Ex­pe­ri­men­ta­lis­mos so­no­ros

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - The Beatles - - Índice - Tex­to: Da­vid Cin­tra De­sign: Ca­rol To­zi

As ino­va­ções que per­du­ram até os di­as atu­ais e o adeus aos fre­né­ti­cos shows ao vi­vo

Ga­ro­tas his­té­ri­cas, re­cor­des que­bra­dos, apa­ri­ções me­mo­rá­veis

na te­vê: che­ga a era da gri­ta­ria

Nin­guém ima­gi­na­va que aque­le pe­que­no pe­da­ço de vi­nil com ape­nas du­as fai­xas ( Lo­ve Me Do no la­do A e P.S. I Lo­ve You, no B) mu­da­ria a mú­si­ca para sem­pre. A ex­ce­ção tal­vez fos­se o pro­du­tor Ge­or­ge Mar­tin e o em­pre­sá­rio Bri­an Eps­tein que, di­zem, te­ri­am com­pra­do al­gu­mas mi­lha­res de có­pi­as do pe­que­no dis­co de se­te po­le­ga­das para as­se­gu­rar que es­te en­tras­se nas pa­ra­das mu­si­cais. Se is­so é ver­da­de ou não (nun­ca foi to­tal­men­te pro­va­do), o fa­to é que ele sa­bia os ca­mi­nhos para abrir as por­tas para seus pu­pi­los e que, uma vez es­can­ca­ra­das, o céu se­ria o li­mi­te. Uma apos­ta tão ar­ris­ca­da que a pró­pria EMI lan­ça­ria o com­pac­to ape­nas dois anos de­pois nos EUA. Ape­sar de es­tra­nha, a de­ci­são aca­bou se mos­tran­do um acer­to, pois saiu quan­do a ban­da es­ta­va no au­ge e che­gou ao pri­mei­ro lu­gar das pa­ra­das. Na In­gla­ter­ra, em 1962, che­gou “ape­nas” ao 17º lu­gar (mes­mo com a su­pos­ta “ação de mar­ke­ting” de Bri­an Eps­tein), o que já foi su­fi­ci­en­te para co­lo­car o gru­po em po­si­ção des­ta­ca­da na mí­dia mu­si­cal da épo­ca. Afi­nal, um “top 20” lo­go na es­treia que­ria di­zer al­gu­ma coi­sa. Para me­dir a im­por­tân­cia de Lo­ve Me Do, bas­ta ima­gi­nar que se ti­ves­se si­do um fra­cas­so to­tal, eles não te­ri­am ti­do uma se­gun­da opor­tu­ni­da­de...

No to­po pe­la pri­mei­ra vez (e para sem­pre)

Se a es­treia em vi­nil não che­gou a ser o sucesso que seus pro­du­to­res ima­gi­na­vam, pe­lo me­nos con­se­guiu fa­zer o no­me The Be­a­tles ser co­nhe­ci­do na­ci­o­nal­men­te e deu cré­di­to su­fi­ci­en­te para que lan­ças­sem mais um sin­gle pe­lo se­lo Par­lopho­ne, per­ten­cen­te à po­de­ro­sa EMI. Gra­va­do em 26 de no­vem­bro de 1962 em ape­nas três ho­ras e lan­ça­do em 11 de ja­nei­ro do ano se­guin­te, Ple­a­se Ple­a­se Me / Ask Me Why cau­sou im­pac­to ime­di­a­to, li­de­ran­do al­gu­mas lis­tas im­por­tan­tes, co­mo as dos jor­nais mu­si­cais New Mu­si­cal Ex­press e Me­lody Ma­ker, os mais im­por­tan­tes do Rei­no Uni­do. As­sim, Ge­or­ge Mar­tin não es­ta­va de to­do er­ra­do quan­do dis­se, pe­lo cir­cui­to in­ter­no do es­tú­dio: “Pa­ra­béns, ca­va­lhei­ros, vo­cês aca­ba­ram de fa­zer seu pri­mei­ro nú­me­ro um”. Por ou­tro

la­do, ape­sar de ser re­co­nhe­ci­do co­mo um dos mo­men­tos­cha­ve da car­rei­ra e de ter es­ta­be­le­ci­do os Be­a­tles co­mo um dos gran­des no­mes da mú­si­ca in­gle­sa da épo­ca, es­te não foi o pri­mei­ro “nú­me­ro um” do gru­po. A pre­vi­são se tor­na­ria re­a­li­da­de, mas não com Ple­a­se Ple­a­se Me e sim com um ter­cei­ro sin­gle, que ti­nha From Me To You e Thank You Girl, lan­ça­do em 11 de abril de 1963 e que fi­cou 21 se­ma­nas en­tre os mais vendidos, sen­do se­te de­las (a par­tir de 4 de maio) em pri­mei­ro lu­gar.

