MÉ­RI­TO

Dis­cos, can­ções e vi­de­o­cli­pes do Nir­va­na que fo­ram pre­mi­a­dos em im­por­tan­tes even­tos

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - NIRVANA - EDIÇÃO DE COLECIONADOR - - Índice -

As ho­me­na­gens e prê­mi­os re­ce­bi­dos ao lon­go da his­tó­ria

Du­ran­te os anos em ati­vi­da­de, o Nir­va­na re­ce­beu di­ver­sos prê­mi­os por con­ta das pro­du­ções de seus ál­buns, dos vi­de­o­cli­pes lan­ça­dos e por ser uma no­vi­da­de no mun­do da mú­si­ca. En­tre­tan­to, o trio tam­bém foi ho­me­na­ge­a­do após o fa­le­ci­men­to de Kurt Co­bain.

Ra­pe Me ao vi­vo?

O ano era 1992. Em 8 de se­tem­bro, Kurt – que es­ta­va em re­a­bi­li­ta­ção – foi li­be­ra­do por um dia pa­ra en­sai­ar com o Nir­va­na, já que, no dia se­guin­te, to­ca­ria no even­to da MTV que pre­mi­a­ria os me­lho­res vi­de­o­cli­pes de mú­si­ca (o VMA). De acor­do com o jor­na­lis­ta Char­les R. Cross, no li­vro Mais Pe­sa­do que o Céu, a pre­mi­a­ção mu­si­cal era a mais ba­da­la­da da épo­ca, in­clu­si­ve mais res­pei­ta­da que o Grammy. “O Nir­va­na fo­ra in­di­ca­do pa­ra três prê­mi­os e, em ju­lho, ha­via si­do anun­ci­a­do que eles to­ca­ri­am no pro­gra­ma”, con­ta Cross. Com a pres­são de seus em­pre­sá­ri­os, e mes­mo odi­an­do shows de pre­mi­a­ção, Kurt de­ci­diu to­car.

A po­lê­mi­ca (já es­pe­ra­da!) sur­giu no pri­mei­ro en­saio. O vo­ca­lis­ta dis­se a Amy Fin­nerty, uma fun­ci­o­ná­ria da MTV, que to­ca­ria uma mú­si­ca no­va. Des­sa for­ma, os exe­cu­ti­vos do ca­nal es­pe­ra­vam es­cu­tar Smells Like Te­en Spi­rit, mas o gru­po per­for­mou Ra­pe Me – que já ha­via si­do in­ter­pre­ta­da por dois anos nos shows da ban­da e pos­suía uma letra per­tur­ba­do­ra.

Os exe­cu­ti­vos en­tão des­con­fi­a­ram que a can­ção ha­via si­do com­pos­ta co­mo uma crí­ti­ca ao ca­nal te­le­vi­si­vo. E, pa­ra Kurt, a par­tir da­que­le mo­men­to, re­al­men­te era uma for­ma de re­pre­sen­tar a ma­nei­ra co­mo era tra­ta­do pe­la mí­dia, por seus em­pre­sá­ri­os, co­le­gas e, cla­ro, pe­la MTV. “Uma ba­ta­lha de von­ta­des co­me­çou a ser tra­va­da en­tre os man­da-chu­vas da emis­so­ra e Kurt, ain­da em re­a­bi­li­ta­ção, ten­do Fin­nerty e a Gold Moun­tain co­mo in­ter­me­diá­ri­os. A MTV ame­a­çou ti­rar o Nir­va­na do show: Kurt dis­se que is­so era óti­mo. A MTV ame­a­çou pa­rar de exi­bir ví­de­os do Nir­va­na: Kurt dis­se que is­so era óti­mo, em­bo­ra, no fun­do, pro­va­vel­men­te es­ti­ves­se re­ce­o­so a res­pei­to. E en­tão a re­de au­men­tou a pa­ra­da e ame­a­çou pa­rar de exi­bir ví­de­os de ou­tros ar­tis­tas agen­ci­a­dos pe­la Gold Moun­tain”, re­la­ta Char­les Cross.

Ou­tra op­ção

De­pois de con­ver­sar com Fin­nerty e ou­tros em­pre­sá­ri­os, Kurt re­con­si­de­rou sua es- co­lha com me­do de que a fun­ci­o­ná­ria fos­se de­mi­ti­da. As­sim, o Nir­va­na en­sai­ou Lithium an­tes do pro­gra­ma co­me­çar. Bo­a­tos en­tão cir­cu­la­ram so­bre o fa­to do gru­po, ao en­trar ao vi­vo, re­tor­nar à es­co­lha de Ra­pe Me. Por is­so, a MTV pla­ne­jou“cor­tar pa­ra um co­mer­ci­al”ca­so es­cu­tas­se os pri­mei­ros acor­des da can­ção.

A apre­sen­ta­ção co­me­çou, Kurt, Krist e Da­ve se en­tre­o­lha­ram e o vo­ca­lis­ta co­me­çou a de­di­lhar a gui­tar­ra su­a­ve­men­te, mas a can­ção só fi­cou cla­ra nos acor­des de bai­xo. Era Ra­pe Me. “O que os es­pec­ta­do­res da te­le­vi­são não pu­de­ram ou­vir nem ver foi um exe­cu­ti­vo da MTV cor­ren­do pa­ra o ca­mi­nhão de con­tro­le. Mas an­tes que pu­des­se ser cor­ta­do, o Nir­va­na pas­sou pa­ra os pri­mei­ros acor­des de Lithium. ‘Fi­ze­mos is­so pa­ra pro­vo­cá-los’, lem­bra Krist. Fo­ram me­nos de vin­te se­gun­dos —e a MTV edi­tou es­sa par­te quan­do re­pri­sou o pro­gra­ma —, mas foi um dos me­lho­res mo­men­tos do Nir­va­na”, con­ta Char­les Cross em seu li­vro.

