Co­mo nas­cem as len­das

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - The Beatles - - Índice - Tex­to: Da­vid Cin­tra De­sign: Ja­mi­le Cury Gan­da­ra

Da in­fân­cia em Li­ver­po­ol aos pri­mei­ros shows no Ca­vern e no Cas­bah

A im­por­tân­cia e o al­can­ce da obra dos Be­a­tles

No ca­ba­lís­ti­co dia 9 de se­tem­bro de 2009, to­da a dis­co­gra­fia dos Be­a­tles re­mas­te­ri­za­da foi lan­ça­da si­mul­ta­ne­a­men­te em vá­ri­os paí­ses. Em cinco di­as, ape­nas no Rei­no Uni­do, Amé­ri­ca do Nor­te e Ja­pão, fo­ram ven­di­das mais de dois milhões de có­pi­as e que­bra­dos di­ver­sos re­cor­des em ou­tras par­tes do mun­do. A co­le­tâ­nea 1, que reú­ne os mai­o­res su­ces­sos do gru­po re­mas­te­ri­za­dos, foi o ál­bum mais ven­di­do da pri­mei­ra dé­ca­da do sé­cu­lo 21, com o in­crí­vel nú­me­ro de mais de 11 milhões de có­pi­as. Em 2013, com On Air – Li­ve at the BBC Vo­lu­me 2, o Fab Four co­lo­cou seu 31º ál­bum no Top Ten da Bill­bo­ard, a mais im­por­tan­te pa­ra­da mu­si­cal dos EUA. No dia 26 de ja­nei­ro de 2014, os Be­a­tles re­ce­be­ram o prê­mio Li­fe­ti­me Achi­e­ve­ment Grammy, em re­co­nhe­ci­men­to pe­lo con­jun­to de sua obra.

Ape­nas es­ses fa­tos re­cen­tes da­ri­am uma ideia da di­men­são de co­mo o ter­mo Be­a­tle­ma­nia con­ti­nua atu­al. Ao mes­mo tem­po, da­ria para elen­car de­ze­nas de ou­tros mo­ti­vos que jus­ti­fi­cam a re­le­vân­cia de se fa­lar so­bre es­te fenô­me­no mais de meio sé­cu­lo de­pois de seu sur­gi­men­to. A im­por­tân­cia da obra do quar­te­to de Li­ver­po­ol não es­tá ape­nas nos nú­me­ros, nem se li­mi­ta à mú­si­ca, ela po­de ser ava­li­a­da pe­la in­fluên­cia que exer­ce so­bre áre­as di­fe­ren­tes da cul­tu­ra e, prin­ci­pal­men­te, por ser uma obra atem­po­ral, cul­tu­a­da e res­pei­ta­da tam­bém por to­das as ge­ra­ções pos­te­ri­o­res à sua ela­bo­ra­ção. É tam­bém sem fron­tei­ras, co­nhe­ci­da em to­dos os can­tos do mun­do. Não é ne­nhum exa­ge­ro di­zer que, des­de o lan­ça­men­to do sin­gle Lo­ve Me Do / P.S. I Lo­ve You, em ou­tu­bro de 1962, na In­gla­ter­ra, não se pas­sou um só dia em que al­guém não ti­ves­se ou­vi­do uma can­ção dos Be­a­tles em al­gum lu­gar do pla­ne­ta.

He­re, The­re and Everywhe­re

Por mo­ti­vos ób­vi­os, a maior in­fluên­cia do Fab Four pô­de ser sen­ti­da du­ran­te os anos em que es­te­ve na ati­va. Uma das pri­mei­ras e mais im­por­tan­tes con­sequên­ci­as do sucesso es­tron­do­so dos pri­mei­ros dis­cos foi al­çá-lo à li­de­ran­ça da cha­ma­da “in­va­são in­gle­sa”, le­van­do cen­te­nas de ban­das a imi­tá-lo.

Até mes­mo no Bra­sil, a re­per­cus­são foi sen­ti­da: não é di­fí­cil no­tar que o mo­vi­men­to da Jo­vem Guar­da é uma re­lei­tu­ra em por­tu­guês dos pri­mei­ros dis­cos dos Be­a­tles. Eles fo­ram tam­bém o pri­mei­ro gru­po de rock ou mú­si­ca pop a se apre­sen­tar em um es­tá­dio. Fa­to ocor­ri­do em agos­to de 1965, no Shea Sta­dium, em No­va York, para uma im­pres­si­o­nan­te plateia de mais de 55 mil pes­so­as.

