Pri­mei­ros anos

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - The Beatles - - Índice -

“Vi­ran­do” Be­a­tles: os shows em Ham­bur­go, as di­ver­sas for­ma­ções, tro­cas de no­mes e o pri­mei­ro con­tra­to

As ra­zões que fi­ze­ram os Be­a­tles se­rem os Be­a­tles

Um dos mis­té­ri­os que mais in­tri­gam em re­la­ção ao sucesso dos Be­a­tles é por que eles, em meio a tan­tos ou­tros, con­se­gui­ram se so­bres­sair? É pos­sí­vel ci­tar de­ze­nas de ra­zões para is­so. As prin­ci­pais fo­ram o ta­len­to mu­si­cal, uma pro­du­ção efi­ci­en­te e uma boa ima­gem. Com cer­te­za, a jun­ção de­las ain­da é uma re­cei­ta efi­ci­en­te para se “cons­truir” um pops­tar. Mas para se tor­nar al­go ape­nas pa­re­ci­do com o que foi a Be­a­tle­ma­nia, era pre­ci­so mui­to mais: o con­tex­to da épo­ca. Em resumo: eram as pes­so­as cer­tas, no lu­gar cer­to e no tem­po cer­to.

A mú­si­ca

A prin­ci­pal ra­zão que fez os Be­a­tles se­rem os Be­a­tles é a mú­si­ca, não há dú­vi­da. Pri­mei­ra­men­te, mes­mo não sen­do gran­des vir­tu­o­sos, com­pu­se­ram al­gu­mas de­ze­nas de mú­si­cas que até ho­je in­flu­en­ci­am ar­tis­tas dos mais va­ri­a­dos es­ti­los. Além dis­so, to­ca­vam mui­to bem ao vi­vo e sa­bi­am ca­ti­var o pú­bli­co co­mo nin­guém. No en­tan­to, ape­nas para api­men­tar a dis­cus­são, tan­to no iní­cio co­mo du­ran­te to­da a dé­ca­da de 60, sur­gi­ram mui­tas ou­tras ban­das tão chei­as de ener­gia no pal­co e cri­a­ti­vas co­mo eles. Tam­bém é pos­sí­vel ci­tar cen­te­nas de gui­tar­ris­tas, bai­xis­tas, ba­te­ris­tas e can­to­res tec­ni­ca­men­te me­lho­res que eles (em­bo­ra fos­sem ex­ce­len­tes mú­si­cos). A ver­da­de é que a cri­a­ti­vi­da­de para cri­ar hits aca­bou sen­do mui­to mais im­por­tan­te do que a ha­bi­li­da­de em to­car seus ins­tru­men­tos. Mas não foi tu­do.

Ima­gem é tu­do

Des­de a pri­mei­ra vez que apa­re­ce­ram na te­vê bri­tâ­ni­ca, os qu­a­tro ga­ro­tos de Li­ver­po­ol caí­ram na gra­ça de milhões de jo­vens, sem pas­sar uma ima­gem que pu­des­se ser de­tra­ta­da pe­las au­to­ri­da­des ou to­tal­men­te re­pro­va­da pe­los pais. O to­que de re­bel­dia era da­do pe­los ca­be­los, con­si­de­ra­dos lon­gos para os pa­drões da épo­ca, es­pe­ci­al­men­te nos Es­ta­dos Uni­dos. E mais: se não eram ga­lãs, eram jo­vens co­mo o pú­bli­co que bus­ca­vam, se ves­ti­am bem e es­ta­vam sem­pre sor­rin­do. O ca­ris­ma no pal­co, o bom hu­mor nas en­tre­vis­tas e o char­me pes­so­al de ca­da um de­les fo­ram in­gre­di­en­tes fun­da­men­tais no con­tex­to que ge­rou to­da a his­te­ria em tor­no da ban­da e, prin­ci­pal­men­te, o sucesso nas pri­mei­ras apa­ri­ções do gru­po na te­vê.