Pa­ra­le­la­men­te às gra­va­ções no es­tú­dio e à con­quis­ta das pa­ra­das mu­si­cais, o quar­te­to con­ti­nu­a­va a fa­zer shows qua­se di­a­ri­a­men­te. Tra­ba­lho du­ro mes­mo, in­cluin­do um re­tor­no a Ham­bur­go, des­ta vez no Star-Club, on­de re­a­li­za­ram 48 apre­sen­ta­ções en­tre os di­as 13 de abril e 31 de maio de 1962. Fo­ram 172 ho­ras de pal­co e, no úni­co dia em que não to­ca­ram, gra­va­ram du­as can­ções ( Swa­nee Ri­ver e Swe­et Ge­or­gia Brown) co­mo ban­da de apoio para o can­tor Tony She­ri­dan. No en­tan­to, as mes­mas não fo­ram lan­ça­das na épo­ca e aca­ba­ram per­di­das para sem­pre – She­ri­dan che­gou a re­gra­vá-las com ou­tros mú­si­cos, mas sem sucesso.

Mas o gran­de “bo­om” es­ta­va por vir. Em agos­to do mes­mo ano, sai She Lo­ves You / I'll Get You, com cer­ca de 500 mil có­pi­as en­co­men­da­das an­te­ci­pa­da­men­te. O com­pac­to se tor­na­ria o mais ven­di­do da­que­le ano e tam­bém de to­da a his­tó­ria da ban­da na In­gla­ter­ra (mais de 1,9 mi­lhão de có­pi­as no to­tal). Ain­da no mes­mo ano, ou­tro sin­gle, com I Want To Hold Your Hand e This Boy, des­ban­ca­ria o pró­prio gru­po do pri­mei­ro lu­gar e ain­da co­lo­ca­ria os Be­a­tles pe­la pri­mei­ra vez na li­de­ran­ça das pa­ra­das de ál­buns e sin­gles ao mes­mo tem­po, al­go que se tor­na­ria co­mum nos pró­xi­mos anos. Ofi­ci­al­men­te, a Be­a­tle­ma­nia era uma re­a­li­da­de em to­do o Rei­no Uni­do.

O pri­mei­ro ál­bum a gente nun­ca es­que­ceu

Uma das con­sequên­ci­as do enor­me sucesso do se­gun­do com­pac­to do quar­te­to de Li­ver­po­ol foi as­se­gu­rar um con­tra­to para gra­va­rem um ál­bum. Na épo­ca, os sin­gles eram mais im­por­tan­tes, es­pe­ci­al­men­te para o pú­bli­co ado­les­cen­te, mas, se­ja co­mo for, em 11 de fe­ve­rei­ro de 1963, John, Paul, Ge­or­ge e Rin­go en­tra­ram no es­tú­dio Ab­bey Ro­ad e, em três ses­sões se­pa­ra­das, gra­va­ram dez mú­si­cas. To­das en­tra­ri­am em Ple­a­se Ple­a­se Me, o pri­mei­ro ál­bum, jun­ta­men­te com as qu­a­tro fai­xas dos dois sin­gles an­te­ri­o­res. O “bo­la­chão” che­ga­ria às lo­jas in­gle­sas em 22 de mar­ço, na ver­são mo­no, e, em 26 de abril, com som es­te­re­ofô­ni­co. O sucesso foi to­tal. Em 11 de maio, o ál­bum che­gou ao to­po das lis­tas dos mais vendidos no Rei­no Uni­do e as li­de­rou por 30 se­ma­nas. No to­tal, Ple­a­se Ple­a­se Me fi­cou 70 se­ma­nas se­gui­das nas pa­ra­das in­gle­sas. Na­da mal para um ál­bum de es­treia, mas ain­da era um es­bo­ço do que es­ta­va por vir.

