John Len­non

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - The Beatles - - Índice - Tex­to: Thi­a­go Ko­gu­chi De­sign: Ca­rol To­zi/Co­la­bo­ra­do­ra e Ja­mi­le Cury Gan­da­ra

Em 10 de abril de 1970, Paul McCart­ney pe­diu a um dos fun­ci­o­ná­ri­os da Ap­ple, Pe­ter Brown, que es­cre­ves­se uma lis­ta de per­gun­tas que pu­des­sem ser res­pon­di­das por ele mes­mo, a fim de di­vul­gar seu pri­mei­ro ál­bum so­lo. Nes­se co­mu­ni­ca­do, ele re­ve­la de­ta­lhes so­bre a pro­du­ção. O pon­to mais mar­can­te, en­tre­tan­to, re­ve­la um fim já aguar­da­do:

- Vo­cê es­tá pla­ne­jan­do um no­vo ál­bum ou sin­gle com os Be­a­tles? - Não.

Em meio a con­fli­tos e aban­do­nos, os Be­a­tles ain­da lan­ça­ram Ab­bey Ro­ad e Let It Be. Mas o adeus foi ine­vi­tá­vel

A cur­ta res­pos­ta a uma per­gun­ta tão sim­bó­li­ca é o si­nal de­fi­ni­ti­vo do que mui­tas pes­so­as já es­pe­ra­vam: os Be­a­tles ti­nham aca­ba­do. Paul não dei­xa­va dú­vi­das ao fa­lar so­bre a pro­du­ção do ál­bum, que não con­ta­ria com ne­nhum ou­tro in­te­gran­te da ban­da, e so­bre a au­to­ria das can­ções. Des­sa vez, se­ria so­men­te “McCart­ney”, não mais “Len­non/McCart­ney”.

O epi­só­dio é tra­ta­do por muitos co­mo o fim ofi­ci­al do gru­po, as­sim co­mo po­de ser en­ca­ra­do co­mo mais um ca­pí­tu­lo de uma his­tó­ria de des­gas­tes e aban­do­nos. Afi­nal, Rin­go ha­via si­do o pri­mei­ro a dei­xar a ban­da, em 1968. O ba­te­ris­ta es­ta­va frus­tra­do e ir­ri­ta­do pois, de acor­do com Paul, ele não con­se­guia cap­tar as ba­ti­das que McCart­ney que­ria em uma mú­si­ca.

Em 10 de ja­nei­ro do ano se­guin­te, foi a vez de Ge­or­ge tam­bém aban­do­nar os Be­a­tles. Ele era o que es­ta­va mais in­co­mo­da­do com o fa­to de que o gru­po po­de­ria vol­tar a se apre­sen­tar ao vi­vo, e sem­pre opi­na­va con­tra a ideia. No en­tan­to, uma bri­ga com John (que qua­se che­gou às vi­as de fa­to) es­go­tou a pa­ci­ên­cia de Har­ri­son. “Ve­jo vo­cês por aí”, dis­se ele. Dois di­as de­pois, Ge­or­ge re­sol­veu apa­re­cer em uma reu­nião com os ou­tros in­te­gran­tes, a fim de ame­ni­zar as ten­sões.

Ou­tra pas­sa­gem que tam­bém po­de ser tra­ta­da co­mo o fi­nal acon­te­ceu em 20 de se­tem­bro de 1969. Os qu­a­tro mem­bros es­ta­vam reu­ni­dos para de­fi­nir um ru­mo para a ban­da. Paul que­ria fa­zer uma tur­nê, a fim de re­lem­bra­rem os ve­lhos tem­pos e o porquê de es­ta­rem nes­sa jor­na­da há tan­to tem­po. John, no en­tan­to, foi categórico: “Acho que vo­cê es­tá ma­lu­co. Não ia fa­lar na­da, mas es­tou ter­mi­nan­do a ban­da”. O anún­cio foi tão sur­pre­en­den­te que até mes­mo Yo­ko Ono fi­cou cho­ca­da.

