MÚ­SI­CAS

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - NIRVANA - EDIÇÃO DE COLECIONADOR - - Índice - TEX­TO Nathá­lia Pic­co­li/Co­la­bo­ra­do­ra DE­SIGN Ana Pau­la Mal­do­na­do/Co­la­bo­ra­do­ra

Uma se­le­ção de tre­chos mar­can­tes da dis­co­gra­fia da ban­da

Da­ve Grohl cos­tu­ma­va di­zer que a ban­da queria can­ções “qua­se in­fan­tis, o mais sim­ples pos­sí­vel”. Em re­su­mo, o som da ban­da era um pou­co di­fe­ren­te do que se ou­via até en­tão, re­ple­to de con­tras­tes di­nâ­mi­cos que, mui­tas ve­zes, ca­mi­nha­vam en­tre ver­sos cal­mos e ba­ru­lhen­tos com re­frãos pe­sa­dos. E foi des­sa ma­nei­ra que os jo­vens de ca­be­los com­pri­dos po­pu­la­ri­zam re­pen­ti­na­men­te o rock al­ter­na­ti­vo co­mo um to­do, sen­do con­si­de­ra­dos a prin­ci­pal ban­da da ge­ra­ção X – que re­pre­sen­ta a tur­ma que nas­ceu após o cha­ma­do baby bo­om, no pós-Se­gun­da Gu­er­ra Mun­di­al.

Shows, tur­nês, he­roí­na, pá­gi­nas de jor­nal, amo­res cor­res­pon­di­dos (ou não), de­so­do­ran­te, não im­por­ta­va o que nem co­mo, tu­do vi­ra­va mú­si­ca pa­ra ban­da – mes­mo que, mui­tas ve­zes, fos­sem con­si­de­ra­das es­tra­nhas ou sem sen­ti­do. Nas pró­xi­mas pá­gi­nas, vo­cê vai des­co­brir di­ver­sas curiosidades so­bre al­guns dos mai­o­res su­ces­sos do Nir­va­na.

Le­tras, tre­chos, ver­sos e al­gu­mas ver­sões. Con­tra­di­ções, me­lo­di­as, riffs, po­lê­mi­cas e mui­tos

su­ces­sos: as­sim po­de­mos re­su­mir as mú­si­cas do Nir­va­na. Co­nhe­ça al­gu­mas curiosidades so­bre

com­po­si­ções acla­ma­das até os di­as atu­ais

Smells Like Te­en Spi­rit

O ines­pe­ra­do su­ces­so de Smells Like Te­en Spi­rit le­vou o ál­bum Ne­ver­mind pa­ra o to­po das ta­be­las de ven­das no iní­cio de 1992. A mú­si­ca foi o pri­mei­ro e o mai­or su­ces­so do Nir­va­na, re­ce­beu enor­me acla­ma­ção da crí­ti­ca, al­can­çou o pri­mei­ro lu­gar de di­ver­sas lis­tas es­pe­ci­a­li­za­das, co­mo da Vil­la­ge Voi­ce, além de con­se­guir o 6º lu­gar na con­cor­ri­da lista da Bill­bo­ard Hot 100.

A can­ção, con­si­de­ra­da até os di­as atu­ais um hi­no pa­ra mui­tas pes­so­as da ge­ra­ção X, nas­ceu de uma gran­de con­fu­são fei­ta por Kurt Co­bain, ao achar que a fra­se“Kurt smells like te­en spi­rit” (Kurt chei­ra a es­pí­ri­to jo­vem, em por­tu­guês), es­cri­ta na sua pa­re­de com tin­ta spray pe­la sua ami­ga e vo­ca­lis­ta da ban­da punk Bi­ki­ni Kill, Kath­le­en Han­na, ti­nha al­gum sig­ni­fi­ca­do revolucionário. Na ver­da­de, era ape­nas uma re­fe­rên­cia ao de­so­do­ran­te “Te­en Spi­rit” usa­do por sua na­mo­ra­da da épo­ca, To­bi Vail.

Kurt só co­me­çou a es­cre­ver a letra pou­cas se­ma­nas an­tes de se ini­ci­a­rem as gra­va­ções de Ne­ver­mind. Nu­ma en­tre­vis­ta à re­vis­ta Rol­ling Sto­ne em ja­nei­ro de 1994, ele re­ve­lou que Smells Like Te­en Spi­rit foi uma ten­ta­ti­va de es­cre­ver al­go pa­re­ci­do ao es­ti­lo dos Pi­xi­es, uma ban­da que ele ad­mi­ra­va mui­to. “Ba­si­ca­men­te, es­ta­va ten­tan­do co­pi­ar os Pi­xi­es, ad­mi­to. Quan­do ou­vi os ca­ras pe­la pri­mei­ra vez, sen­ti uma co­ne­xão tão for­te que pas­sei a achar que de­via fa­zer par­te da ban­da – ou pe­lo me­nos de uma ban­da co­ver. Usa­mos o mes­mo sen­so de di­nâ­mi­ca de­les – pri­mei­ro bai­xo e cal­mo, de­pois, al­to e pe­sa­do”, afir­mou.