A con­quis­ta do rá­dio e da te­vê

O ano de 1962 foi um dos mais in­ten­sos da his­tó­ria dos Be­a­tles, em­bo­ra ain­da es­ti­ves­sem ape­nas de­co­lan­do. Além dos pri­mei­ros lan­ça­men­tos ofi­ci­ais e das pro­mis­so­ras ven­das de dis­cos, mar­cou as pri­mei­ras apa­ri­ções do quar­te­to nas te­li­nhas in­gle­sas e nos pro­gra­mas de rá­dio gra­va­dos ao vi­vo. As on­das ra­di­ofô­ni­cas co­me­ça­ram a ser in­va­di­das em mar­ço, quan­do fi­ze­ram sua es­treia no pro­gra­ma Te­e­na­ger's Turn - He­re We

Go, da BBC, no qual to­ca­ram

três can­ções, to­das co­vers: Dre­am Baby ( How Long Must I Dre­am?), Memphis, Ten­nes­see e Ple­a­se Mis­ter Post­man. Mas foi ape­nas em ou­tu­bro que con­ce­de­ram a pri­mei­ra en­tre­vis­ta no rá­dio, para o pro­gra­ma de um tal Monty Lis­ter, da Ra­dio Clat­ter­brid­ge, uma es­ta­ção de AM di­ri­gi­da à co­mu­ni­da­de de um hos­pi­tal.

Es­treia mo­des­ta, mas na qual o gru­po já mos­tra­va o ca­ris­ma e o bom hu­mor que mar­ca­ri­am cen­te­nas de ou­tras en­tre­vis­tas que vi­e­ram na sequên­cia.

De­pois de re­ce­ber muitos pe­di­dos por car­tas, a TV Granada, um ca­nal re­gi­o­nal do nor­te da In­gla­ter­ra, re­sol­veu fil­mar os Be­a­tles. As ima­gens fo­ram cap­tu­ra­das no Ca­vern Club, em agos­to de 1962, e mos­tram o Fab

Four to­can­do So­me Other Guy. Cu­ri­o­sa­men­te, Pe­te Best ha­via si­do subs­ti­tuí­do por Rin­go Starr uma se­ma­na an­tes e, no fi­nal da gra­va­ção, dá para ou­vir al­guém na plateia gri­tan­do “we want Pe­te” (que­re­mos Pe­te!). A fil­ma­gem foi ao ar ape­nas em no­vem­bro da­que­le ano. Mais um dé­but aca­nha­do, po­rém, a in­va­são dos la­res in­gle­ses es­ta­va ofi­ci­al­men­te inau­gu­ra­da. Al­guns me­ses de­pois, no pro­gra­ma The 625 Show, o país in­tei­ro fi­nal­men­te as­sis­ti­ria pe­la pri­mei­ra vez aos fi­lhos de Li­ver­po­ol, que apre­sen­ta­ram From Me To You, Thank You Girl e Ple­a­se Ple­a­se Me. Nos anos se­guin­tes, qual­quer pro­gra­ma mu­si­cal ou mes­mo de va­ri­e­da­des que se pre­zas­se te­ria que apre­sen­tá-los.

En­fim, os EUA se ren­dem

En­quan­to o rei­na­do be­a­tle já es­ta­va se so­li­di­fi­can­do no Rei­no Uni­do, nos EUA pou­co se fa­la­va do quar­te­to. A Ca­pi­tol Re­cords, se­lo que re­pre­sen­ta­va a EMI por lá, pa­re­cia não acre­di­tar mui­to no po­ten­ci­al dos qu­a­tro ra­pa­zes de Li­ver­po­ol, tan­to que re­pas­sou os di­rei­tos de lan­çar os pri­mei­ros dis­cos dos Be­a­tles a um pe­que­no se­lo cha­ma­do Vee-Jay, es­pe­ci­a­li­za­do em blu­es e jazz. Nu­ma inversão de pa­peis, os Be­a­tles en­tra­ram co­mo “bô­nus” em uma con­fu­sa ne­go­ci­a­ção para o lan­ça­men­to de

I Re­mem­ber You do can­tor Frank Ifi­eld, en­tão nú­me­ro um na In­gla­ter­ra. O sin­gle es­co­lhi­do para a es­treia em so­lo nor­te-ame­ri­ca­no foi Ple­a­se Ple­a­se Me / Ask Me Why. O des­ca­so com es­te lan­ça­men­to, ocor­ri­do em 25 de ja­nei­ro de 1963, foi tal que o no­me do gru­po saiu er­ra­do no dis­co: The “Be­at­tles”. Ape­sar de ter al­can­ça­do o “Top 40” da Bill­bo­ard, fi­cou lon­ge de re­pe­tir o êxi­to ob­ti­do na ter­ra na­tal do gru­po.