Os Be­a­tles ti­ve­ram muitos fi­nais sim­bó­li­cos, mas o fa­to que cer­ta­men­te os aba­lou co­mo um con­jun­to e, con­se­quen­te­men­te, deu iní­cio às ten­sões en­tre os qu­a­tro, foi a mor­te de Bri­an Eps­tein. Ele não era so­men­te o em­pre­sá­rio e ami­go do gru­po, mas tam­bém a men­te pen­san­te que co­or­de­na­va ca­da pas­so que os ra­pa­zes da­vam fo­ra do mun­do da mú­si­ca e que os man­ti­nha cen­tra­dos em seus ob­je­ti­vos.

O pe­río­do após a mor­te de Eps­tein foi mar­ca­do jus­ta­men­te por um con­fli­to de pen­sa­men­tos en­tre John e Paul. En­quan­to Len­non – que con­fes­sou uma vez que não ti­nha no­ção da fal­ta da ca­pa­ci­da­de da ban­da em fa­zer ou­tra coi­sa além da mú­si­ca – fi­cou as­sus­ta­do com o fa­to, McCart­ney con­ven­ceu o gru­po a en­trar em um no­vo pro­je­to di­as de­pois, o lon­ga Ma­gi­cal Mys­tery Tour. O fil­me, no en­tan­to, foi al­vo de crí­ti­cas pe­sa­das e não vin­gou.

Aliás, a tão ce­le­bra­da par­ce­ria Len­non/McCart­ney se trans­for­ma­va em al­go co­mo Len­non vs. McCart­ney. John ti­nha di­fi­cul­da­des em acei­tar o bri­lhan­tis­mo do ami­go e

Paul ti­nha um es­pí­ri­to que se per­dia en­tre cen­tra­li­za­dor e to­ta­li­tá­rio den­tro da ban­da. Para pi­o­rar os egos da du­pla, Ge­or­ge ama­du­re­cia co­mo com­po­si­tor e fa­zia can­ções ca­da vez me­lho­res.

A ver­da­de é que o que se se­guiu fo­ram di­as di­fí­ceis, com cho­ques de in­te­res­ses e des­gas­tes pro­vo­ca­dos pe­lo lon­go tem­po jun­tos. Qual­quer so­lu­ção pro­pos­ta era re­cha­ça­da pe­los ou­tros. Su­ces­sos e fra­cas­sos pes­so­ais cau­sa­vam in­ve­ja ou alegria no res­to da ban­da. Com es­se cli­ma pe­sa­do, o fim era ine­vi­tá­vel.

O fru­to da dis­cór­dia

O que se­ria um gran­de in­ves­ti­men­to aca­bou se tor­nan­do em um dos prin­ci­pais mo­ti­vos de bri­gas en­tre os in­te­gran­tes. Após a mor­te de Bri­an Eps­tein e o fi­nal do con­tra­to com a EMI, os Be­a­tles de­ci­di­ram cri­ar uma em­pre­sa on­de pu­des­sem in­ves­tir seu di­nhei­ro, além de con­tra­tar e pro­du­zir ou­tros ar­tis­tas. Foi cri­a­da, en­tão, a Ap­ple Corps, uma com­pa­nhia que con­ta­ria tam­bém com vá­ri­as sub­si­diá­ri­as, co­mo a Ap­ple Mu­sic, Ap­ple Re­cords, Ap­ple Films e Ap­ple Elec­tro­nics.