Em 2002, Da­ve Grohl con­tou, em uma en­tre­vis­ta con­ce­di­da pa­ra a re­vis­ta Ker­rang!, que não es­pe­ra­va mui­to da mú­si­ca, mas... “pa­ra ser sin­ce­ro, não pen­sei mui­ta coi­sa a res­pei­to des­sa can­ção. Era só mais uma das que es­tá­va­mos fa­zen­do e tí­nha­mos vá­ri­as des­se es­ti­lo. Quan­do a to­ca­mos pe­la pri­mei­ra vez, o pú­bli­co foi à lou­cu­ra. Não sei se é o rit­mo da mú­si­ca, ou a me­lo­dia, mas as pes­so­as se li­ga­ram ne­la mui­to rá­pi­do”. O mú­si­co lem­brou ain­da da im­por­tân­cia que o vi­de­o­cli­pe te­ve pa­ra o es­tron­do­so e me­teó­ri­co su­ces­so: “Na­que­la épo­ca, o cli­pe foi a cha­ve pa­ra a mú­si­ca vi­rar um hit. As pes­so­as a ou­vi­am na rá­dio e pen­sa­vam ‘es­sa é le­gal’. Mas en­tão os ado­les­cen­tes vi­am o cli­pe na MTV e pen­sa­vam: ‘es­sa é le­gal, e eles são meio fei­os e es­tão que­bran­do uma es­co­la’, acho que is­so te­ve mui­to a ver com o su­ces­so”.

Co­me As You Are

O se­gun­do single do ál­bum Ne­ver­mind, Co­me As You Are, não de­cep­ci­o­nou e man­te­ve to­do o su­ces­so da ban­da em al­ta. Con­se­guiu en­trar em to­das as pa­ra­das de su­ces­sos mais con­cor­ri­das por to­do o mun­do, co­mo a Bill­bo­ard Hot 100.

Cheia de con­tro­vér­si­as e in­ter­ro­ga­ções, de acor­do com Kurt a mú­si­ca fa­la so­bre pes­so­as e a ma­nei­ra co­mo os ou­tros es­pe­ram que elas ajam. A letra é con­tra­di­tó­ria in­ten­ci­o­nal­men­te, com uma par­te con­tra­di­zen­do a ou­tra por to­da sua ex­ten­são. Po­de­mos ver o pa­ra­do­xo em di­ver­sos mo­men­tos, co­mo no tre­cho: “ta­ke your ti­me, hur­ry up” (“sem pres­sa, rá­pi­do”, em tradução li­vre).

Co­bain pen­sou em lan­çar a mú­si­ca ape­nas co­mo um single de­vi­do às se­me­lhan­ças gri­tan­tes com a mú­si­ca Eigh­ti­es, da ban­da Kil­ling Jo­ke. Na épo­ca A ban­da até con­si­de­rou en­trar com um pro­ces­so, mas de­pois da mor­te de Kurt, eles de­sis­ti­ram. Sim­bo­li­zan­do a paz,

Da­ve Grohl to­cou em um dis­co da ban­da em 2003.

Lithium

O Nir­va­na apos­ta­va que a fai­xa dan­çan­te com no­me de re­mé­dio pa­ra a de­pres­são se­ria o hit de su­ces­so de Ne­ver­mind. Na bi­o­gra­fia de Kurt, Mais Pe­sa­do que o Céu de Char­les Cross, o gui­tar­ris­ta do Sound­gar­den, Kim Thayil, lem­bra: “Quan­do ou­vi Lithium, aqui­lo fi­cou na mi­nha ca­be­ça. O nos­so bai­xis­ta veio e me e dis­se: ‘es­sa é su­ces­so. Aí es­tá uma das top 40’”.

Vo­cê já de­ve ter no­ta­do to­da a com­po­si­ção da mú­si­ca é de­pres­si­va e cheia de dor, uma vez que des­cre­ve os efei­tos do lí­tio – dro­ga uti­li­za­da pa­ra tra­tar o trans­tor­no bi­po­lar. A can­ção des­cre­ve as sen­sa­ções que as pes­so­as que fa­zem uso do re­mé­dio sen­tem quan­do es­tão ao pon­to de en­lou­que­cer. Pa­ra qu­em não sa­be, Kurt era usuá­rio de lí­tio.

