A GRAN­DE CON­TRA­DI­ÇÃO

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - NIRVANA - EDIÇÃO DE COLECIONADOR - - Nevermind -

Kurt so­nha­ra a vi­da in­tei­ra em fa­zer um gran­de dis­co, em ser uma es­tre­la do rock. Mas quan­do is­so se tor­nou re­al, não con­se­guiu li­dar com na­tu­ra­li­da­de. Pe­lo con­trá­rio, en­trou em pâ­ni­co. A pri­mei­ra mos­tra foi ain­da an­tes do lan­ça­men­to de Ne­ver­mind, du­ran­te uma “tar­de de au­tó­gra­fos ”na lo­ja de dis­cos Be­ehi­ve, em Se­at­tle. Era um ti­po de even­to co­mum e que atraía al­gu­mas de­ze­nas de fãs. Por vol­ta das 14h, mais de 200 pes­so­as já lo­ta­vam o lo­cal e o even­to es­ta­va mar­ca­do pa­ra co­me­çar só às 19h! Há uma fil­ma­gem de bai­xa qua­li­da­de da­que­la tar­de his­tó­ri­ca dis­po­ní­vel no YOU­TU­BE em que dá pa­ra no­tar o quan­to ele es­ta­va as­sus­ta­do.

E ha­via ain­da um ou­tro pro­ble­ma que Kurt vi­nha es­con­den­do de to­dos: o con­su­mo de he­roí­na. A ir­ri­ta­ção que de­mons­tra­va não era ape­nas por­que es­ta­ria des­con­ten­te com o su­ces­so, ti­nha co­mo pa­no de fun­do as pri­mei­ras cri­ses de abs­ti­nên­cia. Ele ex­pe­ri­men­ta­ra a dro­ga pe­la pri­mei­ra vez em no­vem­bro de 1990, pou­co de­pois de ter le­va­do o fo­ra de To­bi Vail. Por um tem­po,

Kurt usava he­roí­na ape­nas es­po­ra­di­ca­men­te, mas lo­go co­me­çou a se in­je­tar nos fi­nais de se­ma­na. Na épo­ca das gra­va­ções de Ne­ver­mind se tor­na­ra um há­bi­to qua­se diá­rio. Jus­ta­men­te quan­do o Nir­va­na de­co­la­va pa­ra um gran­de voo ru­mo ao es­tre­la­to, seu prin­ci­pal ar­ti­cu­la­dor co­me­ça­va a mer­gu­lhar nas pro­fun­de­zas de um pe­sa­de­lo cu­jo des­fe­cho era mais do que pre­vi­sí­vel.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.