Be­a­tle­ma­nia

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - The Beatles - - Índice - Tex­to: Thi­a­go Ko­gu­chi De­sign: Ja­mi­le Cury Gan­da­ra

His­te­ria, re­cor­des que­bra­dos e mui­to ba­ru­lho: é a fe­bre Be­a­tles

De Ham­bur­go à che­ga­da de Rin­go, a ban­da pas­sa por di­as in­ten­sos e com mui­tas mu­dan­ças

Os pri­mei­ros anos do gru­po fo­ram es­sen­ci­ais para o ama­du­re­ci­men­to dos Be­a­tles co­mo ban­da, pois foi mar­ca­do por uma sé­rie de trans­for­ma­ções e ex­pe­ri­ên­ci­as, co­mo as al­te­ra­ções de no­mes, as pri­mei­ras tur­nês fo­ra de Li­ver­po­ol e, pos­te­ri­or­men­te, da In­gla­ter­ra, o pri­mei­ro con­tra­to pro­fis­si­o­nal e a po­lê­mi­ca en­tra­da de Rin­go Starr no lu­gar de Pe­te Best.

No­vos mem­bros, no­vos no­mes

O ano de 1960 co­me­çou com pou­cas pers­pec­ti­vas para o Qu­ar­ry­men. Após a de­sis­tên­cia na úl­ti­ma eta­pa do con­cur­so de Car­roll Le­vis em Man­ches­ter (In­gla­ter­ra), o gru­po não ha­via fei­to mais apre­sen­ta­ções. Além dis­so, a com­po­si­ção da ban­da se re­su­mia a John, Paul e Ge­or­ge, ou se­ja, três gui­tar­ris­tas.

Mas lo­go nos pri­mei­ros di­as de ja­nei­ro da­que­le ano, o gru­po ga­nhou um no­vo in­te­gran­te. Stu­art Fer­gus­son Victor Sut­clif­fe, ou Stu, era um dos ami­gos mais pró­xi­mos de John na Li­ver­po­ol

Col­le­ge of Art.

Era tam­bém um dos jo­vens mais ta­len­to­sos e pro­mis­so­res da es­co­la, tan­to que uma obra de sua au­to­ria ha­via si­do es­co­lhi­da para ser ex­pos­ta em uma im­por­tan­te bi­e­nal de ar­tes. No fi­nal, a pin­tu­ra foi com­pra­da por 65 li­bras.

Com o di­nhei­ro, Stu­art não in­ves­tiu em sua car­rei­ra ar­tís­ti­ca, co­mo seus pais de­se­ja­vam. Ele pre­fe­riu com­prar um bai­xo Hof­ner Pre­si­dent para en­trar na ban­da de seu ami­go, mes­mo sem co­nhe­cer um acor­de. Em mui­tas apre­sen­ta­ções, Stu ge­ral­men­te se co­lo­ca­va de cos­tas para o pú­bli­co, para es­con­der sua fal­ta de ha­bi­li­da­de.

Stu tam­bém foi um dos res­pon­sá­veis pe­la pri­mei­ra mudança ofi­ci­al de no­me da ban­da. Era o mo­men­to ide­al para is­so, afi­nal, John não era mais alu­no da Qu­ar­ry Bank High Scho­ol for Boys e, por­tan­to, não fa­zia sen­ti­do car­re­gar o no­me em re­fe­rên­cia ao co­lé­gio. En­tão, Stu­art su­ge­riu The Be­a­tals, em re­fe­rên­cia a ban­da Buddy Holly's Cric­kets.

A se­gun­da mudança de no­me veio após uma tra­gé­dia. Ed­die Co­ch­ran e Ge­ne Vin­cent, dois gran­des can­to­res da épo­ca, fa­ri­am um show em Li­ver­po­ol em 5 de maio de 1960, jun­to com vá­ri­os ar­tis­tas da ci­da­de. No en­tan­to, um aci­den­te em 17 de abril ma­tou Co­ch­ran e dei­xou Vin­cent im­pos­si­bi­li­ta­do de can­tar. Para não can­ce­lar o even­to, Lar­ry Par­nes, em­pre­sá­rio e or­ga­ni­za­dor, pre­fe­riu con­vi­dar ou­tros ar­tis­tas e uma ban­da de su­por­te.