O bió­gra­fo do Nir­va­na, Micha­el Azer­rad, des­cre­veu o título da can­ção co­mo uma re­fe­rên­cia à afir­ma­ção de Karl Marx que a re­li­gião é “o ópio do po­vo”. Kurt afir­mou a Azer­rad: “Eu sem­pre achei que al­gu­mas pes­so­as de­ve­ri­am ter uma re­li­gião em su­as vi­das (...). Se is­so irá salvar al­guém, en­tão tu­do bem. E a pes­soa em Lithium pre­ci­sa­va dis­so”.

About a Girl

Até o fi­nal dos anos 80, Tracy Ma­ran­der era a na­mo­ra­da de Kurt e é exa­ta­men­te so­bre ela que a mú­si­ca fa­la. Em mui­tas en­tre­vis­tas, Tracy de­cla­rou que a re­la­ção en­tre os dois es­ta­va mais pa­ra al­go en­tre mãe e fi­lho ou sim­ples­men­te de bons ami­gos do que pa­ra na­mo­ra­dos. Tre­chos co­mo: “I ne­ed an easy fri­end, I do... with an ear to lend, I do... think you fit this shoe” (Eu pre­ci­so de uma sim­ples ami­ga, pre­ci­so, com um ou­vi­do pa­ra em­pres­tar... pre­ci­so, acho que vo­cê é per­fei­ta pa­ra o ca­so... acho” em tradução li­vre) evi­den­ci­am a in­ti­mi­da­de dos dois. Kurt nun­ca con­tou a Tracy que ele ha­via es­cri­to About a Girl pa­ra ela. No do­cu­men­tá­rio Kurt and Court­ney, Tracy re­ve­lou que ela só sou­be de­pois de ler a bi­o­gra­fia do Nir­va­na.

All Apo­lo­gi­es

O se­gun­do single do ál­bum In Ute­ro, foi lan­ça­do jun­ta­men­te com a can­ção Ra­pe Me, em uma es­pé­cie de com­pac­to de la­do A du­plo. Des­de sua in­di­ca­ção ao Grammy Awards em 1995, foi in­cluí­da na lista das “Can­ções que De­fi­ni­ram o Rock and Roll” do Rock and Roll Hall of Fa­me. Em 2005, o ba­te­ris­ta Da­ve Grohl deu uma en­tre­vis­ta à re­vis­ta Harp e con­tou que a can­ção era “al­go que Kurt gra­va­ra num gra­va­dor, no nos­so apar­ta­men­to. Eu me lem­bro de ou­vi-la e pen­sar ‘Deus, es­se ca­ra tem um sen­so de me­lo­dia tão bo­ni­to, nem acre­di­to que ele fi­ca gri­tan­do o tem­po in­tei­ro”.

Kurt de­di­cou a can­ção à sua es­po­sa, Court­ney Lo­ve e a sua fi­lha, Fran­ces Bean Co­bain. O lí­der do Nir­va­na con­tou ao bió­gra­fo Micha­el Azer­rad que, em­bo­ra a letra não ti­ves­se ne­nhum ti­po de re­la­ção com a fa­mí­lia, o cli­ma da can­ção era “pa­cí­fi­co, de fe­li­ci­da­de e con­for­to”.

You Know You’re Right

Es­sa mú­si­ca deu o que fa­lar – até a jus­ti­ça ame­ri­ca­na mar­cou pre­sen­ça! Com a au­to­ria de Kurt, a can­ção foi usa­da por Court­ney Lo­ve e sua ban­da Ho­le em seu acús­ti­co gra­va­do em 1995. Após uma in­ten­sa dis­pu­ta ju­di­ci­al en­tre os ex-in­te­gran­tes da ban­da, Da­ve Grohl e Krist No­vo­se­lic, com a viú­va Court­ney Lo­ve, a mú­si­ca foi lan­ça­da em 2002, no ál­bum Nir­va­na, que reú­ne os me­lho­res títulos da ban­da.

Cu­ri­o­si­da­de: o no­me da mú­si­ca foi es­co­lhi­do so­men­te após a mor­te de Kurt. Ele a compôs e até che­gou a ser apre­sen­ta­da ao vi­vo, po­rém, ain­da sem título.

He­art-Sha­ped Box

O no­me da mú­si­ca tem co­mo tradução “cai­xa em for­ma de co­ra­ção” e a ideia sur­gi­ram por con­ta de um pre­sen­te que Court­ney Lo­ve deu a Kurt. Era uma cai­xi­nha de se­da to­da en­fei­ta­da, em for­ma­to de co­ra­ção. O cli­pe da can­ção, di­ri­gi­do por An­ton Cor­bijn, foi acla­ma­do pe­los crí­ti­cos e ga­nhou dois prê­mi­os, in­cluin­do o de Me­lhor Ví­deo Al­ter-

na­ti­vo, no MTV Vi­deo Mu­sic Awards, em 1994. Em uma en­tre­vis­ta pa­ra a re­vis­ta Rol­ling Sto­ne, em 1994, Court­ney dis­se: “A úni­ca vez que eu lhe pe­di um riff pa­ra uma de mi­nhas mú­si­cas, ele es­ta­va no ar­má­rio. Nós tí­nha­mos es­se ar­má­rio enor­me, e eu o ou­vi lá tra­ba­lhan­do em He­art-Sha­ped Box. Ele fez is­so em cin­co mi­nu­tos. ‘O que? – Vo­cê pre­ci­sa da­que­le riff? – Fo­da-se!’. Ele es­ta­va ten­tan­do ser tão sor­ra­tei­ro. Eu podia ou­vir lá de bai­xo”.

