A CAR­TA NA ÍN­TE­GRA

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - NIRVANA - EDIÇÃO DE COLECIONADOR - - Ponto Final -

“Pa­ra Bod­dah Fa­lo co­mo um sim­pló­rio ho­mem com ex­pe­ri­ên­cia que ob­vi­a­men­te pre­fe­ria ser uma cri­an­ça cas­tra­da e re­cla­mo­na. Es­te bi­lhe­te de­ve ser bas­tan­te fá­cil de en­ten­der. To­das as ad­ver­tên­ci­as das au­las de In­tro­du­ção ao Punk Rock ao lon­go dos anos, des­de mi­nha apre­sen­ta­ção à, di­ga­mos, éti­ca en­vol­vi­da na in­de­pen­dên­cia e o aco­lhi­men­to de sua co­mu­ni­da­de, se pro­va­ram ver­da­dei­ras. Eu não te­nho sen­ti­do a ex­ci­ta­ção de ou­vir, bem co­mo cri­ar mú­si­ca, jun­ta­men­te com a lei­tu­ra e a es­cri­ta, faz mui­tos anos. Eu me sin­to cul­pa­do por es­sas coi­sas além do que pos­so ex­pres­sar em pa­la­vras

Por exem­plo, quan­do es­ta­mos atrás do pal­co e as lu­zes se apa­gam, e o ruí­do en­san­de­ci­do da mul­ti­dão co­me­ça, is­so não me afe­ta do jei­to que afe­ta­va Fred­die Mer­cury, que pa­re­cia amar, se de­li­ci­ar com o amor e ado­ra­ção da mul­ti­dão, que é al­go que eu ad­mi­ro e in­ve­jo to­tal­men­te. A ver­da­de é que não con­si­go en­ga­nar vo­cês, ne­nhum de vo­cês. Sim­ples­men­te não é jus­to nem com vo­cês nem co­mi­go. O pi­or cri­me que pos­so ima­gi­nar se­ria en­ga­nar as pes­so­as sen­do fal­so e fin­gin­do co­mo se eu es­ti­ves­se me di­ver­tin­do 100%. Às ve­zes eu sin­to co­mo se eu ti­ves­se que ba­ter o car­tão de pon­to an­tes de su­bir ao pal­co. Eu ten­tei tu­do ao meu al­can­ce pa­ra gos­tar dis­so (e eu ten­to, por Deus, acre­di­tem em mim, eu ten­to, mas não é o su­fi­ci­en­te). Eu gos­to do fa­to que eu e nós atin­gi­mos e di­ver­ti­mos um mon­te de gen­te. De­vo ser um da­que­les nar­ci­sis­tas que só dão va­lor as coi­sas quan­do elas se vão. Sou mui­to sen­sí­vel. Pre­ci­so fi­car um pou­co dor­men­te pa­ra ter de vol­ta o en­tu­si­as­mo que eu ti­nha quan­do cri­an­ça.

Nas nos­sas úl­ti­mas três tur­nês, eu ti­ve um apre­ço mui­to mai­or por to­das as pes­so­as que co­nhe­ci pes­so­al­men­te e pe­los fãs de nos­sa mú­si­ca, mas eu ain­da não con­si­go su­pe­rar a frus­tra­ção, a cul­pa e a em­pa­tia que eu te­nho por to­dos. Exis­tem coi­sas bo­as den­tro de to­dos nós. Eu acho que sim­ples­men­te amo de­mais as pes­so­as e is­so me dei­xa mui­to triste. O pe­que­no, sen­sí­vel, in­sa­tis­fei­to, pis­ci­a­no, Je­sus triste. “E por que vo­cê sim­ples­men­te não apro­vei­ta?” Eu não sei.

Eu te­nho uma deu­sa co­mo es­po­sa que trans­pi­ra am­bi­ção e em­pa­tia e uma fi­lha que me lem­bra de­mais co­mo eu cos­tu­ma­va ser, cheia de amor e ale­gria, bei­jan­do ca­da pes­soa que ela en­con­tra por­que to­dos são bons e nin­guém a fa­rá mal ne­nhum. E is­so me apa­vo­ra ao pon­to de eu mal con­se­guir fun­ci­o­nar. Eu não pos­so su­por­tar a ideia de Fran­ces se tor­nar um triste, au­to­des­tru­ti­vo, e mor­tal ro­quei­ro, co­mo eu vi­rei.

Eu ti­ve mui­to, mui­to mes­mo, e eu sou gra­to por is­so, mas des­de os se­te anos, pas­sei a ter ódio de to­dos os hu­ma­nos em ge­ral. Ape­nas por­que pa­re­ce tão fá­cil pa­ra as pes­so­as que tem em­pa­tia se da­rem bem. Ape­nas por­que eu amo e la­men­to de­mais pe­las pes­so­as, eu acho.

Obri­ga­do do fun­do do meu ar­den­te e nau­se­a­do estô­ma­go por su­as car­tas e pre­o­cu­pa­ção nes­tes úl­ti­mos anos. Eu sou um be­bê er­rá­ti­co e triste! Eu não te­nho mais a pai­xão, e por is­so lem­bre-se, é me­lhor quei­mar de vez do que se apa­gar aos pou­cos.

Paz, amor, em­pa­tia.

Kurt Co­bain

Fran­ces e Court­ney, eu es­ta­rei em seus al­ta­res.

Por fa­vor, si­ga em fren­te, Court­ney, pe­la Fran­ces. Pe­la vi­da de­la, que se­rá mui­to mais fe­liz sem mim. EU AMO VO­CÊS, EU AMO VO­CÊS!”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.