As­sim, os Be­a­tals fo­ram su­ge­ri­dos a par­ti­ci­par dos tes­tes. Bri­an Cas­sar, lí­der da ban­da Cass and the Cas­sa­no­vas, acha­va que o no­me Be­a­tals era “ri­dí­cu­lo” e acre­di­ta­va que Long John and The Sil­ver Beetles so­a­va me­lhor para as au­di­ções. En­tre­tan­to, John não que­ria ser cha­ma­do de Long John. No fi­nal, a me­lhor op­ção foi re­ba­ti­zar a ban­da co­mo The Sil­ver Beetles.

Além de re­ce­be­rem um no­vo no­me, a ban­da ga­nhou um ba­te­ris­ta, Tommy Mo­o­re. Ape­sar de ser mui­to mais ve­lho do que os ou­tros com­po­nen­tes, os in­te­gran­tes acei­ta­ram o no­vo mem­bro, já que o pos­to es­ta­va va­go há al­gum tem­po e era ne­ces­sá­rio que uma ban­da ti­ves­se al­guém na ba­te­ria.

A pri­mei­ra tur­nê

Não foi uma pri­mei­ra ex­pe­ri­ên­cia dos so­nhos para os ga­ro­tos do (re­no­me­a­do) The Sil­ver Beetles, mas a opor­tu­ni­da­de de to­car fo­ra de Li­ver­po­ol em apre­sen­ta­ções pré-agen­da­das foi im­por­tan­te para o ama­du­re­ci­men­to dos in­te­gran­tes. O res­pon­sá­vel foi Al­lan Wil­li­ams, do­no de um pe­que­no bar em Li­ver­po­ol cha­ma­do Ja­ca­ran­da, lo­cal fre­quen­ta­do re­gu­lar­men­te pe­lo The Sil­ver Beetles à épo­ca. Wil­li­ams fez, por um bom tem­po, o pa­pel de agen­te e ge­ren­te da ban­da, ain­da que de ma­nei­ra meio ama­do­ra. Um im­por­tan­te em­pre­sá­rio mu­si­cal, Lar­ry Par­nes, so­li­ci­tou a Wil­li­ams al­gu­mas ban­das que

pu­des­sem ser­vir de apoio ao can­tor Johnny Gen­tle, que ex­cur­si­o­na­ria para o nor­te da In­gla­ter­ra e para a Es­có­cia em uma tur­nê que du­ra­ria no­ve di­as. Wil­li­ams es­co­lheu o The Sil­ver Beetles, e avi­sou seus in­te­gran­tes que eles par­ti­ri­am em dois di­as para a vi­a­gem. Foi o tem­po su­fi­ci­en­te para Ge­or­ge e Tommy pe­di­rem fol­ga do tra­ba­lho, e Paul con­ven­cer seu pai. John e Stu sim­ples­men­te fal­ta­ram às au­las.

A tur­nê co­me­çou em 20 de maio de 1960 na ci­da­de de Al­loa (Es­có­cia) e ter­mi­nou no dia 29. A ver­da­de é que a vi­a­gem ha­via si­do mal pla­ne­ja­da e re­sul­tou em uma ex­pe­ri­ên­cia can­sa­ti­va e mui­to frus­tran­te. O “au­ge” foi um aci­den­te com a van em que eles vi­a­ja­vam. En­tre as di­ver­sas con­sequên­ci­as ne­ga­ti­vas, Tommy Mo­o­re foi atin­gi­do por uma gui­tar­ra e te­ve que ser in­ter­na­do. Mes­mo as­sim, foi obri­ga­do a to­car em uma das apre­sen­ta­ções.