No en­tan­to, a em­pre­sa dos so­nhos se re­ve­lou um enor­me pe­sa­de­lo em pou­co tem­po. Os gas­tos com con­tra­ta­ções de ar­tis­tas e des­pe­sas (prin­ci­pal­men­te as pes­so­ais de ca­da be­a­tle) eram gran­des e mal ad­mi­nis­tra­dos. Co­mo os pró­pri­os Be­a­tles não eram ar­tis­tas da Ap­ple, a com­pa­nhia não re­ce­bia to­dos os lu­cros da ban­da. Além dis­so, com a com­pra da se­de (um pré­dio na Sa­vil­le Row), os gas­tos fi­ca­ram to­tal­men­te des­con­tro­la­dos. Di­an­te des­se ce­ná­rio, a ban­da con­cor­dou em con­tra­tar al­guém que sou­bes­se li­dar com ne­gó­ci­os. En­tre­tan­to, Paul que­ria Lee e John East­man (pai e ir­mão de Lin­da, sua mu­lher), en­quan­to John, Ge­or­ge e Rin­go pre­fe­ri­am Al­len Klein, um em­pre­sá­rio nor­te-ame­ri­ca­no que há mui­to tem­po ten­ta­va tra­ba­lhar com os Be­a­tles.

Após um en­con­tro em Lon­dres, John e Yo­ko ou­vi­ram as pro­pos­tas de Klein e fi­ca­ram en­can­ta­dos, tan­to que Len­non as­si­nou com o em­pre­sá­rio sem mes­mo con­sul­tar os ou­tros.

Foi o es­to­pim para um con­fli­to en­tre Paul e os de­mais in­te­gran­tes que per­du­ra­ria até o fi­nal da ban­da.

O que se se­guiu fo­ram di­ver­gên­ci­as e mais bri­gas. Em um dia de gra­va­ção, John, Ge­or­ge e Rin­go obri­ga­ram Paul a as­si­nar o con­tra­to que co­lo­ca­ria Klein co­mo em­pre­sá­rio da ban­da por

três anos. McCart­ney re­fu­tou a ideia, di­zen­do que os 20% des­ti­na­dos ao no­vo ma­na­ger era um va­lor al­to de­mais.

Paul ain­da en­fren­ta­ria a re­sis­tên­cia dos ou­tros Be­a­tles ao ten­tar lan­çar seu pri­mei­ro dis­co so­lo an­tes da da­ta do úl­ti­mo dis­co da ban­da, Let It Be. Cou­be a Rin­go con­ven­cer o co­le­ga a mu­dar de ideia, mas Starr foi ex­pul­so da ca­sa de McCart­ney. Pe­la úl­ti­ma vez, hou­ve um con­sen­so: o ál­bum de Paul se­ria lan­ça­do no dia es­ti­pu­la­do.

Após pou­co me­nos de oi­to anos jun­tos, po­de-se con­si­de­rar que o fi­nal da ban­da foi me­lan­có­li­co. Não hou­ve con­sen­so, so­men­te ca­da um dos in­te­gran­tes to­man­do de­ci­sões por con­ta pró­pria, sem­pre cri­an­do des­gas­te e en­fren­ta­men­to. De­pois de 13 ál­buns lan­ça­dos na In­gla­ter­ra, cer­ca de 1300 apre­sen­ta­ções e milhões de de­ci­béis de gri­tos ao re­dor do mun­do, os Be­a­tles não exis­ti­am mais. O so­nho aca­bou, mas a len­da, fe­liz­men­te, per­ma­ne­ce vi­va.

E a Yo­ko Ono?

É sen­so co­mum que a ar­tis­ta ja­po­ne­sa e úl­ti­ma com­pa­nhei­ra de Len­non foi a gran­de cul­pa­da pe­lo fim dos Be­a­tles. No en­tan­to, em de­cla­ra­ção fei­ta à re­vis­ta Rol­ling Sto­ne em 2012, Paul McCart­ney isen­tou Yo­ko de qual­quer cul­pa e ain­da afir­mou que ela foi uma gran­de ins­pi­ra­ção para as com­po­si­ções de John nos úl­ti­mos anos do gru­po e em sua car­rei­ra so­lo.