Na mes­ma noi­te, le­va­ram dois prê­mi­os pa­ra ca­sa por con­ta de Smells Like Te­en Spi­rit: Me­lhor Vi­de­o­cli­pe Al­ter­na­ti­vo e Me­lhor Ar­tis­ta No­vo em um Vi­de­o­cli­pe.

No ano se­guin­te

Em 1993, o Nir­va­na foi con­tem­pla­do com dois prê­mi­os: no­va­men­te, Me­lhor Vi­de­o­cli­pe Al­ter­na­ti­vo no MTV Vi­deo Mu­sic Awards – des­sa vez, com In Blo­om –e Me­lhor No­vo Ar­tis­ta In­ter­na­ci­o­nal no Brit Awards. Foi nes­te pri­mei­ro even­to que co­nhe­ce­ram a drag que­en RUPAUL, pa­ra qu­em can­ta­ram We Wish You A Mer­ry Ch­rist­mas, em um ví­deo, tem­pos de­pois. Nes­te even­to, Kurt su­biu ao pal­co sen­do car­re­ga­do por Da­ve nas cos­tas e Krist foi qu­em agra­de­ceu pe­lo prê­mio.

Já no Brit Awards, a ban­da não com­pa­re­ceu pa­ra re­ce­ber a ho­me­na­gem.

He­art-Sha­ped Box

1994 foi o ano do cli­pe com o cam­po flo­ri­do, um ido­so cru­ci­fi­ca­do e uma ga­ro­ti­nha com ves­tes se­me­lhan­tes às da Ku Klux Klan. No VMA, o Nir­va­na foi no­me­a­do pe­lo vi­de­o­cli­pe pa­ra qua­tro ca­te­go­ri­as, mas fa­tu­rou ape­nas du­as: Me­lhor Vi­de­o­cli­pe Al­ter­na­ti­vo e Me­lhor Di­re­ção de Ar­te. As du­as ou­tras in­di­ca­ções fo­ram pa­ra Ví­deo do Ano e Me­lhor Ci­ne­ma­to­gra­fia, cu­jos ven­ce­do­res fo­ram, res­pec­ti­va­men­te, Cryin’ do Ae­ros­mith e What­ta Man do Salt-n-Pe­pa com En Vo­gue.

Na ce­rimô­nia, Krist deu iní­cio a um ví­deo em ho­me­na­gem à mor­te de Kurt, que ha­via fa­le­ci­do me­ses an­tes. Ao fi­nal da pre­mi­a­ção, Micha­el Jack­son in­ter­pre­tou Th­ril­ler e de­di­cou a can­ção ao vo­ca­lis­ta do Nir­va­na.

Con­tu­do, a tra­gé­dia não im­pe­diu que o gru­po mu­si­cal re­ce­bes­se o prê­mio de Ar­tis­ta Fa­vo­ri­to na ca­te­go­ria

Heavy Me­tal, em ja­nei­ro de 1995, pe­lo Ame­ri­can Mu­sic Awards. Mui­to me­nos o Grammy, em 1996, pe­la Me­lhor Per­for­man­ce de Mú­si­ca Al­ter­na­ti­va: MTV Un­plug­ged in New York.

Rock and Roll Hall of Fa­me

Qua­se uma dé­ca­da de­pois, em 2014, foi a vez de o Nir­va­na com­por o Sa­lão da Fa­ma do mu­seu Rock and Roll Hall of Fa­me. O anún­cio foi fei­to ain­da em de­zem­bro de 2013, mas a ce­rimô­nia ocor­reu em 10 de abril do ano se­guin­te, em No­va York.

So­men­te Co­bain, No­vo­se­lic e Grohl fo­ram no­me­a­dos. O ba­te­ris­ta Chad Chan­ning foi dei­xa­do de fo­ra, mas foi in­for­ma­do, an­tes da ce­rimô­nia acon­te­cer, que não fa­ria par­te do Rock and Roll Hall of Fa­me.

Após Micha­el Sti­pe, vo­ca­lis­ta do R.E.M., ler o tex­to de no­me­a­ção, os in­te­gran­tes do Nir­va­na su­bi­ram ao pal­co, jun­to com a mãe e ir­mãs de Kurt Co­bain, e, cla­ro, Court­ney Lo­ve. Da­ve Grohl e Krist No­vo­se­lic fo­ram os pri­mei­ros a fa­lar e agra­de­cer aos fãs e à equi­pe que sem­pre os aju­dou du­ran­te os anos da ban­da. A mãe de Co­bain se emo­ci­o­nou ao mi­cro­fo­ne e lo­go pas­sou a vez pa­ra Court­ney Lo­ve, que abra­çou a to­dos e re­lem­brou seu fa­le­ci­do ma­ri­do.

A ce­rimô­nia tam­bém in­cluiu a in­ter­pre­ta­ção de can­ções fa­mo­sas do gru­po, com Da­ve e Krist, e as can­to­ras Kim Gor­don, St. Vin­cent, Lor­de e Jo­an Jett. Es­ta úl­ti­ma in­ter­pre­tou o su­ces­so Smells Like Te­en Spi­rit.

TEX­TO Éri­ca Agui­ar DE­SIGN Ana Pau­la Mal­do­na­do/Co­la­bo­ra­do­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.