Na vol­ta, os mem­bros fo­ram re­ce­bi­dos com uma boa no­tí­cia: Wil­li­ams ha­via acer­ta­do os pri­mei­ros com­pro­mis­sos ofi­ci­ais da ban­da em al­guns clubes e ca­sas co­mo o Gros­ve­nor Ball­ro­om e o Ins­ti­tu­te Hall em Nes­ton (In­gla­ter­ra), um lu­gar mais fa­mo­so pe­la vi­o­lên­cia do que pe­la mú­si­ca.

E em 13 de junho de 1960, The Sil­ver Beetles so­fre mais uma bai­xa. Tommy Mo­o­re ha­via si­do pres­si­o­na­do pe­la na­mo­ra­da a aban­do­nar a ban­da, já que ela acre­di­ta­va que mú­si­ca não tra­ria um bom fu­tu­ro a ele.

Ham­bur­go e as “800 ho­ras de prá­ti­ca”

É as­sim que Paul McCart­ney se re­fe­re a um mo­men­to his­tó­ri­co da ban­da: as viagens para Ham­bur­go (Ale­ma­nha). A pri­mei­ra de­las não foi uma “ma­gi­cal mys­tery tour” dos so­nhos para os jo­vens, mas foi um pe­río­do es­sen­ci­al para seu ama­du­re­ci­men­to co­mo ar­tis­tas.

Tu­do co­me­çou com um con­vi­te fei­to pe­los mú­si­cos da Royal Ca­rib­be­an Ste­el Band, ban­da que to­ca­va na ca­sa de shows de Al­lan Wil­li­ams. Eles es­ta­vam em Ham­bur­go e en­vi­a­ram uma car­ta a Wil­li­ams fa­lan­do so­bre a vi­da lou­ca, o di­nhei­ro fá­cil e as mu­lhe­res da ci­da­de ale­mã. “Por que vo­cê não vem e traz al­gu­mas ban­das para to­car?”, di­zia des­pre­ten­si­o­sa­men­te o re­ca­do.

Após al­gu­mas ten­ta­ti­vas fra­cas­sa­das de ne­go­ci­a­ção, Wil­li­ams de­sis­tiu por um tem­po da ideia, vi­a­jou para Lon­dres e le­vou al­gu­mas ban­das para to­car na ci­da­de. Coin­ci­den­te­men­te, em um dos lo­cais de apre­sen­ta­ção, ele encontrou Bru­no Kos­ch­mi­der, do­no da Kai­ser­kel­ler, uma das ca­sas de shows mais co­nhe­ci­das de Ham­bur­go, que es­ta­va na In­gla­ter­ra para ver al­gu­mas ca­ras no­vas que ele tan­to ou­vi­ra fa­lar.

Kos­ch­mi­der es­ta­va ten­do sucesso com a Kai­ser­kel­ler e pen­sa­va em abrir uma se­gun­da ca­sa, a In­dra. Por is­so, acer­tou com Wil­li­ams para que ele le­vas­se al­gu­ma ban­da para to­car. Ele pen­sou no The Sil­ver Beetles, mas co­mo le­vá-los se não ti­nham ba­te­ris­ta? A so­lu­ção foi en­con­tra­da an­tes de a ban­da vi­a­jar para Ham­bur­go. Em uma apre­sen­ta­ção no Cas­bah Cof­fee Club, os in­te­gran­tes do

The Sil­ver Beetles con­vi­da­ram Pe­te Best, ba­te­ris­ta de ou­tra ban­da (e fi­lho de Mo­na, do­na do Cas­bah), para se juntar a eles. Best que­ria ser mú­si­co pro­fis­si­o­nal, e es­ta era a chan­ce per­fei­ta.