A ques­tão é que des­de quan­do sur­giu na vi­da de John, Yo­ko Ono foi a cau­sa de al­gu­mas das de­sa­ven­ças do gru­po. Ini­ci­al­men­te, ele que­ria que sua ama­da fi­zes­se par­te da ban­da e, por ser o fun­da­dor, os ou­tros in­te­gran­tes te­ri­am que acei­tar. No en­tan­to, Paul, Ge­or­ge e Rin­go nun­ca se sen­ti­ram con­for­tá­veis com a ideia. Afi­nal, des­de o iní­cio, os Be­a­tles eram so­men­te os qu­a­tro.

O que mais in­co­mo­da­va os ou­tros três in­te­gran­tes era que o ca­sal ha­via se tor­na­do pra­ti­ca­men­te um úni­co su­jei­to (JohnYo­ko), e que es­sa união co­me­çou a se es­ten­der a as­sun­tos que an­tes eram res­tri­tos aos qu­a­tro be­a­tles. Além dis­so,

John sem­pre pe­dia a opi­nião de Yo­ko so­bre to­da e qual­quer coi­sa que fi­zes­sem em es­tú­dio. O fa­to mais in­tri­gan­te é que nin­guém sa­bia o que ela re­al­men­te fa­la­va a Len­non, se era so­men­te uma opi­nião ou se ela es­ta­va cri­an­do al­gu­ma in­tri­ga.

No en­tan­to, a pró­pria Yo­ko nun­ca se sen­tiu re­al­men­te par­te do gru­po, e foi pe­ga de sur­pre­sa tan­to quan­to os ou­tros in­te­gran­tes quan­do John anun­ci­ou sua saí­da da ban­da. “Ele me dis­se: `che­ga de Be­a­tles. De ago­ra em di­an­te, se­re­mos eu e vo­cê, ok?' e eu pen­sei: `Meu Deus, es­ses ca­ras o man­ti­nham en­tre­ti­dos há tan­to tem­po. Ago­ra sou eu quem vai ter que as­su­mir es­sa fun­ção'.”

En­tre su­po­si­ções e cons­pi­ra­ções, John e Yo­ko aca­ba­ram cri­an­do, em 1969, sua pró­pria ban­da, a con­cei­tu­al Plas­tic

Ono Band, que con­tou com a par­ti­ci­pa­ção es­pe­ci­al de al­guns no­mes co­mo Keith Mo­on (The Who), Eric Clap­ton,

Billy Pres­ton, Alan Whi­te (Yes) e até de Ge­or­ge Har­ri­son e Rin­go Starr. O gru­po du­rou até 1975, em­bo­ra Yo­ko o te­nha res­sus­ci­ta­do em 2009.

O úl­ti­mo (e genial) sus­pi­ro

Con­si­de­ra­do um dos me­lho­res dis­cos da ban­da, Ab­bey Ro­ad foi o pe­núl­ti­mo ál­bum a ser lan­ça­do e o úl­ti­mo a ser

gra­va­do – en­tre fe­ve­rei­ro e agos­to de 1969. Iro­ni­ca­men­te, Ge­or­ge Mar­tin diz que “foi uma gra­va­ção mui­to ale­gre. Ima­gi­no is­so por­que to­do mun­do pen­sou que se­ria a úl­ti­ma”.

Ge­or­ge es­ta­va cer­to, e os Be­a­tles ti­nham cer­te­za de que nun­ca mais gra­va­ri­am jun­tos. Mas es­se pen­sa­men­to pa­re­ce que os afe­tou po­si­ti­va­men­te, pois “com Ab­bey

Ro­ad, os Be­a­tles to­ca­ram a gló­ria pe­la úl­ti­ma vez”, afir­ma o his­to­ri­a­dor Mark Lewi­sohn. “To­dos os qu­a­tro bri­lha­ram: as com­po­si­ções e tra­ba­lho vo­cal de John, o ofí­cio mu­si­cal su­pre­mo de Paul nos me­dleys, a ha­bi­li­da­de mu­si­cal de Ge­or­ge em du­as can­ções ma­ra­vi­lho­sas e o to­que de ba­te­ria ex­ce­len­te de Rin­go”.