No es­tú­dio, es­pe­ci­al­men­te a par­tir dos ál­buns Rub­ber Soul e Revolver, fo­ram res­pon­sá­veis por inú­me­ras ino­va­ções em re­la­ção às téc­ni­cas de gra­va­ção, co­mo o uso de ins­tru­men­tos exó­ti­cos, co­la­gens e so­bre­po­si­ção de tre­chos de mú­si­cas pré-gra­va­dos e até mes­mo to­ca­dos de trás para fren­te, efei­tos so­no­ros di­ver­sos, uso de re­cur­sos eletrônicos,

etc. O rock pro­gres­si­vo de­ve mui­to ao ál­bum Sgt. Pep­per's Lo­nely He­arts Club Band, tan­to pe­la es­tru­tu­ra das can­ções, quan­to pe­las téc­ni­cas usa­das.

Co­mo se não bas­tas­se, lan­ça­ram as se­men­tes de di­ver­sos es­ti­los de rock que se de­sen­vol­ve­ri­am nas dé­ca­das se­guin­tes, do psi­co­de­lis­mo ao he­avy me­tal, pas­san­do pe­la new wa­ve e os al­ter­na­ti­vos. Não, eles não cri­a­ram tais es­ti­los, mas os cri­a­do­res des­ses es­ti­los, em 100% dos ca­sos, be­be­ram na fon­te de um dos ál­buns ou can­ções dos ra­pa­zes de Li­ver­po­ol. É por is­so que, des­de me­a­dos dos anos 90, quan­do co­me­ça­ram a ser re­des­co­ber­tos, os Be­a­tles ain­da dei­xam bo­qui­a­ber­tos milhões de jo­vens que ou­vem sua obra pe­la pri­mei­ra vez. Is­so po­de ser tra­du­zi­do pe­lo enor­me sucesso do ga­me Be­a­tles Rock Band, tam­bém lan­ça­do em 9 de se­tem­bro de 2009.

Para fi­na­li­zar, se­ria im­pos­sí­vel ci­tar sem omis­sões os ar­tis­tas que re­gra­va­ram Be­a­tles. E aí en­tram re­pre­sen­tan­tes de pra­ti­ca­men­te to­das as cor­ren­tes mu­si­cais, do clás­si­co ao sam­ba, da mú­si­ca fol­cló­ri­ca an­di­na ao jazz mais so­fis­ti­ca­do, do rock pro­gres­si­vo ao hard­co­re. Curiosidades co­mo a ban­da de th­rash me­tal Be­a­tal­li­ca, fun­da­da em 2008 em ho­me­na­gem a ban­das apa­ren­te­men­te tão di­fe­ren­tes, mos­tram o al­can­ce das pos­si­bi­li­da­des cri­a­das pe­lo som de John, Paul, Ge­or­ge e Rin­go.

No es­cu­ri­nho do ci­ne­ma

Em 1964, no au­ge da Be­a­tle­ma­nia, o Fab Four se aven­tu­rou no ci­ne­ma com A Hard Day's Night. Fa­to que não re­pre­sen­ta­ria ne­nhu­ma ino­va­ção, afi­nal, des­de os anos 50 ro­quei­ros co­mo El­vis Pres­ley e tan­tos ou­tros fa­zi­am fil­mes ten­do su­as mú­si­cas de fun­do, po­rém, eles fi­ze­ram tu­do tão di­fe­ren­te que, 20 anos de­pois, a MTV dos EUA ho­me­na­ge­ou o gru­po e o di­re­tor Ri­chard Les­ter por te­rem cri­a­do a es­sên­cia do vi­de­o­cli­pe.