En­tão, em 16 de agos­to de 1960, re­ba­ti­za­do com o no­me que lhes da­ria fa­ma, os Be­a­tles vi­a­ja­ram para a Ale­ma­nha em uma van, jun­to com Wil­li­ams, sua es­po­sa, seu ir­mão e um ami­go. Eles che­ga­ram a Ham­bur­go um dia de­pois, e se de­pa­ra­ram com um ce­ná­rio de­sa­ni­ma­dor: se o In­dra, lo­cal dos shows, não era um lu­gar atra­en­te (era pe­que­no, aca­nha­do e ain­da man­ti­nha a de­co­ra­ção de clu­be de strip-te­a­se), o lo­cal on­de se hos­pe­da­ri­am era tão ruim quan­to: dor­mi­ri­am em uma sa­la pe­que­na atrás da te­la de um ci­ne­ma e to­ma­ri­am ba­nho no ba­nhei­ro ane­xo ao lu­gar.

Os Be­a­tles to­ca­ram no In­dra de 17 de agos­to a 3 de ou­tu­bro de 1960, úl­ti­mo dia de fun­ci­o­na­men­to do lo­cal, fe­cha­do após a re­cla­ma­ção de uma vi­zi­nha que cha­mou a po­lí­cia. Kos­ch­mi­der, en­tão, le­vou a ban­da para seu ou­tro clu­be, o Kai­ser­kel­ler, on­de to­ca­ri­am de 4 de ou­tu­bro a 30 de no­vem­bro do mes­mo ano.

No no­vo lo­cal os in­te­gran­tes se de­pa­ra­ram com um pro­ble­ma di­fe­ren­te. Se, até en­tão, eles só se apre­sen­ta­vam em palcos mi­nús­cu­los, ago­ra es­ta­vam em um gran­de de­mais. Por is­so, eles mal sa­bi­am co­mo se por­tar. Até que, um dia, Al­lan Wil­li­ams pro­vo­cou os ga­ro­tos com um so­no­ro gri­to “Ma­ke a show, boys!” (“Fa­çam um show, ra­pa­zes!”).

Os in­te­gran­tes co­me­ça­ram a pu­lar e a se con­tor­cer, uma ati­tu­de meio lou­ca e meio re­bel­de que co­me­çou a atrair ca­da vez mais pes­so­as. Além dis­so, era co­mum que os cli­en­tes da ca­sa pa­gas­sem be­bi­das para que eles se man­ti­ves­sem sem­pre ani­ma­dos. E para es­pan­tar o can­sa­ço

de tan­tas apre­sen­ta­ções, eles to­ma­vam cer­tas “pí­lu­las mul­ti­co­lo­ri­das” de­li­be­ra­da­men­te.

Foi em Ham­bur­go tam­bém on­de, du­ran­te uma gra­va­ção ama­do­ra, John, Paul e Ge­or­ge co­nhe­ce­ram um mem­bro da Rory Storm and The Hur­ri­ca­nes, ban­da que tam­bém se apre­sen­ta­va nos clubes em Ham­bur­go: o ba­te­ris­ta Rin­go Starr. His­to­ri­ca­men­te, foi a pri­mei­ra vez em que o Fab Four to­cou jun­to.

A pri­mei­ra tur­nê fo­ra da In­gla­ter­ra co­me­çou a de­san­dar quan­do os Be­a­tles co­me­ça­ram a to­car no The Top Ten, con­cor­ren­te da Kai­ser­kel­ler, co­mo ban­da su­por­te do can­tor Tony She­ri­dan. Co­mo res­pos­ta à trai­ção, Kos­ch­mi­der re­sol­veu de­nun­ci­ar Ge­or­ge às au­to­ri­da­des, pois ele era me­nor de ida­de e não po­de­ria en­trar em uma ca­sa no­tur­na. Co­mo re­sul­ta­do, o gui­tar­ris­ta foi de­por­ta­do.

Oi­to di­as de­pois do ocor­ri­do, Paul e Pe­te co­lo­ca­ram fo­go aci­den­tal­men­te no ci­ne­ma on­de es­ta­vam hos­pe­da­dos. Os dois fo­ram pre­sos pe­la po­lí­cia e lo­go fo­ram de­por­ta­dos da Ale­ma­nha tam­bém. Em 10 de de­zem­bro, John re­sol­ve vol­tar vo­lun­ta­ri­a­men­te (an­tes que a po­lí­cia vi­es­se atrás de­le). Stu foi o úni­co a per­ma­ne­cer no país, ain­da que clan­des­ti­na­men­te, para fi­car com sua na­mo­ra­da, a ar­tis­ta e fo­tó­gra­fa As­trid Kir­chherr.