Cu­ri­o­si­da­de: quan­do Kurt compôs a mú­si­ca, in­ci­al­men­te era pa­ra se cha­mar He­art-Sha­ped Cof­fin (Co­ra­ção em For­ma de Cai­xão, em tradução li­vre).

Polly

No do­cu­men­tá­rio Classic Albums do ca­nal te­le­vi­si­vo VH1, Krist No­vo­se­lic con­tou que, em 1987, Kurt Co­bain leu um ar­ti­go no jor­nal so­bre o es­tu­pro de uma me­ni­na de 14 anos. Ela vol­ta­va de um fes­ti­val em Ta­co­ma, quan­do foi vi­o­len­ta­da se­xu­al­men­te e tor­tu­ra­da por um ho­mem com um ma­ça­ri­co de mão. Co­bain de­ci­diu en­tão es­cre­ver a his­tó­ria a par­tir da pers­pec­ti­va do es­tu­pra­dor uti­li­zan­do uma me­tá­fo­ra da re­la­ção en­tre um pás­sa­ro e seu do­no. O au­tor da bi­o­gra­fia do vo­ca­lis­ta, Char­les Cross, compara Polly ao li­vro A San­gue Frio, de Tru­man Ca­po­te.

Dumb

Em uma en­tre­vis­ta ao jor­nal Me­lody Ma­ker em 1993, Kurt dis­se que Dumb foi ins­pi­ra­da pe­la in­ve­ja que ele sen­tia das pes­so­as co­muns e sem­pre bem dis­pos­tas: “Eu co­nhe­ci imen­sa gen­te sim­pló­ria, elas têm um em­pre­go de mer­da, po­dem es­tar com­ple­ta­men­te so­zi­nhas, mas, no en­tan­to, por al­gu­ma ra­zão, são fe­li­zes”.

“Cho­ro to­das as ve­zes que a ou­ço”, con­tou Fran­ces Bean Co­bain em uma en­tre­vis­ta à re­vis­ta Rol­ling Sto­ne. “É uma ver­são des­pi­da da per­cep­ção que o Kurt ti­nha de si mes­mo – de­le dro­ga­do e sem dro­gas, a sen­tir-se ina­de­qua­do pa­ra ser in­ti­tu­la­do co­mo a voz de uma ge­ra­ção”.

Ra­pe Me

Es­sa mú­si­ca tal­vez pos­sa ser con­si­de­ra­da co­mo uma das can­ções mais po­lê­mi­cas do Nir­va­na, afi­nal, seus ver­sos ini­ci­ais “ra­pe me, ra­pe my fri­end” (es­tu­pre-me, es­tu­pre-me meu ami­go, em tradução li­vre), nun­ca fo­ram bem vis­tos por ne­nhum meio de mí­dia ou ca­nal de entretenimento.

Em di­ver­sas en­tre­vis­tas, Kurt Co­bain ex­pli­cou que o ver­da­dei­ro sig­ni­fi­ca­do da mú­si­ca era con­trá­rio a sua pri­mei­ra im­pres­são. Se­gun­do ele, tra­ta-se, na ver­da­de, de uma can­ção an­ti-es­tu­pro, uma ques­tão de vin­gan­ça a um es­tu­pra­dor, que ao ser pre­so é es­tu­pra­do na pri­são. Ou­tra con­fu­são em tor­no da com­po­si­ção ga­nhou for­ça no ano de 1992, em uma das prin­ci­pais atra­ções do MTV Awards (pa­ra sa­ber mais so­bre a po­lê­mi­ca, leia a pá­gi­na 107).

Cu­ri­o­si­da­de: en­quan­to gra­va­va a pri­mei­ra ver­são de Ra­pe Me, Kurt se­gu­ra­va sua fi­lha ain­da be­bê, Fran­ces Bean Co­bain, no co­lo e o cho­ro da me­ni­na foi gra­va­do nes­sa ver­são.

About a Girl foi uma das pou­cas mú­si­cas do ál­bum Ble­a­ch que o Nir­va­na con­ti­nu­ou a to­car até a mor­te de Kurt em abril de 1994.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.