Mas re­vo­lu­ci­o­ná­rio mes­mo, em ter­mos de ci­ne­ma, foi Yel­low Sub­ma­ri­ne, na ver­da­de, um lon­ga me­tra­gem de ani­ma­ção. An­tes de­le, os de­se­nhos ani­ma­dos, com pou­cas ex­ce­ções, apre­sen­ta­vam um mun­do su­a­ve e ex­clu­si­va­men­te in­fan­til, ba­se­a­dos nos con­cei­tos de Walt Dis­ney. A vi­a­gem psi­co­dé­li­ca do sub­ma­ri­no ama­re­lo não ape­nas le­vou te­má­ti­cas adul­tas para o mun­do da ani­ma­ção co­mo ino­vou por em­pre­gar téc­ni­cas nun­ca usa­das an­tes. Se ho­je

ani­ma­ções co­mo Os Simp­sons, Toy Story, Sh­rek, Pro­cu­ran­do Ne­mo e tan­tas ou­tras são res­pei­ta­das co­mo ar­te e fa­zem tan­to sucesso co­mo qual­quer ou­tra pro­du­ção de Hollywo­od, é por­que um dia os Be­a­tles re­sol­ve­ram fa­zer Yel­low Sub­ma­ri­ne. Os ou­tros três fil­mes fei­tos por eles – Help! (1965), Ma­gi­cal Mys­tery Tour (1967) e Let It Be (1970) – em­bo­ra não te­nham si­do bem re­ce­bi­dos pe­la crí­ti­ca em ge­ral, ti­ve­ram sua im­por­tân­cia re­co­nhe­ci­da mais re­cen­te­men­te.

Is­so sem con­tar as de­ze­nas de fil­mes ins­pi­ra­dos na his­tó­ria da ban­da, con­cei­tos ou até mes­mo em le­tras de al­gu­ma can­ção be­a­tle­ni­a­na. En­tre eles, es­tão Across The Universe (2007), Uma Li­ção de Amor (2001), O Ga­ro­to de Li­ver­po­ol (2009), Back­be­at: Os Cinco Ra­pa­zes de Li­ver­po­ol (1994), The Hours and Ti­mes (1991), Tu­do

En­tre Nós (2000) e tan­tos ou­tros.

Sem­pre na mo­da

Além de lan­ça­rem mú­si­cas, os Be­a­tles di­ta­ram as ten­dên­ci­as no mun­do da mo­da nos anos

60. A ca­da ál­bum apa­re­ci­am com um vi­su­al di­fe­ren­te, que ime­di­a­ta­men­te pas­sa­va a ser imi­ta­do por milhões de jo­vens no mun­do to­do, dos ter­ni­nhos com­por­ta­dos e ca­be­los im­pe­ca­vel­men­te bem cor­ta­dos no es­ti­lo “mop top” dos pri­mei­ros anos às ba­tas in­di­a­nas, pa­le­tós je­ans, cha­péus, bar­bas e ca­be­los lon­gos da fa­se fi­nal, pas­san­do pe­las

pe­ças mul­ti­co­lo­ri­das dos anos psi­co­dé­li­cos. Eles usa­vam e, lo­go, os fãs tam­bém. Mas nun­ca se de­ve dei­xar de dar os de­vi­dos cré­di­tos ao em­pre­sá­rio Bri­an Eps­tein, que es­co­lhia a mai­o­ria das rou­pas usa­das por eles no iní­cio da car­rei­ra.

Com tan­ta vi­si­bi­li­da­de, é cla­ro que es­ti­lis­tas, gri­fes e em­pre­sas do mun­do fashi­on es­ta­vam de olho em tu­do o que eles ves­ti­am e as re­fe­rên­ci­as não de­mo­ra­ram a se­rem vis­tas nas pas­sa­re­las. Até ho­je sur­gem co­le­ções ins­pi­ra­das não ape­nas nas ves­ti­men­tas, co­mo tam­bém nas ca­pas de dis­cos, gra­fis­mos, mú­si­cas ou fil­mes cri­a­dos por eles. Um exem­plo é a re­cen­te li­nha de tênis da mar­ca Vans, es­pe­ci­a­lis­ta em rou­pas e aces­só­ri­os para ska­tis­tas, to­da ins­pi­ra­da nos gra­fis­mos de Yel­low Sub­ma­ri­ne. Por is­so, na­da mais jus­to que, em 2012, a in­flu­en­te re­vis­ta nor­te­a­me­ri­ca­na Ti­me te­nha in­cluí­do o quar­te­to co­mo um dos 100 mai­o­res íco­nes da mo­da des­de 1923. E po­de­ri­am fi­car de fo­ra?

Fa­çam o que eu di­go...