Ape­sar do fim me­lan­có­li­co, foi em meio a es­sa lou­cu­ra que os in­te­gran­tes dos Be­a­tles co­me­ça­ram a ter mais pre­sen­ça de pal­co, al­go es­sen­ci­al para quem bus­ca­va o sucesso. As per­for­man­ces, ali­a­das às mu­si­cas de rock'n'roll que to­ca­vam (co­mo Hound Dog), tam­bém aju­da­ram a for­ta­le­cer a ati­tu­de de­les nas apre­sen­ta­ções.

A “era” Ca­vern Club

A vol­ta para Li­ver­po­ol de­sen­ca­de­ou um pro­ble­ma: sem Stu­art, que fi­cou na Ale­ma­nha, quem se­ria o no­vo bai­xis­ta? Pe­te lem­brou-se de seu ami­go, Chas Newby, que acei­tou o con­vi­te pron­ta­men­te, ain­da que por tem­po de­ter­mi­na­do, já que ele es­ta­va de fé­ri­as da fa­cul­da­de. Com a saí­da de Newby, Paul acei­tou a mis­são de ser o bai­xis­ta da ban­da.

Com a no­va for­ma­ção, os Be­a­tles fi­ze­ram vá­ri­as apre­sen­ta­ções com al­gu­ma re­mu­ne­ra­ção. Em 9 de fe­ve­rei­ro de 1961, eles fo­ram con­vi­da­dos a to­car no The Ca­vern Club, lo­cal on­de eles já ha­vi­am se apre­sen­ta­do três anos an­tes com o Qu­ar­ry­men. Era um lu­gar fe­cha­do, sem

ven­ti­la­ção, ilu­mi­na­do com ape­nas al­gu­mas lâm­pa­das de 60 watts. Seus ba­nhei­ros eram ina­de­qua­dos e não ha­via me­sas, car­pe­tes, sa­las, en­fim, um ce­ná­rio pou­co atra­en­te a qual­quer ban­da. Por um pa­ga­men­to de 15 li­bras por apre­sen­ta­ção no­tur­na e 5 li­bras pe­los shows no ho­rá­rio do al­mo­ço, os Be­a­tles acei­ta­ram o con­vi­te.

Se Ham­bur­go deu ma­tu­ri­da­de mu­si­cal a eles, as

292 (sim, vo­cê leu cer­to) apre­sen­ta­ções que fa­ri­am ao lon­go dos anos no Ca­vern Club aju­da­ram a de­fi­nir su­as per­so­na­li­da­des den­tro do gru­po: John e seu jei­to im­pe­ra­ti­vo; Paul, o bom mo­ço e pre­fe­ri­do das ga­ro­tas; Ge­or­ge, mais tí­mi­do e in­tros­pec­ti­vo.

Ham­bur­go, de no­vo

Na pri­mei­ra vi­si­ta a Ham­bur­go, os Be­a­tles ha­vi­am acer­ta­do uma sé­rie de apre­sen­ta­ções na ci­da­de para o ano se­guin­te, no Top Ten Club. Des­ta vez, os ga­ro­tos fo­ram pre­pa­ra­dos: Ge­or­ge já era maior de ida­de; Pe­te e Paul, por sua vez, con­se­gui­ram uma concessão es­pe­ci­al do De­par­ta­men­to de Es­tran­gei­ros.

Na ci­da­de ale­mã, os in­te­gran­tes re­en­con­tra­ram o an­ti­go par­cei­ro Stu e sua na­mo­ra­da, As­trid Kir­chherr. Foi ela quem in­tro­du­ziu o cor­te de ca­be­lo que se tor­na­ria mar­ca re­gis­tra­da da ban­da (ini­ci­al­men­te no seu namorado, de­pois nos ou­tros mú­si­cos), o mop top: com­pri­do, es­co­va­do para fren­te e com fran­ja.