A se­gun­da ten­ta­ti­va foi ain­da mais de­cep­ci­o­nan­te: From Me To You / Thank You Girl, que na In­gla­ter­ra che­gou ao pri­mei­ro lu­gar em pou­cas se­ma­nas, nos EUA não pas­sou da 116ª po­si­ção. Co­la­bo­rou para o fra­cas­so o fa­to de o can­tor Del Shannon ter gra­va­do From Me To You após ter vis­to os Be­a­tles du­ran­te sua tur­nê pe­la In­gla­ter­ra. Mui­tas rádios pre­fe­ri­ram to­car a ver­são de Del Shannon...

Com dois fra­cas­sos se­gui­dos so­ma­dos aos pro­ble­mas fi­nan­cei­ros da Vee-Jay, o ter­cei­ro sin­gle nor­te-ame­ri­ca­no do gru­po aca­bou sen­do re­pas­sa­do para um se­lo me­nor ain­da, a Swan Re­cords. Mas She Lo­ves You / I'll Get You, em­bo­ra te­nha si­do o iní­cio ofi­ci­al da Be­a­tle­ma­nia na Europa, aca­bou fa­lhan­do co­mo seus an­te­ces­so­res.

Ape­sar das ven­das fra­cas, o in­crí­vel sucesso no Ve­lho Mun­do, on­de já se fa­la­va em “Be­a­tle­ma­nia”, con­ti­nu­a­va des­per­tan­do o in­te­res­se de re­pre­sen­tan­tes da EMI nos Es­ta­dos Uni­dos, em­bo­ra Da­ve Dex­ter, um dos che­fões da Ca­pi­tol, ter de­cla­ra­do os Be­a­tles “mor­tos para o mer­ca­do nor­te-ame­ri­ca­no”. Mes­mo as­sim, a Vee-Jay ain­da fa­ria mais uma apos­ta e lan­çou o pri­mei­ro ál­bum dos Be­a­tles nos EUA, já em ja­nei­ro de 1964, com Lo­ve Me Do e P.S. I Lo­ve You nos lu­ga­res de Ple­a­se Ple­a­se Me e Ask Me

Why e o tí­tu­lo In­tro­du­cing The Be­a­tles – En­gland's nr. 1 vo­cal group. A ver­da­de é que os di­re­to­res da Vee-Jay sa­bi­am que a Ca­pi­tol es­ta­va pre­pa­ran­do uma cam­pa­nha publicitária for­te para fa­zer a Be­a­tle­ma­nia fi­nal­men­te cru­zar o Atlân­ti­co. Dez di­as de­pois, a Ca­pi­tol lan­ça­va o ál­bum Me­et The Be­a­tles – The first album by En­gland's phe­no­me­nal pop com­bo, o equi­va­len­te ame­ri­ca­no ao se­gun­do LP dos Be­a­tles no Rei­no Uni­do, With The Be­a­tles, lan­ça­do em no­vem­bro de 1963. As­sim, des­de o co­me­ço, os lan­ça­men­tos nor­te-ame­ri­ca­nos fo­ram bem di­fe­ren­tes, não ape­nas nos tí­tu­los, mas tam­bém em re­la­ção às can­ções in­cluí­das, mi­xa­gem e ar­te. Fa­to é que os dois ál­buns che­ga­ram ao top ten da Bill­bo­ard (em ja­nei­ro, Me­et... era pri­mei­ro e In­tro­du­cing..., se­gun­do). Com cer­te­za, o êxi­to foi eco do sucesso de I Want To Hold Your Hand, lan­ça­da em 26 de de­zem­bro de 1963. Em ape­nas três di­as, o com­pac­to

ven­deu mais de 250 mil có­pi­as e, em 1 de fe­ve­rei­ro al­can­çou o nú­me­ro um do Hot 100 da Bill­bo­ard. Fi­nal­men­te, a Be­a­tle­ma­nia che­ga­va a Amé­ri­ca.