O es­pí­ri­to da épo­ca

“Com uma pe­que­na ajuda dos ami­gos”

Além de fa­zer boa mú­si­ca, o quar­te­to con­tou tam­bém com a sor­te que, para eles, che­gou nas pes­so­as de um em­pre­sá­rio (Bri­an Eps­tein) e um pro­du­tor (Ge­or­ge Mar­tin). O pri­mei­ro con­se­guiu ex­ce­len­tes con­tra­tos e sou­be cri­ar es­tra­té­gi­as de mar­ke­ting até ho­je imi­ta­das na in­dús­tria mu­si­cal. Foi ele quem con­se­guiu le­var Lo­ve Me Do para as rádios e con­ven­cer muitos de seus ami­gos e de ca­da um dos qu­a­tro in­te­gran­tes da ban­da e agre­ga­dos a li­ga­rem o quan­to pu­des­sem para pe­dir que to­cas­sem a mú­si­ca. Ou se­ja, tra­ba­lho du­ro e sé­rio. O se­gun­do, além da ex­tre­ma de­di­ca­ção e com­pe­tên­cia, sou­be aper­fei­ço­ar as ge­ni­ais com­po­si­ções da du­pla Len­non/McCart­ney e trans­for­má-las em hits, se­ja usan­do téc­ni­cas re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as de gra­va­ção ou co­lo­can­do um nai­pe de cor­das aqui, ou­tro aco­lá. Mais do que qual­quer ou­tra coi­sa, po­rém, am­bos se tor­na­ram gran­des ami­gos dos qu­a­tro in­te­gran­tes da ban­da. Não por aca­so, eles são co­nhe­ci­dos tam­bém co­mo os quin­to e sex­to be­a­tle. Mas tam­bém não se po­de cre­di­tar o sucesso ape­nas a eles. A ima­gem, di­ga-se cons­truí­da com gran­de ajuda de Bri­an, foi ou­tro fa­tor que con­tou mui­to.

Além do ta­len­to para cri­ar gran­des su­ces­sos mu­si­cais, o Fab Four só pô­de exis­tir den­tro do con­tex­to de sua épo­ca. Se ti­ves­se sur­gi­do uma dé­ca­da de­pois, cer­ta­men­te sua re­le­vân­cia não se­ria a mes­ma – ou, pe­lo me­nos, John, Paul, Ge­or­ge e Rin­go te­ri­am que cri­ar al­go to­tal­men­te di­fe­ren­te do que fi­ze­ram para cau­sar im­pac­to se­me­lhan­te. E a pro­va dis­so, é que, de­pois de­les, ne­nhu­ma ban­da de rock ou pop con­se­guiu tal fei­to. Ou se­ja, não é pos­sí­vel com­pre­en­der o fenô­me­no Be­a­tles sem le­var em con­ta as mu­dan­ças cul­tu­rais e so­ci­ais ocor­ri­das nos anos 60, tal­vez a dé­ca­da mais im­por­tan­te do sé­cu­lo 20. Em­bo­ra pe­río­dos an­te­ri­o­res te­nham pro­vo­ca­do gran­des mu­dan­ças – afi­nal, ocor­re­ram du­as guer­ras mun­di­ais an­tes – as trans­for­ma­ções so­ci­ais e cul­tu­rais dos anos 60 atin­gi­ram não só um nú­me­ro maior de pes­so­as ao re­dor do mun­do, co­mo tam­bém ocor­re­ram em di­ver­sos campos, des­de a po­lí­ti­ca até a cul­tu­ra po­pu­lar, pas­san­do pe­la mo­da, ar­tes, com­por­ta­men­to, co­mu­ni­ca­ção, li­te­ra­tu­ra, etc. Muitos so­ció­lo­gos con­si­de­ram as trans­for­ma­ções da dé­ca­da de 60 co­mo uma “re­vo­lu­ção social”.

Mas na­da mu­dou tan­to quan­to a mú­si­ca. O rock, es­pe­ci­fi­ca­men­te, ini­ci­ou a dé­ca­da em bai­xa. Em 1961 e 1962, as pa­ra­das mu­si­cais in­gle­sas eram do­mi­na­das por ar­tis­tas da dé­ca­da an­te­ri­or, mas a pri­mei­ra ge­ra­ção de ro­quei­ros ou ha­via se ren­di­do ao mer­ca­do, gra­van­do can­ções ro­mân­ti­cas, ou mor­ri­do. Po­rém, dez anos de­pois, pra­ti­ca­men­te rein­ven­ta­do, o rock do­mi­na­va com­ple­ta­men­te o mer­ca­do de dis­cos e exer­cia o pa­pel de por­ta-voz dos jo­vens em boa par­te do pla­ne­ta. E ne­nhu­ma ou­tra ban­da re­pre­sen­ta tais mu­dan­ças com tan­ta pro­pri­e­da­de quan­to os Be­a­tles. O so­nho de uma reu­nião do quar­te­to po­de ter aca­ba­do com um ti­ro es­tú­pi­do, em 1980, mas não com as se­men­tes plan­ta­das pe­lo so­nho de qu­a­tro ga­ro­tos “li­ver­po­ol­di­a­nos”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.