Os Be­a­tles tam­bém re­a­li­za­ram seu pri­mei­ro tra­ba­lho pro­fis­si­o­nal. Por atu­a­rem em di­ver­sas oca­siões co­mo ban­da de fun­do do can­tor Tony She­ri­dan, eles fo­ram con­vi­da­dos para aju­dar nas gra­va­ções de dois de seus sin­gles, My Bon­nie e The Saints. O tra­ba­lho fi­cou cre­di­ta­do para Tony She­ri­dan and the Be­at Brothers.

A se­gun­da pas­sa­gem por Ham­bur­go du­rou 13 se­ma­nas, em que to­ca­ram por 503 ho­ras em 92 noi­tes. Para Mark Lewi­sohn, es­pe­ci­a­lis­ta em Be­a­tles, eles se tor­na­ram ain­da me­lho­res com es­sa no­va tur­nê. “Sua re­sis­tên­cia e ver­sa­ti­li­da­de mu­si­cais me­lho­ra­ram dra­ma­ti­ca­men­te en­quan­to a jor­na­da avan­ça­va. Quan­do eles vol­ta­ram para Li­ver­po­ol, em julho, eram sim­ples­men­te in­to­cá­veis”.

O so­nho co­me­çou

Em 9 de no­vem­bro de 1961, os Be­a­tles fa­zi­am mais uma apre­sen­ta­ção no ho­rá­rio do al­mo­ço no Ca­vern Club. Além do pú­bli­co usu­al, um jo­vem ra­paz bem ves­ti­do tam­bém ou­via a ban­da to­car, após vá­ri­os di­as de pro­cu­ra. As­sim foi a pri­mei­ra vez que Bri­an Sa­mu­el Eps­tein viu os ra­pa­zes, a quem aju­da­ria a trans­for­mar em mi­to nos pró­xi­mos anos.

A jor­na­da de Eps­tein à pro­cu­ra da ban­da co­me­çou quan­do uma jo­vem foi até sua loja de dis­cos em Whi­te­cha­pel pro­cu­ran­do um sin­gle cha­ma­do My Bon­nie. Ele nun­ca ha­via ou­vi­do fa­lar dos The Be­at Brothers, a ban­da de apoio da gra­va­ção, mas fi­cou in­tri­ga­do quan­do ou­tras du­as me­ni­nas pe­di­ram o mes­mo dis­co. Di­an­te das in­for­ma­ções que re­ce­be­ra, Bri­an acre­di­tou que os Be­a­tles eram alemães, mas se sur­pre­en­deu quan­do sou­be que a ban­da era de Li­ver­po­ol. Na apre­sen­ta­ção, Eps­tein achou que os ra­pa­zes

eram meio du­ros em ci­ma do pal­co, mas sua mú­si­ca be­at e seu sen­so de hu­mor eram ca­ti­van­tes. As­sim, ele mar­cou um en­con­tro com a ban­da em sua loja, em 3 de de­zem­bro de 1961, a fim de dis­cu­tir a as­si­na­tu­ra de um pos­sí­vel con­tra­to. Paul che­gou mui­to atra­sa­do, e a con­ver­sa foi adi­a­da para três di­as de­pois.

No en­con­tro, Bri­an Eps­tein apre­sen­tou os pon­tos do con­tra­to, co­mo sua co­mis­são de 25% so­bre uma ba­se se­ma­nal, seu com­pro­mis­so em mar­car to­das as apre­sen­ta­ções (de for­ma or­ga­ni­za­da) e não mar­car shows que pa­gas­sem me­nos do que 15 li­bras. Os Be­a­tles acei­ta­ram, mas, na ho­ra da as­si­na­tu­ra, Bri­an não es­ta­va com o con­tra­to em mãos.