O mun­do aos pés de qu­a­tro ca­be­lu­dos

Em ou­tu­bro de 1963, Ed Sul­li­van, en­tão o apre­sen­ta­dor de te­vê mais po­pu­lar dos Es­ta­dos Uni­dos, es­ta­va no ae­ro­por­to de He­ath­row, em Lon­dres. Jus­to na­que­le dia, os Be­a­tles re­tor­na­vam de uma bre­ve tur­nê pe­la Sué­cia e eram esperados pe­la tra­di­ci­o­nal mul­ti­dão de fãs his­té­ri­cas. Sul­li­van fi­cou im­pres­si­o­na­do. Di­as de­pois acer­ta­ria com Bri­an Eps­tein três par­ti­ci­pa­ções dos Be­a­tles em seu pro­gra­ma, pe­las quais con­cor­dou pa­gar 10 mil dó­la­res.

Du­as de­las se­ri­am re­a­li­za­das em fe­ve­rei­ro do ano se­guin­te, à som­bra do es­tou­ro de I Want To Hold Your Hand. Cal­cu­la­se que a pri­mei­ra apa­ri­ção dos Be­a­tles na te­vê dos Es­ta­dos Uni­dos foi vista por cer­ca de 73 milhões de pes­so­as. Eles apre­sen­ta­ram cinco can­ções ( All My Lo­ving, Till The­re Was You, She Lo­ves You, I Saw Her Stan­ding The­re e I Want To Hold Your Hand) e o im­pac­to foi tal que, no dia se­guin­te, pra­ti­ca­men­te to­dos os prin­ci­pais jor­nais do país de­di­ca­ram es­pa­ços ge­ne­ro­sos ao fa­to – al­guns, com crí­ti­cas pe­sa­das ao es­ti­lo ba­ru­lhen­to e à apa­rên­cia dos qu­a­tro. Se­ja co­mo for, a Be­a­tle­ma­nia es­ta­va con­su­ma­da.

Ain­da du­ran­te aque­la his­tó­ri­ca vi­si­ta à Amé­ri­ca, eles se tor­na­ri­am a pri­mei­ra ban­da de rock a se apre­sen­tar no Car­ne­gie Hall, em No­va Ior­que. Aliás, se quan­do che­ga­ram aos EUA eram esperados por cinco mil fãs, quan­do re­tor­na­ram a NY, uma se­ma­na de­pois, eram mais de 10 mil. To­dos os lu­ga­res para o show do Car­ne­gie Hall fo­ram vendidos an­te­ci­pa­da­men­te e a po­lí­cia pre­ci­sou de re­for­ços para con­ter a mul­ti­dão que se aglo­me­rou de fo­ra da ca­sa de es­pe­tá­cu­los. Na­da pa­re­ci­do ha­via acon­te­ci­do an­tes. A his­te­ria, do­cu­men­ta­da em di­ver­sos ví­de­os e fo­tos, ain­da im­pres­si­o­na. Em 31 de mar­ço de 1964, os Be­a­tles ocu­pa­ram os cinco pri­mei­ros lu­ga­res das pa­ra­das de sin­gles mais vendidos nos EUA. Qu­a­tro di­as an­tes, na Aus­trá­lia, ocu­pa­vam os seis pri­mei­ros pos­tos. Aliás, na ter­ra dos can­gu­rus, o quar­te­to tor­nou-se uma fe­bre tão gran­de quan­to em sua ter­ra na­tal. Àque­la al­tu­ra já da­va para ima­gi­nar que fos­sem mais po­pu­la­res que... Bem, me­lhor dei­xar pra lá!

A con­so­li­da­ção de um fenô­me­no

Os crí­ti­cos e cé­ti­cos de plan­tão não se con­ven­ce­ram da qua­li­da­de dos Be­a­tles e al­guns che­ga­ram a di­zer que a be­a­tle­ma­nia se­ria passageira. Mas pou­co de­pois de re­tor­na­rem da pri­mei­ra e triun­fal vi­si­ta aos Es­ta­dos Uni­dos, o quar­te­to co­me­çou a gra­var as mú­si­cas e as pri­mei­ras fil­ma­gens de A Hard Day's Night. O dis­co e fil­me le­va­ri­am o que já era um sucesso qua­se sem pre­ce­den­tes (tal­vez, El­vis te­nha cau­sa­do im­pac­to se­me­lhan­te) à es­tra­tos­fe­ra. Nos Es­ta­dos Uni­dos, o ál­bum fi­ca­ria 47 se­ma­nas en­tre os mais vendidos, sen­do 14 de­las em pri­mei­ro lu­gar. Na In­gla­ter­ra

No pro­gra­ma de Ed Sul­li­van: o apre­sen­ta­dor fi­cou im­pres­si­o­na­do com a mul­ti­dão de fãs no ae­ro­por­to de Lon­dres e

con­vi­dou o gru­po para o seu show

fo­ram in­crí­veis 21 se­ma­nas no to­po.

