GE­OR­GE MAR­TIN

A im­por­tân­cia do pro­du­tor dos Be­a­tles, que nos dei­xou em 2016

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - The Beatles - - Indice -  TEX­TO Erica Agui­ar  DE­SIGN Mary El­len Ma­cha­do  FO­TOS Ch­ris Jack­son/Getty Ima­ges e Michael Buck­ner/Getty Ima­ges

A mar­can­te tra­je­tó­ria do pro­du­tor mu­si­cal Ge­or­ge Mar­tin e sua in­fluên­cia no quar­te­to bri­tâ­ni­co

Ire­ad the news to­day, oh boy, about a lucky man who ma­de the gra­ve”! A le­tra de A Day In The Li­fe não foi es­cri­ta para Ge­or­ge Henry Mar­tin, no en­tan­to, seu fa­le­ci­men­to em mar­ço de 2016, aos 90 anos, cau­sou co­mo­ção em mú­si­cos e fãs do mun­do to­do. Vis­to co­mo o “quin- to” be­a­tle, atu­ou di­re­ta­men­te com o quar­te­to bri­tâ­ni­co e dei­xou um gran­de le­ga­do para as pro­du­ções mu­si­cais de rock e pop. Juntar-se aos Be­a­tles não foi uma ques­tão de sor­te, mas um tra­ba­lho in­ten­so para aper­fei­ço­ar o ta­len­to dos qu­a­tro ga­ro­tos que aba­la­ram o mun­do ao som do iê-iê-iê.

Da Ma­ri­nha para a mú­si­ca

Mar­tin co­me­çou su­as au­las de pi­a­no ain­da cri­an­ça. Con­tu­do, ain­da jo­vem, alis­tou-se para a Ma­ri­nha Re­al bri­tâ­ni­ca, on­de per­ma­ne­ceu até 1947. As­sim, voltou a es­tu­dar pi­a­no e oboé na Guildhall Scho­ol of Mu­sic and Dra­ma em Lon­dres, na In­gla­ter­ra.

Um de seus pri­mei­ros tra­ba­lhos foi no se­tor de mú­si­ca clás­si­ca da re­de de in­for­ma­ções BBC. Em 1950, in­gres­sou na EMI Re­cords, na épo­ca, um se­lo da gra­va­do­ra Par­lopho­ne. Li­da­va ma­jo­ri­ta­ri­a­men­te com gra­va­ções de co­me­di­an­tes, mú­si­cos de jazz e ba­la­das ro­mân­ti­cas. Con­tu­do, al­gum tem­po de­pois, pas­sou a ser res­pon­sá­vel pe­lo se­tor de re­cru­ta­men­to e de­sen­vol­vi­men­to de no­vos ta­len­tos.

En­con­tro com Eps­tein

Seu de­se­jo era tra­zer um pou­co mais de rock'n'roll para o se­lo. Foi quan­do um ami­go lhe con­tou so­bre o em­pre­sá­rio Bri­an Eps­tein e a no­va ban­da que es­ta­va ge­rin­do. O gru­po já ha­via ten­ta­do con­tra­tos com ou­tras gra­va­do­ras, mas ne­nhu­ma o apro­vou. No en­tan­to, Mar­tin re­sol­veu en­con­trar-se com Eps­tein em 13 de fe­ve­rei­ro de 1962. En­tão, uma au­di­ção foi mar­ca­da para a tar­de de 6 de junho do mes­mo ano, no es­tú­dio 3 do Ab­bey Ro­ad.

Pri­mei­ra im­pres­são

Mar­tin não es­ta­va con­fi­an­te so­bre o ta­len­to do quar­te­to por con­ta da fi­ta que Eps­tein ha­via lhe mos­tra­do. Para pi­o­rar, a vi­a­gem de Li­ver­po­ol até Lon­dres ha­via des­gas­ta­do ain­da mais os ins­tru­men­tos “ca­pen­gas” dos fu­tu­ros be­a­tles. A pri­mei­ra can­ção in­ter­pre­ta­da foi Be­sa­me Mu­cho, não im­pres­si­o­nou em na­da o pro­du­tor. Mar­tin acom­pa­nhou ra­pi­da­men­te a ses­são e saiu para to­mar um chá.

Eis que os me­ni­nos de Li­ver­po­ol, ain­da com Pe­te Best na ba­te­ria, co­me­çam a to­car Lo­ve Me Do, o que faz com que os en­ge­nhei­ros de gra­va­ção cha­mem Mar­tin de vol­ta ao es­tú­dio. No en­tan­to, a can­ção ain­da não ha­via o con­ven­ci­do o su­fi­ci­en­te para in­ves­tir no quar­te­to. P.S. I Lo­ve You e Ask Me Why fo­ram as mú­si­cas in­ter­pre­ta­das na sequên­cia, fa­zen­do com que a ses­são aca­bas­se por vol­ta das dez ho­ras da noi­te.

Mar­tin os cha­mou e deu su­ges­tões so­bre equi­pa­men­tos. Par­ti­cu­lar­men­te, as crí­ti­cas fo­ram fei­tas para a ba­te­ria de Pe­te Best, ar­gu­men­tan­do que o que fa­zia nos palcos do Ca­vern Club não era apro­pri­a­do para o es­tú­dio. Tem­pos de­pois, o ba­te­ris­ta se­ria subs­ti­tuí­do por Rin­go Starr.

Par­ce­ria

Ape­sar do fra­cas­so no es­tú­dio, o ca­ris­ma dos ga­ro­tos de Li­ver­po­ol con­ven­ceu Mar­tin a as­si­nar o con­tra­to, tor­nan­do-o res­pon­sá­vel por ex­trair o me­lhor de ca­da be­a­tle. O pro­du­tor era res­pon­sá­vel pe­los ar­ran­jos im­pres­si­o­nan­tes e o uso de ins­tru­men­tos in­co­muns para ban­das de rock'n'roll. Foi ele quem deu apoio às ex­pe­ri­men­ta­ções in­di­a­nas nas can­ções, o uso de or­ques­tras e fra­ses des­co­ne­xas.

A Day in the Li­fe, do ál­bum Sgt. Pep­per's Lo­nely He­arts Club Band, é um exem­plo de sua for­te atu­a­ção. Mar­tin pe­diu que os mú­si­cos to­cas­sem sem sin­to­nia. Gra­vou a in­ter­pre­ta­ção qu­a­tro ve­zes, so­bre­pon­do-as em uma fai­xa para pro­vo­car a im­pres­são de ca­os es­cu­ta­da na mú­si­ca. Em Ele­a­nor Rigby, apro­xi­mou os mi­cro­fo­nes dos vi­o­li­nos e dos vi­o­lon­ce­los, de for­ma a ob­ter um som mais an­gus­ti­an­te que com­bi­na­ria com os ver­sos tris­tes de Paul McCart­ney. I Am The Wal­rus e Lucy In The Sky With Di­a­monds tam­bém têm o to­que es­pe­ci­al de Mar­tin em su­as me­lo­di­as. Por es­sas e ou­tras in­fluên­ci­as, é con­si­de­ra­do co­mo o “quin­to” be­a­tle, uma pe­ça-cha­ve do pri­mei­ro ao úl­ti­mo dis­co.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.