So­men­te em 24 de ja­nei­ro de 1962, após uma das vá­ri­as apre­sen­ta­ções no ho­rá­rio de al­mo­ço no Ca­vern Club, os Be­a­tles as­si­na­ram seu pri­mei­ro con­tra­to pro­fis­si­o­nal com um em­pre­sá­rio, com du­ra­ção de cinco anos. Ofi­ci­al­men­te, co­me­ça­va ali a tra­je­tó­ria da maior ban­da de to­dos os tem­pos.

O pri­mei­ro con­tra­to

Os pri­mei­ros di­as de 1962 fo­ram pro­mis­so­res. Lo­go em 1º de ja­nei­ro, os Be­a­tles fi­ze­ram uma au­di­ção para a Dec­ca Re­cords em Lon­dres, no es­tú­dio da A&R. As 15 mú­si­cas fo­ram se­le­ci­o­na­das por Bri­an Eps­tein, a fim de mos­trar a ver­sa­ti­li­da­de da ban­da.

Três di­as de­pois, o gru­po re­ce­be­ria a no­tí­cia de que ven­ce­ra a pes­qui­sa de ban­das mais po­pu­la­res pe­la re­vis­ta Mer­sey Be­at, uma im­por­tan­te pu­bli­ca­ção de mú­si­ca da épo­ca. No dia se­guin­te, a Poly­dor lan­ça ofi­ci­al­men­te na In­gla­ter­ra o sin­gle My Bon­nie, gra­va­do por Tony She­ri­dan and the Be­a­tles (e não mais The Be­at Brothers). En­quan­to is­so, Bri­an Eps­tein ini­ci­a­va sua bus­ca em con­se­guir uma gra­va­do­ra para a ban­da. Um dos epi­só­di­os mais mar­can­tes foi a sua ten­ta­ti­va de ne­go­ci­a­ção com a po­de­ro­sa Dec­ca. Após ou­vir um “não” e que os Be­a­tles não da­ri­am cer­to, Eps­tein res­pon­deu: “Vo­cês de­vem es­tar lou­cos. Es­ses ga­ro­tos vão ex­plo­dir. Eu te­nho to­tal con­fi­an­ça de que um dia eles se­rão mai­o­res do que El­vis Pres­ley”.

Até que o aca­so re­sol­veu in­ter­vir. Jim Foy, en­ge­nhei­ro de som, es­ta­va edi­tan­do as fi­tas gra­va­das por Eps­tein, e per­ce­beu que os Be­a­tles eram bons. Bri­an dis­se que três das mú­si­cas da­que­la gra­va­ção fo­ram es­cri­tas pe­los pró­pri­os ra­pa­zes. Foy, en­tão, in­di­cou a Ard­mo­re & Be­e­chwo­od, sub­si­diá­ria da EMI, para que ele re­gis­tras­se as can­ções.

O res­pon­sá­vel pe­la Ard­mo­re & Be­e­chwo­od, Sid Co­le­man, gos­tou das mú­si­cas. Mas o que Bri­an Eps­tein pro­cu­ra­va era um con­tra­to de gra­va­ção, não so­men­te um meio de re­gis­trar as fai­xas. Co­le­man en­ten­deu a men­sa­gem e en­trou em con­ta­to com o pro­du­tor Ge­or­ge Mar­tin.

Eps­tein e Mar­tin se en­con­tra­ram pe­la pri­mei­ra vez em Man­ches­ter Squa­re. O pro­du­tor foi apre­sen­ta­do a al­gu­mas can­ções, e par­ti­cu­lar­men­te gos­tou de Hel­lo Lit­tle Girl e `Till The­re Was You. Após co­nhe­cer a ban­da, ele de­ci­diu que va­le­ria a pe­na in­ves­tir. Em 18 de maio de 1962, os Be­a­tles fo­ram con­tra­ta­dos pe­la Par­lopho­ne, sub­si­diá­ria da EMI. E lo­go no dia 6 de junho, eles en­tra­ri­am no es­tú­dio pe­la pri­mei­ra vez co­mo mú­si­cos pro­fis­si­o­nais.

