O LE­GA­DO DO NIR­VA­NA

Co­nhe­ça o le­ga­do e as ban­das que se­gui­ram no es­pa­ço dei­xa­do pe­lo Nir­va­na na ce­na mu­si­cal

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - NIRVANA - EDIÇÃO DE COLECIONADOR - - Índice -

Ban­das que tri­lha­ram os ca­mi­nhos aber­tos pe­lo Nir­va­na no mun­do mu­si­cal

Um ti­ro de es­pin­gar­da ti­rou a vi­da de Kurt e co­lo­cou fim ao Nir­va­na –e o grunge so­freu o ba­que com o tér­mi­no do seu mai­or ex­po­en­te (ao la­do do Pe­arl Jam). Na­da dis­so, po­rém, foi im­pe­di­men­to pa­ra que a ban­da con­ti­nu­as­se mo­ven­do mul­ti­dões mais de du­as dé­ca­das após o trá­gi­co acon­te­ci­men­to – e mais do que is­so, tam­bém não im­pe­diu que ou­tros gru­pos be­bes­sem des­sa fon­te e pros­se­guis­sem com o le­ga­do dei­xa­do por Kurt Co­bain, Krist No­vo­se­lic e Da­ve Grohl.

Con­tri­bui­ção fun­da­men­tal

O mai­or le­ga­do do Nir­va­na foi, sem dú­vi­das, le­var o som ro­tu­la­do co­mo al­ter­na­ti­vo pa­ra o gran­de pú­bli­co. Po­de per­gun­tar pa­ra qual­quer fã do un­der­ground co­mo era di­fí­cil nes­sa era pré-Nir­va­na (e tam­bém pré-in­ter­net, va­le lem­brar) es­cu­tar uma mú­si­ca des­sas fa­cil­men­te.

A coi­sa ex­plo­diu e as gra­va­do­ras pas­sa­ram a fi­car de­ses­pe­ra­das por no­vos re­pre­sen­tan­tes do grunge, pra­ti­ca­men­te as­si­nan­do com qual­quer um que apa­re­ces­se pe­la fren­te. A gra­va­do­ra Sub Pop e o fa­mo­so pro­du­tor Jack En­di­no fa­zi­am ques­tão que os ál­buns fos­sem gra­va­dos co­mo se es­ti­ves­sem nu­ma ga­ra­gem mes­mo, bus­can­do a so­no­ri­da­de mais crua pos­sí­vel.

Cri­ar ca­te­go­ri­as é sem­pre uma mis­são com­pli­ca­da, em qual­quer área de co­nhe­ci­men­to. Mas no mun­do mu­si­cal es­sa ta­re­fa se tor­na es­pe­ci­al­men­te in­gra­ta, até por­que as pró­pri­as ban­das de­tes­tam es­se ti­po de ró­tu­lo – ain­da mais se es­ti­ver­mos fa­lan­do da tur­ma do un­der­ground dos anos 90.

Ou se­ja, ana­li­sar o grunge pós-Nir­va­na é en­trar num ter­ri­tó­rio com­pli­ca­do, já que o pró­prio grunge é im­pos­sí­vel de eti­que­tar. A gros­so mo­do, fa­la­mos de ban­das com le­tras me­lan­có­li­cas, es­ti­lo fla­ne­la xa­drez e je­ans ras­ga­dos, e gui­tar­ras com dis­tor­ções e in­fluên­ci­as do punk e do hard rock.

An­tes, du­ran­te e de­pois

Um dos fun­da­do­res do mo­vi­men­to ao la­do do Gre­en Ri­ver, o Sound­gar­den pros­se­guiu com su­as ati­vi­da­des até 1997, e re­to­mou em 2010 com a for­ma­ção ori­gi­nal. Ou­tros íco­nes co­mo o pró­prio Pe­arl Jam con­ti­nu­a­ram na ati­va, e o Ali­ce in Chains, que se­guiu pe­los anos 90 e, após um hi­a­to tu­mul­tu­a­do que in­cluiu a mor­te do vo­ca­lis­ta Lay­ne Sta­ley, re­to­mou as ati­vi­da­des em 2005.

Em 1992, um ano após o lan­ça­men­to de Ne­ver­mind, sur­gi­ram dois no­vos gru­pos cons­tan­te­men­te apon­ta­dos co­mo in­flu­en­ci­a­dos

O mai­or le­ga­do do Nir­va­na foi, sem dú­vi­das, le­var o som ro­tu­la­do co­mo al­ter­na­ti­vo pa­ra o gran­de pú­bli­co

pe­lo Nir­va­na: os aus­tra­li­a­nos do Sil­ver­chair e os bri­tâ­ni­cos do Bush. Até o Brasil foi atin­gi­do por es­sa on­da: o ál­bum Ti­ta­no­ma­quia (1993), do Ti­tãs, foi pro­du­zi­do pe­lo pró­prio Jack En­di­no.

Na ce­na mu­si­cal que se­guiu pe­la dé­ca­da de 1990 após o sui­cí­dio de Kurt em 1994, sur­giu o ter­mo pós-grunge, que di­vi­de opi­niões – a eter­na po­lê­mi­ca: o grunge mor­reu jun­to com o vo­ca­lis­ta do Nir­va­na ou não?

A ques­tão é que pra­ti­ca­men­te tu­do aqui­lo que sur­giu na ce­na mu­si­cal do rock nes­se pe­río­do be­beu des­sa fon­te, ain­da que te­nham pos­te­ri­or­men­te se di­fe­ren­ci­a­do e con­so­li­da­do sua pró­pria iden­ti­da­de. As­sim, nes­sa li­nha, po­de-se men­ci­o­nar pro­du­ções co­mo a dos sul-afri­ca- nos do Se­ether, o pró­prio Foo Figh­ters, o Cre­ed, o Mat­ch­box Twenty, o Pud­dle of Mud e até um pou­co do que o Ra­di­ohe­ad lan­çou na épo­ca.

Além dis­so, po­de-se di­zer que al­gu­mas ban­das após os anos 2000 tam­bém sou­be­ram ex­trair um pou­co do que o grunge con­so­li­dou, e fa­zem um tra­ba­lho que po­de agra­dar aos fãs do trio de Se­at­tle. Ain­da que, as­sim co­mo no ca­so do pró­prio ró­tu­lo grunge, es­te­ja­mos fa­lan­do de sons com di­fe­ren­ças en­tre si, en­tram nes­sa lista The Vi­nes, Metz, Fi­dlar, The Wyt­ches, Ca­ge the Elephant e Cloud Nothings.

Ão uç od pr Re S TO FO

Ti­tãs - Ti­ta­no­ma­quia (1993) Sil­ver­chair - Frogs­tomp (1995)

Foo Figh­ters - Foo Figh­ters (1995)

TEX­TO Vic­tor Santos DE­SIGN Rafael Na­ka­o­ka

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.