O úl­ti­mo es­for­ço em fa­zer um bom ál­bum ren­deu com­po­si­ções im­pe­cá­veis. Ge­or­ge foi mui­to elo­gi­a­do pe­la crí­ti­ca por su­as du­as can­ções, So­mething e He­re Co­mes The Sun, além de ter con­tri­buí­do para a úni­ca mú­si­ca de Rin­go, Oc­to­pus's Gar­den. Co­me To­gether, de John, tor­nou-se uma de su­as mú­si­cas mais co­nhe­ci­das e to­ca­das. I Want You (She's So He­avy), união fi­nal de du­as com­po­si­ções de Len­non, mis­tu­ra rit­mos em uma me­lo­dia con­si­de­ra­da pro­gres­si­va.

Paul mos­tra um re­per­tó­rio bem va­ri­a­do. Oh! Dar­ling é uma ba­la­da com ca­rac­te­rís­ti­cas dos anos 50, que ele es­cre­veu des­pre­ten­si­o­sa­men­te. Maxwell's Sil­ver Ham­mer

é uma crí­ti­ca áci­da em tom de brin­ca­dei­ra. Já You Ne­ver Gi­ve Me Your Mo­ney mos­tra sua to­tal in­sa­tis­fa­ção com os ru­mos fi­nan­cei­ros que a ban­da to­ma­ra com a con­tra­ta­ção de Al­len Klein.

O ál­bum tam­bém pos­sui um me­dley com­pos­to por vá­ri­as can­ções ina­ca­ba­das, que co­me­çam com You Ne­ver Gi­ve Me Your Mo­ney até a fai­xa es­con­di­da Her Ma­jesty, que po­de ser ou­vi­da 14 se­gun­dos após o fi­nal de The End. Es­se con­jun­to de mú­si­cas é con­si­de­ra­do uma das gran­des obras de John e Paul que, mes­mo com pro­du­ções pe­la me­ta­de, de­ram uma con­ti­nui­da­de ma­gis­tral ao con­teú­do.

Ab­bey Ro­ad fi­cou no to­po das pa­ra­das na In­gla­ter­ra por 18 se­ma­nas. Lan­ça­do um mês de­pois nos Es­ta­dos Uni­dos, foi o nú­me­ro um por 11 se­ma­nas. Ele tam­bém faz par­te da lis­ta dos 200 ál­buns de­fi­ni­ti­vos do Rock and Roll Hall of Fa­me. Mas é tam­bém uma pro­va de que, mes­mo com to­dos os atri­tos e de­sa­ven­ças, os qu­a­tro in­te­gran­tes fo­ram ca­pa­zes de cri­ar uma des­pe­di­da ines­que­cí­vel.

O mi­to da ca­pa e a su­pos­ta mor­te de Paul

Ini­ci­al­men­te, o úl­ti­mo ál­bum gra­va­do pe­los Be­a­tles iria se cha­mar Eve­rest, e a ideia era que os in­te­gran­tes vi­a­jas­sem até o Hi­ma­laia para fa­zer as fo­tos da ca­pa. No en­tan­to, o pra­zo era cur­to, e to­dos de­ci­di­ram fa­zer as fo­tos na es­qui­na ao la­do do es­tú­dio, e ho­me­na­ge­ar o lo­cal on­de gra­va­ram por tan­to tem­po.

A ses­são de fo­tos foi fei­ta pe­lo fotógrafo Iain Mac­mil­lan e du­rou pou­co mais de dez mi­nu­tos (John es­ta­va abor­re­ci­do, pois ele acre­di­ta­va que de­ve­ri­am es­tar gra­van­do e não ti­ran­do fo­tos “es­tú­pi­das”). Ape­sar do mau hu­mor de Len­non, a ca­pa de Ab­bey Ro­ad é uma das ima­gens mais co­nhe­ci­das dos Be­a­tles, tan­to pe­lo nú­me­ro de ho­me­na­gens e pa­ró­di­as que re­ce­beu quan­to pe­la te­o­ria so­bre a mor­te de Paul.