“Pe­te fo­re­ver, Rin­go ne­ver!”

Mes­mo com tan­tas con­quis­tas e o sucesso cres­cen­te da ban­da, uma coi­sa in­co­mo­da­va John, Paul e Ge­or­ge há al­gum tem­po: Pe­te Best. Os três acre­di­ta­vam que o es­ti­lo de to­car do ba­te­ris­ta era ade­qua­do, mas ina­pro­pri­a­do para

fu­tu­ras gra­va­ções pro­fis­si­o­nais (al­go que Ge­or­ge Mar­tin tam­bém con­cor­da­va).

Best tam­bém não ha­via ado­ta­do o mop top, mar­ca re­gis­tra­da da ban­da à épo­ca, e ti­nha um com­por­ta­men­to tí­mi­do, que não com­bi­na­va com o es­ti­lo do gru­po. Mas o que tal­vez mais ir­ri­ta­va os ou­tros três in­te­gran­tes (o que nun­ca, ob­vi­a­men­te, foi con­fir­ma­do por ne­nhum de­les) era a be­le­za e o char­me de Pe­te e o seu con­se­quen­te sucesso fá­cil com as ga­ro­tas. John, Paul e Ge­or­ge já ti­nham um ba­te­ris­ta em men­te: Rin­go Starr. Ele fa­zia par­te da Rory Storm and The Hur­ri­ca­nes, e já ha­via to­ca­do com os Be­a­tles em al­gu­mas oca­siões. Har­ri­son che­gou a ir até a ca­sa de Starr para per­gun­tar aos pais de­le se po­de­ri­am fa­zer a pro­pos­ta. John e Paul fi­ze­ram um con­vi­te em um en­con­tro se­cre­to, sem co­nhe­ci­men­to da ban­da de Rin­go.

Cou­be a Bri­an Eps­tein, no dia 16 de agos­to de 1962, dar a odi­o­sa no­tí­cia a Best de que ele não se­ria mais mem­bro dos Be­a­tles. Pe­te se re­vol­tou com a no­tí­cia e dis­pa­rou sua fú­ria por to­da a ci­da­de de Li­ver­po­ol.

Vá­ri­as ga­ro­tas tam­bém odi­a­ram a mudança, tan­to que gri­ta­vam “Pe­te fo­re­ver, Rin­go ne­ver!” (“Pe­te eter­no, Rin­go nun­ca!”). Por al­guns di­as, Eps­tein te­ve que an­dar pe­lo bair­ro on­de mo­ra­va com pro­te­ção, e seu car­ro foi in­clu­si­ve ris­ca­do por fãs in­con­for­ma­das de Pe­te.

A ver­da­de é que os Be­a­tles fi­nal­men­te che­ga­ram à for­ma­ção que con­si­de­ra­vam ide­al, e te­ri­am ao seu la­do dois no­mes que se tor­na­ri­am fun­da­men­tais para sua car­rei­ra, Bri­an Eps­tein e Ge­or­ge Mar­tin. Mais do que is­so, com John Len­non, Paul McCart­ney, Ge­or­ge Har­ri­son e Rin­go Starr, es­ta­va for­ma­da a maior ban­da da his­tó­ria.

A ban­da com a for­ma­ção do The Sil­ver Beetles

Os Be­a­tles com a an­ti­ga for­ma­ção: Pe­te Best (o se­gun­do, esq. para dir.) foi subs­ti­tuí­do porRin­go em 1962

O pri­mei­ro con­tra­to as­si­na­do pe­los Be­a­tles

O sin­gle que cha­mou a aten­ção de Eps­tein

As­trid foi a fo­tó­gra­fa ofi­ci­al dos Be­a­tles no iní­cio da car­rei­ra

Os Be­a­tles com o em­pre­sá­rio Bri­an Eps­tein

A fa­cha­da do Ca­vern Club: co­nhe­ci­da por ser a ca­sa no­tur­na em que os Be­a­tles fre­quen­te­men­teto­ca­vam, o lo­cal exis­te até ho­je

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.