De íco­nes lo­cais, co­mo re­pre­sen­tan­tes le­gí­ti­mos da ci­da­de de Li­ver­po­ol, a sím­bo­los na­ci­o­nais e o re­co­nhe­ci­men­to mun­di­al, os Be­a­tles fo­ram, ao lon­go dos anos, não só au­men­tan­do sua fa­ma co­mo tam­bém sua in­fluên­cia so­bre o com­por­ta­men­to da ju­ven­tu­de. Tu­do o que fa­la­vam, ou mes­mo ape­nas in­si­nu­a­vam, lo­go es­ta­va nas men­tes e nos co­ra­ções dos jo­vens, que acom­pa­nha­ram a mudança da ima­gem de bons mo­ços do co­me­ço de car­rei­ra para a de íco­nes de re­bel­dia con­tra o sis­te­ma po­lí­ti­co já nos úl­ti­mos anos em que es­ti­ve­ram na ati­va.

Dois epi­só­di­os ilus­tram per­fei­ta­men­te es­sa mudança: em 26 de ou­tu­bro de 1965, o gru­po foi agra­ci­a­do com me­da­lhas de Mem­bros do Im­pé­rio Bri­tâ­ni­co, em ce­rimô­nia

no pa­lá­cio de Buc­kingham. Até aque­le dia, a hon­ra­ria nun­ca fo­ra ofe­re­ci­da a um pops­tar. O fa­to ele­vou ain­da mais a po­pu­la­ri­da­de da ban­da, que já era uma re­fe­rên­cia para a ju­ven­tu­de in­gle­sa. No en­tan­to, qu­a­tro anos de­pois, John Len­non de­vol­veu sua me­da­lha à rai­nha em pro­tes­to con­tra o apoio do go­ver­no in­glês à guer­ra do Vi­et­nã e à par­ti­ci­pa­ção do país em um con­fli­to na Ni­gé­ria.

Ou­tro exem­plo de co­mo in­flu­en­ci­a­ram o pen­sa­men­to e a ati­tu­de dos jo­vens ses­sen­tis­tas foi a fa­se es­pi­ri­tu­a­li­za­da, quan­do fo­ram para a Ín­dia e abri­ram ca­mi­nho para a di­vul­ga­ção de fi­lo­so­fi­as ori­en­tais até en­tão bem pou­co co­nhe­ci­das no Oci­den­te. O in­te­res­se por tais fi­lo­so­fi­as até ho­je le­va mi­lha­res de jo­vens ao Ori­en­te em bus­ca de paz es­pi­ri­tu­al. No en­tan­to, ape­nas Ge­or­ge Har­ri­son man­te­ve ali­men­ta­do seu la­do re­li­gi­o­so após es­sa fa­se da ban­da.

Se­ja co­mo for, em ne­nhu­ma ou­tra épo­ca o com­por­ta­men­to da ju­ven­tu­de mu­dou tan­to co­mo nos anos 60 e é ine­gá­vel o pa­pel de­sem­pe­nha­do pe­lo Fab Four nes­sa re­vo­lu­ção cul­tu­ral.

A pe­ça te­a­tral Rain, em ho­me­na­gem ao Fab Four, es­tre­ou na Bro­adway em 2010, mos­tran­do a for­ça do gru­po qu­a­tro dé­ca­das após seu fim

Apre­sen­ta­ção his­tó­ri­ca no Shea Sta­dium

Ce­na de A Hard Day's Night

Yel­low Sub­ma­ri­ne, Help! e Ma­gi­cal Mys­tery Tour mar­cam a pre­sen­ça do gru­po na sé­ti­ma ar­te

O pa­le­tó sem co­la­ri­nho, ins­pi­ra­do no fu­tu­ris­ta “es­ti­lo ci­lín­dri­co” de Pi­er­re Car­din, mar­cou épo­ca na car­rei­ra dos Be­a­tles e vi­rou mo­da nos anos 60 Em fe­ve­rei­ro de 2008, em Li­ver­po­ol, foi inau­gu­ra­do o ho­tel te­má­ti­co A Hard Day's Night, em ho­me­na­gem aos qu­a­tro fi­lhos mais fa­mo­sos da ci­da­de in­gle­sa

Pro­du­tos dos mais di­ver­sos ti­pos ex­plo­ra­ram a mar­ca Be­a­tles nos anos 60, co­mo to­ca dis­cos por­tá­teis e até lan­chei­ras es­co­la­res

Be­a­tles em du­as fa­ses: re­ce­ben­do a me­da­lha de mem­bros do Im­pé­rio Bri­tâ­ni­co, em 65, e Ge­or­ge com adep­tos da sei­ta Ha­re Krish­na, em 69

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.