Al­guns fa­ná­ti­cos acre­di­tam que a ca­pa de Ab­bey

Ro­ad mos­tra di­ver­sas pis­tas da mor­te de McCart­ney. A or­dem dos in­te­gran­tes é uma de­las: John, o pri­mei­ro da fi­la, es­tá ves­ti­do de bran­co e se­ria o pa­dre; Rin­go, de ter­no, re­pre­sen­ta­ria o res­pon­sá­vel pe­lo fu­ne­ral; Paul es­ta­va des­cal­ço, co­mo muitos ca­dá­ve­res são en­ter­ra­dos; e Ge­or­ge, em rou­pas de de­nim, lem­bra­ria o co­vei­ro.

Além dis­so, há um Fus­ca (um “be­e­tle”, co­mo é co­nhe­ci­do na In­gla­ter­ra) no la­do di­rei­to da ima­gem com a pla­ca LMW 281F. A pri­mei­ra par­te in­di­ca­ria Lin­da McCart­ney We­eps (cho­ra, em in­glês) e a se­gun­da, “28 if”, ou se­ja, a ida­de que Paul te­ria se es­ti­ves­se vi­vo (“if”, em in­glês, é se). Já do la­do es­quer­do exis­te um car­ro pre­to, que lem­bra os veí­cu­los fu­ne­rá­ri­os na In­gla­ter­ra. E a di­re­ção para on­de eles su­pos­ta­men­te ca­mi­nham é a de um ce­mi­té­rio pró­xi­mo a Ab­bey Ro­ad.

Ab­bey Ro­ad é uma ima­gem tão icô­ni­ca que já ren­deu di­ver­sas ho­me­na­gens, co­mo do cri­a­dor dos Simp­sons,

Matt Gro­e­ning, e de Mau­rí­cio de Sou­sa, o pai da Tur­ma da Mônica. A ban­da Red Hot Chil­li Pep­pers tam­bém es­tam­pou a ca­pa de seu dis­co The Ab­bey Ro­ad EP, com uma ima­gem mui­to se­me­lhan­te, mas, ao con­trá­rio dos Be­a­tles, to­dos os in­te­gran­tes es­tão nus.

Vol­tar? Não, dei­xa es­tar!

Let It Be, úl­ti­mo dis­co a ser lan­ça­do pe­los Be­a­tles, em maio de 1970, re­pre­sen­ta o fi­nal me­lan­có­li­co da ban­da.

Is­so por­que o ál­bum che­gou ao mer­ca­do qua­se um mês de­pois do ál­bum de es­treia da car­rei­ra so­lo de Paul McCart­ney. Além dis­so, a ca­pa mos­tra uma mon­ta­gem com os ros­tos dos qu­a­tro in­te­gran­tes se­pa­ra­dos, pois era a úni­ca ma­nei­ra de es­ta­rem jun­tos em uma ima­gem.

A ideia ini­ci­al do pro­je­to era de Paul e se cha­ma­ria

Get Back, que in­clui­ria tam­bém um do­cu­men­tá­rio de 80 mi­nu­tos so­bre o pro­ces­so de cri­a­ção do ál­bum. Is­to se­ria fei­to para cum­prir o con­tra­to com a Uni­ted Ar­tists so­bre a pro­du­ção de mais um fil­me. Ha­via tam­bém a pos­si­bli­da­de de um show ou uma tur­nê “para re­vi­ver os ve­lhos mo­men­tos”, mas Ge­or­ge foi o pri­mei­ro a mos­trar in­sa­tis­fa­ção em re­la­ção à su­ges­tão.

Para Get Back, o gru­po con­cor­dou em gra­var al­go se­me­lhan­te a Ple­a­se Ple­a­se Me, co­mo se es­ti­ves­sem ao vi­vo, sem mui­tas in­ter­fe­rên­ci­as. Tan­to que John foi bas­tan­te en­fá­ti­co com o pro­du­tor Ge­or­ge Mar­tin, di­zen­do que que­ria “um dis­co ho­nes­to, não mais uma da­que­las por­ca­ri­as que vo­cê faz!”.