O rit­mo se­guia alu­ci­nan­te e, ain­da em 1964, sai Be­a­tles

For Sa­le, o quar­to ál­bum em dois anos. Des­ta vez, en­tre­tan­to, de­vi­do aos múl­ti­plos com­pro­mis­sos, a ban­da te­ve pou­co tem­po para com­por (al­gu­mas mú­si­cas in­cluí­das ha­vi­am si­do fei­tas an­tes do sucesso, co­mo I'll Fol­low The Sun, de 1959) e o LP não tem o mes­mo pi­que dos an­te­ri­o­res. Mes­mo as­sim, foi res­pon­sá­vel por ti­rar A Hard Day's Night do to­po (em­bo­ra es­te te­nha re­tor­na­do ao nú­me­ro um, em ou­tro fei­to iné­di­to e in­co­mum até ho­je).

Aque­les que ain­da es­ta­vam con­ven­ci­dos de que a on­da era passageira já co­me­ça­vam a mu­dar de ideia. En­tão, em fe­ve­rei­ro de 1965 é a vez de Help!, o dis­co e o fil­me. Co­mo acon­te­ce­ra com seu an­te­ces­sor, o sucesso foi ins­tan­tâ­neo. Tan­to na

In­gla­ter­ra co­mo nos EUA, li­de­rou as ven­das por no­ve se­ma­nas con­se­cu­ti­vas. O ál­bum in­cluía se­te can­ções apre­sen­ta­das no fil­me e ou­tras se­te iné­di­tas. Uma de­las, Yes­ter­day, se tor­na­ria uma das mú­si­cas mais re­gra­va­das e exe­cu­ta­das de to­dos os tem­pos. O ano de 1965 foi qua­se um re­play de 1964 e já não era mais pos­sí­vel du­vi­dar da ca­pa­ci­da­de do Fab Four em ven­der dis­cos e atrair ca­da vez mais pú­bli­co. En­tão, a tur­mi­nha do con­tra pas­sou a se con­cen­trar na (para eles, fal­ta de) qua­li­da­de mu­si­cal do quar­te­to. Não fal­ta­ram vo­zes di­zen­do que eles não se­ri­am ca­pa­zes de cri­ar na­da me­lhor do que A Hard Day's Night e Help!. Não de­vi­am ter du­vi­da­do... Co­mo se para pro­var que es­ta­vam er­ra­dos, em ou­tu­bro co­me­ça­ram as gra­va­ções de Rub­ber Soul, o pri­mei­ro ál­bum a ter com­po­si­ções dos qu­a­tro in­te­gran­tes. Era o iní­cio de uma no­va fa­se, que to­ma­ria ru­mos tão re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os quan­to tu­do o que eles já ha­vi­am fei­to até ali.

Es­ta có­pia do com­pac­to Lo­ve Me Do / P.S. I Lo­ve You, au­to­gra­fa­da pe­los qu­a­tro Be­a­tles, foi ven­di­da por mais de 21 mil dó­la­res du­ran­te o mês de aniversário dos 50 anos do lan­ça­men­to do sin­gle de es­treia do quar­te­to de Li­ver­po­ol

Ca­pa do his­tó­ri­co LP de es­treia

Os Be­a­tles no Ca­vern Club, em sua pri­mei­ra apa­ri­ção na te­vê

Ou­ça a en­tre­vis­ta na in­ter­net:Link: mi­gre.me/hZwwg

O gru­po na en­tre­vis­ta no ae­ro­por­to JFK: de ca­ra, os Es­ta­dos Uni­dos gos­ta­ram do jei­to ir­re­ve­ren­te dos Be­a­tles

Em mar­ço de 1964, os Be­a­tles eram do­nos dos cinco pri­mei­ros pos­tos do Hot 100 da Bill­bo­ard,fa­ça­nha até ho­je ini­gua­la­da

Ve­ja a en­tre­vis­ta co­le­ti­va da ban­da no ae­ro­por­toLink: //mi­gre.me/i3pyn

Os Be­a­tles cum­pri­men­tam a prin­ce­sa Mar­ga­ret em 1965

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.