho so­zi­nho.

Di­nhei­ro e pro­ble­mas fa­mi­li­a­res

Mas o que te­ria le­va­do al­guém a as­sas­si­nar Kurt Co­bain? Ape­sar de ser ta­xa­do co­mo uma pes­soa de­se­qui­li­bra­da e re­cla­mo­na, o mú­si­co apa­ren­te­men­te não pos­suía mui­tos ini­mi­gos. A prin­ci­pal sus­pei­ta en­con­tra­va-se den­tro de sua pró­pria ca­sa. Court­ney Lo­ve é apon­ta­da por al­guns cons­pi­ra­do­res co­mo res­pon­sá­vel pe­la mor­te do pró­prio ma­ri­do. O mo­ti­vo? Pro­ble­mas com o ca­sa­men­to e di­nhei­ro.

De­vi­do às fre­quen­tes bri­gas e até uma intervenção po­li­ci­al na re­si­dên­cia do ca­sal – aci­o­na­da pe­la pró­pria Court­ney, que ale­gou ter si­do agre­di­da por Kurt –, o re­la­ci­o­na­men­to dos dois mú­si­cos não ia na­da bem, e o di­vór­cio era pra­ti­ca­men­te cer­to. Sa­ben­do dis­so, Lo­ve te­ria ar­ma­do um pla­no pa­ra as-

sas­si­nar o ma­ri­do en­quan­to ain­da es­ta­vam jun­tos, pa­ra que pu­des­se her­dar os bens do par­cei­ro.

O bo­a­to en­con­trou fun­da­men­to na sus­pei­ta de que ele não a in­clui­ria no tes­ta­men­to, que ain­da não es­ta­va pronto quan­do o can­tor se sui­ci­dou. Após a mor­te de Kurt, a vo­ca­lis­ta da ban­da Ho­le e mãe de Fran­ces Bean – úni­ca fi­lha de Co­bain – her­dou a mai­or par­te das pos­ses do ma­ri­do e tam­bém os di­rei­tos so­bre qua­se to­do o ma­te­ri­al do Nir­va­na.

E se não pas­sar de te­o­ri­as?

Court­ney Lo­ve foi mui­to per­se­gui­da, e até ho­je con­ti­nua sen­do a prin­ci­pal sus­pei­ta sem­pre que a te­o­ria so­bre a pos­si­bi­li­da­de de Kurt Co­bain ter si­do as­sas­si­na­do é le­van­ta­da no­va­men­te. Mas ape­sar de al­guns fa­tos ain­da pa­re­ce­rem mis­te­ri­o­sos e inex­pli­ca­dos, dei­xan­do a his­tó­ria em aber­to, mui­to do que se es­pe­cu­la não tem com­pro­va­ção ne­nhu­ma.

A ques­tão da he­roí­na no san­gue de Kurt, por exem­plo, é con­tes­ta­da por es­pe­ci­a­lis­tas de­vi­do à fon­te que for­ne­ceu os dados. A pro­por­ção de dro­ga no cor­po do can­tor, di­vul­ga­da co­mo es­tan­do na fai­xa de 1,52 mi­li­gra­mas por li­tro, não é con­si­de­ra­da vá­li­da. Tais in­for­ma­ções fo­ram di­vul­ga­das por um jor­nal de Se­at­tle na épo­ca do ocor­ri­do, mas o re­la­tó­rio ofi­ci­al da po­lí­cia é con­fi­den­ci­al.

As di­gi­tais na ar­ma re­al­men­te são um mis­té­rio. Ain­da não fo­ram en­con­tra­dos in­dí­ci­os de qu­em pos­sa ter re­a­li­za­do o dis­pa­ro. Po­rém, a ver­são ofi­ci­al – que in­clu­si­ve re­gis­trou o ca­so co­mo sui­cí­dio – afir­ma não ha­ver evi­dên­ci­as con­cre­tas que con­fir­mem a pre­sen­ça de uma se­gun­da pes­soa na es­tu­fa, cô­mo­do lo­ca­li­za­do aci­ma da ga­ra­gem da man­são de Co­bain, on­de seu cor­po foi en­con­tra­do. Por con­ta dis­so, a au­sên­cia de di­gi­tais na ar­ma e a ca­li­gra­fia du­pla na car­ta não pos­si­bi­li­tam clas­si­fi­car o ca­so co­mo um as­sas­si­na­to.

O do­cu­men­tá­rio So­a­ked in Ble­a­ch, in­clu­si­ve, não te­ve uma acei­ta­ção mui­to boa da crí­ti­ca, jus­ta­men­te por se en­cai­xar na lista dos mui­tos do­cu­men­tá­ri­os e li­vros já pro­du­zi­dos a res­pei­to do ca­so e que não con­se­gui­ram dar pro­vas con­cre­tas que re­fu­tas­sem a te­se de sui­cí­dio. Além, cla­ro, de fa­zer qua­se uma acu­sa­ção ex­plí­ci­ta ao en­vol­vi­men­to de Court­ney Lo­ve no su­pos­to as­sas­si­na­to do ma­ri­do. A can­to­ra ten­tou bar­rar sua exi­bi­ção nos Es­ta­dos Uni­dos e seu ad­vo­ga­do clas­si­fi­cou a pro­du­ção co­mo “re­pe­ti­ti­va e cons­pi­ra­tó­ria”.

TEX­TO João Pau­lo Fernandes/Co­la­bo­ra­dor DE­SIGN Mary El­len Ma­cha­do

Meio do­cu­men­tá­rio, meio fic­ção, o lon­ga reú­ne te­o­ri­as cons­pi­ra­tó­ri­as so­bre o sui­cí­dio de Kurt e apon­ta Court­ney Lo­ve co­mo a prin­ci­pal sus­pei­ta pe­la mor­te do can­tor.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.