Ape­sar de Paul con­si­de­rar o Ál­bum Bran­co co­mo o “ál­bum ten­so”, Get Back/Let It Be não foi um tra­ba­lho cal­mo. No pe­río­do de pro­du­ção, Ge­or­ge aban­do­nou o gru­po por al­guns di­as (e voltou jun­to com o mú­si­co Billy Pres­ton, que par­ti­ci­pou das gra­va­ções) e um gre­go cha­ma­do Ma­gic Alex pro­me­teu aos Be­a­tles que cons­trui­ria (com o di­nhei­ro dos ra­pa­zes) o me­lhor es­tú­dio de to­dos os tem­pos. Mas o que Ge­or­ge Mar­tin viu foi “o maior de­sas­tre de to­dos os tem­pos”.

Em 30 de ja­nei­ro de 1969, os Be­a­tles re­sol­ve­ram apre­sen­tar cinco das mú­si­cas fei­tas para o pro­je­to no úl­ti­mo show que fa­ri­am jun­tos, no te­lha­do dos es­tú­di­os da Ap­ple em Sa­vil­le Row. A apre­sen­ta­ção foi in­ter­rom­pi­da pe­la po­lí­cia pou­co mais de 20 mi­nu­tos de­pois, de­vi­do ao tu­mul­to cau­sa­do nas ru­as em vol­ta.

Get Back se­ria lan­ça­do em julho de 1969, mas o gru­po achou me­lhor adi­ar para se­tem­bro do mes­mo ano, a fim de apro­vei­tar o lan­ça­men­to do do­cu­men­tá­rio na te­le­vi­são. No en­tan­to, com o lan­ça­men­to de Ab­bey Ro­ad, eles mu­da­ri­am a da­ta para de­zem­bro.

Paul, Ge­or­ge e Rin­go (John já ha­via saí­do da ban­da) ain­da gra­va­ri­am a úl­ti­ma fai­xa do ál­bum em 3 de ja­nei­ro de 1970, I Me Mi­ne, uma can­ção de Har­ri­son. Es­sa é con­si­de­ra­da a gra­va­ção der­ra­dei­ra dos Be­a­tles. Let It Be foi o dis­co com maior nú­me­ro de có­pi­as en­co­men­da­das à épo­ca, com qu­a­tro milhões de pe­di­dos. Em 2003, foi lan­ça­do Let It Be... Na­ked, com os ar­ran­jos que os Be­a­tles que­ri­am des­de o iní­cio, sem as mui­tas in­ter­fe­rên­ci­as da pós-pro­du­ção de Phil Spec­tor.

Let It Be foi lan­ça­do com 12 fai­xas. A pri­mei­ra de­las, Two of Us, re­lem­bra a har­mo­nia com que John e Paul can­ta­vam no iní­cio da ban­da. Em re­la­ção às ou­tras, Len­non se des­ta­ca com I Dig A Pony (que ele con­si­de­rou bem ruim) e a mar­can­te Across The Universe. Já McCart­ney es­cre­ve a ba­la­da The Long And Win­ding Ro­ad e a emo­ci­o­nan­te Let It Be em ho­me­na­gem a sua mãe. I Me Mi­ne e For You Blue são as con­tri­bui­ções de Ge­or­ge para o ál­bum.

Ab­bey Ro­ad ho­je: a rua eter­ni­za­dape­los Be­a­tles

Aci­ma, John e Yo­ko du­ran­te o Bed-in for pe­a­ceAo la­do, Yo­ko nopa­pel de “viú­va eter­na”

A em­ble­má­ti­ca foto da ca­pa: a ses­são fo­to­grá­fi­ca du­rou pou­co mais de 10 mi­nu­tos

Mo­men­tos an­tes de eter­ni­za­rem um cru­za­men­to

Al­gu­mas das mui­tas ho­me­na­gens à fa­mo­sa ca­pa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.